Antropoceno

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HENRIQUE BRAGA & MARCELO MÓDOLO*

A provável catástrofe ecológica pode ser evitada pelo ser humano ou consumada por ele

No campo da linguística, é bastante conhecida a correlação entre língua e recorte da realidade: as palavras não são rótulos postos sobre coisas que já existem, mas sim expressões da nossa forma de ver o mundo. Essa correlação ficou conhecida como hipótese de Sapir e Whorf. Ao estudarem as línguas indígenas da América do Norte, Edward Sapir (1884-1939) e Benjamin Lee Whorf (1897-1941) chegaram à conclusão de que a língua não é “um instrumento de comunicação”, como afirmava a linguística estruturalista de então, mas sim um fator decisivo na formação da visão do mundo. O “mundo real” é construído, de maneira inconsciente, por meio dos padrões linguísticos do grupo humano a que se pertence.

Para exemplificar como isso ocorre, recorremos a um estudo do pesquisador Paulo Henrique de Felipe, que identificou interessantes correlações entre os termos que designam relações de parentesco e o modo como laços consanguíneos direcionam relações sociais no idioma Mehináku (falado pelo povo de mesmo nome, no território indígena do Xingu). Em artigo publicado na revista Estudos Linguísticos do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL), o estudioso destaca, entre outros, os termos “paˈpa” e “mãˈma”, que nomeiam, respectivamente, “pai/ irmão do pai” e “mãe/ irmã da mãe” (em uma tradução aproximada para o português).

Entre o povo mehináku, portanto, “pai” e “tio” (desde que esse tio seja irmão do pai, não da mãe) formam uma mesma relação de parentesco: ao utilizar uma única palavra para se referir ao pai e ao tio paterno, a criança Mehináku está assinalando, por meio de sua língua, que o irmão do pai também é seu pai, ou seja, que ele desempenha, na comunidade, a mesma função social de seu pai biológico. O mesmo ocorre com “mãe” e “tia” (desde que esta seja “irmã da mãe”).

Como se vê, os nomes não são “apenas nomes”: ao orientar nossa forma de ver o mundo, a língua dá sentido ao nosso modo de viver a “realidade”.

 

A invenção da “mudança climática” e do “aquecimento global”

Está em cartaz no SESC Pompeia a exuberante exposição “Amazônia”. Com curadoria de Lélia Wanick Salgado, a exposição conta com fotos monumentais de Sebastião Salgado e com belos recursos audiovisuais. Entre eles, há vídeos com depoimentos de lideranças indígenas das regiões fotografadas, relatando dificuldades que lhes vêm sendo impostas pela ação dos não indígenas – inclusive na forma de políticas públicas.

Em um desses depoimentos, Afukaká Kuikuro, cacique do povo Kuikuro, denuncia como agressões do “homem branco” à natureza têm gerado prejuízos imensuráveis à sobrevivência na/ da floresta. A certa altura, falando dos efeitos danosos da ação humana, ele pondera: “o homem branco chama isso de ‘mudança climática’”.

É um rico exercício de alteridade tentarmos analisar essa expressão linguística sob a ótica indígena. O termo “mudança climática” chama atenção do cacique, ao que tudo indica, por soar conveniente, quase hipócrita. Sem fazer menção explícita ao ato de devastar e destruir o meio ambiente, adotamos regularmente um substantivo que expressa um processo, o que acaba por criar a impressão de que se trata de algo em curso natural, espontâneo.

Mesmo o termo “aquecimento global” pode ser visto nesse viés. Ainda que “mudança” e “aquecimento” possam ser (e no caso são) processos induzidos, o responsável por essa indução desaparece em ambas as expressões. Nessa ótica, não deixa de parecer desfaçatez do nosso mundo dizer aos indígenas que está havendo uma “mudança climática” ou um “aquecimento global”, quando o que temos é a destruição do meio ambiente.

 

Pode chamar de “Antropoceno”

O conhecimento científico de geólogos, arqueólogos, geoquímicos, oceanógrafos e paleontólogos já permite afirmar que entramos em uma nova era geológica, a qual vem sendo chamada de “Antropoceno”. O termo, ao incorporar o radical grego “antropo-” (“homem”), explícita os impactos da ação humana na crise climática atual, deixando claro o papel que temos – uns menos, outros bem mais – nesse atual estado de coisas. Segundo artigo de José Eustáquio Diniz Alves, “O Antropoceno representa um novo período da história do Planeta, em que o ser humano se tornou a força impulsionadora da degradação ambiental e o vetor de ações que são catalisadoras de uma provável catástrofe ecológica.”

Com algum otimismo, porém, se o termo “Antropoceno” aponta explicitamente a responsabilidade humana em uma “provável catástrofe ecológica”, ele também pode nos mostrar a possibilidade de intervirmos nesse rumo. Ou, recorrendo mais uma vez à sabedoria de povos originários, podemos investir em Ideias para adiar o fim do mundo, título de brilhante ensaio da liderança indígena Aílton Krenak – que recentemente recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela UnB e precisa ser cada vez mais ouvido.

*Henrique Santos Braga é doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela USP.

*Marcelo Módolo é professor de filologia na Universidade de São Paulo (USP).

Versão ampliada de artigo publicado no Jornal da USP [https://jornal.usp.br/?p=504802].

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michel Goulart da Silva Eleonora Albano Vinício Carrilho Martinez José Raimundo Trindade José Costa Júnior Ari Marcelo Solon Eugênio Bucci Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Lopes Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Renato Dagnino Manuel Domingos Neto Leonardo Boff José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn Denilson Cordeiro Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Brazil Ricardo Fabbrini João Feres Júnior Tales Ab'Sáber Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Sergio Amadeu da Silveira Julian Rodrigues Anselm Jappe André Márcio Neves Soares Elias Jabbour Michael Löwy Marcus Ianoni Paulo Fernandes Silveira João Adolfo Hansen Marcos Silva Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Alysson Leandro Mascaro Armando Boito Vladimir Safatle Ricardo Musse Jean Marc Von Der Weid Vanderlei Tenório Rubens Pinto Lyra Eduardo Borges Gilberto Maringoni Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva Berenice Bento Ladislau Dowbor Rafael R. Ioris Francisco de Oliveira Barros Júnior Leda Maria Paulani José Machado Moita Neto Chico Whitaker João Carlos Loebens André Singer Jean Pierre Chauvin Luís Fernando Vitagliano Flávio R. Kothe Luiz Marques Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Marcelo Guimarães Lima Benicio Viero Schmidt João Sette Whitaker Ferreira Paulo Martins Carla Teixeira Antonio Martins Ricardo Antunes Luiz Eduardo Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Annateresa Fabris Otaviano Helene Anderson Alves Esteves Luciano Nascimento Henry Burnett Jorge Branco Gerson Almeida Eugênio Trivinho Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Tadeu Valadares José Geraldo Couto Leonardo Avritzer Fernão Pessoa Ramos Luiz Werneck Vianna Gabriel Cohn Osvaldo Coggiola Matheus Silveira de Souza Dennis Oliveira Bento Prado Jr. Eliziário Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Yuri Martins-Fontes Andrés del Río José Dirceu Marilena Chauí Antônio Sales Rios Neto Marilia Pacheco Fiorillo Ronald Rocha Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Celso Frederico Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Juarez Guimarães Chico Alencar Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Maria Rita Kehl Celso Favaretto Salem Nasser Heraldo Campos Thomas Piketty José Luís Fiori Antonino Infranca Tarso Genro Paulo Capel Narvai Plínio de Arruda Sampaio Jr. Remy José Fontana Airton Paschoa Michael Roberts Liszt Vieira Sandra Bitencourt João Lanari Bo Manchetômetro Francisco Pereira de Farias Paulo Nogueira Batista Jr Mário Maestri Slavoj Žižek Priscila Figueiredo Bruno Machado Boaventura de Sousa Santos Afrânio Catani Carlos Tautz Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Renato Martins Atilio A. Boron Bernardo Ricupero Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Luiz Roberto Alves Dênis de Moraes Kátia Gerab Baggio Ronald León Núñez Francisco Fernandes Ladeira Lorenzo Vitral João Carlos Salles Érico Andrade Luis Felipe Miguel Daniel Costa Caio Bugiato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada