As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Cartografias da sombra

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CELSO FAVARETTO

Comentário sobre a trajetória artística de Regina Silveira

Referindo-se ao desenho como o seu lugar eleito de invenção, provocador de outros meios (gravuras, instalações, objetos), Regina Silveira situa-os como “uma perseguição do mundo das ideias”. No livro Cartografias da Sombra – dedicado à apresentação e análise de sua trajetória artística – é interessante observar que na entrevista concedida a Angélica de Moraes o tema da perseguição aparece reiteradamente.

Acompanhando sua fala segura, lúcida quanto às suas escolhas, inteligentes quanto às inscrições do trabalho de arte, sente-se a presença de alguém que caça determinadamente. Lembra muito, por contraposição, a imagem da perseguição no conto de Cortázar: enquanto Johnny, o jazzista alucinado, persegue o alumbramento pela destruição, Regina presentifica a destruição da ideia de arte, agenciando operações que patenteiam o inverossímil. A arte de Regina é um tiro no verossímil.

Desligando-se de qualquer origem, inclusive das práticas artesanais da pintura e gravura do início do seu trabalho, joga com os fascínios das similitudes e simulações. Rigor e ironia conduzem um infatigável exercício conceitual, cujo virtuosismo técnico -projetado e estendido recentemente pelos recursos das novas tecnologias da imagem- e imaginação paradoxal fazem proliferar dispositivos de contra-ilusionismo. Sombras, anamorfoses, desenhos topográficos agenciam uma perquirição constituída em projeto, que evidencia uma posição sobre a arte, um modo de pensamento, uma certa articulação do estético e do cultural, às vezes com sentido político.

No livro Cartografias da Sombra as interpretações do trabalho de Regina Silveira – textos de Angélica de Moraes, Walter Zanini, Aracy Amaral, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli e Kim Levin – ressaltam a coerência das operações empenhadas na efetivação da concepção não-retiniana da arte, na qual, entretanto, a ênfase geométrica não dispensa efeitos surreais. Em todas as passagens da trajetória, isto é, na unidade da sucessão dos pontos percorridos desde o momento da imersão na tônica conceitual, sobressai o reflexivismo: o questionamento da ideia de arte, da percepção sensorial, dos modos convencionais de visão. Simultaneamente, a figura da artista e professora aparece como um vulto consentâneo aos rumos da experimentação: inconformismo social e rigor técnico; compromisso profissional e definição estética.

Além de fixar esta figura exemplar de artista, marcante na formação e definição de rumos de muitos artistas que desde os anos 1970 vêm especificando a vertente conceitualista, este livro permite o entendimento dos destinos da desconstrução depois das experiências de limite levadas a efeito pelas rupturas das vanguardas de 1960.

A poética de Regina, detectável em sua obra e claramente exposta por ela na referida entrevista – configurando a matriz teórico-histórica de sua trajetória-, manifesta apostas básicas das proposições modernas e contemporâneas: desautomatização e descentramento do olhar, questionamento dos modos de percepção, problematização da mimese, os limites do sistema da arte e a posição do espectador. O seu conceitualismo, o recurso à parodização e aos simulacros, a exploração de efeitos perversos da projeção perspéctica, o uso de signos e códigos culturais subvertidos visam à desmontagem das idealizações que recobrem a arte, das ilusões da percepção centrada e da própria noção de realidade que subjaz ao trabalho artístico.

Regina dialoga incessantemente com uma constelação moderna tomada como referência: Duchamp, De Chirico, Magritte, primordialmente. Deles partem indicações para o seu contra-ilusionismo; entretanto, este é reprojetado sobre os vários ilusionismos: maneirista, surrealista, da perspectiva etc. Se alguns diálogos são diretos, como ocorre com Duchamp, outros são intrigantes, como no caso do surrealismo.

Simulacros e deformações perspécticas, sombras e anamorfoses, distorções de forma, fotogramas e retículas trabalham a desnaturalização do olhar: as intervenções modernas são, assim, especificadas segundo as condições dos meios de produção à disposição. Segundo a observação de Annateresa Fabris, propõem ao espectador a reverificação dos modos convencionais de visão.

Regina viaja, portanto, pelo interior da obra moderna segundo um procedimento conceitual – para reconceituá-la; este é o seu approche contemporâneo. Concentra-se no problema da imagem, talvez o mais premente da arte atual. Pois, a partir da pop e da radicalização minimalista -que completa o trabalho moderno de desmantelamento da imagem- como ainda propor a eficácia das imagens dessublimizadas? Como forçar os limites da desconstrução, jogando ainda com as operações que a efetivaram e, ainda mais, na situação em que a pesquisa conflui com a institucionalização da arte? Enfim, retomando um tema caro da artista: como é possível a manutenção da carga simbólica da arte?

Para ela, talvez, tudo seja uma questão de estratégia e táticas. Segundo Michel de Certeau, a estratégia desenha uma trajetória, circunscreve um lugar de enunciação que visa muitos alvos e funda uma autonomia; táticas são as astúcias dos interesses, do humor e dos desejos, propriedades do instante que subvertem o projetualismo estratégico. As soluções para a visualidade, propostas pela artista, resultam da conjugação de estratégias construtivas e táticas perversas, especulando sobre as possibilidades atuais do conceitualismo.

*Celso Favaretto é crítico de arte, professor aposentado da Faculdade de Educação da USP e autor, entre outros livros, de A invenção de Helio Oiticica (Edusp).

 

Referência


Angélica de Moraes (org.). Regina Silveira: Cartografias da sombra. Edusp, 360 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eliziário Andrade Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Ricardo Antunes Daniel Brazil Henry Burnett Luiz Roberto Alves Milton Pinheiro Boaventura de Sousa Santos Marcos Aurélio da Silva Francisco Pereira de Farias Annateresa Fabris Valerio Arcary Kátia Gerab Baggio Leonardo Boff Carlos Tautz Elias Jabbour Lincoln Secco Anderson Alves Esteves Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrew Korybko Michael Löwy Marcos Silva José Micaelson Lacerda Morais Jorge Branco Paulo Nogueira Batista Jr Marcus Ianoni Ladislau Dowbor Gabriel Cohn Airton Paschoa Remy José Fontana Daniel Costa Samuel Kilsztajn Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão José Costa Júnior Antônio Sales Rios Neto Ronaldo Tadeu de Souza Liszt Vieira João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Lopes Armando Boito Fernando Nogueira da Costa Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Flávio R. Kothe Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Musse Anselm Jappe Eleutério F. S. Prado João Feres Júnior Luiz Eduardo Soares Manuel Domingos Neto Henri Acselrad Gerson Almeida Roberto Bueno Leonardo Avritzer Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Celso Frederico Mário Maestri Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Berenice Bento Ari Marcelo Solon Michael Roberts Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Carla Teixeira Heraldo Campos José Geraldo Couto Eugênio Trivinho Claudio Katz Leda Maria Paulani Vladimir Safatle Ronald Rocha Gilberto Maringoni Manchetômetro André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Eduardo Borges Valério Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Guimarães Lima Chico Alencar Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles Igor Felippe Santos Lucas Fiaschetti Estevez Renato Dagnino José Luís Fiori Bruno Machado Marilia Pacheco Fiorillo Afrânio Catani André Singer Osvaldo Coggiola João Sette Whitaker Ferreira Érico Andrade Marilena Chauí Jean Pierre Chauvin Dennis Oliveira Luís Fernando Vitagliano José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro José Raimundo Trindade Leonardo Sacramento Paulo Martins Paulo Capel Narvai Tadeu Valadares Alexandre Aragão de Albuquerque Antonio Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Rafael R. Ioris Thomas Piketty Tarso Genro Juarez Guimarães Slavoj Žižek Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt Jean Marc Von Der Weid Eugênio Bucci Eleonora Albano Marjorie C. Marona João Adolfo Hansen Marcelo Módolo Mariarosaria Fabris José Dirceu Roberto Noritomi Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Priscila Figueiredo Benicio Viero Schmidt Lorenzo Vitral Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Ronald León Núñez Fernão Pessoa Ramos Luiz Marques Salem Nasser Paulo Fernandes Silveira Luiz Costa Lima Otaviano Helene João Lanari Bo Dênis de Moraes Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron João Carlos Loebens Alysson Leandro Mascaro Vanderlei Tenório Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Freitas Barbosa Flávio Aguiar Luciano Nascimento Luis Felipe Miguel Fábio Konder Comparato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada