Guerra no Oriente Médio – a época dos monstros

Imagem: David Peinado
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BERNARD HORSTMANN*

O ataque a uma base dos EUA e o ato de vingança contra todo o sistema da ONU por parte do Ocidente, escalam mais ainda o conflito no Oriente Médio

Ontem, 3 soldados norte-americanos foram mortos e 34 feridos devido a um ataque que supostamente atingiu um local conhecido como Torre 22. Esse local faz parte da área de Al Tanf, onde tropas norte-americanas ocupam ilegalmente partes da Síria para controlar o tráfego na estrada principal entre o Iraque e a Síria.

Os relatórios até agora não respondem a muitas das questões que surgem.

A Torre 22 fica no lado jordaniano da fronteira, mas a Jordânia insiste que nenhum ataque ocorreu no seu território.

Outra anomalia é o alto índice de feridos no suposto ataque de drones. Os drones são usados ​​em massa na guerra da Ucrânia, mas as baixas que causam são geralmente menos de um punhado por drone.

As defesas aéreas altamente automatizadas de curto e médio alcance (C-RAMs, o equivalente aos canhões navais Phalanx) na base devem ser capazes de abater qualquer drone. Por que não funcionaram?

Os EUA também usaram a base de Al Tanf e o campo de Rukban para alojar e treinar grupos dissidentes do ISIS, para que possam atacar os supostos inimigos dos EUA. Alguma dessas pessoas estava por perto?

Os Estados Unidos afirmam que um grupo da resistência iraquiana, alegadamente apoiado pelo Irã, é responsável pelo ataque. Há vários desses grupos aliados ao Irã na Síria e no Iraque. Qual deles terá feito isto? Será que os Estados Unidos sabem disso? O Irã nega qualquer envolvimento no ataque.

O ataque é certamente uma escalada em relação aos anteriores. O presidente Biden disse que responderá a isso .

A questão então é saber onde responder (Síria, Iraque, Irã) e em que grau. Muito provavelmente os EUA irão intensificar o seu bombardeio anterior contra este ou aquele grupo de resistência do Iraque. Se os EUA atacarem qualquer instituição ou posição relacionada com o Estado, a situação vai se agravar ainda mais.

O campo da resistência tentaria, então, danificar mais ativos dos EUA. Desde o assassinato do General Quassam Suleimani pelos EUA, o seu objetivo geral é retirar os EUA do Oriente Médio.

A resposta imediata dos EUA ao ataque foi a ativação de aviões-tanque de longo alcance:

Os aviões-tanque de reabastecimento aéreo são usados ​​para manter caças no ar por várias horas. As razões para manter os jatos no ar podem não ser necessariamente para atacar alguém, mas para evitar que sejam destruídos por um ataque às próprias pistas de pouso.

Os EUA têm várias bases no Oriente Médio que albergam muitos jatos caros.

Se os EUA suspeitarem que essas bases serão atacadas, vão ser precisos muitos aviões-tanque para salvar os jatos atualmente estacionados nelas.

Poderíamos concluir disso que os EUA atacarão um alvo tão relevante que terão de se preparar para um ataque de resposta total às suas próprias bases no Oriente Médio.

Existem várias outras possibilidades, mas esta parece ser a conclusão mais provável.

Agora vamos dar um passo atrás para ver a situação mais ampla.

A atual escalada no Oriente Médio deve-se à tentativa sionista de limpar etnicamente Gaza, a Cisjordânia e o sul do Líbano. O apoio ativo dos EUA a este objetivo conduziu a mais guerras americanas no Iémen, no Iraque e agora na Síria. Embora os EUA tenham afirmado que não queriam uma guerra total no Médio Oriente, fizeram o seu melhor para promove-la.

A decisão distópica dos EUA e dos seus vassalos europeus de negar todo o apoio à UNRWA como resposta à decisão da Corte Internacional de Justiça contra o genocídio dos palestinos por parte de Israel foi uma nova escalada. Que uma dúzia ou menos dos 30 mil trabalhadores da UNRWA estiveram provavelmente envolvidos nos acontecimentos de 7 de Outubro era conhecido há semanas . Implementar isso logo após a decisão do CIJ ter acontecido é um claro ato de vingança contra todo o sistema da ONU.

Esta é a ordem baseada em regras, onde os EUA criam e descartam todas as regras à vontade, lutando contra o direito internacional e humanitário há muito estabelecido.

A CIJ é o mais alto tribunal independente que a humanidade possui. Os EUA e os seus representantes decidiram lutar contra a lei vigente no mundo.

É a ordem baseada em regras contra qualquer pessoa que não a siga. Este é o passado unilateral que luta contra o futuro multilateral em ascensão. Uma época perigosa.

Como cita Arnaud Bertrand :

“O velho mundo está morrendo e o novo mundo luta para nascer: agora é a hora dos monstros.”
Antonio Gramsci

*Bernhard Horstmann é editor da mídia independente norte-americana Moon of Alabama.

Traduzido por Ricardo Kobayaski.

Publicado originalmente no site Moon Of Alabama.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tales Ab'Sáber Antonino Infranca Fábio Konder Comparato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Yuri Martins-Fontes Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Slavoj Žižek Michael Löwy Daniel Afonso da Silva Bernardo Ricupero Airton Paschoa João Paulo Ayub Fonseca Chico Alencar Tarso Genro Marcelo Módolo Marjorie C. Marona Otaviano Helene Vladimir Safatle Antonio Martins Alysson Leandro Mascaro Rafael R. Ioris Armando Boito Jorge Luiz Souto Maior Paulo Sérgio Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Fernando Nogueira da Costa Paulo Nogueira Batista Jr Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Ari Marcelo Solon Ricardo Musse Ronald León Núñez Claudio Katz Érico Andrade Samuel Kilsztajn Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Manchetômetro Matheus Silveira de Souza José Raimundo Trindade Fernão Pessoa Ramos Luiz Bernardo Pericás Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto Luciano Nascimento Walnice Nogueira Galvão Eduardo Borges Marilia Pacheco Fiorillo Michael Roberts Henri Acselrad João Adolfo Hansen José Dirceu Marcelo Guimarães Lima Dennis Oliveira Ladislau Dowbor Gerson Almeida Julian Rodrigues Denilson Cordeiro Paulo Martins Annateresa Fabris Anselm Jappe Salem Nasser Gilberto Maringoni José Costa Júnior Celso Favaretto Andrés del Río Luiz Marques Vinício Carrilho Martinez Jean Marc Von Der Weid Igor Felippe Santos Paulo Fernandes Silveira Valerio Arcary Marcus Ianoni José Luís Fiori Ricardo Abramovay Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Geraldo Couto Leonardo Sacramento Milton Pinheiro Vanderlei Tenório José Machado Moita Neto Sandra Bitencourt Gabriel Cohn Jean Pierre Chauvin Sergio Amadeu da Silveira Bento Prado Jr. Daniel Brazil José Micaelson Lacerda Morais Remy José Fontana Elias Jabbour Jorge Branco João Sette Whitaker Ferreira Osvaldo Coggiola Bruno Machado Leda Maria Paulani Paulo Capel Narvai Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Heraldo Campos Ronald Rocha Leonardo Boff Francisco de Oliveira Barros Júnior Maria Rita Kehl Liszt Vieira Carlos Tautz Andrew Korybko João Carlos Loebens Chico Whitaker Tadeu Valadares Gilberto Lopes Luiz Roberto Alves João Feres Júnior Lincoln Secco Alexandre Aragão de Albuquerque João Carlos Salles Rubens Pinto Lyra Eliziário Andrade Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Caio Bugiato Luiz Carlos Bresser-Pereira Carla Teixeira Michel Goulart da Silva Anderson Alves Esteves Afrânio Catani Marcos Silva Eleonora Albano Francisco Pereira de Farias Luiz Renato Martins Thomas Piketty Juarez Guimarães Manuel Domingos Neto Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Ricardo Antunes João Lanari Bo Mariarosaria Fabris Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho Lorenzo Vitral Atilio A. Boron Eugênio Bucci Benicio Viero Schmidt Francisco Fernandes Ladeira Boaventura de Sousa Santos Luis Felipe Miguel Leonardo Avritzer Henry Burnett Renato Dagnino Berenice Bento Flávio R. Kothe Daniel Costa Marilena Chauí André Márcio Neves Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada