As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As eleições na Itália

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANSELMO PESSOA NETO*

A vitória da centro-esquerda nas recentes eleições administrativas

Segue aqui um rápido comentário sobre as eleições administrativas italianas que ocorreram em primeiro turno em 03/04 e em segundo turno em 17/18 de outubro de 2021. Assim como é verdade que os italianos são grandes conversadores, também é verdade que falar qualquer coisa, sobre qualquer questão italiana, demanda grandes conversações (para lembrar o clássico Conversação na Sicília, de Elio Vittorini, um livro silencioso, que deu em um belíssimo filme silencioso também).

Um dado irrefutável foi a grande abstenção: somente 54,6% dos eleitores aptos ao voto foram às urnas. A bem da verdade, a afluência às urnas vem caindo na Itália há muito tempo e parece que ainda não chegou ao fundo do poço. Um primeiro rápido parêntese: antes de chegar ao fundo do poço, inventarão um poço mais fundo. Outro dado – mas esse sujeito a interpretações – foi a vitória da assim chamada centro-esquerda italiana aglutinada no PD (Partido Democrático).

A história do PD é uma história à parte, mas pincelar aqui é fundamental. O PD é a última metamorfose do antigo PCI (Partido Comunista Italiano) que de involução em involução chegou ao atual formato, algo como um balaio de gatos, dada a variedade de cores de felinos que sobrevivem daquela manjedoura. Dois passos atrás: na antiga organização partidária italiana (estourada pela Lava-jato deles, as “mani pulite“, não por acaso guiada por um juiz de direita que, também não por acaso, se tornou político e que, também não por acaso, hoje é uma alma penada) em que o chamado “Pentapartito” governava, a grande disputa se dava mesmo era entre o PCI e a DC (Democracia Cristã).

Indo rápido: a mágica, ou melhor, a magia (não vou falar a cor), das reviravoltas da política italiana deu em um partido em que os antigos adversários estão juntos, sim, o PD é a casa comum da maioria dos comunistas e dos “democristianos”. Outro parêntese: o projeto Aldo Moro, assassinado pelas Brigate Rosse, que ficou para a história como uma tentativa de “compromesso storico”, era mais honesto e transparente, creio eu ingenuamente. Pois bem, esse partido, o PD, um dos herdeiros do antigo PCI, é o herdeiro de fato dos bens materiais do Partido Comunista Italiano. Outro parêntese: talvez para algum comunista bens materiais ainda faça sentido e explique alguma coisa, mas, sei não… talvez o que importa mesmo seja a cor da pele e o gênero, não é mesmo, nova esquerda?

Ainda mais rápido: o PD, também chamado de centro-esquerda, venceu as eleições com um programa que estaria mais para o programa da antiga DC, isto, claro, se fosse possível saber que a antiga DC também se “modernizaria”, assim como o PD (essa última frase não tem sentido: se o PD é PCI mais DC, foram esses dois partidos que se “modernizaram”). E mais: praticamente todos os dirigentes do PD são oriundos ou de matriz ideológica da antiga DC, a começar pelo jovem Enrico Letta, seu atual presidente. A conclusão lógica, mas sem lógica nenhuma, é que a Democracia Cristã, que dominou a Itália praticamente durante todo o período do segundo pós grande guerra, a continua dominando, mas agora com as roupas do seu antigo grande adversário: os comunistas.

Difícil de entender, não é? Para os velhos italianos também, e talvez isso explique, mas só um pouco, a baixa afluência às urnas, aquele nosso porto seguro inicial. Não é possível resumir aqui, mas, ó leitor curioso, pesquise sobre quem é, o que defende, de que coalizão participou e quem eram os adversários do prefeito reeleito de Milão, Giuseppe Sala; do prefeito eleito de Roma, Roberto Gualtieri; do prefeito eleito de Nápoles, Gaetano Manfredi; do prefeito eleito de Turim, Stefano Lo Russo e do prefeito eleito de Bolonha, Matteo Lepore. Mais um parêntese: os algoritmos não vão ajudá-lo na pesquisa.

Primeira tentativa de acabar: tinha jeito de ser diferente? Difícil dizer, a não ser que daquela antiga árvore, a árvore dos comunistas, nada vingou, pelo menos até agora, de todas as tentativas à esquerda que fugiram do tronco principal, isto é, do PD. Grosseiramente, eu diria que o que predomina na Europa é um programa derrotado, o programa de Tony Blair e a metamorfose do trabalhismo inglês em partido da ordem, da ordem do sistema financeiro! O que se opõe a isso? O fascismo.

Ia deixando passar batido: essas eleições também selam uma grande derrota para o último grande partido italiano, que nem nome de partido tem, o M5S. O Movimento 5 Estrelas foi grande partido por apenas uma eleição, as eleições políticas de 2018, que determinou as forças que estão no parlamento italiano atual. Falei de balaio de gatos para o PD, pois bem, para não me repetir, vou chamar o M5S de saco de gatos. Um saco sacolejado por brigas internas e em processo avançado de depuração. Como sói em organizações em que o princípio primeiro é pura indignação e ressentimentos, de anti-sistema o M5S está se adequando ao sistema com uma rapidez invejável. Os defensores do sistema agradecem.

E tem a Lega (Liga), antiga Lega Nord, ex-separatista, para quem o sul pobre italiano nem Itália era e Roma era a Roma Ladrona. Ela atualmente se apresenta somente como Lega e tem como um dos seus lemas “Primeiro os italianos” em clara alusão aos movimentos imigratórios que perturbam o sono dos racistas, os quais estão sempre de plantão. A Lega é inspiradora de muitos dos movimentos xenófobos mundo afora, seu líder atual, Matteo Salvini, inspira e admira o nosso Bolsonaro. Bem, a Lega, que era a grande ameaça de extrema-direita, foi derrotada, mas o seu ideário ainda vige com força na Itália e na Europa. A realidade é múltipla em todo lugar, mas tenho sempre a impressão de que na Itália ela é ainda mais. Aqui só vimos uma fresta dela. O que fazer?

*Anselmo Pessoa Neto é professor de literatura italiana na UFG. Autor, entre outros livros, de Italo Calvino: as passagens obrigatórias (UFG).

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Renato Martins Érico Andrade Michael Roberts Dênis de Moraes Kátia Gerab Baggio Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Sandra Bitencourt Alexandre de Lima Castro Tranjan Eugênio Bucci Paulo Martins Mariarosaria Fabris Walnice Nogueira Galvão Dennis Oliveira Paulo Sérgio Pinheiro Vladimir Safatle Eliziário Andrade João Adolfo Hansen João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Lopes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Remy José Fontana Thomas Piketty José Dirceu Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Jean Marc Von Der Weid Marcus Ianoni Celso Frederico João Carlos Loebens Atilio A. Boron Bruno Machado Slavoj Žižek José Micaelson Lacerda Morais Mário Maestri Leonardo Sacramento Jean Pierre Chauvin Chico Whitaker Elias Jabbour Caio Bugiato Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Afrânio Catani João Carlos Salles José Costa Júnior Gilberto Maringoni Juarez Guimarães Daniel Afonso da Silva Jorge Luiz Souto Maior Lorenzo Vitral Marilena Chauí Paulo Nogueira Batista Jr Denilson Cordeiro José Raimundo Trindade Celso Favaretto Vinício Carrilho Martinez Rubens Pinto Lyra Antonio Martins Marcos Aurélio da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Ricardo Abramovay Fernão Pessoa Ramos Luiz Marques Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Eduardo Soares João Feres Júnior Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Anderson Alves Esteves Lincoln Secco João Lanari Bo Luciano Nascimento Ricardo Musse Claudio Katz Otaviano Helene Milton Pinheiro Daniel Costa Luiz Costa Lima Daniel Brazil Antônio Sales Rios Neto Julian Rodrigues Roberto Bueno Eleonora Albano Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Freitas Barbosa Leda Maria Paulani Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Antunes José Geraldo Couto Luiz Werneck Vianna Luiz Carlos Bresser-Pereira José Luís Fiori Chico Alencar Francisco Pereira de Farias Tadeu Valadares Annateresa Fabris Berenice Bento Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Henri Acselrad Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Jorge Branco Antonino Infranca Andrew Korybko Marcelo Módolo Boaventura de Sousa Santos Leonardo Avritzer Eduardo Borges André Márcio Neves Soares Flávio R. Kothe Marcelo Guimarães Lima Osvaldo Coggiola Lucas Fiaschetti Estevez Salem Nasser Henry Burnett Maria Rita Kehl Bento Prado Jr. Tarso Genro Luiz Bernardo Pericás Gabriel Cohn Luis Felipe Miguel Marcos Silva Manchetômetro Manuel Domingos Neto Sergio Amadeu da Silveira Gerson Almeida Roberto Noritomi Eugênio Trivinho Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rafael R. Ioris Carla Teixeira Renato Dagnino Armando Boito Bernardo Ricupero Airton Paschoa Ari Marcelo Solon Valério Arcary André Singer Ronald Rocha Marjorie C. Marona Carlos Tautz Anselm Jappe Vanderlei Tenório Tales Ab'Sáber José Machado Moita Neto Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Ladislau Dowbor Michael Löwy Rodrigo de Faria Leonardo Boff

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada