O desastre de São Sebastião

Imagem: Josh Sorenson
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Um novo normal ameaçador

Não estamos indo ao encontro do aquecimento global e da mudança de regime climático. Já estamos dentro. Rompemos a suportabilidade da Terra (“planetary bounderies”) que poderá levar o sistema-vida ao colapso. Passamos o ponto crítico e estamos em um caminho sem retorno. O planeta Terra super-explorado pela voracidade industrialista que beneficia uma pequena porção da humanidade, excluindo da mesa da comensalidade as grandes maiorias, nos conduziu a esta situação ameaçadora.

Grandes climatólogos e outros cientistas, recolhidos no livro severo de Elizabeth Kolbert, Sob um céu branco: a natureza do futuro (Intrínseca) e A sexta extinção não natural (Intrínseca) se tornaram clima-céticos e resignados: mesmo com a ciência e a tecnologia chegamos atrasados. Não há como evitar a escalada do novo regime climático. Apenas podemos minorar os efeitos danosos, prevenir-nos e adaptarmo-nos a ele. As consequências gerais para a humanidade, de modo especial, para os desvalidos, serão infernais.

O que se havia concertado em 2015 na COP de Paris de envidar esforços para impedir que o aquecimento até 2030 não alcançasse 1,5 oC foi totalmente frustrado. A grande maioria, dominada pelos lobbies das grandes empresas de mineração, de petróleo e de energia, não fez o dever de casa. Na COP do Egito em 2023 os três países que mais poluem sequer aparecem à convenção: EUA, Índia e China. Face à crise energética mundial, voltaram às tecnologias altamente poluentes do passado como o carvão.

O relatório do IPCC de fevereiro de 2022 advertiu: como muito pouco se fez, o aquecimento global subirá a 1,5-2 graus C por volta de 2027; outros cientistas, tomando em conta a entrada do metano pelo degelo das calotas polares e do parmafrost que é 28 vezes mais danoso que o CO2, aventam que o referido aumento do clima nos chegará já em 2025. A ser verdade, temos pouco tempo para nos preparar e para inventar estratégias de adaptação. Qual é o custo em termos de vidas humanas e de investimentos financeiros?

Os eventos extremos recentemente acontecidos, sinalizam esta mudança de regime climático. Nesta semana de carnaval de 2023,somente em 24 horas choveu 686 mm em Bertioga e 627 mm em São Sebastião, cidades junto ao mar no norte do estado de São Paulo com consequências altamente desastrosas. Simultaneamente um tufão furioso varreu a Indonésia, matando mais de 800 pessoas.

Lembremos as grandes queimadas em 2022 que tomaram a Califórnia, toda a Europa, inclusive a Sibéria, a Austrália e a Amazônia. Fala-se da nova era do piroceno (do fogo), como efeito do aquecimento global que aqueceu o solo e as pedras. Gravetos e folhas secas se acendem e desencadeiam grandes incêndios. Se isso se confirmar, poderemos conhecer um armagedon ecológico.

Por isso, nosso futuro não é promissor. O climatólogo Carlos Nobre já advertiu na COP 26 em Glasgow: “Nesta década se decidirá o futuro da humanidade”. Lembremos dos gaiatos do tempo de Noé que anunciava o dilúvio e eles continuavam com suas festas e casamentos, até serem tragados pelas águas. Hoje há um geral desconhecimento das ameaças que pesam sobre nosso futuro.

A maioria dos chefes de Estado não tomam a sério as tais mudanças. Os CEOs das grandes corporações não querem nem saber. E se sabem, se dão conta de que deveriam mudar suas formas de produção. Mas se o fizerem, temem perder negócios e serem engolidos por outros mais fortes. Preferem gaiatamente rumar na direção da eventual vala comum do que mudar de sistema. O “Titanic” pode estar afundando, mas não lhes impede de fazer seus negócios rendosos. E vão perecer como os outros ao som de música clássica.

Não faltam cientistas e sábios a nos advertirem, mostrando a conexão existente entre os desastres em São Paulo e no ano passado as enchentes em Minas Gerais, na Bahia e em Pernambuco e a mudança de regime climático. Quem o fez claramente pela televisão é um de nossos melhores cientistas: Antonio Nobre.

Dizemos, com razão, que a Terra é nossa mãe, pois nos dá tudo o que precisamos. Mas como todas as mães, pode nos dar severas lições para aprendermos a tratá-la como mãe, coisa que não o fizemos por séculos. O coronavírus foi um desses sinais, até agora mal compreendido, o que nosso melhor cientista sempre nos alerta, Miguel Nicolelis: o vírus está aí e pode conhecer variantes perigosas. Temos que estar vigilantes. Mas continuamos como se nada tivesse acontecido, como se nota no atual carnaval, na suposição de que já temos voltado à antiga normalidade. É essa a nossa maior ilusão, pois o novo regime climático será inexorável. Virá com novos vírus, bactérias e enfermidades. Cobrará muitas vidas e nos forçará mudar nossos modos de vida e de consumo.

Os novos governantes das nações (inclusive os nosso) devem em seus projetos considerar este fator novo: a Terra não é mais a mesma. Não podemos fazer as mesmas coisas como antes. Caso contrário conheceremos desastres pós desastres e frustrações de nossos empreendimentos.

A Terra-mãe se nos apresenta como algo enigmático. Nos últimos 570 milhões de anos ocorreram 15 grandes extinções em massa. Duas delas eliminaram 50% das espécies da Terra e reorganizaram totalmente os ecossistemas. Muitos cientistas (Cf. Peter Ward, O fim da evolução: extinções em massa e preservação da biodiversidade, Campus) asseguram que isso ocorreu por uma lenta a inexorável mudança climática. Não estaríamos atualmente numa situação semelhante, desta vez pela incúria de poderosos grupos humanos? Em sua fome de enriquecimento, exauriram os bens e serviços naturais e assim se tornaram o Satã da Terra.

Geralmente eram imensos asteroides que produziam tais desastres, “Este asteroide” comenta Ward, “se chama homo sapiens. Todas as espécies evoluem até morrerem. A extinção é o fim da evolução” (p. XIX). Será que não chegou a nossa vez? Comportamo-nos de forma tão depredadora para com nossa Mãe Terra que, possivelmente, ela não nos queira mais aqui. Assim as demais espécies não seriam mais ameaçadas e seguiriam seu curso evolutivo. Não é impossível que, após milhares de anos, surja um ser mais evoluído que possa suportar o espírito e construa um modo de vida, mais amigável para com todos os seres e para com a Terra.

A continuar como está, a nossa situação pode nos levar ao encontro do pior. A Terra continuará a girar ao redor do sol, com todo o seu esplendor, mas sem nós.

*Leonardo Boff é filósofo e eco-teólogo. Autor, entre outros livros, de Habitar a Terra (Vozes).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES