As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A inevitável fraqueza da carne

Hans Hofmann, Combinable Wall I and II, 1961
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Wilson Gorj

Uma das ousadias mais provocativas da literatura contemporânea é pular a cerca que separa ficção de realidade, misturando técnicas narrativas que envolvem a autoficção, o relato documental e o depoimento em primeira pessoa. Ora carrega traços autobiográficos, outras vezes é disfarçada por um narrador onisciente, e não raro a trama é exposta para o leitor em cartas anônimas, testamentos, gravações ou até uma conversa no bar.

É preciso muita perícia para manejar todos esses recursos sem parecer um pastiche de obras famosas. Há vários autores consagrados que se valem destes artifícios, e até o Nobel premiou em 2022 a francesa Annie Ernaux, cuja obra é marcada pela autoficção. Ou seja, ninguém está sendo transgressor praticando um gênero que vem se tornando uma marca consagrada deste século. De Marguerite Duras a Lobo Antunes, de Cristóvão Tezza a Ricardo Lísias ou Rita Carelli, cada vez mais a vida dos autores se confunde com suas obras, não esquecendo de deixar semiaberta a porteira da ficção.

E é aí que mora a grande dificuldade: ser criativo num campo cada vez mais congestionado. Às vezes a saída é buscar uma linguagem original, embora também este seja um caminho espinhoso. Um bom argumento é meio caminho andado, e já vai longe o tempo em que os teóricos do nouveau roman apostavam as fichas numa história sem começo ou final. Na era do pós-tudo, todas as cartas estão na mesa, e o jogo literário pode lançar mão de qualquer recurso, até os consagrados.

O recém lançado romance de Wilson Gorj, A Inevitável Fraqueza da Carne, brinca – a sério – com este pular-a-cerca entre gêneros. Um pequeno prólogo revela dois amigos no bar, e um deles está escrevendo um romance “com fortes traços autobiográficos”. Logo entramos na parte 1, narrado em terceira pessoa. Uma história linear, enxuta e bem resolvida, que vai direto ao ponto: um homem recebe a notícia da morte do pai ausente, com quem nunca manteve qualquer contato.

A mãe, que sempre o isolou e protegeu, está terminando seus dias num asilo, com Alzheimer. O pai deixou uma chácara com herança, e ele vai conhecer o imóvel, no interior de São Paulo. Seu casamento de quatro anos vive um momento de instabilidade, com a mulher querendo ter um filho. A viagem propicia novas relações, com o caseiro e sua família, mulher e filha, a segunda mulher do pai, que ele nunca conheceu pessoalmente, e até uma jaguatirica que tenta várias vezes roubar uma galinha do seu quintal. É a inevitável fraqueza da carne que, no caso dos seres humanos, se entende como a tentação ao pecado carnal.

A trama é realista e despojada de julgamentos, à medida em que vai ganhando contornos rocambolescos. Antes que se pareça enredo de novela global, uma surpresa: após 114 páginas, surge uma segunda parte narrada em primeira pessoa, dando uma guinada estilística e assumindo um tom confessional. Mal nos refazemos do pulo-da-cerca e, 30 páginas depois surge um espantoso epílogo (ou “um posfácio com feitio de epílogo”) que embaralha tudo e nos remete novamente ao prólogo, pois é narrado por um editor.

É tudo verdade? É tudo mentira? Wilson Gorj, editor na vida real, autor de engenhosos minicontos (Histórias para Ninar Dragões, 2012), estreia na narrativa longa (mas não muito, são pouco mais de 150 páginas) mostrando que tem muita garrafa para vender. Sua escrita é fácil, aparentemente simples, mas embute armadilhas que nos encantam quando são habilmente reveladas.

O único autor citado no enredo – e tem um papel importante na trama! – é Milan Kundera, e duas partes do livro tem epígrafes do autor tcheco. Fica evidente que o título A inevitável fraqueza da carne é uma apropriação antropofágica de A insustentável leveza do ser. Sem querer se comparar, Wilson Gorj se apoia nos ombros do gigante para criar uma obra muito original, que certamente dará um nó na cabeça de seus leitores.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Wilson Gorj. A inevitável fraqueza da carne. São Paulo, Penalux 2023, 162 págs (https://amzn.to/47y9gTa).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Musse Daniel Costa Leda Maria Paulani José Dirceu Bernardo Ricupero Luiz Costa Lima Maria Rita Kehl Roberto Bueno Osvaldo Coggiola Anderson Alves Esteves João Adolfo Hansen Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Renato Dagnino Ricardo Fabbrini Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva Rubens Pinto Lyra Luiz Eduardo Soares Lincoln Secco Rafael R. Ioris Ladislau Dowbor Gilberto Lopes Leonardo Sacramento Roberto Noritomi José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Valerio Arcary Marjorie C. Marona Vladimir Safatle Dênis de Moraes Michael Löwy Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Bernardo Pericás Paulo Capel Narvai Eugênio Bucci Milton Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleonora Albano João Paulo Ayub Fonseca Marcos Aurélio da Silva Alysson Leandro Mascaro Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz Jorge Luiz Souto Maior Ari Marcelo Solon Bruno Machado Francisco Pereira de Farias João Feres Júnior Érico Andrade Eliziário Andrade Everaldo de Oliveira Andrade Sandra Bitencourt Benicio Viero Schmidt Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Denilson Cordeiro Dennis Oliveira José Luís Fiori Anselm Jappe Gerson Almeida Celso Frederico Valério Arcary Manuel Domingos Neto Bento Prado Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Carla Teixeira Fernando Nogueira da Costa Caio Bugiato Marcus Ianoni Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Chico Whitaker André Singer Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Boff Henri Acselrad Juarez Guimarães Gabriel Cohn Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Ronald Rocha Ronaldo Tadeu de Souza Andrew Korybko Atilio A. Boron Antonino Infranca Eugênio Trivinho Vanderlei Tenório Igor Felippe Santos Marcelo Guimarães Lima Claudio Katz Henry Burnett Flávio R. Kothe José Geraldo Couto Slavoj Žižek Marilena Chauí Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Armando Boito Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Michael Roberts Eleutério F. S. Prado Samuel Kilsztajn Paulo Fernandes Silveira Celso Favaretto Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronald León Núñez Tadeu Valadares Lorenzo Vitral Chico Alencar Mariarosaria Fabris Leonardo Avritzer Walnice Nogueira Galvão Antonio Martins Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Mário Maestri Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira José Micaelson Lacerda Morais Jean Marc Von Der Weid Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes Jean Pierre Chauvin João Carlos Loebens José Costa Júnior André Márcio Neves Soares Annateresa Fabris Ricardo Abramovay Marcelo Módolo Marcos Silva Luiz Renato Martins Ricardo Antunes Salem Nasser Sergio Amadeu da Silveira Heraldo Campos João Lanari Bo Remy José Fontana Alexandre Aragão de Albuquerque Rodrigo de Faria José Raimundo Trindade Daniel Brazil Manchetômetro Jorge Branco Kátia Gerab Baggio Gilberto Maringoni Luiz Marques Otaviano Helene Thomas Piketty Elias Jabbour Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada