Carta de confirmação de filiação ao PSOL

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO ALENCAR*

Cinco razões para permanecer no partido que me faz melhor como figura pública.

“Nascer não basta. É para renascer que nascemos” (Pablo Neruda).

Há momentos na vida em que é preciso reafirmar valores e crenças. Não dogmas, mas convicções e utopias – várias e mutáveis, mas imprescindíveis.

Gosto de pertencer ao Partido Socialismo e Liberdade, como os nossos 240.631 filiados no Brasil inteiro, incluindo os 56 mil que vieram desde outubro passado. Somos um partido em construção e crescimento, com vocação de grandeza. Ao contrário do que podem sentir alguns, o PSOL não me ‘limita”: me faz melhor como figura pública.

Teria 500 ou 50 razões para permanecer no PSOL, mas resumo em cinco:

(1) O PSOL é um partido que busca ser fiel ao seu próprio nome: Socialismo e Liberdade. Procura manter a dimensão sem a qual qualquer organização política que não seja da ordem perde a razão de ser: o sonho de uma sociedade igualitária, da democracia sem fim. O PSOL é comprometido com a transformação social e com a ética pública;

(2) O PSOL tem princípios e programa, em constante atualização. Não quer controlar os movimentos sociais, e sim estimulá-los. Não se acredita portador único das urgentes mudanças, mas é agente delas, junto com outras forças – sem se diluir ou perder a identidade;

(3) O PSOL não é um partido meramente eleitoral – como quase todos: é do cotidiano, da cidadania ativa diária. Nossa força vital vem dos militantes, dos núcleos de base, dos setoriais da diversidade da sociedade: juventude, negra/os, mulheres, LGBTI+, ecossocialista, educação, saúde…

(4) O PSOL disputa eleições apresentando projetos coletivos, colocando o programático acima do “pragmático”. Entende a necessidade de alianças e coligações a partir de uma plataforma comum, a ser construída em uma mesa de unidade – nas lutas contra o neofascismo, desde já; na disputa de 2022, a ser construída sem hegemonismos e com propostas para um outro Brasil, numa perspectiva progressista e ampla, sem sectarismos e sem ilusões com a direita;

(5) O PSOL cobra, saudavelmente, de cada parlamentar uma atuação como bancada, combate o individualismo (grande sedução da institucionalidade burguesa, arraigada na cultura nacional), tem atenção crítica e saudável em relação às nossas palavras e votos, tanto quanto não vacila na defesa dos seus mandatários, quando alvo dos ataques dos poderosos a quem combatemos.

Sigo acreditando que “um violino, por mais afinado que seja, não substitui uma orquestra”.

Campanha municipal de 2020, que fez do PSOL o partido com a maior bancada na Câmara do Rio (que continuará a ser!) e o que mais cresceu proporcionalmente nos legislativos locais.

*Chico Alencar é professor, escritor e vereador na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Afonso da Silva Bento Prado Jr. Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Slavoj Žižek Sandra Bitencourt João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins Luciano Nascimento Luís Fernando Vitagliano Ricardo Fabbrini Mário Maestri Claudio Katz Luiz Carlos Bresser-Pereira Matheus Silveira de Souza Michael Löwy Dênis de Moraes Juarez Guimarães José Luís Fiori Afrânio Catani Boaventura de Sousa Santos Paulo Sérgio Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Caio Bugiato Alexandre de Freitas Barbosa Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Elias Jabbour Gilberto Lopes Liszt Vieira Henry Burnett Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Favaretto Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Carla Teixeira Tales Ab'Sáber Eugênio Bucci Renato Dagnino Bruno Machado Jorge Luiz Souto Maior Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico José Costa Júnior Gilberto Maringoni Maria Rita Kehl Ronaldo Tadeu de Souza Manuel Domingos Neto Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Chico Alencar Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves Andrés del Río Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Feres Júnior Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Costa Dennis Oliveira Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Érico Andrade Ladislau Dowbor João Lanari Bo Luiz Marques André Márcio Neves Soares Denilson Cordeiro Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer Antônio Sales Rios Neto Marcelo Guimarães Lima Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Marilia Pacheco Fiorillo Benicio Viero Schmidt Otaviano Helene Luiz Eduardo Soares João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Luiz Renato Martins Leonardo Sacramento Heraldo Campos Marcus Ianoni Marcelo Módolo Salem Nasser Manchetômetro Vanderlei Tenório Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr Leda Maria Paulani Armando Boito Henri Acselrad Igor Felippe Santos Daniel Brazil Alexandre Aragão de Albuquerque André Singer Atilio A. Boron Everaldo de Oliveira Andrade João Sette Whitaker Ferreira Jorge Branco Michael Roberts Andrew Korybko José Raimundo Trindade Carlos Tautz Rodrigo de Faria Eleonora Albano Michel Goulart da Silva Lorenzo Vitral Eliziário Andrade Marilena Chauí Gerson Almeida Antonino Infranca José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona Berenice Bento Gabriel Cohn Osvaldo Coggiola Milton Pinheiro Ronald Rocha Priscila Figueiredo João Carlos Loebens Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Chico Whitaker Tadeu Valadares José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira Luiz Roberto Alves Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Julian Rodrigues Ricardo Abramovay Marcos Aurélio da Silva Paulo Martins Yuri Martins-Fontes Ricardo Antunes Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Ricardo Musse Remy José Fontana Mariarosaria Fabris Leonardo Boff Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto Rubens Pinto Lyra João Adolfo Hansen

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada