As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As eleições no Rio Grande do Sul

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS EDUARDO BELLINI BORENSTEIN*

A esquerda tem o desafio de evitar a fragmentação de candidaturas no campo progressista

A pesquisa divulgada no domingo, 26 de dezembro, pelo instituto Atlas mostra Edegar Pretto (PT) e Onyx Lorenzoni (DEM) liderando a disputa de 2022 pelo Palácio Piratini como 18,6% e 17,8% das intenções de voto, respectivamente. A sondagem trouxe ainda outras informações importantes. A esquerda, que além de Edegar Pretto, tem as pré-candidaturas de Beto Albuquerque (PSB) e Pedro Ruas (PSOL), soma hoje 34,8% das intenções de voto – 18,6% de Edegar, 8,4% de Ruas e 7,8% de Beto.

Apesar da liderança numérica de Edegar Pretto, a esquerda tem o desafio de evitar a fragmentação de candidaturas no campo progressista. Na eleição de 2018, por exemplo, Miguel Rossetto (PT) conquistou 17,76% dos votos válidos, Jairo Jorge (PDT) teve 11,08% e Roberto Robaina (PSOL) fez 0,64%. Somados os percentuais de Rossetto, Jairo e Robaina, a esquerda conquistou 29,48% no primeiro turno. O percentual foi inferior aos 35,90% de Eduardo Leite (PSDB) e 31,11% de José Ivo Sartori (MDB). Porém, caso o campo progressista estivesse menos pulverizado, a chance de estar no segundo turno aumentaria.

Guardadas as devidas proporções, a configuração do tabuleiro nesse momento, caso não ocorra uma concertação política entre as esquerdas, traz o risco do cenário de 2018 se repetir em 2022. Embora os nomes citados do PSDB (Ranolfo Vieira Júnior) e do MDB (Alceu Moreira) apareçam mal posicionados na pesquisa, quem representar o governo Eduardo Leite (PSDB) tem boas chances de estar no segundo turno. E temos ainda o campo bolsonarista, hoje dividido entre Onyx e Luis Carlos Heinze (PP).

Diante deste cenário, é importante observar o histórico recente das eleições para governador no RS. De 1994 a 2018 – últimas sete eleições – PT, PSB e PCdoB estiveram juntos em 1994, 1998 e 2010. Em duas oportunidades, 1998 (com Olívio Dutra) e 2010 (com Tarso Genro) a esquerda elegeu o governador. A única derrota quando esses três partidos estiveram coligados desde o primeiro turno foi em 1994. Mesmo assim, naquela disputa, quando Antonio Britto, então no PMDB, venceu Olívio, o PT teve uma vitória política, já que Olívio saiu de 34,73% no primeiro turno para 47,79% no segundo turno.

Outra peça importante nesse xadrez é o PDT. Embora em 1998 os pedetistas tenham concorrido com a então senadora Emília Fernandes no primeiro turno, o apoio a Olívio no segundo turno foi determinante para a vitória sobre Britto. Já em 1994, o PDT, que no primeiro turno daquela eleição concorreu com Sereno Chaise, ficou neutro no segundo turno. E em 2010, mesmo com o PDT tendo Pompeu de Mattos como vice de José Fogaça (PMDB), parte do PDT aderiu a Tarso, que venceu em primeiro turno.

Em outros pleitos, com a exceção de 1994, quando PT, PSB e PCdoB não estiveram juntos, o campo progressista foi sempre derrotado. Em 2002, Tarso Genro teve o apoio do PCdoB, PCB e PMN. O PSB lançou Caleb de Oliveira e o PDT apoiou Antonio Britto (PPS). No segundo turno entre Tarso e Germano Rigotto (PMDB), o PDT optou por Rigotto. E o PSB seguiu Tarso.

Em 2006, Olívio Dutra teve o apoio apenas do PCdoB. O PSB lançou Beto Grill. O PDT concorreu com Alceu Collares e o PSOL com Roberto Robaina, que teve o apoio do PCB. No segundo turno, PDT optou por Yeda Crusius (PSDB) e o PSB apoiou Olívio, que acabou perdendo para Yeda. Nas eleições de 2014, Tarso teve o apoio do PCdoB, PTB, PTC, PROS, PR e PPL. O PSB apoiou José Ivo Sartori (PMDB) e o PDT concorreu com Vieira da Cunha. No segundo turno entre Tarso x Sartori, vencido pelo PMDB, o PDT optou por Sartori.

E em 2018, Miguel Rossetto teve somente o apoio do PCdoB. O PDT lançou Jairo Jorge, que foi apoiado pelo PV, SD, Podemos, Avante, PMB e PPL. E o PSOL concorreu com Robaina, que teve o PCB como aliado.

Embora cada eleição tenha sua dinâmica, é importante observar a história ao traçar estratégias eleitorais. E a história mostra que quando PT, PSB e PCdoB estão juntos desde o primeiro turno crescem as chances de sucesso eleitoral. Por outro lado, quando os três partidos se dividem, aumenta o risco de derrota.

Como historicamente o PDT tem candidatura própria no Estado, uma aliança entre PT, PSB, PCdoB e PDT é improvável neste momento. Porém, uma construção política desse porte não deve ser descartada. Mesmo que um entendimento entre os quatro partidos ocorra somente num eventual segundo turno, a densidade eleitoral do campo progressista cresceria no RS.

*Carlos Eduardo Bellini Borenstein, analista de marketing, é cientista político pela ULBRA-RS.

Publicado originalmente no portal Sul21.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Samuel Kilsztajn Leonardo Avritzer Caio Bugiato Daniel Brazil Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel Celso Frederico Luiz Marques Valerio Arcary Carlos Tautz Renato Dagnino Vladimir Safatle Luís Fernando Vitagliano Chico Alencar Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Loebens José Dirceu Rodrigo de Faria Julian Rodrigues José Raimundo Trindade Antonio Martins Bernardo Ricupero Armando Boito João Lanari Bo Salem Nasser Ladislau Dowbor Tadeu Valadares Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira João Feres Júnior Marjorie C. Marona Luiz Costa Lima Marilia Pacheco Fiorillo Michael Roberts Luiz Carlos Bresser-Pereira Rubens Pinto Lyra Luiz Eduardo Soares Vanderlei Tenório Roberto Bueno Gilberto Lopes José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Sacramento Vinício Carrilho Martinez Elias Jabbour Gabriel Cohn Henry Burnett Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Fernandes Silveira Afrânio Catani Mário Maestri Daniel Costa Maria Rita Kehl Dênis de Moraes Berenice Bento Marcelo Guimarães Lima Juarez Guimarães Marcelo Módolo Flávio Aguiar Ronald Rocha Kátia Gerab Baggio Marcos Aurélio da Silva Luciano Nascimento Everaldo de Oliveira Andrade Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lincoln Secco Bruno Machado Tales Ab'Sáber Ricardo Antunes Liszt Vieira José Geraldo Couto João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Yuri Martins-Fontes Ricardo Fabbrini Airton Paschoa Flávio R. Kothe Daniel Afonso da Silva Ricardo Abramovay Eugênio Trivinho Fernão Pessoa Ramos Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Eduardo Borges Manchetômetro Mariarosaria Fabris Slavoj Žižek Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro André Singer Sergio Amadeu da Silveira Milton Pinheiro Manuel Domingos Neto Ricardo Musse Valério Arcary Michael Löwy Marilena Chauí Francisco Pereira de Farias Luiz Roberto Alves Gilberto Maringoni Paulo Capel Narvai Alexandre de Lima Castro Tranjan Andrew Korybko André Márcio Neves Soares Eliziário Andrade Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Anselm Jappe Remy José Fontana Dennis Oliveira Alexandre Aragão de Albuquerque Ronaldo Tadeu de Souza Fernando Nogueira da Costa Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos Jorge Luiz Souto Maior Paulo Nogueira Batista Jr José Costa Júnior José Luís Fiori Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Carla Teixeira Leonardo Boff Gerson Almeida Luiz Renato Martins José Machado Moita Neto Paulo Martins Henri Acselrad Roberto Noritomi Tarso Genro João Adolfo Hansen Marcus Ianoni Claudio Katz Antonino Infranca Jean Marc Von Der Weid Benicio Viero Schmidt Thomas Piketty Eleonora Albano Francisco Fernandes Ladeira Bento Prado Jr. Osvaldo Coggiola Walnice Nogueira Galvão Leda Maria Paulani Heraldo Campos Chico Whitaker Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro Lorenzo Vitral Otaviano Helene Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada