Cartas de Hans Jonas a Hans Blumenberg

Patrick Caulfield, Bispos, 2004
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARI MARCELO SOLON*

Comentário sobre o livro recém-publicado na Alemanha

No recente livro publicado na Alemanha, Cartas de Jonas a Blumenberg (Briefwechsel 1954-1978 und weitere Materialien), confrontamo-nos com o problema da relação entre a Idade Moderna e o gnosticismo da Antiguidade tardia.

Para alguns como Eric Voeglin, tudo é gnóstico e a modernidade é uma recidiva da heresia gnóstica. Para seu doktorvater, Hans Kelsen, a modernidade não tem nada da secularização da religião gnóstica.

Na linha de Hans Kelsen, Hans Blumenberg aceita que a modernidade superou o perigo gnóstico com a autonomia crescente do homem, a técnica e a ciência. Ao contrário de Eric Voeglin, porém, encara o perigo de que essa autonomia se perca e a secularização seja em vão.

Nessas cartas, vemos a admiração de Hans Blumenberg por Hans Jonas, que tem uma posição muito profunda. Em tese orientada por Martin Heidegger, Hans Jonas assevera ser a gnose einmalich: aconteceu uma vez na antiguidade tardia e ressurgiu apenas na filosofia existencialista fenomenológica e hermenêutica de Martin Heidegger.

“To this his disagreements Toward the end of his life, Scholem summed up their differences in a letter: ‘‘Your definition of gnosis is not mine, and to discuss it would make no sense. For me, gnosis is a structure in religious thought that reproduces itself again and again. For you it is a singular historical-philosophical phenomenon.’’ (Scholem to Jonas, November 14, 1977, in: Gershom Scholem, Briefe III 1971–1982, ed. Itta Shedletzky).

Para tanto, Hans Jonas usa um capítulo da obra Queda do Ocidente, de Oswald Spengler, sobre a cultura árabe, a partir do qual interpreta, à luz de um conceito da mineralogia, que a cultura árabe no Direito é uma pseudomorfose da cultura romana: incorpora conceitos antigos, mas reinterpretam em um sentido moderno, por exemplo, o formalismo grego e romano, graças ao conceito árabe de Tima torna-se a autonomia das vontades dos contratos.

Assim também a gnose, fenômeno puramente herético da antiguidade tardia, ressurge em Martin Heidegger com as categorias analíticas do Dasein. As cartas testemunham a guinada da filosofia de Hans Jonas. Republica sua tese, mas rejeita suas conclusões, pois não tem mais nenhum interesse no existencialismo fenomenológico de seu doktorvater. Retoma o conceito de physis grega e, em certo sentido, sua filosofia acopla-se ao renascimento do direito natural pós-Segunda Guerra Mundial.

Hans Blumenberg, encantado com os ensinamentos de Hans Jonas, empenha-se em trazê-lo para a Alemanha, para a cidade de Kiel, onde lecionava. Hans Jonas rejeita e prefere ficar nos Estados Unidos.

Ao final das cartas, vemos um balanço: Hans Blumenberg reconhece o acerto do seu mentor ao não ter ido morar na Alemanha, die Täterland, a terra dos criminosos.

Hans Blumenberg, filho de uma judia, sobrevive com riscos tremendos ao holocausto na Alemanha.

Dessa experiência, surge o que nos parece o maior filósofo alemão do pós-guerra. Alguém que, em 1940, desejava virar padre em seminários católicos, mas que, por razões raciais foi impedido. E, no pós-guerra, torna-se um cético, amante da filosofia grega como Hans Jonas. A saída está no paganismo. Como, em seu livro A legitimidade da idade moderna, Hans Blumenberg combateu Carl Schmitt, que queria tornar o direito moderno em um direito teológico. Usava o exemplo de Goethe: contra deus só há outros deuses.

In Political Theology II, Carl Schmitt says that Goethe’s “famous Latin motto,” nemo contra deum nisi deus ipse [against a god, only a god], “was cited and interpreted by Goethe-knowers [Goethe-Kennern] in innumerable secret [nichtöffentlichen] conversations”. For Blumenberg, this motto came to represent both Goethe’s “philosophical” act of resistance against the “absolute” power. Against a God, Only a God’ is devoted to the analysis of Goethe’s work on the figure of Prometheus to fashion his self-image. In this regard, Blumenberg makes much of what he understands to be Goethe’s own confection of the ‘extraor-dinary saying’: ‘Only a god can stand against a god’ (‘Nemo contra deum nisi deus ipse’)

Na história do pós-guerra, na filosofia, temos o que comemoramos há 100 anos com o Ulisses, a figura de juif grec: Hannah Arendt, Hans Jonas e Hans Blumenberg.

Se bem que o juif é apenas uma reminiscência familiar, como disse Hans Jonas sobre a mulher que mais amou em toda sua vida, Arendt, a obra dessa autora é dedicada a recuperar o conceito da ação, pragma. E onde vemos isso? Nos Provérbios de Salomão: “deem pão para a vida”.

Cast thy bread upon the waters. What image fits this kind of action? I know none better than”casting your bread upon the waters,”of which the inimitable Biblical proverb promises that “you will find it after many days. (Eccl. 11:1).

*Ari Marcelo Solon é professor da Faculdade de Direito da USP. Autor, entre outros, livros, de Caminhos da filosofia e da ciência do direito: conexão alemã no devir da justiça (Prismas).

 

Referência


Hannes Bajohr (Ed.). Hans Blumenberg Hans Jonas Briefwechsel 1954-1978 und weitere Materialien. Berlin, Suhrkamp Verlag AG, 2022, 350 págs.

 

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Lanari Bo Claudio Katz Marjorie C. Marona Michel Goulart da Silva Remy José Fontana Antonino Infranca Leda Maria Paulani Luciano Nascimento Michael Roberts Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Matheus Silveira de Souza Andrew Korybko André Márcio Neves Soares Ladislau Dowbor Samuel Kilsztajn Vladimir Safatle Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Eleonora Albano Érico Andrade José Geraldo Couto Paulo Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Maria Rita Kehl Carla Teixeira João Adolfo Hansen Henry Burnett Vanderlei Tenório Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Gerson Almeida Manuel Domingos Neto João Carlos Loebens Fernando Nogueira da Costa Chico Whitaker Ricardo Fabbrini Afrânio Catani Valerio Arcary Luiz Roberto Alves Ronald León Núñez Eduardo Borges Airton Paschoa Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Fernandes Silveira Jean Marc Von Der Weid Luis Felipe Miguel Vinício Carrilho Martinez Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Sacramento Fernão Pessoa Ramos Atilio A. Boron Rodrigo de Faria Alexandre Aragão de Albuquerque José Dirceu Fábio Konder Comparato Gilberto Maringoni Henri Acselrad João Sette Whitaker Ferreira André Singer Anselm Jappe Luiz Bernardo Pericás João Feres Júnior Chico Alencar Renato Dagnino Tales Ab'Sáber Sandra Bitencourt Luiz Renato Martins Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour Marcos Silva João Paulo Ayub Fonseca Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt José Machado Moita Neto Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Paulo Capel Narvai Marilia Pacheco Fiorillo Juarez Guimarães Annateresa Fabris Ricardo Musse Osvaldo Coggiola Alysson Leandro Mascaro Lincoln Secco Manchetômetro Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Ricardo Antunes Michael Löwy Caio Bugiato Igor Felippe Santos Celso Frederico Berenice Bento Denilson Cordeiro Thomas Piketty Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Otaviano Helene Luís Fernando Vitagliano Leonardo Avritzer Flávio Aguiar José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Liszt Vieira Priscila Figueiredo Luiz Marques Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil Tarso Genro Luiz Werneck Vianna Dennis Oliveira Antônio Sales Rios Neto Salem Nasser Heraldo Campos Ricardo Abramovay Daniel Costa Marilena Chauí Marcus Ianoni Eleutério F. S. Prado José Costa Júnior Dênis de Moraes Andrés del Río Leonardo Boff Milton Pinheiro João Carlos Salles Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Armando Boito Valerio Arcary Mariarosaria Fabris Mário Maestri Gilberto Lopes Eliziário Andrade José Raimundo Trindade Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Flávio R. Kothe Carlos Tautz Rubens Pinto Lyra Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Bucci Luiz Eduardo Soares Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Jorge Branco Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada