Canto estrangeiro

Giovanni Guaccero - Canto Estrangeiro - Encore Music, 2022 arte da capa: Marcelo Guimarães Lima
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

Giovanni Guaccero e a música popular “ítalo-brasileira”

O que seria a música “ítalo-brasileira” de Giovanni Guaccero? Resposta: as formas da música popular brasileira recriadas a partir da maestria e da sensibilidade do compositor italiano, nascido e radicado em Roma. Em vários sentidos, as canções de Giovanni Guaccero são, ao mesmo tempo, criativamente fiéis à matriz brasileira e uma expansão individualizada desta por um músico de grande talento.

Seria possível dizer que Giovanni Guaccero pratica a antropofagia oswaldiana “em sentido inverso”, e a música popular brasileira atravessa o oceano para ser “deglutida” e recriada nas terras da Itália em modo semelhante, diríamos, à apropriação e recriação de formas musicais europeias que deram origem, por exemplo, ao choro como matriz musical brasileira na passagem dos séculos XIX e XX.

Giovanni Guaccero é um compositor de formação e produção erudita que traz para a música popular o domínio da forma musical estruturada, enriquecendo o gênero popular com nuances, formulações, perspectivas e sonoridades outras, sempre preservando o espírito de intimidade, de familiaridade, de reconhecimento imediato do ouvinte e para o ouvinte que é próprio da música popular. Na música brasileira o trânsito entre o erudito e o popular, como uma espécie de via de mão dupla, é representado por nomes como Villa-Lobos, Radamés Gnatalli, Pixinguinha, Tom Jobim, Egberto Gismonti, entre vários outros.

Num concerto no Japão em meados da década de 1980, Tom Jobim, refletindo sobre a recepção da música brasileira pelo público japonês, destacou a característica da “suavidade” como qualidade comum entre a expressão da cultura japonesa e a expressão musical brasileira, especialmente a Bossa Nova. “Suavidade” que podemos entender como sutileza, riqueza de nuances, sofisticação, e, ao mesmo tempo, como acuidade, como expressão ao seu modo incisiva e envolvente, sedutora em seu contínuo fluir.

O que se destaca das canções de Giovanni Guaccero é propriamente esta suavidade incisiva e sedutora. O fluir criativo, inventivo de melodias e harmonias de notável beleza nas quais, como ouvinte, reconhecemos imaginativamente formas próprias, formas de nossa intimidade, formas aguardadas. A intimidade que caracteriza a música popular pode ser entendida como uma espécie de “conversa” musical entre o compositor, juntamente com o intérprete, e o ouvinte, uma espécie de comunicação representada entre intimidades em reconhecimento comum na forma musical e na poesia que a complementa.

No seu último CD intitulado Canto estrangeiro, as brilhantes participações do poeta-letrista Luís Elói Stein e da cantora Tatiana Valle realçam o escopo e a qualidade das composições. Os versos do poeta nos convidam à partilha, no modo imaginário, de experiências vividas, sendo a imaginação aqui a dimensão ou o processo que realça a verdade íntima das vivências representadas. A bela voz e o domínio da expressão musical de Tatiana Valle complementam e realçam as composições de Giovanni Guaccero. Participam igualmente no CD, o duo Choro de Rua com a flautista italiana Barbara Piperno e o violonista brasileiro Marco Ruviaro.

E para que o leitor não se fie apenas em palavras, mas ouça e aprecie de forma autônoma as canções do compositor, aqui deixamos um link. A constatação final, acredito, é de que o “canto estrangeiro” de Giovanni Guaccero é canto de todos nós.

*Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

Referência

Giovanni Guaccero. Canto estrangeiro. Encore Music, 2022


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • O Trabalhismo venceu, mas não é um partido de esquerdamaçã mpodre 07/07/2024 Por KEN LOACH: O líder trabalhista Keir Starmer não é um moderado, não é um centrista, mas sim um político de direita, intransigente e orientado para o livre mercado
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • O balcãohomem caminhando preto e branco 08/07/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Neoliberalismo na universidade pública
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • A indenização esquecidamercado de escravos 07/07/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: O capital inicial das famílias da elite foi de escravizados, o grande e escondido capital inicial de quase todos os grandes empresários brasileiros
  • A lição francesaandré kaysel 10/07/2024 Por ANDRÉ KAYSEL: Não há como derrotar a extrema direita sem a esquerda
  • Nordeste — um novo cenáriovermelho ddddddddddd 10/07/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O Nordeste passará a ser visto como exemplo para o Brasil, da mesma forma que escolas públicas do Ceará são referência em qualidade de ensino
  • Greve — o curso da verdade e um fragmento do realclarisse gurgel 08/07/2024 Por CLARISSE GURGEL: Toda greve do serviço público, em nosso país, é um fragmento do real do qual outra ideia de Brasil atesta que o trabalho de sua verdade está em curso

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES