O conflito permanente contra Lula

Imagem: Jessica Lewis
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS TAUTZ*

A história e o domingo em Brasília mostram que serão necessários a Lula a preparação institucional e a mobilização permanente de sua base social

Ainda procurando os culpados finais do ataque terrorista a Brasília, o governo Lula deve o quanto antes se preparar para situações de semelhante ou até pior gravidade, que acontecerão se o presidente levar a efeito o “programa” anunciado durante a campanha em 2022.

Quanto aos saques e destruições do domingo (8/1), já são claras as culpas: (i) omissão dolosa do comandante do Exército, que fez desaparecer dois batalhões com responsabilidade constitucional de proteger os Palácios presidenciais; (ii) conivência do sistema civil de inteligência, que ainda é influenciado pelo titular anterior, um general submisso ao ex-presidente genocida; (iii) a inexplicável confiança depositada pelo Ministro da Justiça no esquema de segurança prometido pelo governo bolsonarista do Distrito Federal; e (iv) o inaceitável acoelhamento do Ministro da Defesa ao Comando Militar do Planalto, de orientação golpista.

De imediato, há uma lição a tirar dos ataques de domingo: é urgente a redefinição das competências constitucionais sobre a segurança do Estado e das representações internacionais no Distrito Federal. Não é possível que o Estado nacional deixe a sua segurança a cargo de um governo provinciano e dependente de questiúnculas de bairro como sempre foi e tende a ser o governo do Distrito Federal.

 

A memória da desestabilização

Agora, dito isto, e levando-se em conta que Lula tentará efetivamente colocar o seu “programa” em prática, olhe-se para a frente. Como já temos em memória a receita da desestabilização aplicada contra governos petistas anteriores (2003-16), é mais ou menos lógico antever que se dará e como se dará a reação, caso Lula de fato cumpra o que prometeu na campanha.

Os inimigos não serão visíveis como na batalha campal da Esplanada; não se apresentarão mais de fardas verde-oliva cheirando a mofo nem de falsificadas camisetas amarelo-CBF. As ações do submundo golpista serão na maior parte do tempo invisíveis aos desatentos, mas permanentes e mobilizadoras de novos golpes.

A imprensa corporativa chamará o submundo golpista pelo genérico codinome “mercado”, e só começaremos a nos dar conta de que já está em marcha a ação subterrânea desses poderosos inimigos quando as alvíssimas dondocas do Leblon voltarem a reclamar durante meia hora no Jornal Nacional dos inaceitáveis preços de tomates e batatas.

Nesse momento, os inimigos já terão organizado ostensivos boicotes (como é feito desde o Chile, 1973) sobre a parte da economia brasileira que resistiu à ferocidade privatista no continuum Michel Temer-Jair Bolsonaro. Muito em especial, sobre o que restou da Petrobras e as enormes reservas do pré-sal.

 

Os cinco pontos do “programa” de Lula

Provavelmente, o boicote ganhará as telas e as ruas quando Lula já houver anunciado a intenção de colocar em prática o “programa” informal de cinco pontos que ele adiantou em ao longo da campanha de 2022. O “programa”, típico de uma “social-democracia tímida”, é assim elencado pelo economista Eduardo Costa Pinto, professor da UFRJ: (1) Na Petrobras, alterar a política de preços internacionalizados dos combustíveis e distribuir dividendos mínimos para retomar investimentos da companhia e colocar pelo menos R$ 150 bilhões anuais em circulação na economia real. Sob a Presidência do genocida, a Petrobrás foi obrigada a entregar seus ativos para o mercado a preço vil, vender combustíveis e derivados a preços cotados em dólar e deixar de investir na urgente expansão de sua infraestrutura para entregar ilegitimamente o lucro a grandes acionistas privados nacionais e internacionais.

(2) Rever a reforma trabalhista, um dos eixos da absurda e atual taxa de lucro das grandes empresas. A reforma aumentou a exploração da força de trabalho e reduziu custos diretos e indiretos da produção, gerando lucros recordes para a “mega-burguesia”; (3) aumentar o investimento público. Para isso, segundo Costa Pinto, seria necessário acabar com o teto de gastos e com todos os regimes fiscais; (4) colocar o pobre de volta no orçamento; e (5) colocar o rico no Imposto de Renda.

Como observa Eduardo Costa Pinto, a “mega-burguesia”, tanto a interna quanto a externa, não assistirá pacificamente à implantação de tal “programa”. Se colocado em prática ele faria Lula se igualar, ou até superar, Getúlio Vargas, o presidente que até hoje mais influiu na construção das bases do capitalismo nacional.

Getúlio Vargas modernizou e formalizou o sistema de exploração do trabalho através da adoção de uma infraestrutura legal (a Previdência Social e a Consolidação das Leis Trabalhistas), e – ao criar a Petrobras e a Eletrobrás e prover o País da energia necessária à transformação da mercadoria –, deu as bases objetivas para a transformação e a reprodução em grande escala do capital no Brasil.

Em seus 580 dias na prisão, Lula – admitidamente – reviu dois pontos que até então eram pétreos na sua formação de metalúrgico pós-ditadura: (a) ex-Constituinte de 1986-88, Lula, que àquela época apoiou a definição do Brasil como território livre de bombas nucleares, admitiu que, hoje, votaria pelo direito de o País desenvolver a capacidade nuclear; e (b) ao ler a trilogia do jornalista cearense Lyra Neto sobre Getúlio Vargas, superou o preconceito (e inveja, comento eu) que a esquerda sempre dedicou ao ex-presidente gaúcho.

Pois, agora, como o seu “programa”, Lula manifesta a intenção de ir além de Getúlio Vargas. Mas, a história e o domingo em Brasília mostram que, muito mais do que apenas coragem e disposição pessoais, serão necessários a Lula também a preparação institucional e a mobilização permanente de sua base social.

*Carlos Tautz é jornalista e doutorando em história na Universidade Federal Fluminense (UFF).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcus Ianoni Tadeu Valadares Chico Whitaker Eugênio Bucci Dennis Oliveira Sandra Bitencourt Luciano Nascimento Bento Prado Jr. Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Boaventura de Sousa Santos Marilena Chauí Eugênio Trivinho Ladislau Dowbor Henri Acselrad Marcos Aurélio da Silva José Raimundo Trindade Matheus Silveira de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Fernandes Silveira Elias Jabbour Marcelo Guimarães Lima Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Ricardo Musse Maria Rita Kehl Antonino Infranca Leonardo Avritzer Flávio R. Kothe Daniel Costa Luiz Roberto Alves Heraldo Campos Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Flávio Aguiar José Costa Júnior Gabriel Cohn Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Eleonora Albano Érico Andrade Caio Bugiato João Paulo Ayub Fonseca Fábio Konder Comparato José Dirceu Priscila Figueiredo Jean Pierre Chauvin João Lanari Bo João Carlos Loebens Armando Boito Eliziário Andrade Gilberto Maringoni Luis Felipe Miguel Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Lincoln Secco Luiz Werneck Vianna Afrânio Catani João Sette Whitaker Ferreira Michel Goulart da Silva José Machado Moita Neto José Geraldo Couto Daniel Brazil Luiz Renato Martins Igor Felippe Santos Rafael R. Ioris Yuri Martins-Fontes Ricardo Antunes Leonardo Boff Bernardo Ricupero Thomas Piketty Annateresa Fabris Denilson Cordeiro Gerson Almeida Eleutério F. S. Prado Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Leda Maria Paulani André Singer Osvaldo Coggiola Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Capel Narvai Henry Burnett Valerio Arcary Marcos Silva Salem Nasser Francisco de Oliveira Barros Júnior Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Ronald Rocha Antônio Sales Rios Neto Claudio Katz José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Marjorie C. Marona Luiz Marques João Carlos Salles José Micaelson Lacerda Morais Luís Fernando Vitagliano Gilberto Lopes Daniel Afonso da Silva João Adolfo Hansen Tarso Genro Vinício Carrilho Martinez Liszt Vieira Manuel Domingos Neto Bruno Machado Chico Alencar Benicio Viero Schmidt Juarez Guimarães Andrew Korybko Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges Rubens Pinto Lyra Mariarosaria Fabris Vladimir Safatle Ronald León Núñez Paulo Martins Celso Favaretto Otaviano Helene Michael Löwy Ricardo Fabbrini Airton Paschoa Fernando Nogueira da Costa Julian Rodrigues Walnice Nogueira Galvão Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Atilio A. Boron Celso Frederico Ari Marcelo Solon André Márcio Neves Soares Paulo Nogueira Batista Jr Remy José Fontana Tales Ab'Sáber Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carlos Tautz Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Jorge Branco Mário Maestri Samuel Kilsztajn Anselm Jappe Manchetômetro Renato Dagnino Berenice Bento Michael Roberts Alexandre de Lima Castro Tranjan Lorenzo Vitral Slavoj Žižek Andrés del Río Everaldo de Oliveira Andrade João Feres Júnior Kátia Gerab Baggio

NOVAS PUBLICAÇÕES