A viagem de Pedro

Yayoi Kusama, Lustre da Dor, 2016/2018
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o filme recém-lançado de Laís Bodanzky

Em abril de 1831, depois de abdicar do trono brasileiro, D. Pedro I embarcou de volta à Europa numa fragata inglesa. Há poucos registros sobre os dois meses que durou a travessia. Nesse vácuo histórico Laís Bodanzky construiu A viagem de Pedro, um exercício ficcional que combina várias coisas: investigação da personalidade do imperador, discussão de um punhado de questões ligadas à identidade nacional e, unindo tudo, uma reflexão sobre as relações entre virilidade e poder, assunto que se revelou grosseiramente atual no megacomício de 7 de setembro.

É o filme mais ambicioso da roteirista e diretora, tanto em termos de amplitude temática como de tamanho da produção, que inclui minuciosa reconstituição de época, elenco multinacional, etc. O mínimo que se pode dizer é que ela enfrentou a tarefa com coragem, imaginação e competência.

Desde a primeira imagem – uma estatueta equestre de Napoleão em postura bélica, sob comentário em off da imperatriz Leopoldina (Luise Heyer) – é central a questão do desejo másculo de poder e glória. E o principal tormento de Pedro (Cauã Reymond) nessa sua ambígua viagem (está partindo para o exílio ou voltando dele?) é, cruamente, sua dificuldade em ter uma ereção.

Impotência simbólica

Logo Pedro, que teve sete filhos com Leopoldina e outros tantos fora do casamento, e que em conversa com o capitão do navio se gaba de ter ejaculado sete vezes numa só noite, agora não consegue fazer sexo com a segunda esposa, Amélia (Victoria Guerra). Real ou fictícia, a disfunção erétil do ex-imperador adquire aqui um caráter simbólico poderoso.

Outra aflição que tortura Pedro na travessia é a culpa, alimentada por flashbacks em que ele trata Leopoldina com estupidez e violência, além de humilhá-la trazendo para a corte sua principal amante, Domitila (Rita Wainer), a marquesa de Santos. Para livrar o ex-imperador da alma atormentada de Leopoldina, o altivo cozinheiro malê do navio (Sérgio Laurentino) prepara-lhe um ebó (despacho, oferenda), num dos momentos mais inspirados do filme.

Às contradições do protagonista – liberal nas ideias e autoritário nas ações, machão e impotente, brasileiro e português – somam-se os atritos no interior do navio, em que há um conflito surdo de poder entre os servidores do ex-imperador e a tripulação inglesa. O porão da embarcação é uma babel de línguas e etnias, e os viajantes negros ali estão numa espécie de limbo entre a escravidão (ainda vigente no Brasil) e a liberdade.

Realismo e alegoria

Para dar conta de toda essa complexidade, a narrativa trafega entre o realismo histórico e a alegoria, distanciando-se tanto do ufanismo patriótico de Independência ou morte (Carlos Coimbra, 1972) como da sátira debochada de Carlota Joaquina (Carla Camurati, 1995). A liberdade poética é facultada pelos delírios e pesadelos de Pedro.

Chamam a atenção algumas opções técnicas e de linguagem, como o formato do quadro (1.33:1), mais “vertical” que o usual, acentuando a aglomeração caótica de personagens e objetos no ambiente claustrofóbico do barco. A ambientação predominantemente noturna e a movimentação de câmera acompanhando ou simulando a oscilação do navio contribuem para a construção da atmosfera de incerteza e perigo.

Igualmente interessantes são algumas soluções de montagem, em que um retrato, uma joia, um ataque epilético ou uma música suscitam a passagem fluente entre presente e passado, real e imaginário.

O desejo de falar de tudo – questões raciais, de gênero, de choque cultural, de religião, de moral, de geopolítica e identidade nacional, entre outras – resulta ocasionalmente numa certa dispersão dramática e corre o risco de atordoar o espectador com o excesso de informações não explicadas.

Mas se trata, inegavelmente, de um grande feito cinematográfico, com maturidade formal e notável segurança na direção de um elenco tão heterogêneo, em que se destacam, além de Cauã Reymond, o irlandês Francis Magee (como capitão do navio) e os grandes atores negros Isabél Zuaa (portuguesa que tem brilhado no cinema brasileiro) e Welket Bungué (guineense que atuou em Berlin Alexanderplatz, Crimes do futuro e Joaquim, entre outros).

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

Referência


A viagem de Pedro
Brasil, 2022, 96 minutos
Direção: Laís Bodanzky
Roteiro: Luiz Bolognesi
Elenco: Cauã Reymond, Luise Heyer, Victoria Guerra, Rita Wainer, Sérgio Laurentino, Francis Magee, Isabél Zuaa, Welket Bungué

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES