Comendo poeira

Imagem: Sandro Sandroni Lazzarini
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por NELSON MARCONI*

Para recuperar a economia brasileira é preciso mudar o modelo econômico fracassado que impera há décadas

A economia brasileira está comendo poeira há muito tempo. Em 1980, nosso PIB per capita era 15 vezes maior que o chinês e 1,6 vez superior ao sul-coreano; em 2020 equivalia, respectivamente, a apenas 79% e 26% do observado nestes países.

O que fizeram os asiáticos? Perceberam que os países mais bem-sucedidos incentivam a indústria e os setores importantes ao redor; logo, ampliaram sua participação no mercado internacional via exportações de manufaturados, usando e abusando de planejamento, boas práticas macroeconômicas, políticas de desenvolvimento científico e tecnológico e educação, focando em áreas estratégicas e sempre defendendo os interesses de seus países.

Por aqui, entregamos nosso mercado interno, de mão beijada, via moeda apreciada, aos produtores de outros países, sem expandir as exportações de manufaturados; enquanto as vendas no varejo, descontada a inflação, hoje são o dobro do que eram em 2003, a produção industrial está no mesmo patamar de 2005.

Criaram-se todas as dificuldades possíveis para os produtores locais eficientes atuarem nos mercados interno e externo: além do câmbio, juros altos, estrutura tributária distorcida, políticas industriais ineficazes, investimento insuficiente em educação e ciência e tecnologia e má qualidade dos gastos públicos.

Como resultado, nos desindustrializamos e hoje sentimos a pior consequência deste processo: deixamos de gerar bons empregos e as pessoas estão tendo que se virar na informalidade, em ocupações muito mais precárias, e o PIB per capita do Brasil atual é igual ao de 2010. Perdemos 11 anos.

É possível reverter esse cenário e voltarmos a gerar bons empregos, que é um de nossos objetivos principais, e estimular o real empreendedorismo? Certamente que sim! Precisamos investir mais em educação? Lógico, e o Ceará de Ciro Gomes e seus sucessores é um exemplo mundial. Precisamos participar mais do comércio internacional? Sim, mas estimulando as exportações, e não aniquilando os produtores locais. Como fazer?

Primeiro, é necessário estruturar um cenário macroeconômico favorável a quem produz: devemos equacionar a questão fiscal a médio prazo, tornando a trajetória da dívida pública sustentável, via redução de subsídios e isenções, da mudança da lógica orçamentária – que premia quem gastou mais no passado, da instituição de tributação progressiva sobre lucros e dividendos, heranças e patrimônio, desonerando compensatoriamente a produção, e da melhoria na qualidade do gasto público. Assim, neutralizam-se as pressões contrárias à queda da taxa de juros, viabiliza-se a manutenção da taxa de câmbio em um patamar competitivo e os investimentos públicos que necessitamos para retomar o crescimento neste momento. Também são fundamentais ações para reduzir a inflação e o endividamento privado.

Do ponto de vista estratégico, vemos que EUA, Alemanha e França criaram planos para recuperar suas indústrias e seu espaço na economia mundial, incluindo elevados gastos em infraestrutura e pesquisa e desenvolvimento. Não há como agirmos de outra forma.

Um plano nacional de desenvolvimento pactuado entre os setores público e privado, nos moldes defendidos por Ciro, é essencial, prevendo tanto o desenvolvimento científico e tecnológico como a redução de desigualdades e a melhoria de indicadores sociais, que se recuperarão com a melhoria na qualidade dos empregos, o avanço educacional e políticas específicas para os mais desfavorecidos. A gestão pública deverá ser reorientada para o alcance das metas deste plano, atuando de forma matricial, monitorando e cobrando resultados e premiando o bom desempenho.

A pauta ambiental constitui uma oportunidade de investimentos: o desenvolvimento de novas fontes de energia, a reorientação do uso do petróleo, as alterações na forma de produzir carnes e outros alimentos, a implantação de uma infraestrutura de baixo uso de carbono e os necessários avanços tecnológicos na área da saúde, por exemplo. Todos esses fatores estimularão a inovação e sofisticação tecnológica, incluindo a microeletrônica, softwares e inteligência artificial. E pensemos em todos os serviços que serão demandados por estas atividades.

Há, sim, muito espaço para retomar o crescimento, os bons empregos e a dignidade do povo brasileiro. Mas é necessária disposição e coragem para mudar o modelo econômico fracassado que impera há décadas.

*Nelson Marconi, economista, é coordenador executivo do Centro de Estudos do Novo Desenvolvimentismo da Fundação Getulio Vargas (FGV-SP).

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Feres Júnior Tadeu Valadares Leda Maria Paulani Luiz Marques Celso Favaretto José Machado Moita Neto José Geraldo Couto Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro Juarez Guimarães Anselm Jappe Otaviano Helene Ronaldo Tadeu de Souza Ronald León Núñez Claudio Katz Mariarosaria Fabris Walnice Nogueira Galvão Lincoln Secco Denilson Cordeiro Alexandre Aragão de Albuquerque Remy José Fontana Dennis Oliveira José Luís Fiori José Micaelson Lacerda Morais Luiz Renato Martins Henry Burnett Ricardo Fabbrini Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Afrânio Catani Eduardo Borges Ricardo Musse Armando Boito João Carlos Loebens Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Gerson Almeida José Raimundo Trindade Marjorie C. Marona Rubens Pinto Lyra Caio Bugiato Michael Löwy Michel Goulart da Silva Érico Andrade Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Paulo Martins Manuel Domingos Neto Chico Alencar Marilena Chauí Salem Nasser Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ricardo Abramovay Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Airton Paschoa Matheus Silveira de Souza Vanderlei Tenório João Paulo Ayub Fonseca João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira Luiz Bernardo Pericás Leonardo Avritzer Tales Ab'Sáber Ladislau Dowbor Boaventura de Sousa Santos Eleonora Albano Luciano Nascimento Henri Acselrad Leonardo Boff Osvaldo Coggiola Priscila Figueiredo Fábio Konder Comparato João Carlos Salles Eleutério F. S. Prado Marcelo Guimarães Lima Michael Roberts Luiz Roberto Alves Luis Felipe Miguel Tarso Genro João Adolfo Hansen Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Capel Narvai Liszt Vieira Daniel Brazil Gilberto Lopes Bento Prado Jr. Heraldo Campos Marcelo Módolo Ricardo Antunes Luiz Carlos Bresser-Pereira André Márcio Neves Soares Jean Pierre Chauvin Antonino Infranca Rodrigo de Faria Andrew Korybko Eugênio Trivinho Eugênio Bucci Daniel Afonso da Silva Gilberto Maringoni José Dirceu Atilio A. Boron Milton Pinheiro Luiz Werneck Vianna Marilia Pacheco Fiorillo Chico Whitaker Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Paulo Nogueira Batista Jr Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Gabriel Cohn Thomas Piketty Alexandre de Lima Castro Tranjan Bernardo Ricupero Eliziário Andrade Carla Teixeira Manchetômetro André Singer Paulo Fernandes Silveira Sandra Bitencourt Carlos Tautz Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares José Costa Júnior Jorge Luiz Souto Maior Vinício Carrilho Martinez Elias Jabbour Vladimir Safatle Ronald Rocha Slavoj Žižek Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Jorge Branco Valerio Arcary Andrés del Río Leonardo Sacramento Marcos Silva Valerio Arcary Maria Rita Kehl Lorenzo Vitral Berenice Bento Mário Maestri Igor Felippe Santos Francisco Fernandes Ladeira Marcus Ianoni Bruno Machado Ari Marcelo Solon Everaldo de Oliveira Andrade Luís Fernando Vitagliano Yuri Martins-Fontes Dênis de Moraes Daniel Costa Jean Marc Von Der Weid Marcos Aurélio da Silva Antonio Martins Renato Dagnino Julian Rodrigues

NOVAS PUBLICAÇÕES