O capital entre a civilização e a barbárie

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALEXANDRE DE FREITAS BARBOSA*

Dois vírus com potencial destrutivo: o vírus biológico e o vírus da desfaçatez de classe

O texto abaixo contém fortes doses de ironia, não sendo recomendável aos espíritos incautos. Não se trata de ironia sutil, pois o momento é cruel e exige seriedade. Atingimos a triste marca de 300 mil mortes, configurando um genocídio à brasileira. Assim ficará registrado nos nossos livros de história

Em primeiro lugar, gostaria de cumprimentar os autores da “Carta Aberta à Sociedade Referente a Medidas de Combate à Pandemia”. Trata-se de um texto escrito na medida certa, com argumentos técnicos sopesados e um sentido de urgência à altura do momento em que vivemos. Estou sendo sincero. Eu assino embaixo de todos os parágrafos. Primoroso. Repito: sem ironia.

E afirmo mais uma vez sem ironia: é importante que tenha sido escrito pela nata do grande capital e dos economistas que geralmente defendem os seus interesses. Na primeira versão do documento, cerca de 85% dos assinantes que pude identificar se enquadravam nesta categoria. Depois os assinantes se multiplicaram e o perfil se diversificou um pouco. Não era pra menos: o texto é potente e toca no cerne do drama que vivemos.

Por que era importante que o documento fosse assinado por gente de escol, com uma longa ficha de serviços (muito bem remunerados, é importante que se diga) prestados ao capital? Para causar rebuliço em Brasília. Pois a verdade nua e crua é que não existe polarização nenhuma. Eles exercem o poder real e têm influência junto a quem manda. Nada que a esquerda diga fura o bloqueio midiático e o controle plutocrático dos três poderes.

De fato, pelo que a grande imprensa noticia, a capital acusou o movimento armado pelo capital. Confesso que fiquei contente. Não passo de um reformista nacionalista da velha guarda. Sempre achei que não adianta ir contra a burguesia, o que é bem diferente de apoiá-la. Cabe a nós da esquerda atuar nas suas rachaduras, mobilizando outros interesses de classe, especialmente daqueles que vivem da renda do trabalho. Um pouco de dialética não faz mal a ninguém.

Quase soltei rojões ao ler o texto. Foram dois anos de pregação das “reformas” e do ajuste fiscal a qualquer custo. Normalizaram o capitão, inclusive fornecendo a ele apoio explícito, em nome de uma “agenda liberal” empreendida pelos seus milicianos de mercado. Será que o pessoal se deu conta?

O texto denuncia a desigualdade agigantada com a pandemia. Defende recursos para a ciência, a educação e a saúde. Menciona a necessidade de “políticas públicas alicerçadas em dados, informações confiáveis e evidência científica”. Não se refere de maneira expressa aos responsáveis pela nossa tragédia cotidiana, mas quem o lê com atenção percebe o tom de denúncia. Sutilmente, ele dá nome aos bois, jacarés e jumentos.

Não encontrei no texto a palavra “Estado”, e tampouco referências à “nação” ou à “sociedade”. Mas isso é coisa do passado. De “social”, há o “distanciamento”, cada vez mais urgente, estamos todos de acordo. Já o nosso querido Brasil aparece como “país” várias vezes, seja lá o que isso signifique para além da acepção geográfica. Há a defesa da “coisa pública”, o que é, no mínimo, republicano. Infelizmente, a sigla SUS não é mencionada. Perdoem-me a preocupação semântica, mas a linguagem nos fornece acesso ao inconsciente e, por vezes, à ideologia.

Confesso que levei um susto quando decretaram a importância de um programa de “responsabilidade social”.  Seria tão importante quanto a Lei de Responsabilidade Fiscal? Escrevi vários textos sobre isso quando era um jovem assessor sindical. Será que eles mudaram de lado? E pulei da cadeira quando li “medidas de caráter nacional”, para em seguida descobrir que o adjetivo tinha conotação geográfica, pois vinha sucedido por “regional ou estadual”. Mas me dei por satisfeito ao ler sobre a falta que faz uma política externa “desidratada de ideologia e de alinhamentos automáticos”.

O texto é impecável no item vacinas, com dados e simulações. Chega ser informativo no quesito reuso de máscaras. É tanta a desinformação cotidiana que passarei a adotar algumas recomendações. Sem ironia. Percebe-se inclusive a possibilidade de produção de máscara de qualidade a baixos preços e a sua distribuição gratuita à população mais “vulnerável”. Imagino que esse tópico talvez tenha contado com o aporte empírico de um economista brasileiro de prestígio, assinante da missiva, que no Valor Econômico do dia 16 de março relatou a sua insólita peregrinação para importar uma máscara top de linha.

Achei estranha a ausência da defesa do teto dos gastos e das “reformas”, que por muito tempo pautou os artigos dos assinantes do importante manifesto. Os textos eram virtualmente iguais, alterando apenas os verbos e a sua conjugação. Aparentemente, a discussão do teto dos gastos e dos 3 D’s (desvincular, desindexar e desobrigar) do colega ministro fica para depois. Ou nem precisa, pois as vacinas possuem uma ótima relação custo benefício e um sistema de proteção social “eficiente” não há de custar muito.

Gostei especialmente do trecho: “a recuperação econômica, por sua vez, é lenta e depende da retomada de confiança e maior previsibilidade da situação de saúde no país. Logo, não é razoável esperar a recuperação da atividade econômica em uma epidemia descontrolada”. Não sei se autores do texto sugerem que a retomada da confiança da economia depende apenas da saúde, das vacinas e das medidas sociais tão bem apontadas.

 

Pelo que entendi, dá para salvar vidas e voltar a crescer. Mas depois da pandemia, fica tudo como dantes no quartel de Abrantes? Não ficou claro se depois de salvarmos as vidas, abrimos espaço para a economia deslanchar de vez. Ou se volta a Ópera dos Três Vinténs.

Ousei discordar de um trecho: “com a aceleração de casos, a população responde ficando mais avessa ao risco sanitário, aumentando o isolamento voluntário”, com base em publicação internacional. No meu entender, a média oculta diferenças de classe. Mas “classe” deixou de existir faz tempo: a “população” se divide no máximo entre os pobres e os “não-pobres”.

Também senti falta de uma menção à reforma trabalhista, se ela não teria contribuído para o aumento do desemprego e da desigualdade e para os baixos níveis de consumo. Se bem me recordo, os 85% que localizo no campo dos economistas ortodoxos ou dos magnatas defenderam a reforma trabalhista como condição para o crescimento econômico e a geração de empregos. Mas aí veio a pandemia e complicou o cenário. Ao que tudo indica, a reforma trabalhista é fato consumado, foi aprovada no Congresso e ponto final. Assim como o teto dos gastos.

Pelo que fui informado, os economistas chamados de heterodoxos não foram chamados para assinar o documento por questões semânticas, ainda que um ou outro tenha aderido posteriormente. Confesso que cogitei fazê-lo, tendo em vista que estou quase inteiramente de acordo com o texto e não podemos perder mais tempo com filigranas. Mas desisti porque discordo de tudo o que não ficou dito. Sim, o silêncio por vezes vale mais do que mil palavras. E no quartel de Abrantes, há consensos que ainda unificam o capital antes, durante e depois do capitão.

Foi então que me caiu a ficha de quão repleta de coincidências é a história. Temos mais de dois anos de governo do capitão e um ano de pandemia. E, vejam, o documento foi lançado exatas duas semanas após a decisão do ministro do Supremo que torna elegível o ex-presidente Lula! Tempo suficiente para escrever um texto civilizado, coerente e com argumentos técnicos imbatíveis. Fiquei até com a impressão de que o discurso do operário estadista, sem ser economista de pedigree, mas fazendo uso do seu economês mesclado ao jargão popular, brifou os economistas do capital.

É importante agir rápido. Com essa “tal de polarização”, vai que o Lula volta, ainda mais depois daquele discurso, e o “país” fica “sem opção”. Afinal de contas, o capitão é “cria” do operário: o primeiro foi eleito enquanto o outro estava preso, o que indica uma perfeita correlação. Sim, são unha e carne. Não se pode compactuar com a “barbárie”, especialmente se ela tem votos (a maior parte da população é “vulnerável”) e nós apenas temos o poder. Precisamos ficar do lado da “civilização”. É triste ver tanta gente morrer – inclusive entre os “não-pobres” – e o Brasil virar um pária internacional.

Foi então que pensei com os meus botões que neste estranho “país”, por vezes a civilização e a barbárie caminham de mãos dadas. Não seria o caso de cogitar que o sapo barbudo – codinome da “barbárie” – pode “civilizar” o capital? Isso ocorreu parcialmente no passado recente, quando o capital surfou na onda e bateu palmas. Depois eles abraçaram o mar tempestuoso, amotinando-se no convés do navio, enquanto o “país” ficava à deriva. Depois da invasão e do butim, o capital se veste de boas maneiras.

Nada como um “bárbaro” para colocar ordem na casa onde glutões comensais em orgias rocambolescas fazem a festa que espalha dois vírus com potencial destrutivo: o vírus biológico e o vírus da desfaçatez de classe, esse enraizado na nossa história.

*Alexandre de Freitas Barbosa é professor de História Econômica e Economia Brasileira do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB/USP).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Armando Boito Marcos Silva Mário Maestri Ricardo Musse Boaventura de Sousa Santos Luiz Roberto Alves Vanderlei Tenório Matheus Silveira de Souza Luiz Marques Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Valerio Arcary Airton Paschoa Carla Teixeira Luiz Bernardo Pericás Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares Francisco Fernandes Ladeira Celso Frederico Gabriel Cohn Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene Leda Maria Paulani Leonardo Sacramento Thomas Piketty Marcus Ianoni José Micaelson Lacerda Morais Renato Dagnino Yuri Martins-Fontes Anselm Jappe Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcos Aurélio da Silva Gilberto Maringoni Daniel Brazil Igor Felippe Santos Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Fernando Nogueira da Costa Marcelo Guimarães Lima João Adolfo Hansen Andrés del Río Gerson Almeida José Luís Fiori Vladimir Safatle Leonardo Boff Francisco de Oliveira Barros Júnior Anderson Alves Esteves Mariarosaria Fabris Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Remy José Fontana Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Luiz Werneck Vianna Antonio Martins Luís Fernando Vitagliano Milton Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Maria Rita Kehl José Raimundo Trindade Luiz Eduardo Soares André Singer Elias Jabbour Jorge Branco Atilio A. Boron Chico Whitaker Annateresa Fabris Daniel Afonso da Silva Jorge Luiz Souto Maior Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles Jean Pierre Chauvin Berenice Bento João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado Dennis Oliveira Érico Andrade Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Rubens Pinto Lyra Ari Marcelo Solon Luiz Renato Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Fernandes Silveira Tales Ab'Sáber Paulo Capel Narvai Leonardo Avritzer Ladislau Dowbor Manchetômetro Eugênio Trivinho Ricardo Antunes Gilberto Lopes Benicio Viero Schmidt Eleutério F. S. Prado Claudio Katz José Machado Moita Neto Kátia Gerab Baggio Marjorie C. Marona Eleonora Albano Paulo Martins Eliziário Andrade Marilena Chauí Celso Favaretto Daniel Costa Antonino Infranca Luiz Carlos Bresser-Pereira Henri Acselrad Everaldo de Oliveira Andrade Caio Bugiato Alysson Leandro Mascaro Alexandre Aragão de Albuquerque Chico Alencar Fernão Pessoa Ramos Vinício Carrilho Martinez Michael Roberts Lincoln Secco Lorenzo Vitral Bruno Fabricio Alcebino da Silva Fábio Konder Comparato Carlos Tautz Afrânio Catani Michael Löwy Luciano Nascimento Liszt Vieira Michel Goulart da Silva Sergio Amadeu da Silveira Dênis de Moraes Eduardo Borges Heraldo Campos José Geraldo Couto Andrew Korybko Juarez Guimarães Ronald León Núñez Osvaldo Coggiola Tadeu Valadares Ronald Rocha Henry Burnett Manuel Domingos Neto Denilson Cordeiro Rafael R. Ioris Ricardo Fabbrini Antônio Sales Rios Neto João Lanari Bo Marcelo Módolo Sandra Bitencourt Tarso Genro Rodrigo de Faria João Feres Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Pereira de Farias Ronaldo Tadeu de Souza Flávio Aguiar Ricardo Abramovay Samuel Kilsztajn José Dirceu Valerio Arcary João Carlos Loebens

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada