A Bienal de Havana

Marcelo Guimarães Lima, Dark Fruit, acrílico sobre papel, 21.5x28cm, 2020
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

O boicote à atual Bienal de Havana se insere num contexto geral de ataques ao estado cubano e ao povo cubano, ataques comandados pelo estado norte-americano auxiliado por países associados

Digamos da maneira a mais simples e direta possível: a proposta que circula articuladamente nas redes de boicote à atual Bienal de Havana se insere, e não poderia deixar de se inserir, num contexto geral de ataques ao estado cubano e ao povo cubano, ataques comandados pelo estado norte-americano auxiliado por países associados e subordinados nos quais impera a ideologia e a prática neoliberal-totalitária do nosso presente histórico. Presente que se quer e se afirma como anti-histórico por excelência, ou seja, regressivo, impositivo, inquestionável.

E isso não obstante os “bem-intencionados” críticos, e eles existem (com ou sem aspas) mas que, infelizmente para eles e para suas melhores intenções, em determinadas situações não conseguem se distinguir dos expressamente mal-intencionados.

Seguindo a mesma lógica “universalista democrática” seria provavelmente necessário boicotar as bienais europeias e as mostras equivalentes nos EUA na medida em que se invocam razões político-culturais ou o “colaboracionismo implícito” de artistas que se recusam a denunciar explicitamente, pontualmente os males e mesmo os crimes políticos dos seus respectivos estados. Crimes como, por exemplo, invasões, guerras, genocídio, embargos comerciais, apropriação de recursos, censura implícita ou explícita, criminalização de estados e imposição unilateral de sanções várias contra estados e povos inteiros, etc.

Promover a democracia alhures e ao mesmo tempo, como assistimos nos dias de hoje, solapar o que resta de vida democrática nos países “paradigmáticos” da democracia liberal, EUA, França, Inglaterra, entre outros, talvez não seja a melhor estratégia de convencimento daqueles que aparentemente precisam ser convencidos. Julian Assange certamente nos teria algo a dizer a respeito da liberdade de informação e das ações à revelia das leis dos dirigentes políticos das democracias se pudéssemos consultá-lo.

Os exemplos recentes e não tão recentes de arbitrariedades que fazem do direito internacional mero palavrório destituído de sentido real abundam: o inflexível e interminável embargo “universal”, isto é, imposto universalmente e unilateralmente por um país, os EUA, contra Cuba, é um exemplo, entre outros, vários outros exemplos de ilegalidades e arbitrariedades exercidas em nome da democracia liberal e de seus “valores”. Arbitrariedades que não podem disfarçar, para quem quer ver a realidade como ela é, a lógica ou razão “inequívoca” do poder enquanto poder, isto é, da violência que para se exercer pode ao mesmo tempo invocar ideais nobres e ao final dispensar as próprias justificativas no desempenho do poder de fato.

Cuba com sua revolução demonstrou que a real independência, a autodeterminação nacional necessitava uma mudança de regime sociopolítico para se efetivar na América Latina. Perigosa lição, ainda atual ou mesmo mais atual que nunca em nossa época neoliberal. As vicissitudes da revolução cubana, o enfrentamento direto ao poder imperial e seus aliados internos e externos, expressaram de modo decisivo o poder da vontade popular. Cuba tem mostrado que nenhum estado ou regime, por mais “forte” ou impositivo, pode resistir a um embargo generalizado, tal como as sanções impostas ao pequeno país caribenho por tantas décadas, se não contar com decisivo apoio popular.

De modo semelhante, entender as contradições do processo revolucionário cubano, e elas existem como existem para todo e qualquer processo histórico que visa outro futuro para os povos, contradições nas quais se mesclam fatores internos e poderosos constrangimentos externos da conjuntura mundial, é tarefa crucial para as lutas progressistas em nosso tempo.

Mas principalmente, o futuro de Cuba e sua revolução é tarefa e decisão autônoma do povo cubano, povo que se sacrificou para construir uma sociedade mais igualitária e certamente não abandonará, malgrado todas as dificuldades, pressões e chantagens, o sonho e a luta. Pois, afinal das contas, a capitulação pura e simples, o abandono da luta revolucionária é, por trás da retórica liberal, a demanda de sempre dos adversários de sempre.

O povo cubano não pede nem necessita conselhos para cuidar de seus assuntos. Assim como os artistas de Cuba são os que devem decidir das iniciativas artísticas e culturais do país em benefício da sociedade cubana e certamente não necessitam conselhos ou ordens alheias.

*Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleonora Albano Valerio Arcary João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Antonino Infranca Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Fábio Konder Comparato Ladislau Dowbor Luiz Eduardo Soares Daniel Brazil Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Afonso da Silva José Micaelson Lacerda Morais Flávio Aguiar Ronald León Núñez Marcos Silva Paulo Martins Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Jorge Luiz Souto Maior Tadeu Valadares Mário Maestri Julian Rodrigues Everaldo de Oliveira Andrade José Dirceu Ricardo Antunes Rubens Pinto Lyra Sergio Amadeu da Silveira Chico Alencar Otaviano Helene Luiz Marques Celso Favaretto Luiz Roberto Alves Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes Antônio Sales Rios Neto João Carlos Loebens Ricardo Fabbrini Jean Marc Von Der Weid Kátia Gerab Baggio Leonardo Sacramento Lorenzo Vitral Jorge Branco Vinício Carrilho Martinez João Sette Whitaker Ferreira Rafael R. Ioris Vladimir Safatle Francisco Fernandes Ladeira Luis Felipe Miguel Eleutério F. S. Prado Matheus Silveira de Souza Elias Jabbour João Carlos Salles Antonio Martins Érico Andrade Heraldo Campos João Feres Júnior Manchetômetro Boaventura de Sousa Santos Sandra Bitencourt Ari Marcelo Solon Gerson Almeida Michael Roberts Remy José Fontana Gabriel Cohn Manuel Domingos Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Dênis de Moraes Ricardo Musse Airton Paschoa Flávio R. Kothe Afrânio Catani Anselm Jappe Michel Goulart da Silva José Machado Moita Neto Dennis Oliveira Andrew Korybko Michael Löwy Chico Whitaker André Singer Marcelo Módolo Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Marcos Aurélio da Silva Marilia Pacheco Fiorillo José Luís Fiori Celso Frederico Annateresa Fabris André Márcio Neves Soares Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque João Lanari Bo Paulo Capel Narvai Maria Rita Kehl Marcus Ianoni Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Thomas Piketty Denilson Cordeiro Bento Prado Jr. Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Andrés del Río Daniel Costa Valerio Arcary Mariarosaria Fabris Alexandre de Freitas Barbosa Benicio Viero Schmidt Tales Ab'Sáber Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Juarez Guimarães Tarso Genro Luciano Nascimento Henri Acselrad Paulo Fernandes Silveira Claudio Katz Berenice Bento Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Gilberto Maringoni Eugênio Trivinho Ronaldo Tadeu de Souza Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Igor Felippe Santos Salem Nasser Slavoj Žižek Osvaldo Coggiola Vanderlei Tenório Luiz Renato Martins Carla Teixeira Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff Paulo Sérgio Pinheiro Carlos Tautz Jean Pierre Chauvin Rodrigo de Faria Ronald Rocha Marjorie C. Marona José Costa Júnior Leonardo Avritzer Armando Boito Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Caio Bugiato Leda Maria Paulani Eliziário Andrade Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Liszt Vieira Luiz Carlos Bresser-Pereira José Geraldo Couto Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado José Raimundo Trindade Ricardo Abramovay

NOVAS PUBLICAÇÕES