As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Dia dos pais – as marcas do patriarcado

Imagem: David McEachan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ MACHADO MOITA NETO*

Parece que a cada geração os pais enfrentam o dilema de Maquiavel entre escolher ser amado ou temido

Para esta data comercial, até o sistema capitalista gostaria de retirar as marcas do patriarcado pois as vendas dos dias do Pais estão longe de empatar com o do dia das Mães. Qualquer tentativa de análise do fenômeno comercial, por qualquer ângulo que se deseje ou imagine, por qualquer das ciências ou técnicas disponíveis chegaremos em causas que direta ou indiretamente apontam para o patriarcado e as marcas por ele deixados em nossa cultura.

Nem todo mundo pode reconstruir uma genealogia paterna e isto é uma marca do machismo consentido pelo patriarcado. No atestado de óbito de Trajano de Alcântara Moita encontrei o nome de seu pai: Manoel Coelho Moita. Entre os nomes de seus filhos está o do meu avô, o mais velho da primeira núpcias, com 52 anos na época. A filha mais nova da segunda núpcias, neste registro de óbito, tinha apenas 10 anos quando Trajano faleceu. Portanto, meu bisavó Trajano teve carreira de pai bastante longa para os padrões da época constando 20 filhos neste atestado de óbito.

Trajano quis ser um pai diferente de Manoel, José quis ser um pai diferente de Trajano, Edson quis ser um pai diferente de José, José Neto quis ser um pai diferente de Edson. Todos conseguiram e, ao mesmo tempo, fracassaram nesse projeto. É muito difícil identificar e lutar contra as novas formas do patriarcado para saber exatamente onde e como ele se entranhou em nossa alma, em nossa vida. Talvez esta seja a essência dos versos de uma Canção de Belchior (Como Nossos Pais):

Minha dor é perceber
Que apesar de termos feito
Tudo, tudo, tudo, tudo, tudo, tudo que fizemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Como os nossos pais

Parece que a cada geração os pais enfrentam o dilema de Maquiavel entre escolher ser amado ou temido. É uma sina do patriarcado que precisa ser rompida. As mães querem ser amadas e os pais hoje se distribuem entre os que querem ser amados, temidos ou apenas estarem ausentes. Na média, talvez, a cada nova geração também os pais são menos temidos e um pouco mais amados. No fim do patriarcado, as datas do dia dos pais e do dia das mães terão o mesmo peso comercial, mas talvez ambas terão menos importância que o dia do Pet ou qualquer coisa que venha superar comercialmente estas datas.

 Quando bate a nostalgia por um pai que já partiu, a música Naquela mesa, composta por Sérgio Bittencourt em homenagem póstuma para Jacob do Bandolim (seu pai), parece expressar como a memória é mais lúcida e sábia que a de história. Cada filho, rememora como um momento marcante, em casa, durante a refeição a presença paterna, sem bandolin ou histórias contadas, mas com uma saudade do que pode ter acontecido, mesmo por um dia, durante a convivência.

Cada história de pai é muito particular, vivenciado de modo diferente por cada filho. Como professor, acostumado a avaliar, posso atribuir notas a paternidade por fases da vida: papai esteve na nota sete durante muito tempo, enquanto dele dependi financeiramente. Após esse tempo, sua nota foi elevada para oito. Quando me tornei pai, elevei a sua nota. Porém a nota máxima ele atingiu a após a morte. A saudade, o vazio, a orfandade de um adulto traz até a memória virtudes antes não computadas.

Sobre mim tenho toda a pesada herança do patriarcado, de um modo único de ser, de ter e de poder que me distingue de uma afetuosa mãe. Quero mudar e quando o faço, mais coisas se exigem desse novo homem (pai ou não) para abrigar no coração todas as identidades do mundo que diferem do pesado fardo do patriarcado. Apesar dos fracassos pessoais como pai, já me foi anunciado o presente desse dia especial. Creio que obtive, até o momento, uma nota baixa como pai, porém aprovativa. Não tenho esperança de chegar a nota 10, nem após a morte, mas me basta a tranquilidade de hoje me sentir mais amado do que temido.

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pesquisador da UFDPar.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michael Löwy Tarso Genro Flávio Aguiar Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares Bernardo Ricupero Luiz Roberto Alves João Carlos Salles Gilberto Lopes Afrânio Catani Lincoln Secco Eleutério F. S. Prado Mário Maestri Leda Maria Paulani Igor Felippe Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Roberto Bueno Alexandre Aragão de Albuquerque Anselm Jappe Chico Alencar Osvaldo Coggiola Francisco de Oliveira Barros Júnior Gabriel Cohn Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Sergio Amadeu da Silveira Michael Roberts Armando Boito Manchetômetro Ronald León Núñez João Lanari Bo Francisco Fernandes Ladeira Bento Prado Jr. Jorge Branco Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Marcos Aurélio da Silva Antônio Sales Rios Neto Paulo Martins Luiz Werneck Vianna Denilson Cordeiro Benicio Viero Schmidt José Luís Fiori José Costa Júnior Manuel Domingos Neto Celso Favaretto Annateresa Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Salem Nasser Tadeu Valadares Marilena Chauí José Micaelson Lacerda Morais Eduardo Borges Lorenzo Vitral Leonardo Boff Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Berenice Bento Kátia Gerab Baggio Paulo Fernandes Silveira Daniel Costa Eliziário Andrade Érico Andrade Sandra Bitencourt Carlos Tautz Airton Paschoa Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Celso Frederico Ladislau Dowbor João Feres Júnior José Raimundo Trindade Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Módolo Juarez Guimarães André Márcio Neves Soares Luiz Costa Lima Boaventura de Sousa Santos João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Caio Bugiato Gerson Almeida José Machado Moita Neto Francisco Pereira de Farias Maria Rita Kehl Luiz Renato Martins José Geraldo Couto Elias Jabbour Roberto Noritomi Ari Marcelo Solon Slavoj Žižek Eugênio Trivinho Marilia Pacheco Fiorillo Valério Arcary Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Claudio Katz Renato Dagnino Daniel Brazil Valerio Arcary Marcos Silva Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Dênis de Moraes Remy José Fontana Paulo Nogueira Batista Jr Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Leonardo Sacramento Antonino Infranca Marcelo Guimarães Lima Henry Burnett Bruno Fabricio Alcebino da Silva Fernando Nogueira da Costa Marjorie C. Marona Bruno Machado Leonardo Avritzer Ricardo Musse Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves Priscila Figueiredo Marcus Ianoni Flávio R. Kothe Henri Acselrad Ricardo Antunes Antonio Martins Paulo Capel Narvai Paulo Sérgio Pinheiro Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez Heraldo Campos Mariarosaria Fabris Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Otaviano Helene Samuel Kilsztajn José Dirceu Chico Whitaker Ricardo Abramovay Luiz Bernardo Pericás Eugênio Bucci Atilio A. Boron Walnice Nogueira Galvão Julian Rodrigues João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko Tales Ab'Sáber André Singer Vanderlei Tenório Ronald Rocha

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada