As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Arredondando a saúde

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Paulo Capel Narvai*

Naqueles tempos em que se cria que a terra era plana, o mundo já era assombrado pelos demônios, conforme contou Carl Sagan. Quase 27 séculos depois que os primeiros pré-socráticos começaram a cogitar a esfericidade do planeta, dentre os quais um tal de Pitágoras, o mundo segue atormentado por fantasmas e outros bichos. A teoria dos miasmas, quase dois séculos depois que John Snow acabou com duas epidemias de cólera, sem conhecer o Vibrio cholerae, apenas fechando torneiras estratégicas em Londres, segue, para muitos, como modelo explicativo dessa e outras doenças.

Não foi suficiente que, em 1522, Fernão de Magalhães completasse a circum-navegação da Terra, atestando sua esfericidade, nem que Isaac Newton, no século seguinte, explicasse que a gravidade nos permitiria habitar qualquer ponto da Terra – e não apenas o topo dela, para não cairmos no vazio –, para nos livrarmos de fantasmas e espíritos que nos fariam adoecer, algo em que ainda se crê, firmemente.

Ainda nos anos 1990, Carl Sagan escolheu um subtítulo significativo para seu livro O mundo assombrado pelos demônios (Companhia das Letras), dedicado a combater explicações pseudocientíficas e místicas: a ciência vista como uma vela no escuro. Preocupava-o a irresponsabilidade dos meios de comunicação com a veiculação de crendices e misticismos, em busca de audiência e dinheiro. Sagan procurava reafirmar o papel positivo e benéfico da ciência e da tecnologia. Acreditava no poder da razão iluminando o mundo: “Não sei até que ponto a ignorância em ciência e matemática contribuiu para o declínio da Atenas antiga, mas sei que as consequências do analfabetismo científico são muito mais perigosas em nossa época do que em qualquer período”.

Em O Amor nos tempos do cólera (Record), Gabriel García Márquez nos brinda com a história de amor, que atravessa o tempo, do telegrafista, violinista e poeta Florentino Ariza por Fermina Daza. Foram necessários 53 anos de espera, entremeados pelo matrimônio de Fermina com Juvenal Urbino, o médico tido como o responsável pelo que Márquez considerou ser a erradicação da pandemia de cólera, que à época matava aos milhares na Colômbia.

Não era a erradicação. O amor e os tempos do cólera seguem sendo, atualíssimos, nesta parte do nosso planeta redondo e azul. Com certa perplexidade, vemos reemergir nas décadas iniciais do século XXI epidemias e pandemias que pensávamos sepultadas naquele passado remoto a que García Márquez aludiu. Mas estavam apenas adormecidas. O ressurgimento nos dá, porém, a exata medida da importância de combater a pseudociência e, simplesmente, a ignorância, pois podem matar. Tanto ou mais que vírus e bactérias.

É o que ocorre em nossos dias na África Ocidental, que segue fustigada por surtos de ebola, um tipo de febre hemorrágica que, em casos extremos, causa sangramentos fatais. A taxa de letalidade é alta, superior a 50% podendo chegar a 90%. Entre 2013 e 2015, um desses surtos atingiu Guiné, Libéria e Serra Leoa, matando mais de 11.300 pessoas. Em fevereiro deste ano, novo surto na República Democrática do Congo matou 502 pessoas, em seis meses. A falta de confiança nas orientações dos profissionais de saúde é a principal dificuldade para controlar os surtos.

Governos Temer e Bolsonaro aprofundam a privatização do SUS

Não há vacina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda aos países que organizem sistemas de saúde com serviços equipados e equipes bem treinadas para fazer Atenção Primária à Saúde, como o melhor método de prevenção da doença.

Em outras palavras, fazer o que vem fazendo o Brasil com nosso Sistema Único de Saúde (SUS), presente e organizado em todos os municípios. Mas o SUS vem, a duras penas, sobrevivendo aos ataques que, diariamente, lhe são desfechados por empresas interessadas em vender “planos de saúde” e que, nos governos de Michel Temer e Jair Bolsonaro, têm contado com a ajuda de ministros da Saúde que, ao invés de comandar, organizar, fortalecer e dotar o SUS dos recursos de que necessita, transformaram-se em lobistas dessas empresas. Fazem o oposto do que recomenda a OMS – e a melhor ciência.

Nesse cenário, não surpreende a reemergência de enfermidades como sarampo que, mesmo dispondo de vacina eficaz, está fora de controle sanitário no Brasil. O acumulado no país nos meses de junho, julho e agosto de 2019 registrou 2.753 casos. A incúria sanitária matou quatro pessoas. Só mesmo pessoas ingênuas, ou de má fé, podem atribuir as mortes ao Morbillivirus.

Na origem dessa incúria encontram-se a pseudociência, cujas mentiras, disseminadas em redes sociais por pessoas irresponsáveis, causam medo e insegurança em pais e responsáveis, mas, sobretudo, o descaso com as instituições públicas do SUS. Estas, que padecem de crônico subfinanciamento, encontram-se agora na iminência de serem simplesmente desfinanciadas, em decorrência da conhecida como “EC da Morte”, a Emenda Constitucional 95/2016, que congelou por 20 anos os recursos do SUS, corrigindo-os pela inflação, com base em dados do orçamento de 2017. A previsão de economistas é de uma perda de recursos que, acumulada, pode chegar a cerca de R$ 900 bilhões, até 2036.

Uma das consequências da vigência da EC-95/2016 é o anúncio, pelo governo Bolsonaro, de uma redução de 7% no orçamento para compra e distribuição de vacinas, em 2020. O corte equivale a cerca de R$ 400 milhões. A decisão teria sido inspirada em pregações antivacinistas de um ideólogo “terraplanista” do governo federal.

Em tempos de sarampo, a hanseníase também ressurge com força: após mais de uma década registrando queda na incidência, o Brasil teve um aumento de 14% entre 2016 e 2018, com 25.215 casos novos em 2016 e 28.657 em 2018, segundo o Ministério da Saúde.

O aumento na ocorrência de hanseníase, conhecida como uma “doença bíblica”, é emblemático desses tempos de ódio, pseudociência, fantasmas e espíritos rondando a vida de cada um, mas, sobretudo, projetando-se sobre o Estado e influenciando políticas públicas.

Sagan faz falta. Mas também nos fazem muita falta Oswaldo Cruz, Paula Souza, Sérgio Arouca e muit(x)s que, com seu talento e compromisso público, tanto contribuíram para nos tirar dos tempos do cólera que, não obstante, insiste em não se apartar de nossa gente.

*Paulo Capel Narvai é professor titular de Saúde Pública na USP

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes José Costa Júnior Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto Roberto Bueno Marcos Silva Claudio Katz Berenice Bento Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Otaviano Helene Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Jean Pierre Chauvin João Adolfo Hansen Dennis Oliveira Rafael R. Ioris José Dirceu Julian Rodrigues Marcus Ianoni Ladislau Dowbor Leonardo Sacramento Tadeu Valadares Celso Frederico Francisco Fernandes Ladeira Ari Marcelo Solon Bernardo Ricupero Gerson Almeida Annateresa Fabris Leda Maria Paulani Celso Favaretto João Carlos Salles Flávio Aguiar Sergio Amadeu da Silveira Juarez Guimarães Luiz Costa Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan Manuel Domingos Neto Heraldo Campos Leonardo Boff Lincoln Secco Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Igor Felippe Santos Jorge Luiz Souto Maior Henri Acselrad Andrew Korybko Roberto Noritomi Ricardo Fabbrini Antônio Sales Rios Neto Valério Arcary Thomas Piketty Priscila Figueiredo Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronald León Núñez Lorenzo Vitral Jorge Branco João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Lopes Tarso Genro Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre Aragão de Albuquerque Benicio Viero Schmidt Daniel Brazil Flávio R. Kothe Luís Fernando Vitagliano José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro Tales Ab'Sáber Anselm Jappe Daniel Costa Marcelo Módolo Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr José Micaelson Lacerda Morais Marjorie C. Marona Luciano Nascimento Maria Rita Kehl Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Carla Teixeira Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Remy José Fontana Slavoj Žižek Caio Bugiato Michael Löwy Alysson Leandro Mascaro Liszt Vieira Luiz Marques Ricardo Abramovay Marilena Chauí Bento Prado Jr. Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Anderson Alves Esteves Eleonora Albano Michael Roberts Valerio Arcary Airton Paschoa Carlos Tautz José Raimundo Trindade Walnice Nogueira Galvão Armando Boito Ricardo Musse Eugênio Bucci Eduardo Borges Eleutério F. S. Prado Atilio A. Boron Paulo Martins Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Avritzer Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez Chico Alencar Rodrigo de Faria Gilberto Maringoni André Singer Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Manchetômetro Yuri Martins-Fontes Rubens Pinto Lyra Vanderlei Tenório Fernando Nogueira da Costa Jean Marc Von Der Weid Antonino Infranca Samuel Kilsztajn Paulo Fernandes Silveira Bruno Machado Ronald Rocha Afrânio Catani Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Lanari Bo Francisco de Oliveira Barros Júnior Elias Jabbour Érico Andrade Sandra Bitencourt Osvaldo Coggiola Mário Maestri Renato Dagnino Eliziário Andrade Henry Burnett Everaldo de Oliveira Andrade Gabriel Cohn Luiz Eduardo Soares Milton Pinheiro Dênis de Moraes Marcos Aurélio da Silva José Luís Fiori André Márcio Neves Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada