As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A encíclica ecológica Laudato Si

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

O Papa Francisco propôs uma ecologia integral que abarca o ambiental, o social, o político, o cultural, o cotidiano e o espiritual.

Um cego capta com as mãos ou com seu bastão as coisas mais relevantes que encontra pela frente. Pois assim tentaremos fazer uma leitura de cego acerca da encíclica ecológica do Papa Francisco, Laudato Si: sobre o cuidado da Casa Comum (24/05/2015), cujos cinco anos acabamos de celebrar. Quais são seus pontos relevantes?

Antes de tudo, não se trata de uma encíclica verde que se restringe ao ambiente, predominante nos debates atuais. Propõe uma ecologia integral que abarca o ambiental, o social, o político, o cultural, o cotidiano e o espiritual.

Quer ser uma resposta à generalizada crise ecológica mundial porque “nunca maltratamos e ferimos a nossa Casa Comum, como nos últimos dois séculos” (n. 53); fizemos da Casa Comum “um imenso depósito de lixo (n. 21). Mais ainda: “As previsões catastróficas já não se podem olhar com desprezo e ironia… nosso estilo de vida insustentável só pode desembocar em catástrofes” (n. 161). A exigência é de “uma conversão ecológica global”(n. 5; 216)) que implica “novos estilos de vida”(repete 35 vezes) e “converter o modelo de desenvolvimento global”(n. 194).

Chegamos a esta emergência crítica por causa de nosso exacerbado antropocentrismo, pelo qual o ser humano “se constitui um dominador absoluto” (n. 117) sobre a natureza, desgarrado dela, esquecendo que “tudo está interligado” e por isso ele “não pode se declarar autônomo da realidade” (n. 117; 120). Utilizou a tecnociência como instrumento para forjar “um crescimento infinito, o que supõe a mentira da disponibilidade infinita dos bens do planeta que leva a espremê-lo até ao limite para além dele” (n. 106).

Na parte teórica, a encíclica incorpora um dado da nova cosmologia e da física quântica: que tudo no universo é relação. Como num ritornello insiste que “todos somos interdependentes, tudo está interligado e tudo está relacionado com tudo” (cf. n. 16, 86, 117, 120) o que confere grande coerência ao texto.

Outra categoria que constitui um verdadeiro paradigma é o do cuidado. Este, na verdade, é o verdadeiro título da encíclica. O cuidado – por ser da essência da vida e do ser humano segundo a fábula romana de Higino tão bem explorada por Martin Heidegger no livro Ser e Tempo – é recorrente em todo o texto da encíclica. Vê em São Francisco “o exemplo por excelência do cuidado” (n. 10).“Coração universal…para ele qualquer criatura era uma irmã unida a ele por laços de carinho, sentindo-se chamado a cuidar de tudo o que existe” (n. 11).

É interessante observar que o Papa Francisco une a inteligência intelectual, apoiado nos dados da ciência, à inteligência sensível ou cordial. Devemos ler com emoção os números e relacionarmo-nos com a natureza “com admiração e encanto (n. 11) […] prestar atenção à beleza e amá-la, pois nos ajuda a sair do pragmatismo utilitarista” (n. 215). Importa “ouvir tanto o grito da Terra quanto o grito dos pobres” (n. 49).

Consideremos este texto, carregado de inteligência emocional: “Tudo está relacionado e todos nós, seres humanos, caminhamos juntos, como irmãos e irmãs, numa peregrinação maravilhosa, entrelaçados pelo amor que Deus tem a cada uma de suas criaturas e que nos une também com terna afeição ao irmão Sol, à irmã Lua, ao irmão rio, e à Mãe Terra” (n. 92). Importa “incentivar uma cultura do cuidado que permeie toda a sociedade” (n. 231), pois assim “podemos falar de uma fraternidade universal” (228).

Por fim, é essencial à ecologia integral a espiritualidade. Não se trata de derivá-la de ideias, mas “das motivações que dão origem a uma espiritualidade para alimentar a paixão pelo cuidado do mundo […] Não é possível empenhar-se em coisas grandes, apenas com doutrinas sem uma mística que nos anima, sem uma moção interior que impele, motiva, encoraja e dá sentido à ação pessoal e comunitária” (n. 216). Novamente evoca aqui a espiritualidade cósmica de São Francisco (n. 218).

Concluindo, releva enfatizar que com esta encíclica, ampla e detalhada, o Papa Francisco se coloca como notáveis ecologistas o reconheceram na vanguarda da discussão ecológica mundial. Em muitas entrevistas referiu-se aos riscos que corre nossa Casa Comum. Mas sua mensagem é de esperança: “caminhemos cantando, que as nossas lutas e a nossa preocupação por este planeta, não nos tirem a alegria da esperança” (n. 244).

*Leonardo Boff é ecoteólogo. Autor, entre outros livros, de Francisco de Assis e Francisco de Roma (Mar de Ideias).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Priscila Figueiredo Renato Dagnino Marcelo Guimarães Lima Eugênio Bucci Manchetômetro Anderson Alves Esteves Dênis de Moraes Antônio Sales Rios Neto Paulo Fernandes Silveira Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez Valerio Arcary Claudio Katz Luis Felipe Miguel Tarso Genro Fernão Pessoa Ramos Luiz Roberto Alves Érico Andrade Ricardo Antunes Daniel Costa Marjorie C. Marona Thomas Piketty João Sette Whitaker Ferreira Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Paulo Martins Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos Eduardo Borges Luiz Costa Lima Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Chico Alencar Ricardo Musse Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Eleonora Albano Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Luiz Renato Martins Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Kátia Gerab Baggio José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Ladislau Dowbor José Machado Moita Neto Celso Frederico Alexandre Aragão de Albuquerque Afrânio Catani Dennis Oliveira Bento Prado Jr. Leonardo Sacramento Alexandre de Freitas Barbosa Tales Ab'Sáber Mário Maestri Luiz Werneck Vianna Armando Boito Ricardo Abramovay Denilson Cordeiro Manuel Domingos Neto Otaviano Helene Fernando Nogueira da Costa Gilberto Lopes Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio R. Kothe Tadeu Valadares Daniel Brazil Paulo Nogueira Batista Jr Sergio Amadeu da Silveira Lincoln Secco Eleutério F. S. Prado Flávio Aguiar Ari Marcelo Solon Ronald Rocha José Raimundo Trindade Walnice Nogueira Galvão Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Leonardo Avritzer Ricardo Fabbrini Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Jorge Luiz Souto Maior Paulo Sérgio Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Carla Teixeira Chico Whitaker Rafael R. Ioris Antonio Martins Luiz Marques Henri Acselrad Rodrigo de Faria Alysson Leandro Mascaro Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni João Lanari Bo Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Marilena Chauí Michael Roberts Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto Liszt Vieira Roberto Bueno João Carlos Salles José Costa Júnior Valério Arcary Annateresa Fabris Salem Nasser Juarez Guimarães Benicio Viero Schmidt Andrew Korybko Jorge Branco Michael Löwy Luiz Bernardo Pericás Bernardo Ricupero Luiz Carlos Bresser-Pereira João Feres Júnior Fábio Konder Comparato Gabriel Cohn Yuri Martins-Fontes Carlos Tautz Atilio A. Boron Berenice Bento Vanderlei Tenório Leda Maria Paulani Leonardo Boff Marcos Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Maringoni Antonino Infranca Vinício Carrilho Martinez Roberto Noritomi Eliziário Andrade André Márcio Neves Soares Bruno Machado Francisco Fernandes Ladeira Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Lorenzo Vitral Osvaldo Coggiola Everaldo de Oliveira Andrade João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Loebens Henry Burnett Remy José Fontana André Singer João Adolfo Hansen José Dirceu José Luís Fiori Ronaldo Tadeu de Souza Vladimir Safatle Luciano Nascimento Milton Pinheiro Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada