Voltar à “normalidade”?

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Leonardo Boff*

Tempos de crise como o nosso, de passagem de um tipo de mundo para outro, são também tempos de grande sonhos e utopias

Quando passar a pandemia do coronavírus não nos é permitido voltar à “normalidade” anterior. Seria, em primeiro lugar, um desprezo pelos milhares que morreram sufocados pelo vírus e uma falta de solidariedade para com os parentes e amigos. Em segundo lugar, seria uma demonstração de que não aprendemos nada daquilo que é ou foi mais que uma crise, mas um chamado urgente para mudarmos a nossa forma de habitar a única Casa Comum. Temos a ver com um  apelo da própria Terra viva, esse superorganismo que se autorregula do qual somos sua porção inteligente e consciente.

O atual sistema põe em risco as bases da vida

Voltar à conformação anterior do mundo, hegemonizado pelo capitalismo neoliberal, incapaz de resolver suas contradições internas e cujo DNA é sua voracidade por um crescimento ilimitado à custa da superexploração da natureza e da indiferença face à pobreza e miséria da grande maioria da humanidade produzida por ele,  é esquecer que tal conformação está abalando os fundamentos ecológicos que sustentam toda a vida no planeta. Voltar à “normalidade” anterior (business as usual) é prolongar uma situação que poderá significar a nossa própria autodestruição.

Se não fizermos uma “conversão ecológica radical”, nas palavras do Papa Francisco, a Terra viva  poderá reagir e contra-atacar com vírus ainda mais violentos, capazes de fazer desaparecer a espécie humana. Essa não é uma opinião meramente pessoal, mas de muitos biólogos, cosmólogos e ecologistas que sistematicamente acompanham a crescente degradação dos sistema-vida e do sistema-Terra. Dez anos atrás (2010), como fruto de minhas pesquisas em cosmologia e novo paradigma ecológico, escrevi o livro: Cuidar da Terra-proteger a vida: como evitar o fim do mundo” (Record). Os prognósticos que avançava, se viram plenamente confirmados pela atual situação.

O projeto capitalista e neoliberal foi refutado

Uma lição que reunimos da pandemia é esta: se tivesses seguido os ideais do capitalismo neoliberal, -competição, acumulação privada, individualismo, primazia do mercado sobre a vida e a minimilização do Estado – a maioria da humanidade estaria perdida. O que nos tem salvado foi a cooperação, a interdependência de todos com todos, a solidariedade e um Estado suficientemente apetrechado para oferecer a chance universal de tratamento do coranovírus, no caso do Brasil, o SUS  (Sistema Único de Saúde).

Fizemos algumas descobertas: precisamos de um contrato social mundial, pois somos ainda reféns do ultrapassado soberanismo de cada país. Problemas globais exigem uma solução global, concertada entre todos os países. Vimos o desastre na Comunidade Europeia, na qual cada país tinha seu plano, sem considerar a cooperação necessária de outros países. Foi uma devastação generalizada na Itália, Espanha e ultimamente nos USA onde a medicina é toda privatizada.

Outra descoberta foi a urgência de um centro plural de governança global para garantir à toda a comunidade de vida (não só a humana mas de todos os seres vivos) o suficiente e decente para viver. Os bens e serviços naturais são escassos e muitos não renováveis. Com eles devemos atender as demandas básicas do sistema-vida, pensando ainda nas futuras gerações. Aqui é o lugar de se criar uma  renda universal mínima para todos, pregação persistente do valoroso e digno político Eduardo Suplicy.

Uma comunidade de destino compartilhado

Os chineses viram com clareza esta exigência ao impulsionar “uma comunidade de destino compartilhado para toda a humanidade”,texto incorporado no renovado artigo 35 da Constituição Chinesa. Desta vez, ou nos salvamos todos ou todos engrossaremos o cortejo dos que rumam em direção da sepultura coletiva. Por isso temos que mudar urgentemente o nosso modo de nos relacionar com a natureza e a Terra, não como senhores, montados sobre ela, delapidando-a mas como partes conscientes e responsáveis, colocando-nos junto e ao pé dela, cuidadores de toda a vida.

Ao famoso TINA (There Is No Alternative), “não há outra alternativa” da cultura do capital, devemos contrapor outra TINA (There Is a New Alternative) “há uma nova alternativa”. Se na primeira alternativa a centralidade era ocupada pelo lucro, pelo mercado  e pela dominação da natureza e dos outros (imperialismo), nesta segunda será a vida em sua vasta diversidade, também humana com suas muitas culturas e tradições que organizará a nova forma de habitar a Casa Comum. Isso é possível e está dentro das possibilidades humanas: temos ciência e tecnologia, temos uma acumulação fantástica de riqueza monetária, mas falta à grande maioria da humanidade e, pior, dos chefes de Estado a consciência desta necessidade e a vontade política de implementá-la. Talvez, face a um risco real de nosso desaparecimento como espécie, porque atingimos os limites insuportáveis da Terra, o instinto de sobrevivência nos fará sociáveis, fraternos e todos colaboradores e solidários uns para com os outros. O tempo da competição passou. Agora é o tempo da cooperação.

A inauguração de uma civilização biocentrada

Creio que iremos inaugurar uma civilização biocentrada, cuidadosa, amiga da vida e como dizem alguns, “a Terra da boa esperança”. O “bien vivir e convivir” dos andinos terá condições de realizar-se: a harmonia de todos com todos, na família, na sociedade, com os demais seres da natureza, com as águas, com  montanhas e até com as estrelas do firmamento.

Como bem disse o Nobel de economia Joseph Stiglitz: “teremos uma ciência não a serviço do mercado, mas o mercado à serviço da ciência”e eu acrescentaria, e a ciência à serviço da vida.

Não sairemos da pandemia do coronavírus como entramos. Seguramente far-se-ão mudanças significativas, quem sabe, até estruturais. Acertadamente disse a liderança indígena muito conhecida, Ailton Krenak, da etnia krenak, do vale do Rio Doce: “Não sei se vamos sair dessa experiência da mesma maneira que entramos. É como um tranco para olharmos o que realmente importa; o futuro é aqui e agora, podemos não estar vivos amanhã; tomara que não voltemos à normalidade” (O Globo, 01/05/2020, B 6).

Logicamente, não podemos imaginar que as transformações se farão de um dia para o outro. É compreensível que as fábricas e as cadeias produtivas vão querer retomar a lógica anterior. Mas não serão mais aceitáveis. Deverão submeter-se a um processo de reconversão no qual todo o aparato produtivo industrial e agroindustrial deverá incorporar como elemento essencial o fator ecológico. Não basta a responsabilidade social das empresas. Impor-se-á uma responsabilidade sócio-ecológica.

 Buscar-se-ão energias alternativas às fósseis, menos impactantes sobre os ecossistemas. Cuidar-se-á mais da atmosfera, das águas e das florestas. A salvaguarda da biodiversidade será fundamental para o futuro da vida e da alimentação humana e de toda a comunidade de vida.

Que tipo de Terra queremos para o futuro?

Seguramente haverá uma grande discussão de ideias sobre que futuro queremos e que tipo de Terra na qual queremos habitar. Qual será a conformação mais adequada à atual fase da Terra e da própria humanidade, a fase da planetização e da percepção cada vez mais clara que não temos outra Casa Comum para habitar senão esta. E que temos um destino comum, feliz ou trágico. Para que seja feliz, importa cuidar dela para que todos possam caber dentro, a natureza incluída.

Há o risco real de uma polarização de modelos binários: por um lado movimentos de integração de cooperação geral e por outro, a reafirmação das soberanias nacionais com seu protecionismo. Por um lado o capitalismo “natural” e verde e por outro o comunismo reinventado e de terceira geração como prognosticam Alain Badiou e Slajov Zizek.

Outros temem um processo de radical brutalização por parte dos “donos do poder econômico e militar” para garantir seus privilégios e seus capitais. Seria um despotismo de forma diferente pois contaria com os meios cibernéticos e a inteligência artificial com seus complexos algoritmos, um sistema de vigilância sobre todas as pessoas do planeta. A vida social e as liberdades estariam permanentemente ameaçadas. A todo poder sempre emerge um antipoder. Sugeriram grandes confrontos e conflitos por causa da exclusão e da miséria de milhões que, apesar da vigilância,  não se contentarão com as migalhas que caírem das mesas dos ricos epulões.

Não são poucos que propõem uma glocalização vale dizer, o acento será colocado no local, na região com suas especificidades geológicas, físicas, ecológicas e culturais mas aberta ao global que a todos  envolve. Nesse biorregionalismo poder-se-ia realizar de fato um real desenvolvimento sustentável, aproveitando os bens e serviços locais. Praticamente tudo se realizará na região, com empresas menores, com uma produção agroecológica, sem precisar de  longos transportes que consomem energias e poluem. A cultura, as artes e as tradições serão reanimadas como parte importante da vida social. A governança será participativa, diminuindo as desigualdades e tornando menor a pobreza, sempre possível, nas sociedades complexas. É a tese que o cosmólogo Mark Hathaway e eu defendemos em nosso livro comum O Tao da Libertação (2010) que teve boa acolhida no meio científico e entre os ecologistas a ponto de Fritjob Capra ter se oferecido a fazer um instigante prefácio.

Outros veem a possibilidade de um ecosocialismo planetário, capaz de realizar aquilo que o capitalismo, por sua essência competitivo e excludente se mostra incapaz de fazer: um contrato social mundial, igualitário e inclusivo, respeitador da natureza no qual o nós (o comunitário e societário) e não o eu (individualismo)será o eixo estruturador das sociedades e da comunidade mundial. Ele encontrou no franco-brasileiro Michael Löwy o seu mais brilhante formulador. Teremos em fim  como  reafirma a Carta da Terra bem como a encíclica do Papa Francisco “sobre o cuidado da Casa Comum” um modo realmente sustentável de vida e não apenas um desenvolvimento sustentável.

Em fim, passaremos de uma sociedade industrialista/consumista para uma sociedade de sustentação de toda a vida com um consumo sóbrio e solidário; de um cultura de acumulação de bens materiais para uma cultura humanístico-espiritual na qual os bens intangíveis como a solidariedade, a justiça social, a cooperação, os laços afetivos e não em último lugar a amorosidade e a logique du coeur  estarão em seus fundamentos.

Não sabemos qual tendência predominará. O ser humano é complexo e indecifrável, é movido por benevolência mas também por boçalidade. É completo mas não está ainda totalmente pronto. Irá aprender, por erros e acertos, que a melhor conformação para a convivência humana junto com todos os demais seres da Mãe Terra deve se orientar pela lógica do próprio universo: este está estruturado, como nos dizem notáveis cosmólogos e físicos quânticos, por redes complexas de inter-retro-relações. Tudo é relação. Na existe fora a da relação. Todos se entreajudam para continuar existindo e podendo co-evoluir. O próprio ser humano é um rizoma (bulbo de raízes) de relações em todas as direções.

Se me é permitido dizer em termos teológicos: é a imagem e semelhança da Divindade que emerge como a íntima relação de três Infinitos, cada um singular (as singularidades não se somam) de Pai, Filho e Espírito Santo que eternamente existem um para o outro, com o outro, no outro e através do outro, constituindo um Deus-comunhão de amor, de bondade e de infinita beleza.

Tempos de crise como o nosso, de passagem de um tipo de mundo para outro, são também tempos de grande sonhos e utopias. São elas que nos movem na direção do futuro, incorporando o passado, mas fazendo a própria pegada no chão da vida. É fácil pisar na pegada deixada por outros. Mas ela não nos leva mais a nenhum caminho esperançador. Devemos fazer a nossa pegada, marcada pela inarredável esperança da vitória da vida, pois o caminho se faz caminhando e sonhando. Então caminhemos.

*Leonardo Boff é ecoteólogo, filósofo. Autor, entre outros livros, de Cuidar da Terra-proteger a vida: como escapar do fim do mundo (Record).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu Vladimir Safatle Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Silva Remy José Fontana Samuel Kilsztajn Luiz Marques José Raimundo Trindade Fernando Nogueira da Costa Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Liszt Vieira Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonino Infranca Eliziário Andrade Luiz Eduardo Soares Luiz Roberto Alves Andrés del Río Jorge Branco Kátia Gerab Baggio Dênis de Moraes Marilena Chauí Dennis Oliveira Tales Ab'Sáber Berenice Bento Tarso Genro Denilson Cordeiro Manchetômetro Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel Anselm Jappe Luciano Nascimento Ari Marcelo Solon Eugênio Trivinho Andrew Korybko Daniel Brazil Marcelo Módolo Priscila Figueiredo Vanderlei Tenório Valerio Arcary Carla Teixeira Chico Whitaker Annateresa Fabris Ronald Rocha Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Matheus Silveira de Souza Leda Maria Paulani Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alysson Leandro Mascaro Alexandre Aragão de Albuquerque Claudio Katz Ricardo Abramovay Henri Acselrad Leonardo Avritzer Juarez Guimarães Yuri Martins-Fontes Chico Alencar Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona Francisco Pereira de Farias Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Daniel Afonso da Silva André Márcio Neves Soares Elias Jabbour Jorge Luiz Souto Maior João Sette Whitaker Ferreira Gilberto Maringoni Mariarosaria Fabris Rodrigo de Faria Valerio Arcary Caio Bugiato Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão Gabriel Cohn Antonio Martins Michel Goulart da Silva Leonardo Boff Slavoj Žižek Afrânio Catani Leonardo Sacramento Gilberto Lopes Jean Marc Von Der Weid Armando Boito Boaventura de Sousa Santos Antônio Sales Rios Neto Thomas Piketty Renato Dagnino Luiz Werneck Vianna Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Capel Narvai Luiz Carlos Bresser-Pereira Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais Michael Löwy João Lanari Bo Sandra Bitencourt Luiz Bernardo Pericás João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Bernardo Ricupero Carlos Tautz Fábio Konder Comparato Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues Daniel Costa Mário Maestri João Feres Júnior Tadeu Valadares Marilia Pacheco Fiorillo Anderson Alves Esteves Marcelo Guimarães Lima Heraldo Campos Ricardo Fabbrini Milton Pinheiro Vinício Carrilho Martinez José Geraldo Couto Ricardo Antunes Bruno Machado Atilio A. Boron Celso Favaretto Benicio Viero Schmidt Ricardo Musse Lincoln Secco José Luís Fiori Marcos Aurélio da Silva Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Luís Fernando Vitagliano Paulo Fernandes Silveira Marcus Ianoni Eduardo Borges José Costa Júnior Jean Pierre Chauvin José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Igor Felippe Santos Luiz Renato Martins Salem Nasser Érico Andrade Lorenzo Vitral João Paulo Ayub Fonseca Rafael R. Ioris André Singer Paulo Martins Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Eleonora Albano Otaviano Helene Henry Burnett Bento Prado Jr. Flávio Aguiar Maria Rita Kehl Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles Michael Roberts

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada