As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Como livrar o Brasil dele

Imagem: Elyleser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Emir Sader*

Impeachment, acusações de crimes de responsabilidade, pedidos de interdição psiquiátrica, todas formas possíveis de expressar a rejeição remetem a uma consigna geral: Fora Bolsonaro!

Os panelaços têm confirmado que se generaliza pelo país o sentimento de rejeição a Bolsonaro, que setores majoritários da população não o querem mais, não o aguentam mais. “Chega”, “não suporto mais”, “vai embora”, “já deu pra você”, sentimentos generalizados e reiterados.

Os panelaços mostram que algo mudou, que se expande a rejeição ao governo. As pesquisas demonstram, há vários meses, que o apoio a Bolsonaro diminuiu significativamente, que é menor que a rejeição a ele. Mas não se encontrava formas mais ativas desse descontentamento. Os generalizados e combativos panelaços mostram que amplos setores passam da rejeição passiva à rejeição ativa. Não houvesse a impossibilidade de manifestações de massa, certamente estaríamos vivendo as maiores e mais combativas demonstrações de rejeição ao governo.

Por outro lado, os panelaços, marcantes em bairros de classe média e até de classe média alta, demonstram que esses setores, depois de um longo processo de transformação de suas posições, aderem às demonstrações de rejeição do governo, também sentem que não o suportam mais, querem mudanças.

Impeachment, acusações de crimes de responsabilidade, pedidos de interdição psiquiátrica – todas são formas possíveis de expressar a rejeição, todos remetem a uma consigna geral: Fora Bolsonaro! Não se deve abandonar nenhuma via, toda via para que o país se livre dele é possível.

Argumenta-se que não é porque não se gosta deste governo, que devemos apelar para o impeachment. Mas não é assim.  A esquerda se opôs ao governo do FHC, se deu conta que o Judiciário permitia o governo cometer ilegalidades óbvias na implantação de seu programa neoliberal. Sabia-se dos danos que causava ao país. Mas nunca se apelou ao impeachment, se procurou convencer à maioria da população dos danos que aquela política fazia ao país e a todos, até ganharmos as eleições.

Agora não se trata só do desmantelamento da democracia, do Estado, dos direitos dos trabalhadores. Trata-se do desmantelamento do Brasil, de todo tipo de legalidade e de normas de convivência, da desmoralização do governo, do Congresso, do Judiciário, da provocação de uma situação de caos sanitário, de comunidade de gente com diferentes posições, da destruição do que se construiu ao longo de décadas. Não há governo, se renuncia a dar condução ao país numa situação de enorme gravidade, na qual a grande maioria da população se sente desvalida diante dos efeitos de um vírus que os atinge sem que tenham como se defender.

Tudo isso violando a Constituição, cometendo uma quantidade enorme de crimes de responsabilidade, de corrupção, de violação dos direitos dos outros, de falta de pudor no comportamento no cargo, com apelo e incentivo à violência policial contra a população, com a desmoralização da imagem do Brasil no mundo, com incapacidade total de tirar o país da crise e do desemprego.

Tudo isso, repito, violando reiteradamente a Constituição, sem que o Judiciário tome nenhuma medida para frear esse processo. Só nos resta contar com a força demonstrada pela população nesta rejeição a ele. A esquerda tem que assumir a responsabilidade de dar condução política ao movimento que quer o “Fora Bolsonaro!”. Assumir esse movimento com força, ver no seu transcurso qual a melhor via para que o país se veja livre dele. Vai poder contar com o apoio de amplos setores do país, majoritários hoje, assim como de grandes setores da mídia. A esquerda tem que assumir a responsabilidade de responder a esse anseio nacional: livrar o Brasil dele.

A esquerda precisa não ter medo de nenhuma via, nem do impeachment, quando estiverem dadas as condições. Que ele vai tentar se fazer de vítima diante do impeachment, é certo. Mas tem se feito de vítima diante de qualquer crítica, isso não pode ser empecilho.

A esquerda não pode deixar esse anseio nacional se esvaziar, por não encontrar forma de se realizar. Depois ela será julgada pela história, por sua incapacidade de realizar esse objetivo, cada vez mais maduro: Fora Bolsonaro!

*Emir Sader é professor aposentado do departamento de sociologia da USP.

Artigo publicado originalmente no site Brasil 247

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Kátia Gerab Baggio Liszt Vieira Jean Marc Von Der Weid Roberto Noritomi Gilberto Lopes Leda Maria Paulani Eleonora Albano Daniel Brazil Mariarosaria Fabris Marcelo Módolo Marcelo Guimarães Lima Chico Whitaker Luciano Nascimento Luiz Eduardo Soares José Luís Fiori Ladislau Dowbor José Dirceu Mário Maestri José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona Thomas Piketty Rubens Pinto Lyra Luis Felipe Miguel Leonardo Avritzer Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira André Márcio Neves Soares Berenice Bento Henri Acselrad José Raimundo Trindade Eugênio Bucci Gilberto Maringoni Henry Burnett Alexandre de Freitas Barbosa Walnice Nogueira Galvão Alysson Leandro Mascaro Slavoj Žižek Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilena Chauí Francisco Fernandes Ladeira Paulo Martins Ronald León Núñez Manchetômetro Antonino Infranca Leonardo Sacramento Sergio Amadeu da Silveira João Adolfo Hansen João Paulo Ayub Fonseca Valério Arcary Luiz Werneck Vianna Paulo Nogueira Batista Jr Vinício Carrilho Martinez Marcos Silva Armando Boito Salem Nasser André Singer Ari Marcelo Solon Paulo Fernandes Silveira Osvaldo Coggiola Ricardo Abramovay Antonio Martins Jean Pierre Chauvin Ronaldo Tadeu de Souza Rodrigo de Faria Luís Fernando Vitagliano Eduardo Borges Renato Dagnino Marcus Ianoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Vladimir Safatle Érico Andrade Maria Rita Kehl Fernando Nogueira da Costa Andrew Korybko Dênis de Moraes Ricardo Antunes Rafael R. Ioris Gabriel Cohn Jorge Luiz Souto Maior Julian Rodrigues Luiz Renato Martins Leonardo Boff Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto Igor Felippe Santos Luiz Costa Lima Paulo Capel Narvai Flávio Aguiar Celso Frederico João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini Celso Favaretto Bernardo Ricupero João Lanari Bo Daniel Costa Michael Löwy Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Anselm Jappe Ricardo Musse Tadeu Valadares Yuri Martins-Fontes Otaviano Helene Carla Teixeira Antônio Sales Rios Neto Luiz Bernardo Pericás Fernão Pessoa Ramos Tales Ab'Sáber Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Denilson Cordeiro Chico Alencar Afrânio Catani Francisco Pereira de Farias José Geraldo Couto João Feres Júnior Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Priscila Figueiredo Roberto Bueno Milton Pinheiro Ronald Rocha Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior Bento Prado Jr. Caio Bugiato Carlos Tautz Alexandre Aragão de Albuquerque Bruno Machado Michael Roberts Tarso Genro José Micaelson Lacerda Morais Valerio Arcary Atilio A. Boron Anderson Alves Esteves Annateresa Fabris Sandra Bitencourt Jorge Branco Gerson Almeida Luiz Roberto Alves Eliziário Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Juarez Guimarães Dennis Oliveira Remy José Fontana Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Marilia Pacheco Fiorillo Lorenzo Vitral Benicio Viero Schmidt Boaventura de Sousa Santos Heraldo Campos Flávio R. Kothe Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Elias Jabbour Fábio Konder Comparato Lincoln Secco Alexandre de Lima Castro Tranjan

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada