A meritocracia capitalista

Imagem: James Lee
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO CARLOS LOEBENS*

É falso o discurso meritocrático que afirma que os super-ricos como regra são ricos por possuírem mais méritos

A palavra meritocracia se origina de mérito + cracia, seria o governo do mérito. Já o mérito está relacionado a merecimento, aptidão ou destaque no grupo social, com alguma habilidade diferenciada como por exemplo para a música ou futebol.

Nesse sentido, a meritocracia é usada para justificar o exercício da liderança social, ou do governo, pelas pessoas que em tese possuem mais méritos, pessoas que seriam as mais habilidosas ou competentes.

E o capitalismo, o que seria? Numa definição resumida, seria o uso do capital ou governo dos capitalistas. Se pensamos no uso do capital (recursos materiais, financeiros, humanos …), poderíamos concluir que toda e qualquer sociedade usa capital, independente da denominação política que se atribua. Tanto faz se é capitalismo, socialismo, comunismo ou neoliberalismo, todos usam capital.

Nos resta entender o capitalismo como o governo dos capitalistas, daqueles que são donos do capital privado, os ricos ou super-ricos (capital privado, porque também existe o capital público). E por que uma sociedade deveria ser governada pelos super-ricos capitalistas? Qual a explicação internalizada e aceita pelas pessoas como justificativa para a legitimidade do governo dos super-ricos?

Nos governos comandados pela religião, a explicação ou justificativa é a de que os papas, pastores, padres ou bispos são representantes de Deus na terra. Na época dos reis e nobres, a justificativa era a hereditariedade – filho de nobre nascia nobre.

E hoje, qual é a explicação para as pessoas aceitarem o governo dos super-ricos capitalistas? É a meritocracia. Os super-ricos usam a meritocracia como justificativa para afirmar que são ricos porque possuem mais méritos que o restante da população. Ao mesmo tempo, o discurso da meritocracia serve para colocar a culpa da pobreza nos próprios pobres – são pobres porque possuem menos méritos ou porque não se esforçaram o suficiente.

Está correto esse discurso meritocrático?

Pensemos por exemplo na herança. Por hipótese, se você tivesse nascido filho do Roberto Marinho (Rede Globo) ou do Sílvio Santos (SBT), quantos “méritos” a mais você teria neste momento? Será que você se esforçou menos do que os filhos(as) dos donos da Globo/SBT para que eles tenham mais “méritos” (capital/patrimônio) do que você? Provavelmente você se esforçou mais e possui bem menos “méritos capitalistas” do que eles. Fácil de entender … ou não? Alguns se referem a essa situação falando em “igualdade de oportunidades” ou “o ponto de partida importa”.

Em algumas ocasiões a justificativa meritocrática é verdadeira, como por exemplo no futebol do Pelé ou do Messi. No entanto, não condiz com a verdade o discurso meritocrático que afirma que os super-ricos como regra são ricos por possuírem mais méritos (mais esforço/habilidades), e que os pobres são pobres porque possuem menos méritos (não se esforçam ou não possuem habilidades).

Não é por meritocracia, é por nascer em família rica, passando “os méritos capitalistas” de geração em geração. Filho de rico nasce rico … igual à idade média, onde filho de nobre nascia nobre. É um mito afirmar que basta ser o suficientemente esforçado e competente para chegar a ter o mesmo capital do Elon Musk ou Jorge Paulo Lemann (envolvido no escândalo da Lojas Americanas).

Embora o discurso da meritocracia seja falso nesse contexto, é um discurso massivamente aceito pela população e usado para justificar a abusiva concentração de renda no Brasil (e pelo mundo afora), fazendo com que o Brasil esteja entre os países mais desiguais do planeta, com meia dúzia de super-ricos e milhões de pobres.   

Para entender melhor e poder tirar suas próprias conclusões, segue sugestão do livro A tirania do mérito (Civilização Brasileira), do escritor estadunidense Michael Sandel.

*João Carlos Loebens é doutorando em economia e auditor-fiscal da Receita Estadual do Rio Grande do Sul.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rafael R. Ioris Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias João Carlos Salles Elias Jabbour Tales Ab'Sáber Ari Marcelo Solon Francisco de Oliveira Barros Júnior Annateresa Fabris José Costa Júnior Sergio Amadeu da Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Eduardo Borges Antonino Infranca André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Vinício Carrilho Martinez Paulo Nogueira Batista Jr José Dirceu Remy José Fontana José Luís Fiori Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Eliziário Andrade José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Daniel Afonso da Silva Carlos Tautz Jorge Branco Marcelo Guimarães Lima Bernardo Ricupero Jean Pierre Chauvin Airton Paschoa Ronald León Núñez Dennis Oliveira Luís Fernando Vitagliano Antônio Sales Rios Neto Eleonora Albano Leda Maria Paulani Andrés del Río Flávio R. Kothe Chico Alencar Francisco Fernandes Ladeira Ronald Rocha Celso Favaretto Luis Felipe Miguel Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Priscila Figueiredo Daniel Brazil Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Igor Felippe Santos Alexandre de Freitas Barbosa Marilena Chauí José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Ricardo Fabbrini Paulo Martins Andrew Korybko Julian Rodrigues João Carlos Loebens Thomas Piketty João Feres Júnior Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Tarso Genro Marcus Ianoni Slavoj Žižek Boaventura de Sousa Santos Walnice Nogueira Galvão Leonardo Avritzer Claudio Katz Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Roberto Alves Celso Frederico Chico Whitaker Fábio Konder Comparato Paulo Capel Narvai José Geraldo Couto Liszt Vieira Alysson Leandro Mascaro Afrânio Catani Anselm Jappe Fernando Nogueira da Costa Armando Boito Michel Goulart da Silva Mário Maestri João Lanari Bo Renato Dagnino Henri Acselrad Valerio Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Lorenzo Vitral Eugênio Bucci Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Vladimir Safatle Leonardo Boff Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Dênis de Moraes Tadeu Valadares Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lincoln Secco Bruno Machado Caio Bugiato Vanderlei Tenório Luiz Marques Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Ladislau Dowbor Luiz Carlos Bresser-Pereira João Sette Whitaker Ferreira Michael Löwy Rubens Pinto Lyra José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Denilson Cordeiro Valerio Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Renato Martins Henry Burnett Everaldo de Oliveira Andrade Jean Marc Von Der Weid Sandra Bitencourt Flávio Aguiar Leonardo Sacramento Otaviano Helene Gilberto Lopes Eleutério F. S. Prado Rodrigo de Faria João Paulo Ayub Fonseca Marilia Pacheco Fiorillo Maria Rita Kehl Michael Roberts Bruno Fabricio Alcebino da Silva Samuel Kilsztajn João Adolfo Hansen Mariarosaria Fabris Juarez Guimarães Berenice Bento Marcos Silva Daniel Costa Antonio Martins Gerson Almeida Matheus Silveira de Souza Ricardo Antunes Luiz Bernardo Pericás Gilberto Maringoni Marcos Aurélio da Silva Carla Teixeira Benicio Viero Schmidt Érico Andrade Atilio A. Boron

NOVAS PUBLICAÇÕES