A impunidade de Deltan Dallagnol

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Aprovar a PEC 5, que reestrutura o Conselho Nacional do Ministério Público é urgente – início de um longo processo para democratizar o sistema de Justiça

“Criei um monstro”. Quem diz isso é um dos criadores da legislação que deu ao Ministério Público sua feição atual, no governo de José Sarney, mesmo antes da Constituição de 1988. O reconhecimento que faz Sepúlveda Pertence, ex-Procurador Geral da República e ex-Ministro do STF é incontornável.

A intenção inicial era positiva. Dotar de autonomia e independência funcional a um corpo de funcionários públicos, operadores do direito altamente qualificados que deveriam promover o inquérito civil e a ação pública, zelar pelo patrimônio público, pelos interesses da sociedade, defender os direitos sociais e difusos, o meio ambiente, fiscalizar os executivos, defender os cidadãos fazer cumprir as leis e combater a corrupção.

Logo no início dos anos 1990, ainda sob o impulso democrático das mobilizações sociais que derrubaram a ditadura e construíram a “Carta cidadã”, o papel do Ministério Público parecia progressivo, aliado dos movimentos sociais, com figuras combativas, operando a favor da ampliação de direitos, combatendo abusos. Promotores/procuradores ganharam autonomia funcional e administrativa, inamovibilidade, vitaliciedade. Qualquer bacharel em direito, com três anos de prática jurídica pode se tornar membro do MP, caso aprovado em concurso público.

Progressivamente, o Ministério Público se molda ao velho sistema de justiça brasileiro – racista, elitista e burguês. Vai se configurando como uma elite de funcionários públicos, altamente privilegiada. Somente o Ministério Público da União vai onerar em R$5,3 bilhões o orçamento público em 2021. As remunerações dos promotores/procuradores, sejam federais ou estaduais, excedem em muito o salário base mensal de R $30 mil. Há vantagens e penduricalhos sem fim. O Brasil é o país que mais gasta recursos com o MP.

O MP é verdadeiro clube do bolinha branquelo: 77% dos seus integrantes são pessoas brancas, e, claro, 70% são homens. Jovens de classe média alta que saem das faculdades de direito e se dedicam, exclusivamente, por anos a fio, a decorar dados mecanicamente – se preparando para passar em concursos públicos altamente competitivos e excludentes. Não é por acaso, portanto, que o Ministério Público seja protagonista do punitivismo penal e do encarceramento em massa de pobres pretos no Brasil.

Que o diga Rosângela Sibele de Almeida, 41 anos, mãe faminta, presa por furtar miojo e suco em pó em um supermercado (no valor de R$ 21): “embora o valor do furto seja irrisório, a mulher foi mantida presa após a audiência de custódia na Justiça, tendo a prisão em flagrante convertida em preventiva a pedido do Ministério Público de São Paulo. O argumento usado pela promotoria foi de que a acusada já teria outros registros de furtos”.

Rosângela ficou presa por cerca de duas semanas, e seu caso teve de chegar ao STJ para que fosse liberada. Constatem o nível de reacionarismo do MP e do Judiciário de São Paulo – não reconhecem nem furto famélico ou o princípio da insignificância.

 

A impunidade de Deltan

Para encurtar a conversa: todo esquema da Lava Jato – direitista, golpista, anti-povo – teve o Ministério Público como protagonista. E não foi só a turma de Curitiba. Rodrigo Janot, então Procurador Geral, estava alinhado com a maioria de seus pares em todo o país.

Uma figura tão minúscula como Deltan Dallagnol não se transformou no segundo grande justiceiro da nação – o Robin do Batman (Moro) – sem apoio não só da mídia e da burguesia, mas também de seus coleguinhas Brasil afora – procuradores e juízes, todos tomados por um antipetismo grotesco.

Deltan, branco, 40 anos, do interior do Paraná, de família evangélica e filho de um procurador, passou no concurso do MP aos 23, antes mesmo de terminar o curso de direito. Tomou posse após controversa decisão judicial. Controvérsia que também ronda seu “mestrado” em Harvard. O fato é que sim, ele foi bem adestrado nas teorias estadunidenses e foi um bom operador dos interesses do Departamento de Justiça norte-americano.

Dallagnol agiu sem nenhum controle. Liderou um grupo de promotores que cometeu todo tipo de fraude e abuso, em suposta cruzada anticorrupção, cujo objetivo era derrubar Dilma, criminalizar o PT e prender Lula. Megalomaníaco, tentou mudar a legislação do país, queria derrubar o PT e refundar a república. Wannabe, alçado a popstar, ganhou muito dinheiro com palestras. Corrupto, tentou montar um fundo de 2,5 bilhões para ele e seus coleguinhas, com dinheiro da Petrobrás. Agora sabemos que ele também orientava e redigia as delações premiadas – direcionando tudo para destruir o PT.

Os crimes de Dallagnol são bem conhecidos desde o início das revelações da Vaza-Jato. Mas, então, o que aconteceu com ele? (Moro saiu da magistratura, virou ministro de Bolsonaro, se desmoralizou, saiu do governo e foi ganhar a lot of money nos EUA). Enquanto isso nadica de nada atinge o menino prodígio de Pato Branco. Minto: em setembro de 2019, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) impôs a ele a simbólica pena de “censura”, por ter extrapolado os limites da liberdade de expressão – no caso em que ofendeu Renan Calheiros.

E toda a desgraceira que ele fez na Lava-Jato? Pois é. Em agosto de 2020, depois de 42 adiamentos (sim, 42 mesmo), o processo aberto por Lula contra Deltan – lá em 2016 – foi arquivado pelo Conselho Nacional do Ministério Público porque eventuais penas já estariam prescritas. Uma pizza gigante (conversas vazadas mostraram que Dallagnol tinha contatos dentro do CNMP que o protegeram desde o início).

Resumindo: se nem o criminoso Deltan Dallagnol teve nenhum tipo de punição por parte do Conselho Nacional do Ministério Público, para que serve esse órgão, afinal?

 

Um primeiro passo

É preciso, portanto, começar a colocar esse monstrinho (MP) de volta à jaula. Entre as profundas reformas a serem realizadas no sistema de justiça brasileiro um bom começo é aprovar a Proposta de Emenda Constitucional número 5, de 2021. A PEC 5 é bela sacada do deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP). Ela é simples. E se mostrou certeira, tendo em vista a reação contrária virulenta dos príncipes e princesas do MP.

PEC 5 mexe na composição do CNMP, aumentando o número de integrantes, com mais peso para as indicações do Congresso Nacional e de todas as carreiras do MP. Também tira o poder dos próprios membros do MP de eleger o Corregedor Nacional e determina que elaborem um Código de Ética da instituição. Uma coisinha de nada deixou a turminha em polvorosa. E mobilizam seus aliados na grande mídia, e outros sensíveis despolitizados.

Quem é progressista, do campo democrático e de esquerda não deve vacilar nem alimentar ilusões. O Ministério Público é uma corporação conservadora, parte da estrutura do Estado oligárquico e racista brasileiro. Foi peça chave no golpe de 2016 e segue militando contra o campo popular. A PEC 5 é um mínimo freio de arrumação para que a sociedade tenha algum mecanismo de controle sobre essa casta de gente branca rica de direita cheia de poderes.

Todo apoio à PEC 5!

*Julian Rodrigues é professor, jornalista e ativista de Direitos Humanos.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Liszt Vieira Flávio R. Kothe Denilson Cordeiro Berenice Bento Marcelo Módolo Chico Alencar Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto Renato Dagnino Marcelo Guimarães Lima José Costa Júnior José Dirceu Ronaldo Tadeu de Souza Dennis Oliveira Fernão Pessoa Ramos Ricardo Abramovay Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Anselm Jappe Tales Ab'Sáber Paulo Martins Igor Felippe Santos Maria Rita Kehl Priscila Figueiredo Remy José Fontana Osvaldo Coggiola Paulo Fernandes Silveira Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Salles Slavoj Žižek Otaviano Helene Rafael R. Ioris João Carlos Loebens Bruno Machado Chico Whitaker Fernando Nogueira da Costa Michael Löwy Valerio Arcary Mário Maestri Lorenzo Vitral Marjorie C. Marona Milton Pinheiro Michel Goulart da Silva Tarso Genro Daniel Afonso da Silva José Machado Moita Neto Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Annateresa Fabris Antônio Sales Rios Neto José Micaelson Lacerda Morais Claudio Katz João Adolfo Hansen Vinício Carrilho Martinez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eleutério F. S. Prado João Lanari Bo Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo Ari Marcelo Solon Gilberto Lopes José Luís Fiori Dênis de Moraes Atilio A. Boron Elias Jabbour Anderson Alves Esteves Luis Felipe Miguel Julian Rodrigues Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Flávio Aguiar Alexandre Aragão de Albuquerque Andrés del Río Leonardo Avritzer Afrânio Catani Lincoln Secco Celso Frederico Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Sergio Amadeu da Silveira Jean Pierre Chauvin Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henry Burnett André Márcio Neves Soares Eliziário Andrade Leonardo Boff Érico Andrade Valerio Arcary Carla Teixeira Andrew Korybko Heraldo Campos Eleonora Albano Paulo Nogueira Batista Jr Matheus Silveira de Souza Henri Acselrad Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Antonino Infranca Vanderlei Tenório Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Bucci Mariarosaria Fabris Daniel Costa Thomas Piketty Eduardo Borges Celso Favaretto Marcus Ianoni Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Bento Prado Jr. José Raimundo Trindade Ricardo Musse Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna João Feres Júnior André Singer Daniel Brazil Michael Roberts Francisco Pereira de Farias Tadeu Valadares Salem Nasser Bernardo Ricupero Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Capel Narvai Fábio Konder Comparato Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Luiz Renato Martins Caio Bugiato Marilena Chauí Luís Fernando Vitagliano Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Sandra Bitencourt Ricardo Antunes Antonio Martins Luiz Bernardo Pericás Jorge Branco Leda Maria Paulani Rubens Pinto Lyra Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Gerson Almeida Armando Boito Manchetômetro Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada