As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os inimigos do governo Lula

Wols (Alfred Otto Wolfgang Schulze), [sem título], 1988
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO NOGUEIRA BATISTA JR.*

O bloco capital financeiro-mídia tradicional, com suas ramificações no exterior, é o adversário potencialmente mais perigoso

Queria falar hoje dos inimigos do governo Lula. São muitos, como se sabe, alguns abertos, outros nem tanto. Nelson Rodrigues falava dos “desconhecidos íntimos” que o abordavam na rua sem a menor cerimônia. Podemos falar, também, dos “inimigos íntimos”. É perceptível a sua presença no governo, estão lá infiltrados, instalados em posições importantes. Talvez “inimigos” seja uma palavra exagerada para alguns deles. Digamos “adversários”, no mínimo.

Começo pelos inimigos declarados: a extrema direita, fascistoide, bolsonarista. Arrisco o seguinte comentário. A extrema direita é inegavelmente forte, vide o resultado apertado da eleição presidencial e o sucesso bolsonarista nas eleições para vários Estados importantes e, também, para o Senado e a Câmara. Mas ela não derruba o governo. Atrapalha, tumultua, coloca vidas em risco, assassina, pratica o terrorismo, destrói patrimônio público. Só que não tem força, nem apoio interno ou internacional, para virar o jogo.

O principal efeito político da agitação da extrema direita talvez seja enfraquecer Lula, pelo menos um pouco, na disputa com outras forças internas hostis. Refiro-me aos militares, ao centrão e, em especial, ao bloco formado pelo capital financeiro (o chamado “mercado”) e o seu puxadinho, a mídia tradicional. Não é fácil lutar contra tudo isso ao mesmo tempo. Deixo de lado hoje os inimigos ou adversários externos do governo, que têm menos peso do que os internos e que só podem influir decisivamente, num país da dimensão do Brasil, em aliança com eles.

Se o “mercado” e a mídia tradicional estão pessimistas e até desesperados, como se noticia, isto se deve provavelmente ao fato de que Lula compôs ou tenta compor com o centrão, por intermédio de Arthur Lira e outros líderes políticos, e com os militares, por meio do ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, deixando, entretanto, o “mercado” e adjacências basicamente ao relento.

Assim me parece. O Presidente fez e ainda fará concessões ao capital financeiro, mas não atendeu muito esses interesses na escalação da área econômica – ou não tanto quanto eles esperavam. Diferentemente do que aconteceu no primeiro mandato de Lula, período em que Antônio Palocci, de triste memória, foi ministro da Fazenda, a turma da bufunfa não tem hegemonia. Dispõe, é verdade, do comando do Banco Central, garantido pela lei de autonomia, mas queria mais, sobretudo no Ministério da Fazenda, o mais importante dos que resultaram da subdivisão do Ministério da Economia.

A estratégia de Lula, se é que a estou entendendo bem, me parece correta. O bloco capital financeiro-mídia tradicional, com suas ramificações no exterior, é o adversário potencialmente mais perigoso. Tem muito poder real, econômico e político. É o segmento dominante do empresariado. E conta com uma legião de porta-vozes dos seus interesses, economistas e jornalistas que são funcionários matriculados do status quo. Sempre com grande repercussão na mídia, eles se dedicam agora ao que ficou conhecido como terrorismo econômico ou fiscal. Um tipo de terrorismo que pode ser mais danoso do que o dos bolsonaristas. E espalham, também, a desinformação econômica.

Vou pegar um desses economistas para Cristo: Armínio Fraga, que foi por um longo período presidente do Banco Central no governo Fernando Henrique Cardoso. Em entrevista de página inteira à Folha de S.Paulo (8/1/2023), Armínio Fraga combinou arrogância com argumentos falhos. A entrevista é longa, dou apenas alguns exemplos. Ele se declarou, primeiramente, altamente preocupado com a economia. Os sinais, disse ele, não são bons e podem levar a um “desastre econômico”. O governo ainda não completara uma semana, leitor, mas o economista já falava em “desastre” …

O entrevistado lamentou que o governo não esteja caminhando para o modelo do primeiro mandato de Lula, período em que prevaleceu a ortodoxia econômica: “Depois do Palocci, a estratégia mudou radicalmente – e foi esse erro que desembocou no colapso da economia”. A sua visão da evolução da economia brasileira é altamente distorcida, para não usar palavra mais forte. Armínio Fraga atribui o colapso da economia em 2015 e 2016 ao “buraco fiscal que começou em 2014 e 2015”. E, acrescenta a essa afirmação, sem fazer sentido algum: que “hoje, parte da herança que o presidente Lula recebe veio dele próprio”. Ligeiro problema com as datas. O segundo mandato de Lula terminou em 2010. Como responsabilizá-lo por um “buraco fiscal iniciado em 2014 e 2015”?

A política fiscal talvez tenha sido mesmo excessivamente expansionista em 2014, como costuma ocorrer em anos de eleição. Mas, em 2015, a gestão foi do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que fez um forte e fracassado ajustamento ortodoxo – ponto omitido por Armínio Fraga, talvez para proteger um outro membro da tribo de funcionários do status quo.

Seja como for, pode-se atribuir o colapso da economia em 2015 e 2016 exclusiva ou mesmo preponderantemente a erros de política econômica do governo Dilma Rousseff? Como não mencionar, por exemplo, os efeitos desastrosos da crise política desencadeada para derrubar a presidente Dilma Rousseff? Quem pode negar o grande impacto sobre a economia das pautas bombas no Congresso e da operação Lava Jato?

O economista pede “humildade” a Lula e espera que petistas e economistas reconheçam seus erros passados. Ok, autocrítica não faz mal a ninguém. Porém, Armínio Fraga não fez até hoje, que eu saiba, autocrítica da gestão econômica da qual participou em posição de destaque. Fernando Henrique Cardoso entregou a economia aos pedaços a Lula em 2002, mas Armínio Fraga não teve aparentemente nada a ver com isso…

*Paulo Nogueira Batista Jr. é titular da cátedra Celso Furtado do Colégio de Altos Estudos da UFRJ. Foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai. Autor, entre outros livros, de O Brasil não cabe no quintal de ninguém (LeYa).

Versão ampliada de artigo publicado na revista Carta capital, em 13 de janeiro de 2023.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carlos Tautz Flávio R. Kothe Renato Dagnino Juarez Guimarães Alexandre de Freitas Barbosa Henry Burnett Eugênio Trivinho Paulo Martins José Raimundo Trindade Gerson Almeida Jean Marc Von Der Weid Jean Pierre Chauvin Elias Jabbour Tales Ab'Sáber Anderson Alves Esteves Francisco de Oliveira Barros Júnior Osvaldo Coggiola Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Antunes Leonardo Sacramento Celso Favaretto Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio André Singer Eugênio Bucci Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Luiz Werneck Vianna Chico Whitaker Rafael R. Ioris Antônio Sales Rios Neto Ronald Rocha João Carlos Loebens Tadeu Valadares João Carlos Salles Annateresa Fabris Paulo Sérgio Pinheiro Andrew Korybko Fernando Nogueira da Costa Lincoln Secco Luiz Marques Marcelo Módolo José Dirceu José Machado Moita Neto Gilberto Lopes Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn Luiz Carlos Bresser-Pereira João Sette Whitaker Ferreira Eleonora Albano Luis Felipe Miguel Valério Arcary Sandra Bitencourt Luciano Nascimento Luiz Roberto Alves Igor Felippe Santos Maria Rita Kehl Caio Bugiato Salem Nasser Paulo Fernandes Silveira Dênis de Moraes Luiz Eduardo Soares Celso Frederico João Lanari Bo Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo Vanderlei Tenório Alysson Leandro Mascaro Vinício Carrilho Martinez Marcos Silva Chico Alencar Roberto Noritomi João Paulo Ayub Fonseca Paulo Capel Narvai Marcos Aurélio da Silva Lorenzo Vitral Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza José Geraldo Couto Eduardo Borges Airton Paschoa Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Nogueira Batista Jr Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Pereira de Farias Rodrigo de Faria Samuel Kilsztajn Daniel Brazil Bernardo Ricupero Manchetômetro Henri Acselrad Flávio Aguiar Jorge Branco Remy José Fontana Tarso Genro Afrânio Catani Roberto Bueno Milton Pinheiro Rubens Pinto Lyra José Costa Júnior Ricardo Fabbrini Mário Maestri Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima João Feres Júnior Leonardo Avritzer Marcus Ianoni Armando Boito Leda Maria Paulani Gilberto Maringoni Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron José Luís Fiori Marjorie C. Marona Ricardo Musse Sergio Amadeu da Silveira Érico Andrade Luiz Costa Lima Berenice Bento Fernão Pessoa Ramos Carla Teixeira Fábio Konder Comparato Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleutério F. S. Prado Alexandre Aragão de Albuquerque Dennis Oliveira Julian Rodrigues Ricardo Abramovay André Márcio Neves Soares Mariarosaria Fabris Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anselm Jappe Ari Marcelo Solon Liszt Vieira Michael Roberts Antonino Infranca Luís Fernando Vitagliano Thomas Piketty Bruno Machado Michael Löwy Heraldo Campos Bento Prado Jr. Leonardo Boff Luiz Renato Martins Marilena Chauí Vladimir Safatle Slavoj Žižek Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Claudio Katz Denilson Cordeiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada