Guerra no Oriente Médio – a época dos monstros

Imagem: David Peinado
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BERNARD HORSTMANN*

O ataque a uma base dos EUA e o ato de vingança contra todo o sistema da ONU por parte do Ocidente, escalam mais ainda o conflito no Oriente Médio

Ontem, 3 soldados norte-americanos foram mortos e 34 feridos devido a um ataque que supostamente atingiu um local conhecido como Torre 22. Esse local faz parte da área de Al Tanf, onde tropas norte-americanas ocupam ilegalmente partes da Síria para controlar o tráfego na estrada principal entre o Iraque e a Síria.

Os relatórios até agora não respondem a muitas das questões que surgem.

A Torre 22 fica no lado jordaniano da fronteira, mas a Jordânia insiste que nenhum ataque ocorreu no seu território.

Outra anomalia é o alto índice de feridos no suposto ataque de drones. Os drones são usados ​​em massa na guerra da Ucrânia, mas as baixas que causam são geralmente menos de um punhado por drone.

As defesas aéreas altamente automatizadas de curto e médio alcance (C-RAMs, o equivalente aos canhões navais Phalanx) na base devem ser capazes de abater qualquer drone. Por que não funcionaram?

Os EUA também usaram a base de Al Tanf e o campo de Rukban para alojar e treinar grupos dissidentes do ISIS, para que possam atacar os supostos inimigos dos EUA. Alguma dessas pessoas estava por perto?

Os Estados Unidos afirmam que um grupo da resistência iraquiana, alegadamente apoiado pelo Irã, é responsável pelo ataque. Há vários desses grupos aliados ao Irã na Síria e no Iraque. Qual deles terá feito isto? Será que os Estados Unidos sabem disso? O Irã nega qualquer envolvimento no ataque.

O ataque é certamente uma escalada em relação aos anteriores. O presidente Biden disse que responderá a isso .

A questão então é saber onde responder (Síria, Iraque, Irã) e em que grau. Muito provavelmente os EUA irão intensificar o seu bombardeio anterior contra este ou aquele grupo de resistência do Iraque. Se os EUA atacarem qualquer instituição ou posição relacionada com o Estado, a situação vai se agravar ainda mais.

O campo da resistência tentaria, então, danificar mais ativos dos EUA. Desde o assassinato do General Quassam Suleimani pelos EUA, o seu objetivo geral é retirar os EUA do Oriente Médio.

A resposta imediata dos EUA ao ataque foi a ativação de aviões-tanque de longo alcance:

Os aviões-tanque de reabastecimento aéreo são usados ​​para manter caças no ar por várias horas. As razões para manter os jatos no ar podem não ser necessariamente para atacar alguém, mas para evitar que sejam destruídos por um ataque às próprias pistas de pouso.

Os EUA têm várias bases no Oriente Médio que albergam muitos jatos caros.

Se os EUA suspeitarem que essas bases serão atacadas, vão ser precisos muitos aviões-tanque para salvar os jatos atualmente estacionados nelas.

Poderíamos concluir disso que os EUA atacarão um alvo tão relevante que terão de se preparar para um ataque de resposta total às suas próprias bases no Oriente Médio.

Existem várias outras possibilidades, mas esta parece ser a conclusão mais provável.

Agora vamos dar um passo atrás para ver a situação mais ampla.

A atual escalada no Oriente Médio deve-se à tentativa sionista de limpar etnicamente Gaza, a Cisjordânia e o sul do Líbano. O apoio ativo dos EUA a este objetivo conduziu a mais guerras americanas no Iémen, no Iraque e agora na Síria. Embora os EUA tenham afirmado que não queriam uma guerra total no Médio Oriente, fizeram o seu melhor para promove-la.

A decisão distópica dos EUA e dos seus vassalos europeus de negar todo o apoio à UNRWA como resposta à decisão da Corte Internacional de Justiça contra o genocídio dos palestinos por parte de Israel foi uma nova escalada. Que uma dúzia ou menos dos 30 mil trabalhadores da UNRWA estiveram provavelmente envolvidos nos acontecimentos de 7 de Outubro era conhecido há semanas . Implementar isso logo após a decisão do CIJ ter acontecido é um claro ato de vingança contra todo o sistema da ONU.

Esta é a ordem baseada em regras, onde os EUA criam e descartam todas as regras à vontade, lutando contra o direito internacional e humanitário há muito estabelecido.

A CIJ é o mais alto tribunal independente que a humanidade possui. Os EUA e os seus representantes decidiram lutar contra a lei vigente no mundo.

É a ordem baseada em regras contra qualquer pessoa que não a siga. Este é o passado unilateral que luta contra o futuro multilateral em ascensão. Uma época perigosa.

Como cita Arnaud Bertrand :

“O velho mundo está morrendo e o novo mundo luta para nascer: agora é a hora dos monstros.”
Antonio Gramsci

*Bernhard Horstmann é editor da mídia independente norte-americana Moon of Alabama.

Traduzido por Ricardo Kobayaski.

Publicado originalmente no site Moon Of Alabama.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES