As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Após o pesadelo, que tal uma primavera?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ WERNECK VIANNA*

O campo democrático conseguiu instalar a política e suas instituições como lugar de resolução de conflitos políticos

A longa noite de pesadelo que por tanto nos afligiu, expostos à ameaça do ressurgimento do fascismo, patologia política preservada em estado latente a partir do Estado Novo de 1937 – este, claramente fascista – manifesta também no regime do AI-5 e reanimado pela apropriação do Estado por um golpe de fortuna de um aventureiro que se impôs a missão de devolver a vida essa infausta experiência, encontra seu fim nesses dias que anunciam a primavera.

A sociedade ainda mal desperta desses momentos de amargura que viveu indefesa, em meio a uma cruel pandemia, pela criminosa omissão de um governo que conscientemente, por cálculos políticos canhestros, ignorou a gravidade da situação e nos deixou o legado macabro de quase 700 mil mortos.

Decerto que o desenlace da tragédia política que nos acometeu ainda ronda o terreno da imprevisibilidade, e poderosas resistências já se antepõem aos anseios democráticos que animam cada vez mais vastos setores da vida social, especialmente entre os jovens, as mulheres e os que procedem do mundo do trabalho, particularmente estes atingidos diretamente em seus direitos e no rebaixamento de suas condições de vida. O patriarcalismo com que nascemos como sociedade está ferido de morte, e de nada importam os esforços do atual governo em lhe assegurar continuidade, uma das peças do arsenal autoritário desde sempre.

Falta, de fato, um percurso, se curto ou longo não dá para antecipar, para que se estabeleça a plenitude da ordem democrática, mas são favas contadas que o surto fascizante que nos veio das ações e projetos do governo já foi debelado pela ação da opinião pública e pela vigorosa resistência das instituições, em particular das nossas altas cortes de justiça, que asseguraram a preservação do calendário eleitoral.

Afastadas do horizonte imediato da política as maquinações golpistas que visavam constituir um poder sem freios a Bolsonaro como chefe da nação, orientam-se, em um movimento defensivo, no sentido de uma composição com a direita tradicional a fim de buscar pela via eleitoral uma alternativa de sobrevivência. Nesse sentido, passa a contar com as forças agrupadas no Centrão, tradicionais bastiões dos privilégios originários da nossa formação de uma sociedade criada a partir das grandes explorações escravistas.

Tal deslocamento do plano conspirativo, sede principal dos seus esforços nos seus primeiros anos, para o terreno eleitoral, importou uma brusca alteração de rumos em terreno ignorado, como patente na cornucópia que instalou, nas vésperas das eleições, com a finalidade de colher os votos da população de baixa renda.

Nesse terreno, as hostes bolsonaristas contarão como estrategistas os políticos tradicionais especializados no controle das populações retardatárias do nosso hinterland e de militares, jejunos em competições eleitorais de massa. Verdade, que no coldre ao alcance das mãos, como no último 7 de setembro, cogitam guardar sua bala de prata para eventual uso quando todos os caminhos estiverem fechados à sua reprodução, mas essa seria uma estratégia de altíssimo risco, inclusive em razão da atual conjuntura internacional, sobretudo em nosso continente.

Esse deslocamento, por si só, significou uma vitória do campo democrático vindo a instalar a política e suas instituições como lugar de resolução de conflitos políticos, rebaixando as possibilidades dos caminhos sediciosos com que o bolsonarismo ainda flerta.

Passo a passo, a coalizão democrática amplia seu campo de influência, como agora com a inclusão de Marina Silva, com seu histórico de lutas em favor da democracia, e já se anuncia a auspiciosa adesão à candidatura Lula-Alkmin de personalidades e políticos da esquerda do PDT de Brizola que pode vir a garantir a vitória em primeiro turno, selando com pá de cal o destino da eleição.

Faltam poucos dias, a vitória está ao alcance das mãos, e com ela vão se descerrar as vias em direção à conclusão do processo de democratização da sociedade que deixamos a meio caminho nos idos dos anos 1980, desbastando até suas raízes mais fundas o legado do que ainda resta da má conformação da nossa sociedade filha de um patrimonialismo que se assentou sobre uma base latifundiária e escravista.

*Luiz Werneck Vianna é professor do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio. Autor, entre outros livros, de A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Revan).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Roberto Noritomi Eugênio Bucci José Geraldo Couto Vinício Carrilho Martinez Annateresa Fabris Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Marcelo Guimarães Lima Bruno Machado Marilena Chauí Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Celso Frederico Tales Ab'Sáber Vladimir Safatle Dennis Oliveira Sandra Bitencourt Afrânio Catani Tarso Genro Valério Arcary Andrew Korybko Lucas Fiaschetti Estevez Chico Whitaker Eleonora Albano Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Ricardo Musse Manchetômetro Jorge Branco Boaventura de Sousa Santos Roberto Bueno Eugênio Trivinho Luiz Marques Henri Acselrad Walnice Nogueira Galvão Fábio Konder Comparato Berenice Bento Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Boff Vanderlei Tenório Michael Löwy Tadeu Valadares Everaldo de Oliveira Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Nogueira Batista Jr Heraldo Campos Leonardo Sacramento Leda Maria Paulani Luiz Roberto Alves Fernão Pessoa Ramos Chico Alencar Jean Pierre Chauvin Leonardo Avritzer Luiz Bernardo Pericás Luiz Costa Lima João Feres Júnior Ricardo Antunes Ronald León Núñez Antonino Infranca Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Henry Burnett Alexandre de Freitas Barbosa José Machado Moita Neto Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Francisco Fernandes Ladeira José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Marjorie C. Marona Ronaldo Tadeu de Souza Flávio R. Kothe Érico Andrade João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Salles José Costa Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty Armando Boito Remy José Fontana Milton Pinheiro Yuri Martins-Fontes Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Sergio Amadeu da Silveira Priscila Figueiredo Claudio Katz Anselm Jappe Ladislau Dowbor Atilio A. Boron Jorge Luiz Souto Maior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eduardo Borges Michael Roberts Caio Bugiato Lincoln Secco Flávio Aguiar Gabriel Cohn Celso Favaretto Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Marcus Ianoni Antonio Martins Salem Nasser Eliziário Andrade Renato Dagnino Ricardo Fabbrini André Singer Marcos Silva Carla Teixeira João Adolfo Hansen Dênis de Moraes Slavoj Žižek Maria Rita Kehl Valerio Arcary Marcelo Módolo André Márcio Neves Soares Gilberto Lopes Jean Marc Von Der Weid João Lanari Bo Kátia Gerab Baggio Benicio Viero Schmidt Airton Paschoa Paulo Fernandes Silveira Paulo Capel Narvai Bento Prado Jr. Ricardo Abramovay Elias Jabbour Anderson Alves Esteves Igor Felippe Santos Mário Maestri Rodrigo de Faria Luiz Eduardo Soares Otaviano Helene João Carlos Loebens Daniel Costa Rubens Pinto Lyra José Dirceu João Paulo Ayub Fonseca Luciano Nascimento José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Mariarosaria Fabris Paulo Martins Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva José Luís Fiori Luiz Renato Martins Carlos Tautz Juarez Guimarães Ari Marcelo Solon

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada