Bob Jeff performando

Imagem: Thiago Kai
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CAIQUE DE OLIVEIRA SOBREIRA CRUZ*

A sociabilidade capitalista no Brasil vem demonstrando que o poço não tem fim

“Bob Jeff” conseguiu atingir as seis estrelas de procurado performando um personagem muito mal interpretado, visando a representar um suposto herói da “liberdade de expressão”, querendo se tornar uma forma de mártir dos reacionários medíocres. Não uma farsa da tragédia, mas, a farsa da farsa.

A sociedade capitalista continua construindo a sua completa degeneração e decadência, todos os seus complexos sociais estão falindo e desmanchando no ar, a tal ponto que os personagens que se colocam na cena principal do teatro são tão caricaturais, tão rebaixados, que expressam tanto um “conteúdo” totalmente esvaziado quanto uma “forma” desprovida de qualquer sofisticação ou refino, aparecem para a sociedade como uma aberração, uma besta, um dragão de sete cabeças, que infelizmente está longe de ser um caso isolado, mas, sim, o seu inverso: a expressão do espírito absoluto do nosso tempo, o Zeitgeist da nossa “Era”. Uma “Era” em que o insólito e o cômico estão interligados, se constituem enquanto uma unidade de diversos, como asseverava Kafka. A perversidade, a bestialidade e a monstruosidade são tão absurdas que chegam ao patamar de interdependência com a comicidade pitoresca elevada à enésima potência: tons de cinza jocosos, tragicômicos.

A sociabilidade capitalista no Brasil vem demonstrando que o poço não tem fim, estamos caindo sem parar e a única forma de frear essa incessante barbarização da vida social brasileira é estar nas ruas, nos espaços concretos de luta do proletariado, na luta de classes, barrando o movimento reacionário em todos os lócus, além de retirar Jair Bolsonaro do governo neste 30 de outubro.

Contudo, tão somente isso, não é suficiente, pois, Jair Bolsonaro é apenas a ponta do iceberg, como alhures mencionado: o capitalismo e todas as suas instituições estão em processo de defenestração total. Portanto, não basta travar o reacionarismo, teremos de ser capazes de uma empreitada muito mais elevada: nos unirmos para a construção coletiva de um novo mundo, uma nova sociedade; justa, livre, igualitária, solidária, comunitária, sem explorações e opressões.

Convido todos a refletirem e a se unirem a essa luta pelo novo mundo, que não é só possível, como é uma luta necessária para escaparmos do inferno social em que estamos inseridos. Como dizia Karl Marx: o capitalismo fez o inferno de Dante parecer fichinha.

PS1: Após essa ação grave de Roberto Jefferson, é necessário que todos nós, humanistas, redobremos a nossa atenção e o nosso cuidado entre nós mesmos. Não podemos duvidar que a sua bestialidade possa servir de exemplo para que os reacionários venham a repetir essas coisas, pois foram encorajados por esse “exemplo”. Todo cuidado é pouco, a luta de classes se aprofunda e as nossas vidas estão em jogo e em cheque. Porém, mesmo com as extremas dificuldades atuais, venceremos, porquanto que nunca foi fácil para nós, em menor ou maior grau, as nossas vidas sempre estiveram em jogo, desde que Portugal invadiu as nossas terras e nos colonizou.

PS2: Se fosse em uma favela, o que fariam os policiais? Fica aí a dúvida…

*Caique de Oliveira Sobreira Cruz é mestrando em Políticas Sociais e Cidadania pela Universidade Católica do Salvador.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES