A ressurreição do Brasil no mundo

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LISZT VIEIRA*

O novo governo rapidamente retira o Brasil da condição de pária para voltar a desempenhar um papel importante na comunidade mundial

Em um mês e meio, o governo Lula tomou diversas medidas que redundaram em melhoria para diversas áreas. Entre elas, a Medida Provisória que reestrutura o programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”. O programa de habitação popular ampliou o limite da primeira faixa de renda para até R$ 2.640. As pessoas com menor renda voltam para o programa e com subsídio. Outras frentes de trabalho atacadas com sucesso foram a salvação dos Yanomamis, vítimas de verdadeiro genocídio, o combate ao garimpo ilegal e ao desmatamento na Amazônia.

No plano internacional, o novo governo rapidamente retira o Brasil da condição de pária para voltar a desempenhar um papel importante na comunidade mundial. Um dos marcos principais dessa caminhada foi a visita de Lula aos EUA. É sobre essa visita que nos debruçamos para tecer as considerações abaixo.

Da conversa entre Lula e Biden, três pontos merecem ser destacados. Em primeiro lugar, as juras de amor à democracia e as críticas à violência da extrema direita que lá invadiu o Capitólio e aqui invadiu e destruiu as sedes dos três Poderes, com o apoio direto de PMs e militares. Esse ponto é comum aos EUA e ao Brasil, dois países, entre muitos outros, em que a democracia entrou em declínio e foi ameaçada.

No caso do Brasil, a democracia, por mais formal que seja, passou a ser bandeira da esquerda, inclusive em prejuízo de outros pontos estratégicos de sua agenda, tendo em vista a ameaça de uma ditadura fascista por parte da extrema direita. O vandalismo bolsonarista que destruiu em Brasília as sedes dos Três Poderes da República em 8 de janeiro, com o apoio de PMs e também de militares – até hoje impunes – mostra a que ponto chegou a degradação da democracia no Brasil que se tornou um verdadeiro Estado de Exceção, reunindo elementos democráticos e ditatoriais em conflito.

Em segundo lugar, o ponto levantado por Lula: meio ambiente e a proteção da Amazônia, com o convite para os EUA irem além da retórica e passarem a contribuir para o Fundo da Amazônia que recebe hoje doação principalmente da Noruega e, em menor proporção, da Alemanha.

Para os ambientalistas, tem um sabor especial ouvir Lula dizer hoje o que os ecologistas diziam já antes dos anos 1980 e eram estigmatizados por todas as lideranças partidárias, de direita, de centro e de esquerda que, por ignorância, consideravam a questão ambiental inexistente no Brasil. E a mídia zombava, chamando os ambientalistas de alfacinha, viados e outras gracinhas.

Agora, na reunião com Joe Biden, Lula foi direto ao ponto, destacando a necessidade de uma governança global (não confundir com governo mundial): “A questão climática, se não tem uma governança global forte, que tome decisões que todos os países sejam obrigados a cumprir, não vai dar certo…Mas alguma coisa temos de fazer para obrigar os países, os congressos e empresários a acatar decisões que tomamos em níveis globais”, insistiu. “A gente tem que ter uma governança global, com mais autoridade, e que outros países possam participar do Conselho de Segurança para que algumas decisões de ordem climática sejam tomadas em nível internacional”.

Em terceiro lugar, a prioridade de Joe Biden era o Brasil participar diretamente da atual guerra na Europa apoiando a Ucrânia. A proposta para o governo brasileiro enviar armas para ajudar a Ucrânia a se defender da invasão russa esbarraria em enormes dificuldades políticas, diplomáticas e até mesmo éticas. Afinal, por que não enviar armas também para a oposição à ditadura religiosa do Irã, a oposição ao regime ditatorial dos Talibãs no Afeganistão, para as minorias muçulmanas reprimidas dos Chechênios na Rússia ou dos Uigures na China? Ou armas para ajudar a etnia curda reprimida pela Turquia ou a minoria não-muçulmana reprimida por Mianmar? Ou a minoria muçulmana xiita reprimida pela Nigéria? Ou ainda para ajudar a oposição ao regime da Arábia Saudita, considerada a ditadura mais sanguinária do mundo?

Minorias étnicas reprimidas é o que não falta no planeta. Aqui mesmo, no Brasil, tínhamos até há pouco o genocídio dos Yanomamis que parece estar chegando ao fim. Por que mandar armas só para os ucranianos? Provavelmente, não é apenas porque são louros e europeus. Talvez porque Joe Biden e a mídia ocidental considerem o Ocidente sob hegemonia norte americana o centro do mundo que, entretanto, parece caminhar lenta, mas firmemente para a multipolaridade.

Além disso, essa proposta ignora as razões da indefensável invasão da Ucrânia por uma Rússia sentindo-se cercada militarmente pela OTAN controlada pelos EUA que, até agora, são os grandes vencedores: essa guerra fortaleceu o poder dos militares americanos, aumentou o lucro dos empresários da indústria bélica exportadora de armas, garantiu emprego para os trabalhadores e não morreu nenhum americano.

A grande derrotada é a Europa: os EUA sabotaram o gasoduto Nord Stream 2 que levaria gás natural da Rússia para a Alemanha e para o resto da Europa que sofre hoje inflação no preço dos alimentos e da energia. A invasão destruiu boa parte da Ucrânia, levou à morte milhares de pessoas, ucranianos, russos e população civil e acabou fortalecendo a OTAN e os EUA.

A posição fascista dos militares ucranianos, que chegaram a pendurar um retrato de Adolf Hitler na parede do quartel de Azov, o mais importante da Ucrânia, a corrupção de Walodymyr Zelenski, que já figurava na lista dos Panama Papers e agora foi acusado de vender no mercado negro parte das armas doadas pelos americanos, a pressão da OTAN contra a Rússia, nada justifica a invasão que Vladimir Putin imaginou que seria relâmpago e já dura quase um ano. Quanto mais tempo durar a guerra, melhor para os EUA, pior para a Rússia.

Os EUA bombardearam dezenas de países depois da Segunda Guerra Mundial. Segundo divulgado por fontes diplomáticas chinesas em 27 de fevereiro de 2022, “dos 248 conflitos armados ocorridos entre 1945 e 2001 em 153 regiões do mundo, 201 foram iniciados pelos EUA, o que representa 81% do número total”. O complexo industrial militar americano não fica muito tempo sem guerra. Desta vez, fazem guerra por procuração. Deviam agradecer a Vladimir Putin.

Lembrando Talleyrand, o maquiavélico Chanceler e Primeiro Ministro da França em 1815 sob Luís XVIII, a invasão da Ucrânia, mais do que um crime, foi um erro. Erro que Lula denunciou. Ele só teve acertos em sua visita aos EUA, com reuniões importantes com o senador Bernie Sanders e a deputada Alexandria Ocasio-Cortez. E ainda sugeriu a Joe Biden mudar a política em relação a Cuba e Venezuela.

A visita aos EUA foi um sucesso e Lula se destacou como líder mundial ao propor a criação de um G20 para a paz e se colocar como possível mediador entre a Rússia e a Ucrânia, com a simpatia da Alemanha e da França. É cedo para saber se isso vai ou não dar certo, mas o convite para Lula participar do G7 é um indicador da ressurreição do Brasil como ator importante no cenário internacional. O que desde já se pode afirmar é que, em um mês, o Brasil, sob liderança de Lula, passou de pária a uma posição de destaque na comunidade mundial das nações.

*Liszt Vieira é professor de sociologia aposentado da PUC-Rio. Foi deputado (PT-RJ) e coordenador do Fórum Global da Conferência Rio 92. Autor, entre outros livros, de A democracia reage (Garamond).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Capel Narvai Matheus Silveira de Souza Airton Paschoa Bruno Machado José Micaelson Lacerda Morais Lincoln Secco Francisco Pereira de Farias Bernardo Ricupero Luiz Carlos Bresser-Pereira Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Luis Felipe Miguel Marcos Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Löwy José Raimundo Trindade João Adolfo Hansen Andrés del Río Marcos Aurélio da Silva José Costa Júnior João Carlos Loebens André Márcio Neves Soares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares Renato Dagnino Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Marcus Ianoni Atilio A. Boron Berenice Bento Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Daniel Costa Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Sacramento Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Feres Júnior Samuel Kilsztajn Julian Rodrigues Antonino Infranca Marcelo Módolo Jean Pierre Chauvin Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marilia Pacheco Fiorillo Bento Prado Jr. Rafael R. Ioris Sandra Bitencourt André Singer Paulo Sérgio Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Andrew Korybko Luís Fernando Vitagliano Celso Frederico Luiz Eduardo Soares Eleonora Albano José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Maringoni Marcelo Guimarães Lima João Sette Whitaker Ferreira Maria Rita Kehl Manchetômetro Osvaldo Coggiola Priscila Figueiredo Otaviano Helene Salem Nasser Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Michael Roberts Henri Acselrad Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Marjorie C. Marona Carlos Tautz Antônio Sales Rios Neto Caio Bugiato Ronald León Núñez Luiz Werneck Vianna Rubens Pinto Lyra Rodrigo de Faria Mário Maestri Heraldo Campos Gabriel Cohn José Machado Moita Neto Remy José Fontana Milton Pinheiro Eugênio Trivinho Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Fernando Nogueira da Costa Henry Burnett Elias Jabbour Celso Favaretto Benicio Viero Schmidt Igor Felippe Santos Leonardo Avritzer Denilson Cordeiro Dennis Oliveira Michel Goulart da Silva Jorge Branco Manuel Domingos Neto Paulo Martins Kátia Gerab Baggio Daniel Brazil Luiz Marques Tarso Genro Gilberto Lopes João Carlos Salles Armando Boito Flávio Aguiar João Lanari Bo Ricardo Musse Luiz Renato Martins Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva Gerson Almeida Mariarosaria Fabris Ricardo Abramovay Ronald Rocha Anselm Jappe Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Claudio Katz Thomas Piketty Marilena Chauí Eugênio Bucci Liszt Vieira José Geraldo Couto Chico Alencar Dênis de Moraes Juarez Guimarães Vanderlei Tenório Tales Ab'Sáber Yuri Martins-Fontes Jorge Luiz Souto Maior Luiz Roberto Alves Antonio Martins Slavoj Žižek Afrânio Catani Fábio Konder Comparato Valerio Arcary Ricardo Antunes Flávio R. Kothe Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Ari Marcelo Solon Francisco de Oliveira Barros Júnior Sergio Amadeu da Silveira Valerio Arcary Lorenzo Vitral Annateresa Fabris Leda Maria Paulani Carla Teixeira Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES