Alemanha – um país na encruzilhada

Imagem: Felix Mittermeier
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO AGUIAR*

O quadro político-social alemão é grave. Encontra-se numa encruzilhada que pode levar a práticas que lembram as do Terceiro Reich

A semana que transcorreu entre 8 e 14 da janeiro tornou-se um símbolo da tensão que cresce na Alemanha.

Dois grandes movimentos marcaram estes dias.

O primeiro foi uma greve clássica, no sistema ferroviário, cuja espinha dorsal é a Deutsche Bahn (DB), uma empresa estatal que além dos trajetos de longa distância opera linhas regionais e parte do metrô da capital, Berlim (o sistema chamado de S-Bahn, onde o “S” significa “Schnell” – rápido).

Os grevistas – maquinistas dos trens de passageiros e de carga – reivindicam melhores salários e uma redução do tempo de trabalho de 38 para 35 horas semanais.

A Deutsche Bahn tentou obter uma declaração de ilegalidade da greve junto a um tribunal de Frankfurt, sem sucesso. É a terceira greve temporária dos maquinistas desde novembro. A estimativa da própria empresa é de que desta vez a greve afetou 80% da circulação de trens no país. Coincidindo com uma forte onda de frio neste começo de ano, que mergulhou todo o país em temperaturas negativas por dias inteiros, a greve implicou uma redução notável na capacidade de locomoção dos usuários, afetando outros serviços.

Tempos atrás o governo alemão tentou privatizar a Deutsche Bahn, sem sucesso, por falta de comprador interessado. Porém, para preparar a empresa para a venda, adotou uma série de medidas restritivas, “enxugando” pessoal e investimento. O resultado foi uma queda na eficiência das ferrovias alemãs, que deixaram de ter o perfil exemplar de pontualidade e qualidade de que desfrutavam no passado. As idas e vindas da COVID 19 e suas variantes a partir do começo de 2020 só agravou a situação, reduzindo por vezes o pessoal disponível.

O outro grande movimento da semana foi o de agricultores, que ocuparam as estradas e as ruas de cidades com seus tratores, bloqueando-as, em protesto contra os cortes nos subsídios por parte do governo, particularmente no que se refere ao financiamento do óleo diesel para o consumo dos veículos.

Neste caso, o que se observa é uma tentativa por parte de partidos conservadores, incluindo o radical Alternative für Deutschland (AfD), de extrema direita, para capitalizar politicamente o movimento dos agricultores. Segundo as mais recentes pesquisas de intenção de voto, o AfD já se tornou a segunda força política na Alemanha, atrás apenas da conservadora União Democrata Cristã (CDU) e superando de longe todos os partidos que compõem a atual coligação do governo, o Partido Social Democrata (SPD) do chanceler Olaf Scholz, os Verdes e o liberal FDP. Por sua vez, a esquerda está em crise, com a dissolução da Linke e a formação de um novo partido, BSW, liderado pela deputada Sahra Wagenknecht, que emprestou suas iniciais para a sua sigla.

A situação desta semana mostrou a tensa encruzilhada em que se encontra a Alemanha, premida por uma inflação desestabilizadora que atinge sobretudo setores como agricultura, alimentação, energia e serviços, cujos preços vêm aumentando significativamente mais do que a média anual genérica que fica em torno de 10%. No setor da energia, por exemplo, duramente atingido pela ruptura do fornecimento do gás russo, devido à política de confronto com Moscou por causa da guerra na Ucrânia, a taxa de inflação superou os 40% anuais.

A crise subsequente reanimou o movimento sindical alemão, amortecido nos últimos anos por estratégias mais colaborativas com o capital, apesar dos duros cortes nos investimentos sociais e nos salários provocados pelas políticas de austeridade fiscal que imperam em quase toda a Europa, frequentemente implantadas pelos partidos socialistas ou social-democratas, com ajuda dos Verdes, como foi o caso na Alemanha.

Por outro lado, a mesma crise animou de vez a extrema direita, que mobiliza corações e mentes com suas bandeiras demagógicas de fácil apelo, como a da xenofobia contra refugiados e imigrantes, particularmente os oriundos da África e do Oriente Médio. Tais bandeiras retrógradas se viram reforçadas pelo crescimento da islamofobia desde o ataque terrorista do Hamas em Israel no 7 de outubro e a brutal retaliação do governo de Benjamin Netanyahu contra toda a população palestina em Gaza e na Cisjordânia que vem matando crianças e mulheres em massa. Em toda a Europa, e a Alemanha não é exceção, a extrema direita quer esconder seu passado tradicionalmente antissemita através do fomento da islamofobia, no que é ajudada pela política oficial de repressão contra simpatizantes dos palestinos.

Em suma, o quadro é muito grave para um olhar progressista, pois a tendência atual é de que esta encruzilhada se transforme numa autoestrada para a extrema direita, com o renascimento de práticas que lembram as do Terceiro Reich.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo). [https://amzn.to/48UDikx]

Publicado originalmente na Rede Brasil Atual.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt Sergio Amadeu da Silveira Berenice Bento Paulo Nogueira Batista Jr Anselm Jappe Leda Maria Paulani Samuel Kilsztajn Anderson Alves Esteves Jean Marc Von Der Weid João Carlos Salles Carlos Tautz Vanderlei Tenório José Costa Júnior Bruno Machado Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Liszt Vieira Gilberto Lopes João Feres Júnior Leonardo Avritzer Carla Teixeira Jorge Branco Gerson Almeida Everaldo de Oliveira Andrade Celso Favaretto João Lanari Bo Dennis Oliveira Otaviano Helene Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira Antônio Sales Rios Neto Gilberto Maringoni Rodrigo de Faria Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Celso Frederico Daniel Brazil Airton Paschoa Mariarosaria Fabris José Dirceu Eugênio Trivinho Andrés del Río Paulo Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manuel Domingos Neto Milton Pinheiro Armando Boito Afrânio Catani Eugênio Bucci José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Chico Alencar Claudio Katz Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Michael Löwy Vladimir Safatle Maria Rita Kehl Luiz Roberto Alves Marcos Silva Marcus Ianoni Antonino Infranca Salem Nasser Gabriel Cohn Michel Goulart da Silva Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Julian Rodrigues Kátia Gerab Baggio Lincoln Secco Vinício Carrilho Martinez Francisco Fernandes Ladeira Ronald León Núñez José Raimundo Trindade José Geraldo Couto José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Valerio Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Ari Marcelo Solon João Adolfo Hansen Daniel Afonso da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Tarso Genro Atilio A. Boron Flávio R. Kothe Slavoj Žižek Manchetômetro Henri Acselrad Marjorie C. Marona Rubens Pinto Lyra Henry Burnett Priscila Figueiredo Ricardo Musse Rafael R. Ioris Luciano Nascimento Antonio Martins Eliziário Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Costa Jean Pierre Chauvin Luis Felipe Miguel Marcelo Módolo Denilson Cordeiro João Carlos Loebens Andrew Korybko Jorge Luiz Souto Maior João Paulo Ayub Fonseca Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Paulo Fernandes Silveira José Luís Fiori Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilena Chauí Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares Luiz Marques Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Dênis de Moraes Luís Fernando Vitagliano Boaventura de Sousa Santos Ricardo Abramovay Caio Bugiato Eleonora Albano Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Lorenzo Vitral Tadeu Valadares Ricardo Antunes Juarez Guimarães André Singer Ronald Rocha Michael Roberts Flávio Aguiar Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Marcos Aurélio da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Matheus Silveira de Souza Francisco Pereira de Farias Renato Dagnino Chico Whitaker Remy José Fontana Alexandre de Freitas Barbosa Alysson Leandro Mascaro Mário Maestri Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Leonardo Boff Elias Jabbour Annateresa Fabris Valerio Arcary Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada