As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Uma brecha na social-democracia

Kartick Chandra Pyne, Trabalhadores, 1965.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO MACHADO*

É uma realidade no Brasil a maior incidência de greves e conquistas de aumentos salarias e outros direitos trabalhistas no setor público

A existência da União Soviética e sua influência nos movimentos dos trabalhadores por toda a Europa foi um motor fundamental para o avanço dos direitos sociais, e contribuiu na construção do Estado de bem-estar social nos países ricos da Europa. Pode-se afirmar, ainda, que tais direitos sociais tiveram que ser cedidos pelas elites locais para que essas não se tornassem vítimas de uma revolução socialista em seus países. Dessa forma, a construção do Estado de bem-estar social europeu foi uma espécie de medida contrarrevolucionária do capitalismo central.

Já pelo final da Guerra Fria, por volta da década de 80, o economista Hyman Minsky elaborou um novo arranjo macroeconômico para que países capitalistas tivessem ciclos econômicos menos intensos. Além de toda base teórica pós-keneysiana que propôs, o economista estadunidense propôs também um programa de desemprego zero. Tal medida, intitulada “Estado como empregador de última instância”, que inclusive inspirou o Projeto de Lei 5491/19 do deputado Glauber Braga (Psol-RJ), prevê que o governo federal empregue todos os trabalhadores não empregados. Tal medida instauraria colateralmente um novo salário mínimo efetivo na economia, que poderia ser elevado ou reduzido como instrumento de controle da inflação, elevando e reduzindo o gasto público do governo anual conforme a demanda efetiva observada na economia nacional.

Um programa de governo que crie uma realidade material de desemprego zero teria como resultado, em termos marxistas, o fim do exército industrial de reserva do capitalismo. Ou seja, o desemprego deixaria de ser um instrumento doutrinador da classe trabalhadora, sob o poder da classe proprietária. Tal realidade teria inúmeras consequências na relação de disputa entre capital e trabalho no capitalismo local. Sem o medo do desemprego, os trabalhadores poderiam se sindicalizar mais, sem medo de represálias e, mais importante, poderiam fazer mais e maiores greves, inclusive greves gerais pelo país.

A garantia de emprego serviria, ainda que precariamente, como uma estabilidade ao trabalhador do setor privado como a estabilidade serve ao trabalhador do setor público. Não à toa, a taxa de sindicalização dos trabalhadores do setor público no Brasil é de 22%, enquanto no setor privado essa taxa é de apenas 6%. Essa discrepância se dá, entre outros fatores, pelo receio de represálias contra o trabalhador sindicalizado. Além disso, a necessidade de competir por trabalhadores com o próprio Estado, forçaria as empresas privadas a não somente oferecer mais benefícios, mas reduziriam potencialmente a rotatividade do mercado de trabalho, que também contribui para uma menor organização dos trabalhadores no setor privado da economia.

É uma realidade no Brasil a maior incidência de greves e conquistas de aumentos salarias e outros direitos trabalhistas no setor público, em comparação ao setor privado no país. Seria esperada uma tendência a equalização dos direitos trabalhistas entre o mercado de trabalho público e privado no Brasil, como consequência de maior movimento sindical atuante, após a implementação de um programa de desemprego zero. Dessa forma, haveria possibilidade de uma maior frequência de greves de trabalhadores do setor privado, como já é uma realidade no setor público.

Uma maior organização dos trabalhadores do Brasil no setor privado, como já existe razoavelmente no setor público, tem um potencial de elevar o poder político dos trabalhadores brasileiros frente ao enorme e ilegítimo poder político que permanece nas mãos da classe proprietária brasileira. Só através de uma maior organização dos trabalhadores, mais convocações de greves gerais e maiores manifestações em massa, a classe trabalhadora brasileira poderá efetivamente exercer seu poder político potencial, que vai muito além das eleições periódicas. Por isso, a luta por um programa de desemprego zero, acoplado a uma política macroeconômica compatível, é de total interesse dos trabalhadores brasileiros.

*Bruno Machado é engenheiro.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleonora Albano José Costa Júnior Flávio Aguiar Dennis Oliveira Roberto Noritomi Priscila Figueiredo Ronaldo Tadeu de Souza Afrânio Catani Heraldo Campos Eleutério F. S. Prado Henry Burnett Jean Marc Von Der Weid Valério Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Leda Maria Paulani Antonio Martins Bernardo Ricupero Igor Felippe Santos Renato Dagnino Annateresa Fabris Valerio Arcary Lorenzo Vitral Ricardo Antunes Remy José Fontana Milton Pinheiro Eugênio Bucci Kátia Gerab Baggio Rodrigo de Faria Jorge Branco Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Paulo Capel Narvai Marilia Pacheco Fiorillo Airton Paschoa Chico Alencar André Márcio Neves Soares Benicio Viero Schmidt André Singer Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer Manchetômetro Ricardo Fabbrini Berenice Bento Paulo Martins João Lanari Bo Alysson Leandro Mascaro Manuel Domingos Neto Anselm Jappe João Adolfo Hansen Slavoj Žižek José Raimundo Trindade Daniel Brazil Antônio Sales Rios Neto Chico Whitaker Thomas Piketty Carlos Tautz Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Celso Favaretto Fernando Nogueira da Costa Luis Felipe Miguel Julian Rodrigues Mário Maestri Fábio Konder Comparato Francisco Pereira de Farias Francisco de Oliveira Barros Júnior Eugênio Trivinho Boaventura de Sousa Santos Henri Acselrad Bruno Machado Bento Prado Jr. José Dirceu Luís Fernando Vitagliano Sandra Bitencourt João Paulo Ayub Fonseca Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carla Teixeira Marilena Chauí Luiz Marques Daniel Costa Marcelo Módolo José Micaelson Lacerda Morais Paulo Nogueira Batista Jr Eduardo Borges Gerson Almeida Marcos Aurélio da Silva Francisco Fernandes Ladeira Luiz Carlos Bresser-Pereira Michael Roberts Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin Flávio R. Kothe Otaviano Helene Atilio A. Boron João Carlos Salles João Carlos Loebens Ronald Rocha Gilberto Maringoni Ricardo Abramovay Michael Löwy Osvaldo Coggiola Yuri Martins-Fontes Gilberto Lopes Ladislau Dowbor Celso Frederico Roberto Bueno Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade Mariarosaria Fabris Rafael R. Ioris Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Sacramento Caio Bugiato Tadeu Valadares Daniel Afonso da Silva Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Maria Rita Kehl Luiz Eduardo Soares Juarez Guimarães Denilson Cordeiro Jorge Luiz Souto Maior Luciano Nascimento Fernão Pessoa Ramos Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Vinício Carrilho Martinez Luiz Costa Lima Samuel Kilsztajn Armando Boito Marcos Silva José Machado Moita Neto Salem Nasser Ronald León Núñez Dênis de Moraes Tales Ab'Sáber Elias Jabbour Lincoln Secco Leonardo Boff Andrew Korybko Ari Marcelo Solon João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Érico Andrade Claudio Katz João Feres Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonino Infranca Rubens Pinto Lyra Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade José Geraldo Couto Marjorie C. Marona Tarso Genro Paulo Fernandes Silveira Anderson Alves Esteves José Luís Fiori Vanderlei Tenório Ricardo Musse

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada