Ícones dos bicentenários

Imagem: Todd Trapani
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARIO LUIS GRANGEIA*

Rocky encarnou 200 anos dos EUA; no Brasil, poderia ser Didi Mocó

Certas condições materiais e imaginários coletivos se entrecruzaram nos Estados Unidos de 1976 e ajudaram a explicar a ótima bilheteria do primeiro Rocky (consumiu US$960 mil e faturou US$225 milhões). O roteiro veio da catarse de Sylvester Stallone ao ver uma luta de Muhammad Ali na TV. O ator escreveu em três dias e meio e negou-se a vender se não lhe dessem o papel. Quem viveu o lutador sabia que era mais que um filme de boxe, mas a recepção o surpreendeu.

“O presidente [Gerald Ford] estava num momento sombrio, de muita dificuldade política, e fui muito ingênuo. Então, fiz ‘Rocky’, um filme muito otimista, e acho que naquela época as pessoas estavam prontas para uma pequena mudança. Então, tive sorte”. Sorte, para uns; sintonia involuntária, para outros como eu.

Os êxitos do ator-roteirista e seu herói partem da combinação entre luta interna e otimismo. Rocky: um lutador fez Stallone ser indicado no Oscar por melhor roteiro original e melhor ator, par só visto com Orson Welles (Cidadão Kane) e Charles Chaplin (O grande ditador). O filme rendeu três Oscars (filme, direção e montagem) e a saga que prosseguiria em 1979, 1982, 1985, 1990, 2006 e na franquia Creed.

Rocky ilustra, a meu ver, a máxima de que o maior desafio dos atletas (e não só deles) é vencer a si, mais do que a terceiros. Para Stallone, mais que aposta bem-sucedida, o personagem lhe foi um cúmplice, como disse ao agradecer pelo Globo de Ouro de ator coadjuvante ao interpretá-lo no primeiro Creed (2015): “Queria agradecer a Rocky Balboa por ser o melhor amigo imaginário que alguém poderia ter.” (Tal citação, assim como a anterior, remonta ao ensaio Stallone e as coisas que ficaram guardadas no porão [Letra e Imagem], de Rodrigo Fonseca.)

Curiosamente, é em outro livro deste jornalista e crítico que localizo o personagem que considero mais icônico nestes 200 anos do Brasil: na biografia Renato Aragão: Do Ceará para o coração do Brasil (Estação Brasil). Das memórias no Exército antes de cursar Direito e ser bancário, Aragão criou o recruta “49”. Mas foi Didi Mocó que traria alegria a crianças de todas as idades, como Oscarito tinha feito a ele.

Anos atrás, o porta-voz do Criança Esperança levou Didi ao teatro e cinema na versão anos 2010 d’Os saltimbancos trapalhões, inspirado no musical que fez filas nos cinemas em 1981. O filme de 2017 fez bela homenagem ao quarteto e fez de Didi um autor. Nada mais fiel ao perfil de Didi-Aragão que torná-lo autor cuja obra redime os seus.

Ser migrante empreendedor é o que há de mais Renato (e brasileiro) em Didi. É notável como o empreendedorismo frequentou a carreira do ator-diretor-produtor-roteirista desde 1960, quando tal termo hoje em voga inexistia e a evasão rural era alta não só entre sobralenses.

Aragão liderou times de sucesso nas TVs Ceará, Excelsior, Tupi (SP e Rio) e Globo nos anos do humor que ria de estereótipos – oferta e demanda se retroalimentavam. Tal crítica ao riso de outrora já é usual e a biografia, de capítulos curtos como esquetes, traz histórias fiéis a seu tempo, inclusive exibindo protagonismo feminino contido; Tizuka Yamasaki foi a única diretora de filmes dele, por exemplo (há um quê de bem brasileiro nisso, lamente-se). E o que dizer da abertura na TV com a (talvez) incitação à caça de aves com Zacarias mirando uma?

Em programas na TV e vários dos 50 filmes do ator, o clown cearense Didi é o tipo que pouco tem, a não ser ideias para obter algo. “Eu era o nordestino que lutava para vencer, o Dedé era o galã de periferia, o Mussum era o sambista da Mangueira e o Zacarias, o mineirinho que não queria crescer, um menininho”, diria. Como a fala de Aragão atesta, Didi é fruto do meio e sua graça vem dos contrastes em cena.

Recuo 20 anos em digressão afim… Recém-formado, tive telefonema ríspido com um ás da crítica de cinema ao colaborar na Veja Mulher, edição especial para a Veja. Coube-me fazer um painel de heroínas do cinema para ilustrar mudanças comportamentais das mulheres, então a editora Daniela Pinheiro me instruiu a contatar Rubens Ewald Filho e pedir exemplos de personagens. “Fala pra sua editora que a pauta tá errada”, irritou-se, após eu dizer que queria saber menos da Sally Field e mais de seu papel-título em Norma Rae (1979). “São as atrizes que importam, não as personagens!” E enalteceu Marlene Dietrich, Jane Fonda etc. Fiz várias anotações e levei a objeção adiante. Minha chefe ouviu e insistiu nos miniperfis das personagens.

Lembrei-me daquela pauta ao ler os livros de Fonseca. Eles tendem a calar fundo em fãs de Rocky e de Didi. Citei aquele episódio de 2002 porque concluí que tanto Rubens como Daniela tinham razão. Os trajetos dos astros têm mais valor documentário que os papéis; mas, como diz a canção, “o contrário também bem que pode acontecer…”. Vim nesta direção.

Não é raro ouvir que um ator “emprestou” seu corpo ao personagem. Sem entrar no mérito da qualidade da frase, ressalvo que não faria jus aos laços entre Didi, Rocky e seus fiéis intérpretes. No discurso de 2016, Stallone chamou Rocky de amigo imaginário, mas seria mais preciso ver Mocó e Balboa como sobrenomes de dois ícones.

“Ícone?”, alguém pode indagar. Sim. Afinal, como notou Stuart Hall, signos icônicos carregam certa semelhança ao objeto/pessoa/evento a que se referem. “Uma fotografia de uma árvore reproduz algo das reais condições da nossa percepção visual”, diria Stuart Hall na coletânea Cultura e representação. Logo, o termo se aplica às imagens do migrante empreendedor e do lutador otimista personificados por Aragão e Stallone – não restritas a eles, aliás. Por que torcemos e rimos tanto com Rocky e Didi? Tal como seus criadores (e friso o “tal como” até pela digressão da pauta da Veja Mulher), eis dois heróis que plasmaram um espírito de seu tempo… Cada um em seu solo.

*Mario Luis Grangeia é doutor em sociologia pela UFRJ. Autor, entre outros livros, de Brasil: Cazuza, Renato Russo e a transição democrática (Civilização Brasileira).

 

Referências


Rodrigo Fonseca. Renato Aragão: Do Ceará para o coração do Brasil. Rio de Janeiro, Estação Brasil, 2017.

Rodrigo Fonseca. Stallone e as coisas que ficaram guardadas no porão. Rio de Janeiro, Letra e Imagem, 2019.

Stuart Hall. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Apicuri/PUC-Rio, 2016.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Salem Nasser Dênis de Moraes Elias Jabbour Berenice Bento Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Paulo Fernandes Silveira João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Paulo Nogueira Batista Jr Ronaldo Tadeu de Souza Antônio Sales Rios Neto Tales Ab'Sáber Jean Marc Von Der Weid Liszt Vieira Marcelo Módolo Michael Roberts Andrew Korybko Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Manchetômetro Valerio Arcary José Raimundo Trindade Paulo Martins Rafael R. Ioris João Paulo Ayub Fonseca Paulo Capel Narvai Anselm Jappe Lucas Fiaschetti Estevez Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Boaventura de Sousa Santos Alysson Leandro Mascaro Ricardo Antunes Tadeu Valadares Érico Andrade Ricardo Musse Gabriel Cohn Atilio A. Boron Marilena Chauí Luis Felipe Miguel Kátia Gerab Baggio Leonardo Boff Luiz Roberto Alves Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Avritzer Rodrigo de Faria Henry Burnett Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Remy José Fontana José Machado Moita Neto Mariarosaria Fabris José Geraldo Couto Maria Rita Kehl Rubens Pinto Lyra Yuri Martins-Fontes Eleutério F. S. Prado Michel Goulart da Silva Otaviano Helene Chico Whitaker Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary Celso Frederico Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Luiz Werneck Vianna Ladislau Dowbor Eleonora Albano João Feres Júnior Marjorie C. Marona Daniel Costa Julian Rodrigues Eduardo Borges José Micaelson Lacerda Morais Mário Maestri Vanderlei Tenório Carla Teixeira Leda Maria Paulani Priscila Figueiredo Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Ricardo Fabbrini Chico Alencar Thomas Piketty Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Flávio Aguiar José Dirceu Marcos Aurélio da Silva Afrânio Catani Jorge Branco Antonino Infranca Marcos Silva Luís Fernando Vitagliano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carlos Tautz Caio Bugiato Marcus Ianoni Airton Paschoa Ari Marcelo Solon Antonio Martins Bernardo Ricupero Francisco Pereira de Farias Marcelo Guimarães Lima Walnice Nogueira Galvão Renato Dagnino André Singer Fernão Pessoa Ramos Jorge Luiz Souto Maior Sandra Bitencourt Dennis Oliveira Annateresa Fabris Andrés del Río Fernando Nogueira da Costa Eliziário Andrade Jean Pierre Chauvin Matheus Silveira de Souza Daniel Afonso da Silva Gerson Almeida Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Ronald Rocha Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo Luiz Carlos Bresser-Pereira André Márcio Neves Soares Armando Boito Samuel Kilsztajn Celso Favaretto Luiz Marques Gilberto Maringoni Luciano Nascimento Bruno Machado Flávio R. Kothe Alexandre Aragão de Albuquerque Osvaldo Coggiola Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Ricardo Abramovay Francisco Fernandes Ladeira Tarso Genro Michael Löwy José Luís Fiori Juarez Guimarães Daniel Brazil Vinício Carrilho Martinez Manuel Domingos Neto Milton Pinheiro Luiz Eduardo Soares José Costa Júnior Bento Prado Jr. Gilberto Lopes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada