Aliança Lula-Alckimin – com qual programa?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARMANDO BOITO*

É sintomático que boa parte da esquerda tenha caído na armadilha que consiste em discutir nomes

Boa parte da esquerda tem se perguntado se interessa uma aliança com Geraldo Alckmin. Essa pergunta, como tem sido posta, é impossível de ser respondida. E é impossível porque a pergunta está errada da perspectiva democrática e popular. Ela desloca a discussão política, programática, para o mérito das pessoas de Lula e de Alckmin, quando o que interessa saber é qual será o programa político no qual está sendo construída essa aliança.

É sintomático que boa parte da esquerda, tanto defensores da referida aliança quanto seus críticos, tenha caído nessa verdadeira armadilha que consiste em discutir nomes. Perdem-se em considerações, a maioria delas meramente conjecturais, sobre os ganhos ou perdas eleitorais de tal aliança; perdem-se também na discussão sobre as pessoas dos candidatos e a sua história política passada e recente. É claro que a história política conta, mas o problema é que os políticos podem mudar de posição. Muitos socialistas tornaram-se políticos burgueses e importantes políticos burgueses conservadores tornaram-se políticos progressistas. Logo, a história política deste ou daquele político, salvo situações extremas, não é um critério decisivo. No Brasil, o debate político está muito personalizado e, infelizmente, parte da esquerda perde-se nessa fulanização.

A primeira coisa que interessa é qual programa Lula e o PT proporão para uma aliança que englobe a candidatura Alckmin na vice-presidência de Lula. Numa aliança, cada parte deve apresentar o programa mínimo comum que entende que deva servir de base para a aliança. É o início da negociação. Concessões terão de vir de parte a parte. No caso do PT, irá propor quais “desrreformas” para iniciar a negociação em torno de um eventual governo Lula-Alckmin?

Vamos conjecturar improvisadamente e apenas para ilustrar uma lista. O PT poderia propor várias “desrreformas”: (a) trabalhista; (b) previdenciária; (c) retomada da valorização do salário mínimo; (d) do teto de gasto; (e) independência do Banco Central; (f) retorno ao sistema de partilha no pré-sal; (g) suspensão dos processos de privatização da Eletrobrás, dos Correios, das refinarias da Petrobrás; (h) volta do imposto sobre exportação, como fez com árdua luta o peronismo na Argentina, etc, etc.

Como medidas políticas: (a) desmilitarização do governo e das instituições do Estado (STF, TSE) e volta dos militares aos quartéis; (b) fim da cláusula de barreira para os partidos políticos; (c) fim das mordomias de parlamentares que os colocam acima dos seus partidos; (d) apuração dos crimes cometidos contra a saúde pública e assim por diante.

Suponhamos, agora, que Alckmin aceite algumas dessas “desrreformas” e dessas medidas políticas e recuse outras. A aliança entra em processo de avaliação nas organizações partidárias progressistas interessadas, mas uma avaliação política, programática. Um debate como esse, além de orientar politicamente a esquerda, educa politicamente as massas populares. E nós vimos o quanto a organização e a educação política fez falta na hora de resistir ao golpe de 2016.

Num processo como esse, estaria colocada de modo correto, isto é, que interessa ao movimento democrático e popular, a questão seguinte: interessa à esquerda apoiar o programa comum proposto pela aliança Lula/Alckmin? Como resposta, eu diria que não vejo porque a esquerda não deveria apoiar tal aliança se ela contemplasse significativas “desrreformas” e medidas políticas democráticas. Porém, nesse caso, repito, tudo estaria baseado no programa político da aliança, e não nos nomes, nas pessoas que o encarnam.

Muitos poderão argumentar que tal posição é idealista, pois no Brasil não é assim que se faz ou que se tem feito política. Pois é, a esquerda não tem como tarefa fazer política como tem sido feita, mas, sim, fazê-la do modo que interessa ao movimento democrático e popular. De resto, na verdade, a discussão se dá em torno de nomes apenas na superfície ou na aparência do processo político. Por trás das cortinas, as cúpulas partidárias e as pessoas diretamente envolvidas – Lula e Alckmin – terão um programa mínimo construído na base de cochichos entre as cúpulas partidárias, longe dos militantes dos partidos. Teremos um programa oculto enquanto as massas e parte da esquerda perdem-se na discussão de nomes.

*Armando Boito é professor titular de ciência política na Unicamp. Autor, entre outros livros, de Estado, política e classes sociais (Unesp).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Andrew Korybko Samuel Kilsztajn Valerio Arcary Lorenzo Vitral Lincoln Secco Dênis de Moraes Alexandre de Freitas Barbosa Andrés del Río Luiz Renato Martins Rafael R. Ioris Annateresa Fabris Gilberto Maringoni Vladimir Safatle Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Eliziário Andrade Flávio R. Kothe Paulo Capel Narvai Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Armando Boito Jean Marc Von Der Weid Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Manuel Domingos Neto Renato Dagnino Berenice Bento Marcos Silva Bruno Machado Paulo Martins Eduardo Borges Leda Maria Paulani Eleutério F. S. Prado José Machado Moita Neto Tadeu Valadares Heraldo Campos Osvaldo Coggiola Paulo Nogueira Batista Jr Marilena Chauí João Adolfo Hansen Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Trivinho Daniel Brazil Boaventura de Sousa Santos Daniel Costa José Micaelson Lacerda Morais Vinício Carrilho Martinez Luis Felipe Miguel Marcelo Guimarães Lima Luciano Nascimento Marcelo Módolo Bernardo Ricupero Jean Pierre Chauvin Celso Frederico Tarso Genro Yuri Martins-Fontes Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Benicio Viero Schmidt Afrânio Catani Bento Prado Jr. Dennis Oliveira Otaviano Helene Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Loebens João Paulo Ayub Fonseca Chico Alencar Anderson Alves Esteves Eleonora Albano Caio Bugiato Marcos Aurélio da Silva Francisco Pereira de Farias Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro Alysson Leandro Mascaro Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Paulo Fernandes Silveira Liszt Vieira Francisco Fernandes Ladeira Anselm Jappe Ronald León Núñez João Feres Júnior José Raimundo Trindade Ronald Rocha André Márcio Neves Soares Claudio Katz Gabriel Cohn Milton Pinheiro André Singer Vanderlei Tenório Slavoj Žižek Jorge Luiz Souto Maior Rodrigo de Faria Ladislau Dowbor Sandra Bitencourt Manchetômetro Henri Acselrad Ricardo Fabbrini Alexandre Aragão de Albuquerque Érico Andrade Elias Jabbour Mariarosaria Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Avritzer Celso Favaretto José Luís Fiori Jorge Branco Ricardo Abramovay Eugênio Bucci Julian Rodrigues Leonardo Boff Michael Löwy José Geraldo Couto Mário Maestri Denilson Cordeiro Henry Burnett Airton Paschoa Walnice Nogueira Galvão Tales Ab'Sáber Francisco de Oliveira Barros Júnior Priscila Figueiredo João Carlos Salles Michael Roberts Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Michel Goulart da Silva Luiz Eduardo Soares Juarez Guimarães Alexandre de Lima Castro Tranjan Antônio Sales Rios Neto Fernando Nogueira da Costa Thomas Piketty Matheus Silveira de Souza Chico Whitaker José Costa Júnior Flávio Aguiar Ricardo Musse Marcus Ianoni Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Luiz Roberto Alves Gerson Almeida Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Remy José Fontana Leonardo Sacramento Antonino Infranca Gilberto Lopes Maria Rita Kehl João Lanari Bo José Dirceu Fábio Konder Comparato Luiz Marques Carla Teixeira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada