As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Comunistas no Brasil

Varvara Stepanova, Os Resultados do Primeiro Plano Quinquenal, 1932
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LINCOLN SECCO*

Comentário sobre o livro de José Reinaldo Carvalho & Wevergton Brito Lima

O surgimento do movimento comunista no Brasil não foi resultado da transposição de uma planta exótica ao solo nacional, como apregoou a propaganda burguesa ao longo de décadas. Ele foi resultado da conjunção de três fatores.

Em primeiro lugar, a Revolução Russa de 1917 foi o epicentro de um abalo político mundial. A historiografia já demonstrou amplamente que a crise do sistema de Estados imperialistas, a carnificina da guerra europeia e as transformações econômicas que advieram, produziram levantes, greves gerais, motins, confrontos e insurreições em todos os continentes. Naturalmente, o Brasil integrou aquelas lutas.

Em segundo lugar, o caráter internacional daqueles eventos levou à organização de um movimento de novo tipo, orientado pela fusão do marxismo com a notável contribuição de Lênin. Os diversos socialismos da II Internacional foram superados por uma organização centralizada, fundada em 1919, que estimulou a criação de seções nacionais: o Comintern.

Em terceiro lugar, o aparecimento de um partido comunista se tornou uma necessidade nacional do movimento operário brasileiro. Apesar das heroicas lutas anarquistas e de outros movimentos sociais, das greves, dos combates de rua e dos sindicatos de resistência; a organização e as teorias que os libertários dispunham haviam chegado a um impasse estratégico. Como resposta a isso, os comunistas criaram, assim, a primeira agremiação partidária de caráter nacional da história do Brasil em 1922.

A importância dos anarquistas não acabou ali, de uma hora para outra, mas declinou e, depois da década de 1930, resumiu-se a pequenos grupos de estudo e propaganda. Já o partido comunista animou uma verdadeira organização de massas em 1935: a Aliança Nacional Libertadora (ANL).

O livro de Reinaldo Carvalho e Wevergton Brito Lima revisita a tradição das internacionais socialistas e mostra a trajetória dos comunistas desde 1922. Atravessa grandes batalhas políticas como a coluna invicta de Luiz Carlos Prestes, a Revolução de 1930, a batalha da Praça da Sé em 1934, a insurreição da ANL de 1935, a resistência no Estado Novo e as duras lutas eleitorais e sindicais dos comunistas.

No plano interno, a Conferência da Mantiqueira merece destaque. O livro analisa a Constituinte de 1946, estabelece o perfil da bancada comunista e prossegue a análise das lutas internas do partido, particularmente na fase entre a Declaração de Março de 1958, adotada depois do XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, e o que os autores denominam, estribados em documentos oficiais do PCdoB, a “reorganização revolucionária do Partido” ocorrida em 1962.

A Declaração de 1958 fazia uma aposta arriscada na democracia burguesa como se configurava naquele momento. No plano internacional, China e União Soviética revelaram publicamente suas divergências durante o congresso do partido romeno, em 1960, e naquele ano a ruptura sino-soviética se confirmou. Aquilo anunciava também duas concepções opostas de estratégia política. A ironia da história é que hoje, como demonstra este livro, “China e Rússia estão irmanadas nos esforços pelo multilateralismo autêntico”.

O PC do B se insurgiu contra a declaração de março e resgatou o antigo nome do PCB, que passara a se chamar Partido Comunista Brasileiro. O fato é que o PC do B superou as provas da sua história e se manteve firme, sem se deixar seduzir pelo discurso eurocomunista, nos anos 1970, e liquidacionista na época do fim da União Soviética. Basta observar que o maior partido comunista ocidental, o italiano, simplesmente desapareceu.

O PC do B enfrentou a ditadura e se inseriu ativamente no quadro nacional, participou de governos de todos os níveis, tem importância na arena sindical, popular e estudantil e, embora reduzido no início, ultrapassou todos os outros agrupamentos que se denominam marxistas ou comunistas em número de filiados e influência na sociedade brasileira.

O livro de José Reinaldo Carvalho e Wevergton Brito Lima não segue uma ordem cronológica, mas temática. O retrato do PCdoB ao longo dos anos 1970 em diante, apresenta resoluções, documentos, conferências, congressos, declarações e posicionamentos políticos que enriquecem a obra e fazem dela um guia para se aprofundar em cada um dos momentos decisivos do partido. Há também uma apreciação do quadro internacional, das novas forças estatais que tendem a criar um mundo multipolar e da necessidade de uma política brasileira anti-imperialista e, como enfatizava João Amazonas, anti-monopolista.

O enfoque especial é, naturalmente, para a análise do PC do B sobre o legado da Guerrilha do Araguaia. Sem fugir à autocrítica, o partido mostrou que no momento em que o povo brasileiro mais necessitou de resistentes à ditadura de 1964, lá estavam os quadros do PC do B. Como Canudos, o Araguaia resistiu a mais de uma campanha do Exército; como os adeptos de Antonio Conselheiro, os comunistas representavam uma outra forma de vida social em ação. Foram militarmente derrotados, politicamente vitoriosos. A História não se ocupa dos nomes dos torcionários e assassinos. Para eles dedica palavras como as de Euclides da Cunha: “foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo.” Hoje nós lembramos é do partido de Grabois, Helenira Resende e Osvaldão (e tantos outros).

O comunismo, diziam Marx e Engels, é o movimento real da classe trabalhadora e não uma quimera. É uma necessidade histórica inscrita na própria dinâmica do modo de produção capitalista. A luta pela superação da barbárie imposta pelo imperialismo e pelos seus representantes em cada país, exige, entretanto, as condições subjetivas. Para isso é indispensável a formação teórica de todos os níveis.

Entre os partidos progressistas, é aos comunistas que cabe o papel de educadores políticos. Este é um livro militante e de combate; polêmico como tem de ser; toma partido e não se esconde sob a capa da ideologia da neutralidade; é, antes de tudo, pedagógico porque ensina que houve lutas antes de nós e define o lado certo de cada uma delas. Com esse livro, os autores passam o bastão aos jovens militantes, porque a história continua.

*Lincoln Secco é professor do Departamento de História da USP. Autor, entre outros livros, de História do PT (Ateliê).

 

Referência


José Reinaldo Carvalho & Wevergton Brito Lima. Comunistas no Brasil: um partido centenário para um novo tempo. São Paulo, editora Kotter, 2022, 136 págs.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Salem Nasser Slavoj Žižek Ronald León Núñez Jean Pierre Chauvin Paulo Martins Vinício Carrilho Martinez Sergio Amadeu da Silveira Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Ricardo Fabbrini Roberto Bueno Lincoln Secco Luiz Roberto Alves Marcus Ianoni Marjorie C. Marona Henry Burnett Mário Maestri Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Carlos Tautz Luiz Bernardo Pericás Benicio Viero Schmidt Marcos Aurélio da Silva João Carlos Salles Tadeu Valadares Gilberto Lopes Marilena Chauí Anderson Alves Esteves Eugênio Trivinho Luis Felipe Miguel Alexandre de Freitas Barbosa Gabriel Cohn Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Renato Martins José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Andrew Korybko José Geraldo Couto Paulo Fernandes Silveira Chico Alencar Fábio Konder Comparato Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Boaventura de Sousa Santos Otaviano Helene Thomas Piketty Airton Paschoa Ari Marcelo Solon Jorge Branco Valerio Arcary Juarez Guimarães Lucas Fiaschetti Estevez Mariarosaria Fabris Luiz Werneck Vianna João Adolfo Hansen Chico Whitaker Rubens Pinto Lyra André Márcio Neves Soares Ronald Rocha Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dennis Oliveira Valério Arcary Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar Flávio R. Kothe Annateresa Fabris Celso Frederico Osvaldo Coggiola Leonardo Boff Samuel Kilsztajn Paulo Capel Narvai Érico Andrade Michael Löwy Anselm Jappe Walnice Nogueira Galvão Armando Boito Antônio Sales Rios Neto Atilio A. Boron Remy José Fontana Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Vanderlei Tenório Luiz Marques João Feres Júnior Fernando Nogueira da Costa Manuel Domingos Neto Rafael R. Ioris Ricardo Musse Dênis de Moraes Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Afonso da Silva Igor Felippe Santos Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Milton Pinheiro Yuri Martins-Fontes Liszt Vieira Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Eduardo Soares José Dirceu Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Abramovay Antonio Martins Leonardo Sacramento Ricardo Antunes Caio Bugiato Leonardo Avritzer Marcelo Guimarães Lima João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Costa Priscila Figueiredo Luiz Carlos Bresser-Pereira Heraldo Campos Roberto Noritomi Luciano Nascimento Sandra Bitencourt Rodrigo de Faria Gilberto Maringoni Eliziário Andrade Eleonora Albano Afrânio Catani Celso Favaretto Eduardo Borges Tales Ab'Sáber Jean Marc Von Der Weid Luiz Costa Lima Denilson Cordeiro Elias Jabbour Bruno Fabricio Alcebino da Silva André Singer José Machado Moita Neto José Raimundo Trindade Alexandre de Lima Castro Tranjan Alysson Leandro Mascaro Berenice Bento Leda Maria Paulani Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Bernardo Ricupero Daniel Brazil Ladislau Dowbor Renato Dagnino José Luís Fiori Alexandre Aragão de Albuquerque Julian Rodrigues Bento Prado Jr. Eugênio Bucci Vladimir Safatle João Lanari Bo Maria Rita Kehl José Costa Júnior Antonino Infranca Marcos Silva Jorge Luiz Souto Maior Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada