José Cavalcante de Souza (1925-2020)

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO BUTTI DE LIMA*

Retrato do professor e tradutor do grego

Para lembrar José Cavalcante de Souza podemos tomar emprestado o que foi dito por um poeta parnasiano a propósito de um helenista francês do século XIX: “nenhuma dificuldade do grego podia detê-lo, e sua voz exprimia uma paixão tal que não conheci em nenhum outro homem de nossa geração. A visão apenas dos caracteres gregos o transportava de alegria; na leitura, era visível que ele se animava interiormente; no comentário, era um entusiasmo. Sua face nobre se iluminava. Com seu prazer em falar dos gregos, ele se excitava ao ponto de esquecer as exigências materiais da existência e do bem-estar”.

Quem frequentou a Faculdade de Letras da USP no início dos anos 1980 podia ainda seguir os cursos do professor Cavalcante no prédio das Colmeias. Ao seu lado, encarregava-se do ensino de grego e latim um grupo de professores que foi responsável por uma importante renovação nos estudos clássicos em várias universidades brasileiras e que suscitou um amplo interesse pelas línguas antigas no país.

Cavalcante lia, então, trechos da Ilíada em língua original, e tecia breves comentários sobre os aspectos mais complexos do poema homérico, de sua métrica e, em geral, de sua estrutura poética, dirigindo-se a um público restrito de iniciados. Além de Homero, dedicava uma atenção particular a autores como Píndaro, Platão, e mais tarde Aristóteles. Muitos dos que frequentávamos com uma certa frequência as salas da Letras vínhamos do curso de Filosofia, onde éramos introduzidos à reflexão pré-socrática graças à edição por ele organizada para a coleção “Os Pensadores”.

Não é casual que José Cavalcante de Souza tenha escolhido para publicar, dentre as obras platônicas, duas traduções de diálogos sobre o amor: o Banquete e o Fedro. Pode-se, com efeito, descrever sua relação com toda a literatura grega antiga como uma intensa relação amorosa.

Mais curiosos são os temas que explorou como introdução a esses diálogos. Na tradução do Banquete, aparecida em 1966, ele explica a natureza de uma edição crítica do texto antigo. Ou seja, prepara o leitor para aquilo que não pode encontrar em uma tradução. Exprimia, assim, a esperança que uma reimpressão futura desse trabalho pudesse incluir o objeto para o qual o leitor estava sendo dirigido: o texto original. Ou melhor, o resultado da procura incessante pela lição original, como evidenciada pelo aparato crítico.

Já na tradução do Fedro, publicada em anos bem mais recentes, temos como apresentação uma paráfrase delicada, sutil, referida à parte inicial do diálogo. Fica claro para o tradutor que, diante desses textos filosóficos, estamos no vestíbulo de um palácio. O tradutor é uma espécie de guia, ou mesmo um mordomo, que nos prepara para uma experiência que não poderá, enquanto tradutor, oferecer a seus leitores. Ele deve somente anunciá-la, com gestos ao mesmo tempo tímidos e solenes. Evocando a imagem do vestíbulo para o texto platônico, Cavalcante o descreve como “um amplo arrazoado sobre as principais formas culturais e cultuais do delírio, responsáveis pelos maiores benefícios aos homens”. O ingresso do edifício é ornado por divindades – Apolo, Dioniso, as Musas e Eros. Não devem ser estátuas, porém, o que admiramos nesse percurso arquitetônico em direção à obra filosófica, mas as próprias divindades do mundo pagão.

Curiosamente (sempre segundo Cavalcante), Platão, após nos ter colocado diante desse tesouro, nos conduz não para o interior do palácio, como seria de se esperar, mas… “para fora”. O que é logo explicado: “para a demonstração da imortalidade da alma” e a descoberta da ordem do universo. Esse guia e tradutor da obra antiga, reverente e receoso, tendo apontado para o vestíbulo da casa e para o que está do lado externo, cala-se, discretamente, sobre o que permanece em seu interior, na morada do filósofo.

*Paulo Butti de Lima é professor na Universidade de Bari, Itália. Autor, entre outros livros, de Platão: uma poética para a filosofia (Perspectiva).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vinício Carrilho Martinez Jean Marc Von Der Weid Érico Andrade Claudio Katz Ronaldo Tadeu de Souza Carla Teixeira Tarso Genro Andrés del Río Leonardo Avritzer Matheus Silveira de Souza Henry Burnett João Carlos Loebens Marcos Aurélio da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Antunes Celso Favaretto Yuri Martins-Fontes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Annateresa Fabris Mário Maestri Marcelo Módolo Daniel Costa Paulo Sérgio Pinheiro Bruno Machado Rafael R. Ioris Flávio Aguiar Manuel Domingos Neto Atilio A. Boron Eleutério F. S. Prado Tadeu Valadares Everaldo de Oliveira Andrade José Dirceu Marcelo Guimarães Lima Vanderlei Tenório Kátia Gerab Baggio Caio Bugiato Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Fernandes Silveira Chico Whitaker Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Brazil Walnice Nogueira Galvão Gerson Almeida Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Luiz Bernardo Pericás Gilberto Maringoni Dennis Oliveira Elias Jabbour Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Berenice Bento Leonardo Sacramento José Raimundo Trindade Henri Acselrad Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Jorge Luiz Souto Maior Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff Ladislau Dowbor Chico Alencar Luís Fernando Vitagliano Luiz Renato Martins Manchetômetro Marcos Silva Andrew Korybko Michael Löwy Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Flávio R. Kothe João Sette Whitaker Ferreira Airton Paschoa Antonino Infranca Heraldo Campos Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna Luis Felipe Miguel Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Thomas Piketty João Lanari Bo Ricardo Fabbrini Milton Pinheiro Gabriel Cohn Eduardo Borges Samuel Kilsztajn Julian Rodrigues Paulo Nogueira Batista Jr Antonio Martins Eugênio Trivinho José Machado Moita Neto Ronald Rocha Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Marcus Ianoni Ari Marcelo Solon Eugênio Bucci Slavoj Žižek Benicio Viero Schmidt José Costa Júnior João Carlos Salles Antônio Sales Rios Neto Dênis de Moraes Valerio Arcary Luiz Roberto Alves Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai Juarez Guimarães Lincoln Secco Leda Maria Paulani Celso Frederico José Luís Fiori João Paulo Ayub Fonseca Bento Prado Jr. Daniel Afonso da Silva Eleonora Albano Anselm Jappe Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Osvaldo Coggiola João Feres Júnior Gilberto Lopes Renato Dagnino Jean Pierre Chauvin Liszt Vieira Salem Nasser João Adolfo Hansen Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Sergio Amadeu da Silveira Marilena Chauí Jorge Branco José Geraldo Couto Sandra Bitencourt Ricardo Musse Luiz Eduardo Soares Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Maria Rita Kehl Luiz Carlos Bresser-Pereira Valerio Arcary Boaventura de Sousa Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Mariarosaria Fabris Armando Boito André Márcio Neves Soares Priscila Figueiredo Otaviano Helene André Singer Michel Goulart da Silva Carlos Tautz Tales Ab'Sáber Remy José Fontana José Micaelson Lacerda Morais Luiz Marques Afrânio Catani

NOVAS PUBLICAÇÕES