As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os prisioneiros da guerra

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLAVIO AGUIAR*

Temos assim uma guerra em que tanto quanto senhores, os envolvidos nela são prisioneiros de suas palavras

“Nós precisamos vencer o Golias russo”, com estas palavras o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, definiu o papel de seu país e de seu governo na guerra que nesta sexta-feira irá completar o primeiro ano de vida e mortes, em seu discurso durante a abertura da Berlinale, o Festival Internacional de Cinema da capital alemã, na noite de 16 de fevereiro. E no encerramento de sua fala de dez minutos, reiterou a imagem, repescando uma expressão do tempo da Guerra Fria entre capitalismo e comunismo: “Nós todos somos o Davi do Mundo Livre”.

Dessa forma explicitou o meta-discurso que acompanha o desempenho de suas Forças Armadas no campo de batalha. Meta-discurso: a referência retórica que projeta no campo de valores éticos e até estéticos aquilo que acontece no mundo real, no caso, o conflito que vem sendo descrito como o mais cruento na Europa desde a Segunda Guerra, apesar das atrocidades cometidas por todos os lados na chamada Guerra Civil Iugoslava, entre 1991 e 2001.

O esforço retórico para enquadrar a atuação do governo de Kiev na moldura bíblica evoca comparações curiosas. Na narrativa sagrada para os cristãos, o pastor de ovelhas Davi vence o gigante Golias porque tem por trás de si a força de Jeová, o Senhor dos Exércitos de Israel, por ele invocada. Volodymyr Zelenski, que se projeta como Davi, tem por trás de si todo o peso do Ocidente ressuscitado: os Estados Unidos, o Reino Unido, a OTAN e a União Europeia, que lhe fornecem bilhões de dólares e euros em armamentos. Seu esforço retórico é o de convencer o mundo de que ao lado da força das armas por que implora continuamente, ele conta com a força superior da razão e da ética, o que lhe concede uma dimensão histórica e messiânica.

Do lado russo, o esforço não é menor. Vladimir Putin tem diante de si o desafio de transformar a invasão de outro país num gesto defensivo, o que também exige uma certa certa cabriola discursiva. A referência buscada é a da Grande Guerra Patriótica, como é descrita, desde os tempos da finada União Soviética, a resistência custosa em termos de vidas mas bem sucedida ao então invasor nazista, durante a Segunda Guerra Mundial.

A referência à “desnazificação” da Ucrânia é constante, projetando uma proteção histórica e grandiosa da ameaçada “Mãe Pátria”, batizando com tintas de heroísmo nacional a ocupação da zona fronteiriça da Ucrânia, para a salvaguarda de sua população, e também a re-anexação da península da Crimeia, que já fora russa no passado, até os anos 50 do século XX. Até hoje ninguém entendeu o porquê do então primeiro-ministro soviético Nikita Kruschev ter doado o território à Ucrânia.

Acontece que as palavras não são neutras, elas cobram seu preço. Davi não pode perder para Golias; nem mesmo a possibilidade do empate lhe é concedida. Se ele não matasse o gigante, ficaria desmoralizado perante o rei Saul, perante Israel, perante seus irmãos e seu pai Jessé, e também perante Jeová. Se Kiev não “vencer a guerra”, como hoje se apregoa no Ocidente, ela não passará de uma aventura que torrou recursos bilionários e contribuiu para devastar um país.

Do outro lado, a Pátria Grande também não admite concessões, nem empates tampouco. Somente a vitória garante a sua integridade. Se a Rússia não “vencer”, de algum modo “a guerra”, ela também não passará de uma invasão desnecessária que devastou um país vizinho e sacrificou a vida de milhares de seus soldados e civis do outro lado.

Temos assim uma guerra em que tanto quanto senhores, os envolvidos nela são prisioneiros de suas palavras. E de momento não têm como escapar desta cumbuca em que meteram suas mãos.

O que significa a palavra “vitória” para Volodymyr Zelensky e seus aliados? Expulsar os russos dos territórios ocupados a partir do começo da guerra, em 24 de fevereiro de 2022? Reconquistar a Crimeia? Afundar a economia russa e derrubar Vladimir Putin? Qualquer destes objetivos parece hoje muito difícil de atingir. E para Vladimir Putin, o que significa a palavra “vitória”? A Rússia parece não ter condições de ocupar a Ucrânia, nem política, nem econômica, nem militarmente. Derrubar Volodymyr Zelensky parece estar fora de alcance. Manter os territórios ocupados como um tampão para proteger a Crimeia, onde tem bases militares e navais? Mesmo esses últimos objetivos envolvem um custo enorme para a economia do país, acossada pelas sanções econômicas, apesar da asa protetora da China, embora esta pareça reservadamente crítica em relação à guerra.

É claro que tudo pode mudar de uma hora para outra. Mas de momento a possibilidade de deter a matança no curto prazo parece muito remota. Usamos a palavra porque uma guerra sempre envolve a promoção de uma enorme matança.

Isso nos lembra a sabedoria antiga das palavras de um ditado muito popular no nosso Brasil: “macaco velho não mete a mão em cumbuca”.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Anselm Jappe José Luís Fiori Denilson Cordeiro Carla Teixeira Flávio R. Kothe Luiz Renato Martins Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Antonio Martins Jorge Branco Chico Alencar Sergio Amadeu da Silveira Eleutério F. S. Prado Liszt Vieira Ricardo Musse Manuel Domingos Neto José Micaelson Lacerda Morais Luiz Eduardo Soares Mariarosaria Fabris Marjorie C. Marona Leonardo Avritzer Kátia Gerab Baggio Jean Marc Von Der Weid Eliziário Andrade Priscila Figueiredo Luiz Roberto Alves Rodrigo de Faria Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque Remy José Fontana Thomas Piketty Yuri Martins-Fontes Boaventura de Sousa Santos José Machado Moita Neto Marilena Chauí José Costa Júnior Airton Paschoa Atilio A. Boron Igor Felippe Santos Carlos Tautz Gilberto Maringoni Ricardo Abramovay Luiz Bernardo Pericás Celso Favaretto Maria Rita Kehl Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Manchetômetro Juarez Guimarães Paulo Fernandes Silveira Lorenzo Vitral Gilberto Lopes João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Tales Ab'Sáber Michael Roberts Rafael R. Ioris Lincoln Secco Celso Frederico Francisco Fernandes Ladeira Sandra Bitencourt Henri Acselrad Paulo Sérgio Pinheiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Érico Andrade Bento Prado Jr. José Dirceu Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues André Singer Tadeu Valadares Everaldo de Oliveira Andrade Claudio Katz João Feres Júnior Marcus Ianoni Dennis Oliveira Ronald Rocha João Carlos Loebens Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior Jean Pierre Chauvin José Raimundo Trindade Valério Arcary Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Fábio Konder Comparato Luiz Carlos Bresser-Pereira Leda Maria Paulani Vladimir Safatle Bernardo Ricupero Flávio Aguiar Luiz Marques Annateresa Fabris Fernando Nogueira da Costa Chico Whitaker João Carlos Salles Eduardo Borges Andrew Korybko Ari Marcelo Solon João Adolfo Hansen Bruno Machado Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Brazil Slavoj Žižek Vinício Carrilho Martinez Francisco Pereira de Farias Samuel Kilsztajn Roberto Noritomi Osvaldo Coggiola Heraldo Campos Paulo Capel Narvai Eugênio Trivinho Tarso Genro Ronaldo Tadeu de Souza Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Berenice Bento Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Costa Ladislau Dowbor Ricardo Fabbrini João Lanari Bo Otaviano Helene Leonardo Boff Paulo Martins Michael Löwy Marcelo Módolo Eleonora Albano Caio Bugiato Luiz Costa Lima Milton Pinheiro Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Marcos Aurélio da Silva Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour Eugênio Bucci Alysson Leandro Mascaro Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Ronald León Núñez Renato Dagnino Gerson Almeida Roberto Bueno Mário Maestri Armando Boito José Geraldo Couto Marcelo Guimarães Lima Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada