As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Competição social

imagem: Paweł L.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

Com a rede mundial de computadores, a competitividade social foi elevada a patamares inimagináveis

A internet, sem dúvida alguma, é um dos maiores feitos da humanidade. No tocante à difusão de informações, encontra paralelos históricos somente nas invenções da escrita e da prensa tipográfica. No entanto, mais do que um meio de comunicação, a internet é também uma poderosa plataforma de comparação social, onde as pessoas competem entre si sobre quem tem a família mais bonita, frequenta as festas mais concorridas, viaja para as melhores praias, possui o relacionamento mais feliz ou come nos restaurantes mais requintados.

Preliminarmente, é importante ressaltar que o homem, enquanto ser gregário, se constitui enquanto tal por meio do contato com o outro. Minha autoimagem é percebida a partir do que penso sobre mim e do que os outros pensam a meu respeito. Portanto, a comparação é inerente ao ser humano.

Porém, com a rede mundial de computadores, a competitividade social foi elevada a patamares inimagináveis. A meu ver, essa transformação da internet em “plataforma de comparação social” tem dois pontos fundamentais: o surgimento das redes sociais e a popularização do smartphone.

Em meados da primeira década deste século, o Orkut, primeira rede social de grande alcance, inaugurou a era da competição social online. Na época, as comparações entre perfis virtuais ainda eram bastante tímidas, pois o Orkut não apresentava recursos que são essenciais para o êxito virtual de um indivíduo, como a possibilidade de ter um grande número de amigos (ou seguidores), uso de filtros em fotos e, sobretudo, seu acesso não era feito via dispositivos móveis, fator que impedia as pessoas de viverem determinadas situações e as compartilhassem simultaneamente em seus perfis virtuais.

É fato que, para o exibicionismo na rede mundial de computadores, o Facebook possui mais recursos que o Orkut. A famosa hashtag “partiu” já permitia ao usuário informar seus principais passos cotidianos. Entretanto, a competitividade online só atingiu níveis estratosféricos com o Instagram, rede social baseada essencialmente em imagens e vídeos.

Acessado principalmente por aplicativo, via smartphone, o Instagram permite o compartilhamento de fotos e vídeos no momento exato dos acontecimentos, independente de entraves físicos e temporais, fazendo com que “vida real” (offline) e “vida virtual” (online) se confundam.

Diferentemente do Orkut, quando era necessário descarregar fotos no computador para posteriormente postá-las; no Instagram, em qualquer hora e em qualquer lugar, as pessoas estão participando da competição por sucesso virtual.

Nesse sentido, o Instagram Stories – função do aplicativo que permite a publicação de fotos e vídeos que são exibidos durante vinte e quatro horas – se destaca como o grande espaço contemporâneo de comparação social. Por lá, aquele jantar gourmet, a paisagem exuberante, o treino perfeito ou a presença no show internacional não ficam restritos a mim, são vistos pelo mundo.

Quando mais “curtidas” ganho, mais comentários positivos recebo, mais inveja alheia desperto. Logo, mais prestígio virtual, mais meu ego é validado (pelo menos durante as vinte e quatro horas de duração de um story). Desse modo, compartilhar uma determinada experiência no Instagram Stories – seja por fotos ou vídeos –, passa a ser mais importante do que “viver a própria experiência”.

Por outro lado, atrelar autoestima ao êxito na esfera virtual traz certos efeitos colaterais. Conforme demonstraram estudos recentes, o prazer obtido pelas “curtidas” em postagens no Instagram Stories (e nas redes sociais, de maneira geral) é semelhante aquele experimentado por usuários de álcool, tabaco e outras drogas.

Consequentemente, com o passar do tempo, é preciso aumentar a dose (no caso, as postagens no Instagram Stories) para gerar o mesmo efeito prazeroso de outrora. E assim é formado mais um ciclo vicioso. Não por acaso, atualmente muito se tem falado sobre patologias relacionadas ao (mau) uso da internet, como a selfie estima, a nomofobia, a Síndrome do toque fantasma e o Transtorno de dependência da internet.

Em suma, nesse conflito de vaidades que se tornou o Instagram Stories, não há vencedores, mas falsas e efêmeras sensações de bem-estar. Trata-se de um jogo cujo sarrafo vai estar cada vez mais acima após uma postagem receber mais curtidas, visualizações e comentários do que a anterior. Parafraseando um conhecido dito popular: “o story do vizinho é sempre mais verde do que o nosso”.

Infelizmente, não há sinais de mudanças nesse cenário conturbado. Pelo contrário, com a futilidade na moda e a possibilidade de novas ferramentas disponíveis para quem deseja forjar a imagem de uma vida perfeita, há uma forte tendência para que a competitividade social no Instagram Stories se torne ainda mais acirrada e nefasta.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em geografia na Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (Editora CRV).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Singer José Machado Moita Neto Leonardo Sacramento Sergio Amadeu da Silveira Roberto Bueno Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil Thomas Piketty José Micaelson Lacerda Morais Vanderlei Tenório Heraldo Campos João Feres Júnior Juarez Guimarães Paulo Martins Ronald Rocha Flávio Aguiar Jean Marc Von Der Weid Andrew Korybko Maria Rita Kehl Salem Nasser Manuel Domingos Neto Atilio A. Boron Roberto Noritomi João Paulo Ayub Fonseca Luís Fernando Vitagliano Claudio Katz Ladislau Dowbor Annateresa Fabris Alexandre de Freitas Barbosa Celso Favaretto Milton Pinheiro Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Eduardo Borges Gabriel Cohn Remy José Fontana Flávio R. Kothe Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Branco Carlos Tautz Bento Prado Jr. Caio Bugiato Henri Acselrad Lorenzo Vitral Vinício Carrilho Martinez Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Henry Burnett Rafael R. Ioris Jorge Luiz Souto Maior Tadeu Valadares Celso Frederico Marcos Aurélio da Silva Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos Sandra Bitencourt Marcus Ianoni Benicio Viero Schmidt José Geraldo Couto Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Tarso Genro Ricardo Fabbrini Daniel Costa João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Elias Jabbour João Lanari Bo Luiz Renato Martins José Dirceu Berenice Bento Mário Maestri Marilena Chauí João Carlos Loebens Chico Whitaker Antonio Martins Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria Eugênio Bucci Carla Teixeira Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira André Márcio Neves Soares José Raimundo Trindade Yuri Martins-Fontes Valerio Arcary Afrânio Catani Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Avritzer Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Armando Boito Kátia Gerab Baggio Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro Renato Dagnino Ronaldo Tadeu de Souza Gerson Almeida Vladimir Safatle Dennis Oliveira Antonino Infranca Luiz Roberto Alves Fernão Pessoa Ramos Ronald León Núñez Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Eliziário Andrade Michael Löwy José Luís Fiori Paulo Capel Narvai Luiz Costa Lima Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Igor Felippe Santos Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias Valério Arcary Dênis de Moraes Mariarosaria Fabris Luis Felipe Miguel Antônio Sales Rios Neto Ari Marcelo Solon Alysson Leandro Mascaro Slavoj Žižek Marcelo Módolo Chico Alencar Leda Maria Paulani Otaviano Helene Tales Ab'Sáber José Costa Júnior Marcelo Guimarães Lima João Adolfo Hansen Fábio Konder Comparato Lincoln Secco Liszt Vieira Osvaldo Coggiola Eleonora Albano Marcos Silva Priscila Figueiredo Anderson Alves Esteves Paulo Sérgio Pinheiro Michael Roberts Ricardo Abramovay Eugênio Trivinho Luiz Marques Luiz Bernardo Pericás Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Lucas Fiaschetti Estevez Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado Bruno Machado Érico Andrade Gilberto Lopes Plínio de Arruda Sampaio Jr.

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada