As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Uma travessia difícil

Imagem: Madison Inouye
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ  WERNECK VIANNA*

A restauração da cultura democrática se encontra na dependência da musculatura que vierem a adquirir os entes da sociedade civil na luta por suas reivindicações

O caminho que se abre à frente do governo Lula-Alkmin é de um desfiladeiro em que estão entrincheirados em suas margens atiradores de precisão e toda sorte de inimigos empenhados a impedir seus passos rumo à reconquista da democracia. Para esse intento contam menos os aderentes raiz do regime Bolsonaro e bem mais com os setores das elites que se sentem ameaçados pela perda dos privilégios de que desfrutavam no governo anterior. Essa será uma passagem de alto risco, a exigir extrema perícia dos que lideram sua condução, certamente em nível superior ao que ocorreu no curso da campanha eleitoral.

Na hora de partida sua perícia já é testada pela falta de recursos orçamentários que viabilizem a continuidade do programa bolsa família, compromisso seu compartilhado com o governo a que sucede, a que se acrescenta igual carência, diante da crise social que aflige a imensa massa de vulneráveis em situação de pobreza extrema, de meios para enfrentar os males que padecem. Nessa aziaga circunstância, o governo eleito recorreu ao remédio heroico de uma emenda constitucional a fim de lograr uma dotação orçamentária capaz de minimamente garantir recursos para o atendimento emergencial das necessidades imperativas da população.

Nesse sentido, o futuro governo se encontra enredado em difíceis negociações com o Legislativo, dominado em sua maioria por forças que lhe foram adversárias na disputa eleitoral, salvo se perfilharem uma via alternativa à emenda constitucional como uma medida provisória como primeiro ato de governo. Sem dúvida, a recente decisão do STF que julgou inconstitucional o orçamento secreto e os poderes que concedia aos chefes do poder legislativo retira algo de força desse poder, mas não a ponto de lhe deixar desarmado diante do novo governo, que tudo indica optará pelo caminho razoável da negociação da emenda constitucional segundo manifestações de suas lideranças, processo que ora se conclui.

No caso, as forças políticas do Centrão recobram o exercício de papeis influentes e, de algum modo, encontram seu lugar no governo entrante. Tudo como dantes no quartel de abrantes, uma vez que a política de conciliação surge como a sua marca distintiva, sua forma de palmilhar o terreno minado que tem pela frente, reiterando o estilo do governo FHC de compatibilizar o moderno com o atraso sob ligeira predominância, onde couber, do primeiro.

Tal deverá ser o preço a ser pago, forçado pelo papel de destruição que o governo Bolsonaro deixa em seus rastros ao invertebrar a sociedade em seus elementos mais simples, em sua política de terra arrasada dos nexos sociais orgânicos de acordo com os ditames de sua inspiração neoliberal de que essa coisa de sociedade não existe. Replantar o tecido social destruído demandará tempo, persistência e clareza de propósitos. Trata-se de reanimar a vida sindical, os movimentos associativos e os partidos políticos de esquerda, nas cidades e no mundo agrário, este, hoje, tristemente confiado à manipulação dos interesses do agronegócio.

Conceder alento ao moderno, numa sociedade como a nossa que viveu décadas de modernização autoritária, importa instaurar um estatuto de plena autonomia aos seus seres sociais, tarefa que reclama uma intelectualidade ativa que abra pela reflexão caminhos para novas trajetórias críticas sobre o passivo da nossa história e ilumine novas possibilidades de ações progressistas.

A restauração da cultura democrática se encontra na dependência da musculatura que vierem a adquirir os entes da sociedade civil na luta por suas reivindicações, a fim de contornar o cenário hostil, atualmente configurado numa composição adversa das câmaras congressuais, buscando espaço e oportunidades que viabilizem o reencontro da sociedade com suas melhores tradições.

O futuro está em aberto, e, se bem que no nosso passado encontremos boas inspirações, ele está a exigir de nós espírito de descoberta e de invenções audaciosas num contexto exigente e desafiador, que só poderemos enfrentar na medida em que começarmos a caminhar, passo a passo, na busca de uma sociedade igualitária e justa.

*Luiz Werneck Vianna é professor do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio. Autor, entre outros livros, de A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Revan).

                 O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Slavoj Žižek João Adolfo Hansen José Raimundo Trindade José Micaelson Lacerda Morais Atilio A. Boron Luiz Roberto Alves Ari Marcelo Solon Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira Rafael R. Ioris José Luís Fiori Marjorie C. Marona Airton Paschoa Sergio Amadeu da Silveira Caio Bugiato Eleutério F. S. Prado Marcos Silva Paulo Martins Roberto Bueno Francisco Pereira de Farias Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira André Márcio Neves Soares Armando Boito Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Priscila Figueiredo Andrew Korybko Antonino Infranca Roberto Noritomi Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Alysson Leandro Mascaro Dênis de Moraes Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida Fernando Nogueira da Costa Gabriel Cohn Anderson Alves Esteves Gilberto Maringoni Ricardo Antunes Henri Acselrad Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges Paulo Sérgio Pinheiro Lincoln Secco Marilena Chauí Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Antônio Sales Rios Neto Walnice Nogueira Galvão Elias Jabbour Valerio Arcary Leonardo Sacramento Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Eugênio Trivinho Carla Teixeira Chico Alencar Marcos Aurélio da Silva Luiz Costa Lima Eliziário Andrade Dennis Oliveira Flávio R. Kothe Mariarosaria Fabris Annateresa Fabris Mário Maestri Bruno Machado João Feres Júnior Heraldo Campos Henry Burnett João Carlos Salles Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Dirceu Manuel Domingos Neto Rodrigo de Faria Valério Arcary Juarez Guimarães Claudio Katz Érico Andrade Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Fernão Pessoa Ramos Sandra Bitencourt Tadeu Valadares Alexandre Aragão de Albuquerque Remy José Fontana Marcelo Guimarães Lima Luiz Eduardo Soares Milton Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Vladimir Safatle Celso Frederico Renato Dagnino Maria Rita Kehl Tales Ab'Sáber Celso Favaretto Ricardo Musse Michael Löwy João Lanari Bo Fábio Konder Comparato Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Paulo Capel Narvai Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Michael Roberts Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Branco Chico Whitaker Salem Nasser Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald Rocha Eleonora Albano Liszt Vieira Luiz Marques Marilia Pacheco Fiorillo Kátia Gerab Baggio Marcus Ianoni Ronald León Núñez Ricardo Fabbrini Tarso Genro Thomas Piketty Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes Everaldo de Oliveira Andrade Afrânio Catani Vanderlei Tenório Manchetômetro Luciano Nascimento Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer Ricardo Abramovay Daniel Brazil Otaviano Helene Luiz Renato Martins José Costa Júnior Daniel Afonso da Silva Leonardo Boff Lucas Fiaschetti Estevez Lorenzo Vitral José Geraldo Couto Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Berenice Bento João Carlos Loebens Bernardo Ricupero Ladislau Dowbor Igor Felippe Santos Luis Felipe Miguel Carlos Tautz Marcelo Módolo Anselm Jappe Daniel Costa Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada