As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Cinema distópico

LEDA CATUNDA, Lago Japonês, 1986, acrílica s/ tela e nylon, 130x250cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Filmes politicamente notáveis desmentem a irrelevância da alegoria no trato da distopia e do apocalipse

Magistral é Se o vento tomba (2020), raro filme armênio dirigido por Nora Martirozyan, uma armênia que vive na França. Tem elenco armênio, exceto pelo protagonista francês. O entrecho se situa num minúsculo país encravado no Cáucaso, por nome Nagorno-Karabakh, sobrevivente de uma guerra civil que o dilacerou por três anos, entre 1991 e 1994. O espantoso é que, quando o espectador se convence de estar vendo mais um science-fiction distópico, descobre que é tudo verdade, ou seja, que o país existe, embora sem estatuto geopolítico reconhecido, e que ninguém ouviu falar dessa guerra porque coincidiu com os conflitos balcânicos que fragmentaram a antiga Iugoslávia. Mais uma alegoria…

Na capital há um aeroporto desativado que aguarda licença das entidades internacionais para recomeçar a funcionar, e o auditor francês que chega de fora vai-se inteirando das condições do país para dar seu laudo. Daí decorre o enredo. Intrigante é o menino que atravessa a cena a toda hora, levando em cada mão um garrafão de água, que vai vendendo aos copos. O filme é de uma beleza espantosa, sempre enigmático, e tenta decifrar as condições de vida num lugar assim, com tão duras memórias e cicatrizes. Paralelos com Bacurau se impõem, pois se lá há um pequeno país que não se encontra no mapa, aqui há uma pequena cidade que potências não tão ocultas decidiram apagar do mapa.

Já que estamos no plano do distópico, não custa nada ver o interessantíssimo Não olhe para cima (2021). Esnobado pelo Oscar, pois os membros da Academia não devem ter gostado de ver um retrato tão fiel, é uma sátira arrasadora à era Trump e seu legado de fake news, obscurantismo, canalhice, boçalidade e truculência anti-democrática.

Uma dupla de astrônomos alerta para um cometa a caminho da Terra em rota de colisão e enfrenta chacota, desmoralização e os habituais ataques do negacionismo. A notar que os dois protagonistas são desglamurizados: não são bem vestidos, nem bem arrumados, nem estão na moda. A presidente da República, vivida pela grande Meryl Streep, é uma caricatura: além de ter aparência de piranha só pensa em se reeleger e não tem a menor noção do que estão falando. Nomeou um filho horrível – tão horrível quanto ela, e lembrando outros filhos de outros presidentes – para chefe da Casa Civil, onde ele se esbalda mobilizando os poderes de repressão e espionagem a seu dispor. Ambos, mãe e filho, da maior desfaçatez.

É a primeira vez que vemos na tela o alcance a longo prazo das políticas de Donald Trump. Os apresentadores de televisão não estão preparados para coisa séria, e também são da maior cafajestice: o desprestígio porfiado da ciência e do conhecimento leva a isso. E assim por diante. E se o espectador espera uma boa solução, pode desistir. O filme não é otimista, embora persista no humor cáustico.

Aqui reencontramos Mark Rylance, de À espera dos bárbaros, em papel adequado a sua grandeza. Sua personagem é uma síntese dos magnatas do Vale do Silício, que se tornaram bilionários criando o maior aparato totalitário da história da humanidade. E sempre com aquele aura de puros e cientistas, fiados que estão na falsa neutralidade do algoritmo, insistindo que nada têm a ver com os resultados e as consequências para as pessoas. Assim chegamos ao ápice da desigualdade, com essas ferramentas preparadas para tornar os ricos ainda mais ricos e os pobres ainda mais pobres.

Filmes politicamente tão notáveis quanto esses desmentem a irrelevância da alegoria no trato da distopia e do apocalipse. Tarefa para críticos profissionais, seria o caso de ter paciência para assistir uma quantidade enorme de filmes de vampiro, de mortos-vivos, de science-fiction ou fantásticos, sem falar nos de super-herois que resvalam nesses outros ou assim têm a pretensão. Quem sabe então se poderia pensar na possibilidade de arriscar algumas hipóteses sobre sua proliferação.  Certamente infantilizaram o público, mas, para além do ataque que implicaram ao cinema como instrumento de reflexão sobre o mundo contemporâneo, podem estar justamente através de alegorias e símbolos expressando algumas das mais profundas preocupações que nos espicaçam.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Samuel Kilsztajn Annateresa Fabris Slavoj Žižek Otaviano Helene Bernardo Ricupero Andrew Korybko Alexandre de Freitas Barbosa Vinício Carrilho Martinez Eugênio Bucci Renato Dagnino Walnice Nogueira Galvão Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Henry Burnett Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Tarso Genro João Feres Júnior Vanderlei Tenório Anderson Alves Esteves Ronald Rocha Leda Maria Paulani Luiz Werneck Vianna Roberto Bueno Paulo Capel Narvai Marjorie C. Marona José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto José Machado Moita Neto Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo Denilson Cordeiro Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Costa Lima Leonardo Avritzer Ladislau Dowbor Luiz Roberto Alves Heraldo Campos Manchetômetro Gilberto Maringoni Luiz Eduardo Soares Thomas Piketty Paulo Martins Ricardo Abramovay Daniel Costa Mariarosaria Fabris Luiz Bernardo Pericás Eliziário Andrade Fábio Konder Comparato Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Leonardo Sacramento José Luís Fiori Rubens Pinto Lyra Érico Andrade Carla Teixeira Fernando Nogueira da Costa Flávio R. Kothe Antonino Infranca Alysson Leandro Mascaro Tadeu Valadares Alexandre de Lima Castro Tranjan Yuri Martins-Fontes Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Gilberto Lopes Ari Marcelo Solon Armando Boito Julian Rodrigues Michael Roberts João Adolfo Hansen Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Silva Ricardo Musse João Carlos Salles Eugênio Trivinho Luiz Renato Martins Airton Paschoa Milton Pinheiro Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Bento Prado Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Marques Jorge Branco Claudio Katz Eleutério F. S. Prado Eduardo Borges Antônio Sales Rios Neto Paulo Fernandes Silveira Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Remy José Fontana Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani Priscila Figueiredo Rodrigo de Faria Anselm Jappe Roberto Noritomi Lincoln Secco Lorenzo Vitral Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Guimarães Lima Berenice Bento Juarez Guimarães Gabriel Cohn Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Henri Acselrad André Márcio Neves Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Atilio A. Boron José Dirceu Eleonora Albano Luciano Nascimento Gerson Almeida João Carlos Loebens Bruno Machado Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Lucas Fiaschetti Estevez Liszt Vieira Mário Maestri Boaventura de Sousa Santos Osvaldo Coggiola Carlos Tautz Tales Ab'Sáber Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto Celso Frederico Valério Arcary Igor Felippe Santos Ronald León Núñez Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Luis Felipe Miguel Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Dênis de Moraes Chico Alencar Marilena Chauí Sandra Bitencourt Jean Pierre Chauvin Chico Whitaker Leonardo Boff João Paulo Ayub Fonseca José Costa Júnior Francisco Pereira de Farias Michael Löwy André Singer Fernão Pessoa Ramos Benicio Viero Schmidt José Raimundo Trindade Salem Nasser Daniel Brazil

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada