Da botica ao boteco

Imagem: Jan van der Zee
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro recém-lançado da jornalista Néli Pereira

Um lançamento literário de 2022 delimita várias áreas de intersecção entre sociologia, história, cultura popular e folclore. Da botica ao boteco, da jornalista Néli Pereira, é um ensaio dedicado a “plantas, garrafadas e a coquetelaria brasileira”. A autora se propõe a investigar as relações entre a farmácia dos povos originários, dos europeus e dos africanos, ligados a tradições ancestrais e de fundo religioso – as tradicionais garrafadas – e o surgimento de bebidas laicas baseadas nessas misturas, os famosos licores e xaropes alcoólicos.

Em princípio, isso seria apenas um livro sobre coquetéis com ervas, cascas e raízes. Mas o que observamos é que a autora realiza um minucioso trabalho de pesquisa sobre a origem de várias bebidas famosas e globalizadas que estão lastreadas em receitas ancestrais, como licores famosos, bitters, amaros, gins e vermutes. Muitas vezes, essas misturas de ervas e álcool foram criadas por médicos em expedições europeias de colonização nos novos mundos, aproveitando-se de informações das culturas locais.

O naturalista Guilherme Piso (William Pies) compilou e publicou, em 1648, uma Medicinae brasiliensis com 110 plantas utilizadas aqui pelos indígenas. Von Martius escreveu, em 1844, Natureza, doenças, medicina e remédios dos índios brasileiros, onde, botânico que era, descreveu várias espécies hoje populares em qualquer bar, como catuaba, carqueja ou umburana.

Néli Pereira abre seu livro com uma epígrafe de Guimarães Rosa e uma oportuna citação ao trabalho da pesquisadora Maria Thereza Lemos de Arruda Camargo, uma etnofarmacobotânica. Essa especialidade “é um desdobramento da etnobotânica e visa resgatar de grupos humanos os saberes sobre as plantas medicinais e seus usos a partir de remédios populares simples e compostos e as respectivas indicações terapêuticas”.

Isso significa não apenas ir atrás de tribos indígenas na Amazônia, mas também pesquisar terreiros, quilombos e bancas de feiras rurais, conversar com benzedeiras e raizeiras, investigar o que vem da botica e vem parar no boteco, com todo o contexto cultural que o cerca.

Parece familiar? Claro, estamos no terreno de antropólogos e sociólogos como Câmara Cascudo (História da Alimentação no Brasil), ou Gilberto Freyre, que dedica um belo capítulo de sua obra mais divulgada, Casa Grande e Senzala, à descrição e análise das comidas e bebidas do Brasil colonial. Mais tarde, dedicaria um volume ao Açúcar e toda a cultura criada em torno da cana.

A autora de Da Botica ao Boteco bebe de forma respeitosa destas fontes, e também ousa criar ficcionalmente encontros com feiticeiras, pajés, curandeiros e monges europeus em sua busca pelas misturas de ervas com álcool. Informação necessária: não apenas é uma pesquisadora, mas coloca em prática o que aprendeu em um bar-ateliê de coquetelaria de São Paulo, o Zebra. Elabora cartas de drinques e compartilha no livro receitas clássicas e autorais. É mestra em estudos culturais latino-americanos pela University of London, tem vários artigos jornalísticos publicados sobre o tema.

Existe uma saudável tendência em livros sobre comidas ou bebidas a pesquisar fontes e origens históricas, criando uma sociologia toda própria. Para um leigo, como o autor dessas linhas, isso pode ora soar como um verniz acadêmico chancelador de qualidade, ora como uma real intenção de buscar as raízes culturais de hábitos, costumes e fazeres.

Quando Néli Pereira fala de jurubeba, butiá, sassafrás ou mastruz, quando descreve seus encontros com mestres e mestras das garrafadas numa aldeia indígena ou no mercado de Ver-O-Peso, quando cita sambas de Ney Lopes ou Arlindo Cruz, está demonstrando o quanto de cultura popular é destilada até chegar aos bares da moda. Vai da pesquisa, do aprendizado com livros e pessoas, à experiência iluminadora e criativa, de forma fluente e original.

Num mundo ideal, saberíamos de onde vem e como foi feito aquele drinque que tanto apreciamos, não importa a origem. Isso seria cultura. No mundo acadêmico, suposto repositório de toda a cultura formal, seria ideal retomarmos em doses imoderadas o projeto de Gilberto Freyre, Câmara Cascudo e outros pesquisadores, nunca deixando de lado os sabores, cores e perfumes que estão presentes na formação de qualquer povo, qualquer nação.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Néli Pereira. Da Botica ao Boteco – plantas, garrafadas e a coquetelaria brasileira. São Paulo, Companhia de Mesa, 2022, 208 págs (https://amzn.to/3YxUuHS).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Alencar Marcos Silva Bento Prado Jr. José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Daniel Brazil Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Rodrigo de Faria Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrés del Río Valerio Arcary Leda Maria Paulani Antonino Infranca Jean Pierre Chauvin Marcelo Módolo Salem Nasser João Carlos Salles Berenice Bento Vladimir Safatle Juarez Guimarães Érico Andrade Antônio Sales Rios Neto Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Carlos Tautz Tadeu Valadares Rafael R. Ioris José Geraldo Couto Manuel Domingos Neto Alexandre de Freitas Barbosa Liszt Vieira Anselm Jappe Priscila Figueiredo Paulo Martins Eleutério F. S. Prado Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Maringoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Henry Burnett Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão André Singer Armando Boito João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Andrew Korybko Sergio Amadeu da Silveira Marjorie C. Marona Eliziário Andrade Leonardo Avritzer Paulo Capel Narvai Mariarosaria Fabris Michel Goulart da Silva Afrânio Catani Elias Jabbour Dennis Oliveira Jorge Luiz Souto Maior Celso Frederico Gerson Almeida Lorenzo Vitral Ronald Rocha Thomas Piketty Ricardo Abramovay João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Luiz Marques Daniel Costa Marcus Ianoni Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Ronald León Núñez Gabriel Cohn Luiz Carlos Bresser-Pereira João Adolfo Hansen Eduardo Borges Luiz Werneck Vianna Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Marilia Pacheco Fiorillo Carla Teixeira Jorge Branco Annateresa Fabris Bruno Machado Eleonora Albano Julian Rodrigues Tarso Genro Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Everaldo de Oliveira Andrade Slavoj Žižek João Carlos Loebens Flávio Aguiar José Luís Fiori Fernando Nogueira da Costa Luiz Roberto Alves Luiz Eduardo Soares João Paulo Ayub Fonseca Osvaldo Coggiola João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares José Micaelson Lacerda Morais Remy José Fontana Atilio A. Boron Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Lopes Chico Whitaker José Dirceu Yuri Martins-Fontes Mário Maestri Eugênio Bucci Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Luiz Bernardo Pericás Ricardo Musse Eugênio Trivinho Tales Ab'Sáber Luciano Nascimento Lucas Fiaschetti Estevez Renato Dagnino Sandra Bitencourt Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Claudio Katz Luis Felipe Miguel Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Maria Rita Kehl Fernão Pessoa Ramos Ari Marcelo Solon Francisco de Oliveira Barros Júnior Vanderlei Tenório Ricardo Antunes Manchetômetro Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira Paulo Fernandes Silveira Boaventura de Sousa Santos Heraldo Campos Ricardo Fabbrini Michael Roberts José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Dênis de Moraes Antonio Martins Leonardo Sacramento José Costa Júnior Matheus Silveira de Souza Vinício Carrilho Martinez Marcos Aurélio da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Michael Löwy Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Luiz Renato Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES