A Constituinte chilena – III

Foto de Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ESTER GAMMARDELLA RIZZI*

Desde quando o Chile precisa de uma nova Constituição?

Iniciei a maioria das mais de 15 entrevistas que fiz no período em que estive no Chile com duas perguntas: “O Chile precisa de uma nova Constituição? Por quê?” e “Desde quando o Chile precisa de uma nova Constituição?”. Meu objetivo com as perguntas era exatamente saber qual o marco temporal e as razões históricas que levavam as/os entrevistadas/os a afirmar que o Chile precisava de uma nova constituição. Apenas um entrevistado respondeu questionando o verbo “precisar” da pergunta inicial. Todos os outros afirmaram a necessidade urgente que se materializa no processo constituinte que o país está vivendo.

Entre as razões da necessidade, o taxista Nestor, que me levou do aeroporto até o hotel logo no dia em que cheguei, resumiu um dos argumentos – “É a Constituição do Pinochet. E… Tudo é culpa da Constituição do Pinochet”. O símbolo de ter, em uma democracia, uma Constituição elaborada em um período ditatorial é um dos caminhos para responder à questão. Outro é o fato de a Constituição de 1980 ter cristalizado a decisão – realizada por meio do golpe de 1973, contrária à história anterior do Chile – de transformar o Estado do país em um estado neoliberal, que se retiraria em grande medida da tarefa de garantir direitos. A partir da Constituição de 1980, e das interpretações que se seguiram a seu texto, já que a expressão não está explícita nas suas normas, o Estado chileno passou a ser um Estado subsidiário e a privilegiar a atuação da iniciativa privada para a garantia de serviços-direitos, como saúde, educação e aposentadorias.

A Constituição de 1980, assim, é o símbolo de um Chile autoritário e neoliberal. Se a forma política conseguiu ser alterada – ainda que moderadamente – na transição democrática de 1989-90, a Constituição que permaneceu em vigor possui amarras importantes em seu desenho institucional, as mais importantes ainda válidas neste exato momento: maioria qualificada de dois terços para alterações constitucionais e controle prévio de constitucionalidade pelo Tribunal Constitucional. Esse desenho impediu transformações mais profundas no sistema econômico e de promoção de direitos.

Voltando à minha pergunta “Desde quando o Chile precisa de uma nova Constituição?”. As respostas foram diversas. Sérgio Grez, professor de história, afirma que a Constituição de 1980 já nasce em tensão com a realidade chilena. Desde sua promulgação autoritária já havia uma insatisfação e um desejo de mudar. Outros afirmam que pelo menos desde 1989-90, com a redemocratização do Chile, deveria ter havido uma nova Constituição. Afinal, “que país sai de uma ditadura para uma democracia sem mudar a ordem constitucional?”, pergunta-se Dan Israel.

Daniel Mondaca, professor de Direito Constitucional da Universidade de Valparaíso, retoma a história de todas as constituições chilenas para responder. Afirma que a única Constituição Chilena elaborada em um processo razoavelmente democrático havia sido a de 1828 e, portanto, havia uma dívida histórica muito antiga relacionada a processos constituintes no país. Andrea Salazar, uma das organizadoras das marchas feministas anteriores ao estallido e do 8 de março de 2020, lembra-se do fiasco da tentativa de nova Constituição promovida pela então Presidenta Bachelet nos anos de 2016-17 (clique aqui) e também do movimento que começa a surgir e a se alastrar para marcar as cédulas eleitorais – em papel – com a sigla “AC”, de Assembleia Constituinte, desde 2013 (clique aqui).

Reivindicação desde o século XIX por um processo constituinte democrático; incômodo que vem desde 1980 e se intensifica com o processo de democratização de 1989-90, com manutenção de normas marcadamente neoliberais; impossibilidade de mudanças mais profundas derivada do desenho institucional travado, a qual se manifestou de maneira clara durante os governos progressistas; movimento “marca seu voto” desde 2013; crescente mobilização política da sociedade chilena desde 2006; por fim, tentativa fracassada de elaboração de uma nova Constituição pela Presidenta Bachelet. A demanda por uma nova Constituição, capaz de tornar o Chile um país melhor e mais solidário, vai muito além do turbulento outubro de 2019: sob diferentes facetas, ela parece fazer parte da história do Chile, ganhando contornos mais nítidos a cada frustração.

Assim, quando a insatisfação social se tornou uma revolta difícil de controlar – deixando com medo uma parte significativa das elites econômica e política do país – não era difícil saber qual o caminho de solução institucional para apaziguar os ânimos exaltados das ruas. Oferecer uma Convenção Constitucional democrática apresentou-se como uma resposta possível e eficaz. Por meio de um acordo entre os partidos políticos – sobre o qual vou falar no próximo texto desta série –, a possibilidade de uma Convenção Constituinte é aprovada no dia 15 de novembro de 2019. As manifestações nas ruas das cidades chilenas continuaram após esta data, é certo. Mas logo depois do anúncio já perderam uma parte de sua força e intensidade.

Cesia Arredondo conta que ficou até de madrugada esperando o anúncio do acordo pela TV, e que comemorou como uma grande vitória política do estallido social. Sergio Grez, ao contrário, achou uma jogada de mestre do sistema político contra uma revolta que poderia levar o Chile mais longe. Ainda que menores, as manifestações continuaram tanto no final de 2019 quanto em 2020: em 8 de março de 2020, por exemplo, houve uma marcha gigantesca, só com mulheres. Em seguida, a pandemia: talvez tenha sido essa a mais eficaz agente para acabar de vez com as grandes manifestações públicas chilenas. A partir do dia 18 de março de 2020, o debate aconteceria muito mais nos marcos da institucionalidade.

Há, porém, algo que ninguém nega. Antes do estallido social de outubro de 2019 ninguém imaginaria que o Chile viveria um processo constituinte tão cedo (até porque o de Bachelet, poucos anos antes, havia fracassado). Ninguém nega também que a possibilidade de instalação de uma Convenção Constitucional, tal como prevista no acordo de paz de 15 de novembro de 2019, foi uma resposta institucional para o estallido e, de alguma forma, realmente conseguiu apaziguar sua energia. Ou, de alguma forma, transferir a energia que estava nas ruas para uma arena institucional.

Daniel Mondaca destaca que, diferentemente de outros processos latino-americanos, como o da Bolívia, não existia no Chile um grupo político com um projeto estruturado e que, em algum momento, consegue chegar ao poder e iniciar um processo constituinte. O estallido social foi muito mais um processo destituinte e descentralizado que, com os sentimentos de raiva e repulsa, se voltou contra o estado de coisas vigente. Esta específica circunstância política, de destituição, de destruição do anterior sem ainda um projeto consolidado para colocar algo novo no lugar, tornam o processo constituinte chileno atual mais desafiador.

*Ester Gammardella Rizzi é professora do curso de Gestão de Políticas Públicas da EACH-USP.

Publicado originalmente na revista Consultor Jurídico.

Para ler a primeira parte do artigo clique em https://aterraeredonda.com.br/a-constituinte-chilena-ii/

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Machado Moita Neto Elias Jabbour Michael Roberts Sergio Amadeu da Silveira Marcos Aurélio da Silva Kátia Gerab Baggio Everaldo de Oliveira Andrade Juarez Guimarães Igor Felippe Santos Claudio Katz Denilson Cordeiro Fábio Konder Comparato Antonino Infranca Benicio Viero Schmidt Tarso Genro Marjorie C. Marona Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Avritzer Eliziário Andrade Milton Pinheiro José Raimundo Trindade José Dirceu Luiz Marques José Luís Fiori Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco João Adolfo Hansen Eugênio Trivinho Marcelo Módolo João Sette Whitaker Ferreira Jorge Luiz Souto Maior Rodrigo de Faria Celso Frederico Luiz Roberto Alves Flávio R. Kothe Gilberto Maringoni Daniel Brazil Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Henri Acselrad Michael Löwy Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Jean Marc Von Der Weid Bernardo Ricupero João Feres Júnior Dennis Oliveira Leonardo Sacramento Marcelo Guimarães Lima Ronald León Núñez Flávio Aguiar Matheus Silveira de Souza Daniel Afonso da Silva Eduardo Borges Eleonora Albano Henry Burnett João Carlos Salles Berenice Bento Leonardo Boff Samuel Kilsztajn José Geraldo Couto Michel Goulart da Silva Mariarosaria Fabris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Liszt Vieira Annateresa Fabris Luiz Werneck Vianna Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Loebens Luiz Renato Martins André Márcio Neves Soares Luiz Bernardo Pericás Carlos Tautz Gilberto Lopes Remy José Fontana Alexandre de Lima Castro Tranjan Yuri Martins-Fontes Armando Boito João Paulo Ayub Fonseca Antônio Sales Rios Neto Fernando Nogueira da Costa Dênis de Moraes Ricardo Antunes Maria Rita Kehl José Micaelson Lacerda Morais Alysson Leandro Mascaro Rubens Pinto Lyra Manuel Domingos Neto Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Fernão Pessoa Ramos Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez João Lanari Bo André Singer Luciano Nascimento Marilena Chauí Andrew Korybko Paulo Martins Ari Marcelo Solon Luiz Carlos Bresser-Pereira Anderson Alves Esteves Gabriel Cohn Francisco Pereira de Farias Celso Favaretto Carla Teixeira Slavoj Žižek Ricardo Abramovay Antonio Martins Luiz Eduardo Soares Atilio A. Boron Andrés del Río Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Bruno Machado Osvaldo Coggiola Luis Felipe Miguel Daniel Costa Lorenzo Vitral Marcus Ianoni José Costa Júnior Thomas Piketty Mário Maestri Ladislau Dowbor Bento Prado Jr. Ronald Rocha Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse Walnice Nogueira Galvão Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Renato Dagnino Chico Whitaker Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Caio Bugiato Vladimir Safatle Paulo Fernandes Silveira Rafael R. Ioris Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani Érico Andrade Ricardo Fabbrini Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Branco Gerson Almeida Airton Paschoa Otaviano Helene Manchetômetro Francisco Fernandes Ladeira Vanderlei Tenório Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Alencar Salem Nasser Julian Rodrigues Paulo Capel Narvai Marcos Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada