As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A viagem de Pedro

Yayoi Kusama, Lustre da Dor, 2016/2018
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o filme recém-lançado de Laís Bodanzky

Em abril de 1831, depois de abdicar do trono brasileiro, D. Pedro I embarcou de volta à Europa numa fragata inglesa. Há poucos registros sobre os dois meses que durou a travessia. Nesse vácuo histórico Laís Bodanzky construiu A viagem de Pedro, um exercício ficcional que combina várias coisas: investigação da personalidade do imperador, discussão de um punhado de questões ligadas à identidade nacional e, unindo tudo, uma reflexão sobre as relações entre virilidade e poder, assunto que se revelou grosseiramente atual no megacomício de 7 de setembro.

É o filme mais ambicioso da roteirista e diretora, tanto em termos de amplitude temática como de tamanho da produção, que inclui minuciosa reconstituição de época, elenco multinacional, etc. O mínimo que se pode dizer é que ela enfrentou a tarefa com coragem, imaginação e competência.

Desde a primeira imagem – uma estatueta equestre de Napoleão em postura bélica, sob comentário em off da imperatriz Leopoldina (Luise Heyer) – é central a questão do desejo másculo de poder e glória. E o principal tormento de Pedro (Cauã Reymond) nessa sua ambígua viagem (está partindo para o exílio ou voltando dele?) é, cruamente, sua dificuldade em ter uma ereção.

Impotência simbólica

Logo Pedro, que teve sete filhos com Leopoldina e outros tantos fora do casamento, e que em conversa com o capitão do navio se gaba de ter ejaculado sete vezes numa só noite, agora não consegue fazer sexo com a segunda esposa, Amélia (Victoria Guerra). Real ou fictícia, a disfunção erétil do ex-imperador adquire aqui um caráter simbólico poderoso.

Outra aflição que tortura Pedro na travessia é a culpa, alimentada por flashbacks em que ele trata Leopoldina com estupidez e violência, além de humilhá-la trazendo para a corte sua principal amante, Domitila (Rita Wainer), a marquesa de Santos. Para livrar o ex-imperador da alma atormentada de Leopoldina, o altivo cozinheiro malê do navio (Sérgio Laurentino) prepara-lhe um ebó (despacho, oferenda), num dos momentos mais inspirados do filme.

Às contradições do protagonista – liberal nas ideias e autoritário nas ações, machão e impotente, brasileiro e português – somam-se os atritos no interior do navio, em que há um conflito surdo de poder entre os servidores do ex-imperador e a tripulação inglesa. O porão da embarcação é uma babel de línguas e etnias, e os viajantes negros ali estão numa espécie de limbo entre a escravidão (ainda vigente no Brasil) e a liberdade.

Realismo e alegoria

Para dar conta de toda essa complexidade, a narrativa trafega entre o realismo histórico e a alegoria, distanciando-se tanto do ufanismo patriótico de Independência ou morte (Carlos Coimbra, 1972) como da sátira debochada de Carlota Joaquina (Carla Camurati, 1995). A liberdade poética é facultada pelos delírios e pesadelos de Pedro.

Chamam a atenção algumas opções técnicas e de linguagem, como o formato do quadro (1.33:1), mais “vertical” que o usual, acentuando a aglomeração caótica de personagens e objetos no ambiente claustrofóbico do barco. A ambientação predominantemente noturna e a movimentação de câmera acompanhando ou simulando a oscilação do navio contribuem para a construção da atmosfera de incerteza e perigo.

Igualmente interessantes são algumas soluções de montagem, em que um retrato, uma joia, um ataque epilético ou uma música suscitam a passagem fluente entre presente e passado, real e imaginário.

O desejo de falar de tudo – questões raciais, de gênero, de choque cultural, de religião, de moral, de geopolítica e identidade nacional, entre outras – resulta ocasionalmente numa certa dispersão dramática e corre o risco de atordoar o espectador com o excesso de informações não explicadas.

Mas se trata, inegavelmente, de um grande feito cinematográfico, com maturidade formal e notável segurança na direção de um elenco tão heterogêneo, em que se destacam, além de Cauã Reymond, o irlandês Francis Magee (como capitão do navio) e os grandes atores negros Isabél Zuaa (portuguesa que tem brilhado no cinema brasileiro) e Welket Bungué (guineense que atuou em Berlin Alexanderplatz, Crimes do futuro e Joaquim, entre outros).

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

Referência


A viagem de Pedro
Brasil, 2022, 96 minutos
Direção: Laís Bodanzky
Roteiro: Luiz Bolognesi
Elenco: Cauã Reymond, Luise Heyer, Victoria Guerra, Rita Wainer, Sérgio Laurentino, Francis Magee, Isabél Zuaa, Welket Bungué

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Celso Favaretto André Singer Luiz Werneck Vianna Anderson Alves Esteves Jorge Branco Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Henri Acselrad Juarez Guimarães Slavoj Žižek Rafael R. Ioris Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai Luiz Renato Martins João Paulo Ayub Fonseca Manuel Domingos Neto João Carlos Salles Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado Marcus Ianoni Daniel Afonso da Silva Ricardo Antunes João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Dennis Oliveira Érico Andrade Henry Burnett Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz Ladislau Dowbor Eleonora Albano Liszt Vieira Rodrigo de Faria Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Eduardo Borges Renato Dagnino Michael Roberts Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald Rocha Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Lucas Fiaschetti Estevez Benicio Viero Schmidt Berenice Bento Michael Löwy Heraldo Campos Claudio Katz Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Osvaldo Coggiola Bernardo Ricupero João Lanari Bo Annateresa Fabris Eleutério F. S. Prado Ricardo Musse Luiz Marques Marcelo Guimarães Lima Carla Teixeira Armando Boito Walnice Nogueira Galvão Lincoln Secco José Raimundo Trindade Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais Denilson Cordeiro Antonino Infranca José Machado Moita Neto Caio Bugiato Otaviano Helene Daniel Costa Gabriel Cohn Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Leonardo Avritzer Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Fábio Konder Comparato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco Pereira de Farias Marcelo Módolo Tales Ab'Sáber Ricardo Fabbrini Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio R. Kothe Paulo Martins Eugênio Trivinho Leda Maria Paulani Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Luciano Nascimento João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Anselm Jappe Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins Valério Arcary Marilena Chauí Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Vanderlei Tenório José Luís Fiori Sandra Bitencourt Marcos Silva Samuel Kilsztajn Thomas Piketty Andrew Korybko Afrânio Catani Paulo Fernandes Silveira Dênis de Moraes Vladimir Safatle Eugênio Bucci Yuri Martins-Fontes Igor Felippe Santos Jorge Luiz Souto Maior Marcos Aurélio da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Lopes Manchetômetro José Dirceu Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Vinício Carrilho Martinez Daniel Brazil Flávio Aguiar Roberto Bueno João Feres Júnior Luiz Costa Lima Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Ari Marcelo Solon Lorenzo Vitral Chico Alencar Mário Maestri Leonardo Sacramento Airton Paschoa Chico Whitaker Milton Pinheiro Leonardo Boff Tadeu Valadares Luis Felipe Miguel Tarso Genro Roberto Noritomi Atilio A. Boron Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Jean Pierre Chauvin Alexandre de Lima Castro Tranjan

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada