Cristofobia

Imagem: Valéria Maciel
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO BEAKLINI*

A simples subserviência: o discurso de Bolsonaro na ONU

Mais uma vez, infelizmente, o Brasil fez, na figura do presidente Jair Bolsonaro, um papel ridículo, colonizado e subalterno. Não contente com isso, ainda flertou com a apostasia. Neste artigo abordamos o tenebroso pronunciamento daquele que governa o país, mas se submete, até psicologicamente, aos desígnios do empresário picaretae presidente dos EUA, Donald Trump.

Vejamos. Na terça-feira, 22 de setembro, em discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (em formato virtual), o chefe do Poder Executivo nacional pronunciou um discurso recheado de mentiras (ver na íntegra nesse link:(https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/09/22/leia-a-integra-do-discurso-de-bolsonaro-na-assembleia-geral-da-onu.htm) e potencialmente perigoso, no que diz respeito ao Oriente Médio. Especificamente vamos nos ater a este aspecto, exemplificando com trechos do discurso e comentários.

“Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia. Também quero reafirmar minha solidariedade e apoio ao povo do Líbano pelas recentes adversidades sofridas.”

O presidente mentiroso, Jair Bolsonaro, citou a tragédia (acidente e negligência, eu diria) do Líbano em seu discurso e o fez logo na sequência da absurda alusão de que o planeta viveria uma onda de “cristofobia”. Ao não se referir à terra dos cedros como um país árabe, a alusão é evidente. A defesa das comunidades “cristãs” libanesas – maronitas, ortodoxas, melquitas e antioquinas como sendo um “bastião do Ocidente”, obviamente ao lado de Israel, fiel representante dos cruzados, mas agindo com seus próprios interesses. Como é de se esperar, trata-se de mais desinformação e propaganda chauvinista.

Indo nas raízes no Movimento Nacional Árabe é central o papel de jovens militantes oriundos de famílias de credo e organização social cristã do oriente. Ao contrário da disputa por adeptos, como nos países ocidentalizados, as comunidades são autocentradas e a ausência de uma sociedade civil “clássica” não permite facilmente a conversão. Logo, não se trata de defesa de sistemas de crenças, operando o pertencimento mais como identidade do que religiosidade.

Já a defesa da cristandade é uma blasfêmia profanadora da herança do Jesus histórico, e do papel fundamental que a Teologia da Libertação e a Teologia da Missão Integral, o movimento de Fé e Política e do ecumenismo radical têm para as lutas populares da América Latina. No Mundo Árabe, a afirmação é absurda, considerando também o elevado grau de perseguição que Israel promove contra a população palestina cristã (mais de 13% dos que residem nos Territórios Ocupados de 1948 e de 1967).

Em termos de alinhamento, ao afirmar que “é preciso combater a cristofobia”, automaticamente Bolsonaro se perfila com a direita pentecostal do cinturão bíblico dos EUA. Não bastasse se referenciar a Donald Trump em pleno discurso, o presidente do Brasil se coloca como defensor dos maiores financiadores dos assentamentos ilegais. Considerando que os Estados Unidos estão em plena corrida eleitoral e que o mandatário da Casa Branca pode perder o pleito, trata-se de,no mínimo, uma temeridade por parte da diplomacia brasileira.

O problema da alegação de “combater a cristofobia” no planeta coloca a luta dos povos em escala de cruzada reacionária, excrescência do pacto neoconservador e entre os tele evangelistas (pacto neocon-telecon de início dos anos ’90, reeditando as duas cruzadas conservadoras de Nixon e Reagan), e coloca o Brasil na periferia de um conflito que, definitivamente, não nos diz respeito. Ao citar no discurso “O Brasil está preocupado e repudia o terrorismo em todo o mundo” ao que necessariamente ele se refere? Ao terrorismo de Estado e apartheid israelense? Estaria denunciando as redes de inteligência dos Emirados e sauditas financiando células salafistas, muitas delas compostas por presidiários que permutam suas penas por engajamento no estrangeiro? Evidente que não.

Ou o discurso de “combate ao terrorismo” é apenas um prolongamento da chamada “Guerra ao terror” (GWOT na sigla em inglês), dando autorização tácita aos Estados Unidos para promoverem operações em todo o planeta? Se for isso então, na prática, Bolsonaro e seus assessores diretos apoiam a realização de ataques com aeronaves não tripuladas assassinando centenas de pessoas? Para quem estuda a política doméstica dos Estados Unidos, fica óbvia a correlação. A extrema direita do Partido Republicano, entre maluquices manipuladoras e o cinturão bíblico, tende a apoiar incondicionalmente as guerras dos EUA, incluindo as duas invasões ao Iraque e a do Afeganistão.

Na guerra narrativa tudo estaria justificado em termos de mentiras massificadas, alegando que se trata de “combater a cristofobia” em todos os níveis. Na prática é uma posição pró-EUA, alimentando a direita bíblica apoiadora do sionismo e a anexação da Cisjordânia e o cerco à Gaza, que resulta na versão mais recente de posições anti-árabes e islamofóbicas. Deste modo, o protofascista aliado de fariseus sonegadores repete conspirações “globalistas” e se posiciona em controversas posições “conspirativas”, sem base analítica alguma.

Ao contrário do que afirmou, “O Brasil é um país cristão e conservador”, nosso país é pluriétnico (sendo mais de 16 de milhões de pessoas árabe-brasileiras), com diversidade de gênero, de maioria afro-brasileira e pertence à América Latina e ao Sul Global. Não é a primeira vez que ouvimos uma estupidez neocolonial da boca do presidente e, pelo visto, está longe de ser a última.

Além da subserviência e o elogio da apostasia (islamofóbica), a fala de Jair Messias atende a um público interno – composto de fariseus sonegadores à frente de empresas de exploração da fé alheia –,bem como se coloca de forma igualmente subalterna ao gabinete do premiê israelense, Bejamin Netanyahu e seus comparsas criminosos da “guerra de 2012 e 2014”, incluindo o famigerado general Benny Gantz.O argumento da “cristofobia” é a ausência de política externa soberana, apenas copiando a justificativa doméstica de Donald Trump para promover sua política agressiva e beligerante.

É evidente que, se fosse ler um texto como esse, Bolsonaro entenderia pouco ou nada, ainda que, com petulância, discordasse de tudo. Como o Itamaraty tem excelentes quadros de carreira, suponho que existam boas almas para explicar ao presidente que o mundo é mais complexo do que a varanda de sua casa no condomínio. Também deveriam se esforçar para que o país cometa menos vexames internacionais e juras de obediência colonial a cada vez que o presidente ou seu chanceler se pronunciam.

*Bruno Beaklini é militante socialista libertário de origem árabe-brasileira e editor dos canais do Estratégia & Análise, a análise política para a esquerda mais à esquerda.

Publicado originalmente no Monitor do Oriente Médio

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Abramovay João Lanari Bo José Machado Moita Neto Renato Dagnino Annateresa Fabris Michael Löwy Eugênio Trivinho José Costa Júnior Juarez Guimarães Luiz Bernardo Pericás Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Rafael R. Ioris Vinício Carrilho Martinez Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Michael Roberts Eleonora Albano Salem Nasser Luiz Marques Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Bucci Claudio Katz Daniel Costa Marcos Aurélio da Silva José Raimundo Trindade João Feres Júnior Luiz Werneck Vianna Ronald León Núñez Francisco Pereira de Farias Remy José Fontana João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Ricardo Antunes Vanderlei Tenório Ricardo Fabbrini Rodrigo de Faria Alexandre Aragão de Albuquerque Carla Teixeira Marcus Ianoni André Singer Jean Marc Von Der Weid Caio Bugiato João Paulo Ayub Fonseca Airton Paschoa Heraldo Campos Ronald Rocha Thomas Piketty Julian Rodrigues Flávio Aguiar Elias Jabbour Eduardo Borges José Geraldo Couto Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira André Márcio Neves Soares Paulo Martins Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Érico Andrade Leda Maria Paulani Manuel Domingos Neto Manchetômetro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Maringoni Henri Acselrad Marcelo Guimarães Lima Marilena Chauí Paulo Capel Narvai Flávio R. Kothe Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Luís Fernando Vitagliano João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira Tarso Genro Alexandre de Freitas Barbosa Andrés del Río Gabriel Cohn Daniel Brazil Ladislau Dowbor Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernando Nogueira da Costa Milton Pinheiro Chico Alencar Walnice Nogueira Galvão Luiz Renato Martins Valerio Arcary Valerio Arcary Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel Bento Prado Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Carlos Bresser-Pereira Armando Boito Sandra Bitencourt Eleutério F. S. Prado Denilson Cordeiro José Dirceu Fernão Pessoa Ramos Dênis de Moraes Celso Favaretto Lorenzo Vitral Eliziário Andrade Sergio Amadeu da Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Alysson Leandro Mascaro José Micaelson Lacerda Morais Antonino Infranca Jorge Branco Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Henry Burnett Marjorie C. Marona Antonio Martins Lincoln Secco Chico Whitaker Luiz Eduardo Soares Gerson Almeida Otaviano Helene Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Matheus Silveira de Souza Mário Maestri Jean Pierre Chauvin Marcos Silva Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento Leonardo Sacramento Marcelo Módolo Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Bernardo Ricupero Celso Frederico Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Luiz Roberto Alves Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko Benicio Viero Schmidt Bruno Machado Michel Goulart da Silva Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Salles Daniel Afonso da Silva Ari Marcelo Solon Vladimir Safatle Berenice Bento Carlos Tautz Tadeu Valadares Ricardo Musse

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada