Bolsonaro e o Artista da Fome

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RAMON JOSÉ GUSSO*

Talvez a única forma de vencer Bolsonaro seja destruir a atenção dada a ele. Tratá-lo com a indiferença que merece, até que se torne invisível como o Artista da Fome e nos esqueçamos de sua presença

No conto “Um artista da fome”, Franz Kafka narra a saga de um artista cujo talento era ficar por prolongados dias sem comer.  Durante semanas o público vigiava o jejuador profissional, enquanto procuravam desvendar o seu truque também admiravam a sua resiliência. No início ele era a atração principal em qualquer cidade que se apresentava, mas com o tempo e com a chegada de novas atrações ao circo, o público foi perdendo o interesse pelo seu espetáculo. Ele continuava a jejuar, cada vez por mais tempo, mas ninguém lhe dava a atenção devida. Os dias se passaram até que funcionários à procura de jaulas para acolher novos animais encontram uma vazia com um amontoado de palha. Ali estava o artista da fome, já quase morto como indivíduo, mas há muito esquecido como artista. Morreu abandonado pelo público e por todos no circo, morreu também porque foi incapaz de encerrar o seu próprio espetáculo, pois não sabia fazer qualquer outra coisa.

Durante a pandemia do Covid-19 no Brasil, que já vitimou mais de 100 mil pessoas, maior que qualquer outro empreendimento bélico-militar que o país tenha participado, como as Guerras do Paraguai (1864 a 1870)[i], Canudos (1896 a 1897) ou do Contestado (1912 a 1916)[ii], aprendemos, em geral, com as autoridades sanitárias e a imprensa medidas importantes para diminuir o contagio como ficar em casa, usar máscaras em espaços públicos, evitar aglomerações e apertos de mãos. Por outro lado, temos a figura do Presidente da República que constantemente sai às ruas de Brasília para se apresentar ao seu público, contrariando todas essas recomendações. Ele já comeu lanches em barracas de ambulantes; tirou fotos, faz passeios de jet-ski e de motocicleta, cumprimenta de seus fãs, em certa vez, em uma das cenas mais bizarras que promoveu, apertou a mão de uma senhora idosa após ter esfregado sua mão em seu nariz. Mesmo quando contraiu a Covid-19 fez aparições, em outra cena bizarra foi picado por uma ema. Em todas estas situações está cercado de seguranças.  Bolsonaro estimula assim, com sua presença, a formação de aglomerações como um ato deliberado, como nas inúmeras manifestações golpistas que participou. O uso de máscara não faz parte da sua rotina, raramente ela esteve presente tapando a boca de Bolsonaro.

Nos noticiários diários ao longo desta pandemia muitos comentaristas se mostraram espantados como o show promovido por Bolsonaro, como se ele estivesse alheio à pandemia. Muitos pediam bom-senso ao presidente, o que parece ser o mesmo que pedir a um bêbado que tenha equilíbrio.

Toda a carreira política de Bolsonaro foi construída no confronto ao bom-senso, construiu sua imagem a partir de falas grotescas, intimidadoras, frases que causam indignação em diversos setores da sociedade, principalmente àqueles que se mobilizam à esquerda e que defendem pautas vinculadas aos direitos humanos e a temáticas identitárias.

Com o tempo aprendeu que esse jogo de palavras e de atitudes tinha um efeito positivo para o personagem que construiu após deixar o exército e se lançar na carreira política. Armou-se, literalmente, deste instrumento de comunicação e foi construindo inimigos para atacar e se fazer permanentemente presente na cena política. Quando se tornou um personagem conhecido nacionalmente, encontrou em Jean Wyllys um meio para o seu discurso homofóbico, em Maria do Rosário para o seu machismo, em Dilma para a defesa da tortura. Também soube muito bem mobilizar atores e meios em sua defesa: Moro foi um meio para àqueles que veem no PT e na corrupção o único mal do Brasil; Paulo Guedes para sua ignorância em assuntos econômicos; o nióbio para a defesa da mineração; ministra Damares para as pautas conservadoras, a cloroquina continua sendo a sua muleta diante de um cenário de elevação de mortes. Agora os generais de pijama são o seu instrumento que precisa para impedir ações contra o seu governo no STF e para passar uma imagem de que, apesar de tudo, seu governo é tecnocrático.

Em cada ataque ou discurso há um efeito em seu público, que em parte o adoram como se fosse um artista de tevê e aderem às suas mais insanas estratégias de enfrentamento do mundo e ao bom-senso. Bolsonaro sabe muito bem como encenar o seu personagem, atrair para si a atenção do público e da imprensa, com ou sem os robôs que invadem os whatsapp diariamente do seu tio e de sua mãe.  Querendo ou não, defendendo ou atacando, damos a Bolsonaro o espaço e a atenção que deseja, inflamos ainda mais o ego de alguém que precisa deste espetáculo para se sentir vivo, independente do que esteja acontecendo ao seu redor. Enquanto houver público para o seu narcisismo, para o seu show de horror, ele estará lá, este é o seu marketing pessoal, que tanto influencia o modo de agir de outros novos líderes radicais da direita bolsonarista, que já fizeram o devido benchmarking.

Talvez a única forma de vencer Bolsonaro seja destruir a atenção dada a ele. Tratá-lo com a indiferença que merece, até que se torne invisível como o Artista da Fome e nos esqueçamos de sua presença. Infelizmente, para o nosso azar, Bolsonaro sabe que poucos conseguem ficar indiferentes aos seus atos e palavras. Neste circo ele ainda é o personagem principal.

*Ramon José Gusso é doutor em Sociologia-Política Universidade Federal de Santa Catarina.

Notas:

[i] https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/06/coronavirus-matou-tantos-brasileiros-quanto-a-guerra-do-paraguai.shtml

[ii] https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/07/01/ha-100-anos-o-fim-da-sangrenta-guerra-do-contestado

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Alencar Elias Jabbour Alexandre de Lima Castro Tranjan Alysson Leandro Mascaro Ricardo Musse Andrés del Río Antonio Martins Luiz Renato Martins Marcos Silva Annateresa Fabris Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Paulo Capel Narvai Eduardo Borges Bento Prado Jr. Jean Marc Von Der Weid Walnice Nogueira Galvão Luciano Nascimento Ronald Rocha Paulo Martins Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado Celso Frederico Matheus Silveira de Souza Luiz Bernardo Pericás Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Luiz Carlos Bresser-Pereira Maria Rita Kehl Andrew Korybko Tadeu Valadares Leonardo Sacramento Tarso Genro Lorenzo Vitral Luiz Roberto Alves Fábio Konder Comparato Jorge Branco Érico Andrade Ari Marcelo Solon Berenice Bento Atilio A. Boron Rafael R. Ioris Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Antunes Juarez Guimarães Osvaldo Coggiola Paulo Fernandes Silveira Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel Fernão Pessoa Ramos Heraldo Campos Slavoj Žižek Francisco Pereira de Farias Bernardo Ricupero Marjorie C. Marona André Singer Armando Boito Gerson Almeida Michael Roberts Lucas Fiaschetti Estevez Michael Löwy Tales Ab'Sáber Antônio Sales Rios Neto José Micaelson Lacerda Morais Manchetômetro Luiz Marques Fernando Nogueira da Costa Remy José Fontana Anderson Alves Esteves Mário Maestri Antonino Infranca Priscila Figueiredo Caio Bugiato Ricardo Fabbrini Dênis de Moraes João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valerio Arcary Eugênio Trivinho José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Marcelo Guimarães Lima Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Daniel Brazil Celso Favaretto Luiz Eduardo Soares José Costa Júnior Afrânio Catani Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Ladislau Dowbor Eugênio Bucci Flávio Aguiar Rodrigo de Faria José Dirceu João Lanari Bo Ronaldo Tadeu de Souza Leda Maria Paulani Chico Whitaker Valerio Arcary Flávio R. Kothe José Luís Fiori Luís Fernando Vitagliano André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle Airton Paschoa Benicio Viero Schmidt Marcelo Módolo Liszt Vieira Anselm Jappe Henry Burnett Yuri Martins-Fontes Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado João Feres Júnior Milton Pinheiro Boaventura de Sousa Santos Marilena Chauí Otaviano Helene Salem Nasser Rubens Pinto Lyra Vanderlei Tenório Jean Pierre Chauvin Sandra Bitencourt Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Kátia Gerab Baggio Thomas Piketty Daniel Afonso da Silva João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Henri Acselrad Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre de Freitas Barbosa Claudio Katz Samuel Kilsztajn Denilson Cordeiro Renato Dagnino Leonardo Avritzer João Sette Whitaker Ferreira João Adolfo Hansen Dennis Oliveira Michel Goulart da Silva Lincoln Secco Carlos Tautz Marcus Ianoni Manuel Domingos Neto João Carlos Salles Leonardo Boff Eleonora Albano Igor Felippe Santos Eliziário Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada