As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A rotinização do modernismo

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CELSO FAVARETTO*

Comentário do livro Operários da Modernidade de Maria Cecília França Lourenço

Acostumados a ver a integração do moderno no Brasil como efeito dos grandes lances, típicos dos projetos de ruptura, escapa-nos frequentemente o processo heterogêneo da difusão, diferenciação e consolidação das conquistas do modernismo. Se a história do movimento em São Paulo e a ação de seus principais protagonistas estão devidamente assentadas, não ocorre o mesmo com a atividade artística e cultural dos anos 30/40. O período, embora sempre valorizado sob o ponto de vista da “formação” da cultura brasileira, é tratado preponderantemente como passagem para as propostas e embates desencadeados a partir dos inícios de 50. Sabe-se, entretanto, que passagem não é um simples transcurso; constrói uma história feita de acontecimentos, iniciativas, projetos, ações, que permitem, ainda que posteriormente, a configuração de uma paisagem.

Até há pouco apenas esboçada, a paisagem paulistana vem sendo delineada por estudos minuciosos e interpretações que, como um processo de anamnese, perseguem os pressupostos modernos na variada atividade de artistas, críticos artesãos e políticos, envolvidos em atividades públicas e profissionais. Em São Paulo, a notória efervescência artística não conta, no período, com os vultosos recursos públicos que no Rio de Janeiro eram favorecidos pela proximidade do poder político central. Aqui, o sentido público da cultura vinha da iniciativa pública e privada que, mescladas a associações, clubes, sindicatos e agrupamentos, procuravam afirmar o moderno como modo de vida e a modernização como imperativo cultural. Atuando sobre o acanhado meio artístico, artistas de procedência diversa, críticos e homens públicos estão interessados no alavancamento de uma ação consentânea com a visão (ou antevisão) de um país do futuro. Mentalidade democrática a respeito da cultura, sensibilidade às causas populares, interesse pela educação formal e modernidade das formas agenciam o trabalho multifacetado que se manifesta na atividade artística e crítica e na criação de novas instituições culturais.

Maria Cecília empenha-se em historiar este período em que, segundo Antonio Candido, o modernismo é rotinizado. O experimentalismo e a abertura crítica são assimilados, segundo ela, por trabalhos não mais destinados às elites, pois marcados pelo sentido público visam à cotidianização da cultura. A autora dedica-se, assim, ao rastreamento dos acontecimentos que pipocavam em São Paulo: eventos, palestras, cursos, clubes, sindicatos, exposições, grupos, galerias, livrarias, crítica e noticiário jornalístico -vendo na aparente dispersão a constituição em ato de um projeto moderno interessado na ampliação do público e na conquista do espaço urbano.

Este projeto é, para Maria Cecília, coletivo; não procede da submissão das atividades a um projeto tipológico, antes da consideração de uma operosidade feita de arte culta e de ofícios, de intervenções na cidade e da criação de instituições, de cumplicidade política e ações irreverentes. No conjunto dessas ações, diligentemente rastreadas, a autora localiza direções primaciais: as mudanças na arquitetura, onde o espírito moderno alia construtivismo e art-déco; a importância da pintura dos artistas originários do trabalho artesanal; a contribuição dos artistas estrangeiros, especialmente Segall e De Fiori; a formação de grupos, como o Santa Helena e o Seibi; o trabalho crítico de Mário de Andrade e Sérgio Milliet; a criação do Departamento de Cultura, do Serviço do Patrimônio, da Biblioteca e da Pinacoteca, indicando o esforço de sistematização das ações culturais; e, finalmente, as repercussões da “sedução pelo internacional” como contrapartida do provincianismo.

Para Maria Cecília, todas as atividades materializavam o interesse comum de, como dizia Milliet, “educação do grande público e sua elevação em geral”. Tratava-se de fermentar e exibir, agrupar e ensinar, sempre articulando ações coletivas. Os “operários da modernidade” empenharam-se em causas e combates que, longe da perspectiva das “genialidades individuais”, colocavam o desejo na pintura, escultura e arquitetura de significação coletiva, às vezes tomando partido. A significação social, explícita ou genericamente referida à esquerda política, estendia-se da arte às expressões mistas, -ilustração de livros, revistas e jornais, caricatura, cenografia e mobiliário seriado: na decoração de residências e edifícios públicos, principalmente com os azulejos. Quanto a estes, Maria Cecília destaca, para seu argumento, a importância da “Osirarte”, pelo vínculo que estabeleceu entre trabalho artístico e profissionalização e pela imagem gerada de atividade artística coletiva. O ofício, o fazer bem feito, dos artistas egressos do trabalho artesanal, como os que se agruparam no Santa Helena ou no Seibi, colabora para a reproposição do moderno e para a superação do conservadorismo academicista, combatido pelos modernistas. O interesse pelas paisagens suburbanas, pela ordem visual e disciplina construtiva não se traduz como um superficial reativo retorno à ordem. É contribuição específica, não intelectualizada, da operosidade cotidiana para a rotinização do moderno. Ao lado das irreverências e arrojo de Flávio de Carvalho, da força plástica e saber experimental de De Fiori, a Família Artística Paulista (Volpi, Rebolo, Pennachi, Bonadei, Zanini, Rossi Osir, Clóvis Graciano etc.), opera o moderno como intervenção e trabalho.

*Celso Favaretto é crítico de arte, professor aposentado da Faculdade de Educação da USP e autor, entre outros livros, de A invenção de Helio Oiticica (Edusp).

Nota:


Operários da Modernidade. Maria Cecília França Lourenço. Hucitec/Edusp, 324 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Armando Boito Kátia Gerab Baggio Dênis de Moraes Michael Roberts Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Carlos Bresser-Pereira João Feres Júnior Jean Pierre Chauvin Bernardo Ricupero Lorenzo Vitral José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Fábio Konder Comparato João Lanari Bo Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Martins Eugênio Bucci Chico Whitaker Ricardo Abramovay Boaventura de Sousa Santos Ricardo Musse José Dirceu Otaviano Helene Jorge Luiz Souto Maior Gilberto Maringoni Manuel Domingos Neto Benicio Viero Schmidt Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Marcelo Módolo Anderson Alves Esteves Tadeu Valadares Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos André Singer Flávio R. Kothe Tarso Genro Celso Frederico Luiz Marques João Carlos Loebens Luis Felipe Miguel Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza José Geraldo Couto Rodrigo de Faria Eleonora Albano Henri Acselrad Dennis Oliveira Marcus Ianoni Paulo Capel Narvai Vanderlei Tenório Valério Arcary Henry Burnett Caio Bugiato Liszt Vieira Milton Pinheiro Alexandre Aragão de Albuquerque Gabriel Cohn Bento Prado Jr. Francisco Pereira de Farias Alysson Leandro Mascaro Sergio Amadeu da Silveira Luciano Nascimento Carla Teixeira Gerson Almeida Ari Marcelo Solon Antonio Martins Ronald León Núñez Roberto Noritomi João Carlos Salles Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn José Raimundo Trindade Anselm Jappe Annateresa Fabris Berenice Bento Gilberto Lopes Luiz Werneck Vianna Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Fernão Pessoa Ramos Eduardo Borges Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Luís Fernando Vitagliano Eugênio Trivinho Heraldo Campos João Sette Whitaker Ferreira Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Marcos Silva João Adolfo Hansen Eliziário Andrade Rafael R. Ioris Marilena Chauí Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Renato Martins Vinício Carrilho Martinez Francisco de Oliveira Barros Júnior Airton Paschoa Remy José Fontana Luiz Costa Lima Daniel Costa Luiz Bernardo Pericás Ladislau Dowbor Andrew Korybko Manchetômetro Leda Maria Paulani Valerio Arcary Michael Löwy João Paulo Ayub Fonseca Claudio Katz José Luís Fiori Salem Nasser Érico Andrade Priscila Figueiredo Leonardo Sacramento Carlos Tautz Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antônio Sales Rios Neto Jorge Branco Marcelo Guimarães Lima Thomas Piketty Luiz Eduardo Soares Jean Marc Von Der Weid Maria Rita Kehl José Micaelson Lacerda Morais Bruno Machado Fernando Nogueira da Costa Ricardo Fabbrini Mário Maestri Lincoln Secco Antonino Infranca Juarez Guimarães José Costa Júnior Denilson Cordeiro Afrânio Catani Elias Jabbour Daniel Brazil Renato Dagnino Atilio A. Boron Chico Alencar Marjorie C. Marona Ronald Rocha Julian Rodrigues Eleutério F. S. Prado Vladimir Safatle Mariarosaria Fabris Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Osvaldo Coggiola Roberto Bueno André Márcio Neves Soares Sandra Bitencourt Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada