A temperatura aumenta

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ILAN ZUGMAN & CARLOS TAUTZ*

As contradições entre a realidade dos atos e a intenção declarada pelos governos de estimularem o uso de fontes energéticas menos poluentes do que os combustíveis fósseis

À medida que se aproxima a 28a. Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (a COP28, que ocorrerá de 30 de novembro a 12 de dezembro em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos) ficam mais evidentes as contradições entre a realidade dos atos e a intenção declarada pelos governos de estimularem o uso de fontes energéticas menos poluentes do que os combustíveis fósseis.

Para demandar soluções reais e imediatas, a organização global de justiça climática 350 organizações e outras entidades da sociedade civil realizarão em todo o planeta nos dias 3 e 4 de novembro atos de rua para lembrar os países ricos da sua responsabilidade em adotar ações imediatas na direção de uma matriz energética menos poluidora.

Por exemplo, o governo do Brasil, que sempre realça a necessidade de transitar da geração fóssil, na prática tem tomado posições controversas. Por exemplo, gastou em 2022, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), quase R$ 12 bilhões em subsídios a termelétricas movidas a gás natural, destinados através da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Mais R$ 1 bilhão em subsídios dirigiram-se a usinas termelétricas movidas a carvão mineral – cuja queima é considerada – de longe – a fonte de energia que mais emite gases causadores do efeito estufa.

Inclusive, esses subsídios ao carvão tiveram um aumento de 21% em relação aos R$ 750 milhões desembolsados em 2021, quando os gastos públicos com essas fontes poluidoras já haviam crescido 12% sobre 2020. Os dois sucessivos incrementos reverteram uma queda que estava sendo verificada nos cinco anos anteriores no uso do carvão. Esta fonte participa com apenas 1,3% da geração de energia brasileira.

Todas as fontes fósseis reunidas – incluindo também o gás natural e o petróleo – abocanharam em 2021 quase R$ 120 bilhões em subsídios governamentais, conforme um estudo do Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC), publicado em novembro de 2022.

Entre os subsídios calculados pelo INESC, estão a contratação compulsória de geração termelétrica e pequenas centrais hidrelétricas (R$ 55 bilhões), contratação de leilão emergencial (R$ 40 bi), e a CDE (perto de R$ 35) bilhões.

A contradição entre o discurso e a prática oficiais é tão grande que atinge até o governo internamente. O Executivo publicou em 2020 o “Programa para uso sustentável do carvão mineral” e não fez qualquer movimento para vetar uma norma emitida pelo Legislativo que inseriu, naquele mesmo ano, de contrabando, os subsídios ao carvão no processo de privatização da ex-holding estatal de energia Eletrobrás. Mas, esta não foi a posição do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pertencente ao Ministério da Indústria e do Comércio, que decidiu não mais financiar a construção de novas usinas térmicas a carvão.

O pior é que a continuidade dos subsídios deve dificultar o investimento nas chamadas renováveis, como a solar e a eólica, e no hidrogênio verde, segundo vozes de mercado ouvidas pela agência EPBR, especializada em notícias sobre energia.

Elas indicam ser necessário rever os subsídios em fósseis e destiná-lo a, por exemplo, tornar competitivo o hidrogênio verde – uma das principais alternativas aos fósseis. Livre para ser beneficamente aplicado, esse volume de recursos também seria suficiente para incentivar a descarbonização da indústria brasileira. Mas nada indica que a contradição será revista no curto prazo. Ao contrário.

Divulgada em outubro, uma pesquisa do IEMA – Instituto de Energia e Meio Ambiente observou até que houve uma ampliação marcante das fontes biomassa, eólica e solar na matriz energética – o que indicaria uma diminuição no volume de gases emitidos.

Mas, também segundo o IEMA, houve a simultânea “expansão do uso de combustíveis fósseis para geração de eletricidade. Ainda que, em 2022, essa geração tenha caído cerca de 49% em relação ao ano de 2021, devido principalmente à recuperação dos reservatórios das hidrelétricas, a produção de energia elétrica por termelétricas fósseis saiu de 35 TWh em 2002 para quase 69 TWh em 2022, praticamente dobrando”.

Em vez de aprender com a realidade que nos bate à porta – a histórica seca na região amazônica e o aumento recorde na temperatura da Terra em 2022, de 1,15 oC acima dos níveis verificados antes da Revolução Industrial – governos, principalmente aqueles das maiores economias, e demais agentes de mercado, que induzem a produção e o consumo de combustíveis, insistem na visão que acaba por nos levar a um futuro incerto para o planeta e a espécie humana.

A qual futuro chegaremos, não há como saber.

*Ilan Zugman é mestre em gestão ambiental e diretor da 350.org na América Latina.

*Carlos Tautz é jornalista e doutorando em história na Universidade Federal Fluminense (UFF).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Márcio Neves Soares Marcus Ianoni Tales Ab'Sáber Milton Pinheiro Jorge Branco Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Denilson Cordeiro Salem Nasser Caio Bugiato Walnice Nogueira Galvão Marjorie C. Marona Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Luciano Nascimento Fernando Nogueira da Costa Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani João Feres Júnior Chico Alencar Luiz Werneck Vianna José Raimundo Trindade Anselm Jappe Marilena Chauí Antonio Martins Henry Burnett Luis Felipe Miguel Alysson Leandro Mascaro Slavoj Žižek Luiz Eduardo Soares Eduardo Borges Matheus Silveira de Souza Carlos Tautz Leonardo Sacramento Marcos Aurélio da Silva Érico Andrade Bruno Machado Lucas Fiaschetti Estevez Mário Maestri Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira José Machado Moita Neto Michael Roberts Daniel Costa Jean Pierre Chauvin Luiz Bernardo Pericás Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilia Pacheco Fiorillo Flávio R. Kothe Michel Goulart da Silva Berenice Bento Chico Whitaker Leonardo Boff Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Salles Eugênio Bucci Rodrigo de Faria Maria Rita Kehl Celso Favaretto Ricardo Antunes Leda Maria Paulani André Singer Marcelo Guimarães Lima Tarso Genro Thomas Piketty Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Avritzer Armando Boito José Luís Fiori Elias Jabbour Luiz Roberto Alves Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Abramovay Renato Dagnino Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto Luiz Marques Gerson Almeida Ricardo Fabbrini Andrés del Río Boaventura de Sousa Santos Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Ronald Rocha Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Musse Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai Vladimir Safatle Osvaldo Coggiola Valerio Arcary João Carlos Loebens Airton Paschoa Gabriel Cohn Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Atilio A. Boron Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Julian Rodrigues Luís Fernando Vitagliano Manchetômetro Lincoln Secco Marcos Silva Michael Löwy Ladislau Dowbor Gilberto Maringoni Annateresa Fabris Ronald León Núñez Henri Acselrad João Lanari Bo Tadeu Valadares Daniel Brazil Gilberto Lopes Anderson Alves Esteves Eliziário Andrade Paulo Martins Antonino Infranca Andrew Korybko Fernão Pessoa Ramos Flávio Aguiar Dênis de Moraes Paulo Fernandes Silveira Dennis Oliveira Alexandre de Freitas Barbosa Ronaldo Tadeu de Souza José Costa Júnior Eleonora Albano Sandra Bitencourt José Dirceu Carla Teixeira Francisco Pereira de Farias Juarez Guimarães Mariarosaria Fabris Vinício Carrilho Martinez Heraldo Campos Lorenzo Vitral Otaviano Helene Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado Fábio Konder Comparato Eugênio Trivinho Marcelo Módolo Everaldo de Oliveira Andrade João Paulo Ayub Fonseca João Adolfo Hansen Claudio Katz Bernardo Ricupero

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada