Bolívia: o retorno da esquerda

Dora Longo Bahia, Farsa - Delacroix (O MST guiando o povo), 2014 Acrílica e esmalte sobre lona de caminhão reciclada 300 x 400 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ATILIO A. BORON*

As eleições bolivianas demonstraram que o MAS é a única força social existente em toda Bolívia

A vitória ressonante do MAS nas eleições presidenciais bolivianas ratificou a densidade social da organização política dos povos bolivianos. Os algarismos pegaram de surpresa inclusive os analistas mais rigorosos: as pesquisas realizadas por quatro das cinco consultorias mais renomadas da Bolívia antecipavam para a dupla do MAS uma votação que variava em torno de 45% dos votos e cerca de 34% para seu adversário mais próximo, Carlos Mesa. Isto é, os votantes do evismo ocultaram sua intenção de voto ao mesmo tempo em que se superestimou a base real de apoio da Comunidade Cidadã.

A vitória foi muito mais ampla do que o esperado, tal como atestam as duas pesquisas certificadas pelo governo para realizar a “boca de urna”: CIESMORI e Fundação Jubileo. Ambas atribuem à fórmula Arce-Choquehuanca uma proporção que oscila em torno de 52% dos votos, e para Mesa-Pedraza apenas 31%. Alguns observadores se aventuram a dizer que o número final se situará em cerca de 55%. Nas primeiras horas da madrugada, um tuíte da ditadora Jeannine Añez dizia que “pelos dados de que dispomos, o Sr. Arce e o Sr. Choquehuanca ganharam a eleição. Felicito os ganhadores e peço-lhes que governem pensando na Bolívia e na democracia”. (Ou seja, governar como ela não fez). Ao meio-dia, Carlos Mesa reconheceu o triunfo do MAS.

Ainda não foram publicados os resultados oficiais das 35.000 seções eleitorais e seria uma inocência pensar que o inimigo imperialista e seus aliados da direita racista se inclinarão respeitosamente diante do veredito das urnas. É difícil (mas não impossível) que possam haver surpresas e manobras de último minuto para frustrar a vontade do povo boliviano. Se a diferença tivesse sido menor, digamos de uns 12 ou 13 pontos, seguramente que os bandidos às ordens de Luis Almagro teriam repetido o feito de apenas um ano atrás e roubado a eleição; mas, com uma diferença de vinte pontos ou mais, a manobra se desmoronaria por sua intolerável obscenidade. De todo modo, os números oficiais não serão divulgados até quarta-feira e então saberemos qual é o próximo passo da direita.

As eleições demonstraram que o MAS é a única força social existente em toda Bolívia. Carlos Mesa demonstrou que é um selo eleitoral, um contubérnio de grupos que tinham em comum apenas seu ódio a Evo e ao que ele representa. E Luis Fernando Camacho é o líder de uma importante força social cujo baluarte é Santa Cruz de la Sierra. Mas, fora desse departamento – que equivale a um terço do território nacional –, sua gravitação é muito baixa. Construir uma direita com bases sólidas em nível nacional é uma tarefa árdua, que na Bolívia, ainda mais com a violência terrorista de sua ditadura, a cumplicidade de juízes e promotores e o apoio da cloaca midiática a serviço do império, demonstrou ser uma missão destinada ao fracasso. A profunda crise política em que os Estados Unidos se debatem nas vésperas de uma eleição presidencial complicada reduziu o protagonismo da “embaixada” e limitou sua margem de ação. E a direita local – tanto na Bolívia quanto na Argentina e em toda América Latina – sem a orientação, o dinheiro e os impulsionadores midiáticos e jurídicos que Washington manobra, é pouco o que pode fazer.

As fábricas estratégicas da direita possuem um projeto de alcance mundial (comparar-se, por exemplo, as manifestações e slogans dos “antiquarenta” e “anti-infectadura” nos mais diversos países) e trabalham para impedir a estabilização de governos progressistas ou o surgimento de algo com esse signo político. Claro que a história é caprichosa e amiga das surpresas. Quem se animaria a descartar a ideia de que nesse coração da América do Sul que é a Bolívia acaba de surgir o sol cujos raios iluminarão as próximas eleições no Chile, Brasil, Paraguai, Venezuela e as presidenciais no Equador, em fevereiro de 2021? Talvez, sem dar-nos conta, sejamos testemunhas de um giro histórico impensado até há poucas semanas.

*Atilio A. Boron é professor de ciência política na Universidade de Buenos Aires. Autor, entre outros livros, de A coruja de Minerva (Vozes).

Tradução: Fernando Lima das Neves

Publicado originalmente no jornal Página 12.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcelo Guimarães Lima Carla Teixeira André Márcio Neves Soares Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Tales Ab'Sáber Annateresa Fabris João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko André Singer Mariarosaria Fabris Celso Frederico Ricardo Musse Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Eduardo Borges Eleutério F. S. Prado Anselm Jappe Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Ricardo Antunes Valerio Arcary Bento Prado Jr. Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade José Raimundo Trindade Remy José Fontana Renato Dagnino Eugênio Bucci Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto João Adolfo Hansen Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Tadeu Valadares Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Atilio A. Boron Michael Roberts Gilberto Maringoni Leda Maria Paulani Bruno Machado Luiz Marques João Feres Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Fabbrini Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco José Dirceu Chico Whitaker José Luís Fiori Heraldo Campos Marcus Ianoni Matheus Silveira de Souza Paulo Martins Gerson Almeida Gilberto Lopes Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Sandra Bitencourt Gabriel Cohn Marcelo Módolo Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos José Costa Júnior Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Mário Maestri Rafael R. Ioris Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva Ladislau Dowbor Luis Felipe Miguel Bernardo Ricupero Claudio Katz Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Avritzer Alysson Leandro Mascaro Rodrigo de Faria Slavoj Žižek Michel Goulart da Silva José Micaelson Lacerda Morais Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Elias Jabbour Michael Löwy Fernando Nogueira da Costa Milton Pinheiro Luiz Werneck Vianna Flávio Aguiar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonio Martins Juarez Guimarães Luiz Renato Martins Valerio Arcary Ricardo Abramovay Armando Boito Celso Favaretto Otaviano Helene Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Benicio Viero Schmidt Vanderlei Tenório José Machado Moita Neto Luiz Roberto Alves Tarso Genro Vladimir Safatle Igor Felippe Santos João Carlos Loebens Paulo Capel Narvai Henri Acselrad Vinício Carrilho Martinez Salem Nasser Marjorie C. Marona Afrânio Catani Alexandre Aragão de Albuquerque Antonino Infranca Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira Chico Alencar Rubens Pinto Lyra Antônio Sales Rios Neto Denilson Cordeiro Manuel Domingos Neto João Lanari Bo Marilena Chauí Luiz Bernardo Pericás Érico Andrade Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Manchetômetro Osvaldo Coggiola Maria Rita Kehl Luís Fernando Vitagliano Henry Burnett Ronaldo Tadeu de Souza Ronald León Núñez Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Carlos Tautz Liszt Vieira Lorenzo Vitral Daniel Costa Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo João Carlos Salles Sergio Amadeu da Silveira Andrés del Río Paulo Nogueira Batista Jr Ronald Rocha Daniel Brazil

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada