As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O efeito descivilizador

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Anderson Alves Esteves & Antonio Valverde*

“nuvem de mosquitos
o ar se move
vento nenhum”
(Alice Ruiz S. Desorientais)

“A gente está sendo atacado”, disse a personagem Lunga, em Bacurau; a sentença distópica, vinda de algum momento do futuro, pode ser proferida, no presente, por profissionais da educação e por estudantes no Brasil, aviltados pelo desmonte do Estado de bem-estar social que jamais ultrapassou o estágio de incipiência.

Neutralizadas para deixarem de contribuir com a aceleração do “processo civilizador”[i] e não auxiliarem a estatuir a majoração progressiva do acesso, formal e substancial, àquilo que a humanidade edifica e edificou, as instituições de ensino, sob estrangulamento financeiro e perseguições doutrinárias, foram atacadas para se metamorfosearem em agências da mesma barbárie que ocorrem em outros âmbitos, tais como o ambiental, o ético, étnico, o de gênero, o econômico…

O país literalmente queima, está manchado de óleo, soterrado em barragens rompidas, afronta populações autóctones e os povos da floresta, eleva níveis de várias formas de desigualdade – e resta à educação, de acordo com entendimento do governo Jair Bolsonaro, somar esforços na força-tarefa “descivilizadora”. Antes de tudo, as instituições de ensino devem se calar.

Uma parte da miríade de ataques ultraja e contempla a educação de modo geral e, outra, mais específica, foi calibrada para acertar a área de Humanidades e de Filosofia.

Na primeira, além das barbáries efetivadas sob o governo Michel Temer – Emenda Constitucional 95/2017, que congelou o investimento no serviço público por vinte anos; reforma do Ensino Médio (Lei 11.415/17) que divisou uma escola para pobres e outra para ricos, que o “flexibilizou” de maneira a retirar o investimento público nesta etapa da Educação Básica e possibilitar que os recursos enviados sejam canalizados para empresas e, assim, colonizar a educação pública pela forma-mercadoria[ii] –, a paranóia macartista do governo e de seu séquito incentiva a perseguição e a censura a docentes; arvora o irracionalismo; propaga e insiste em fazer tramitar quantas vezes for necessário o projeto “Escola sem partido” pelos legislativos federal, estaduais e municipais; condenou atividades acadêmicas de universidades de renome nacional e internacional como “balbúrdia”; “contingenciou” verbas discricionárias de universidades e de institutos federais; congelou bolsas de pesquisa; ameaçou eliminar os programas de bolsas de estudo no ensino privado; promoveu insegurança orçamentária nas instituições públicas; estrangulou financeiramente a CAPES e o CNPq; apresentou o projeto “Future-se” para viabilizar a domesticação da educação e da universidade pública pela forma-mercadoria; esforçou-se em conduzir um projeto de lei orçamentária que diminui as verbas das agências de fomento para 2020; interferiu em escolhas de reitores de universidades federais; vetou o projeto de lei que previa profissionais de Psicologia e de Serviço Social em escolas públicas; priorizou o projeto de implantação de escolas cívico-militares nos estados, considerado pelos governadores estaduais como elitista e caro.

De maneira mais específica, as Ciências Humanas e a Filosofia foram atacadas por Jair Bolsonaro e pelo ministro A. Weintraub. Via Twitter e lives (!), as autoridades prometeram subtrair os investimentos públicos nos cursos da área e remetê-los a outros – flagrante desrespeito à Constituição de 1988 e à LDB de 1996, garantidoras da autonomia universitária.

Para o governo, os cursos de Humanidades e, sobremaneira, os de Filosofia e de Sociologia, têm pouca relevância e formam apenas militantes políticos; argumento facilmente desmentido pelos dados da Web of Science (caso se deseje limitar a discussão à métrica puramente quantitativa e rasteira): foram justamente os cursos de Ciências Humanas e Filosofia que colocaram o Brasil entre os 15 países que mais produziram ciência no mundo entre 2008 e 2017.

Em verdade, contudo, a Educação, as Ciências Humanas e a Filosofia são perseguidas em virtude da “falsa projeção”[iii] governamental em eleger um grupo a ser estigmatizado, eleito como outgroup e inimigo, atacado para nele canalizar suas pulsões reprimidas, além de focar a altercação aos estudantes e profissionais da educação que, historicamente, têm se oposto ao status quo e às múltiplas faces do casamento entre liberalismo e autoritarismo à medida que mostraram-se e mostram-se abertos ao diálogo, à diversidade, ao pluralismo, e que desagrilhoam o pensamento do rame-rame, tanto hodierno como canônico, para elaborarem novas epistemologias. Em lugar da pacificação, o Executivo Federal e o MEC promovem a guerra.

A barbárie já está registrada em dados. Henry Burnett[iv] analisou os números divulgados pela Folha de São Paulo, em outubro do corrente ano, e estabeleceu nexos entre os ataques governamentais às Ciências Sociais e à Filosofia e a queda do número de ingressantes nestes dois cursos de graduação: na comparação entre 2014 e 2019, as matrículas caíram 47% em Ciências Sociais e 20% em Filosofia.

À guisa de depoimento, Carla C. Kawanami[v] pesquisou significações construídas por formandos de Ensino Médio, em um campus do IFSP, e notou que os ataques à educação e às áreas de Ciências Humanas e Filosofia já foram interiorizados pelos estudantes, que se mostram inclinados a optarem por outras carreiras que não as atacadas pelo governo:“A minha vontade é ser pesquisadora e viver de pesquisa e dando aula. Mas pela condição que o Brasil tá, eu, tipo, caí na realidade para perceber que talvez eu tenha que trabalhar fora disso”, disse uma estudante entrevistada.

Opor civilização e barbárie é um procedimento ideológico (no sentido de Marx) à medida que veda a percepção da dimensão irracional da racionalidade positivada, das contradições existentes na realidade, que justifica e veicula o etnocentrismo, pois inclina a pensar a história de acordo com um trajeto linear e teleológico da barbárie à civilização. No Brasil, a atual condução corrosiva dispensada à educação denota barbárie sob os auspícios de uma República, de uma Constituição, de uma democracia representativa – pensar de maneira binária, portanto, mistifica a questão.

Norbert Elias considerou que o processo civilizador, ao mesmo tempo em que socializou as pessoas de maneira a submeterem suas pulsões primárias à consciência racionalizadora, metamorfoseando a coerção externa em auto-coação, civilizou-as ao circunscrever a violência à latência. Mas o Autor – e, antes dele, Vico advertira que nações civis poderiam regredir à barbárie – não se furtou em contemplar o apanágio do “efeito descivilizador”[vi] de muitos fenômenos observáveis dentro do mesmo processo arvorado a longo prazo na história do Ocidente e que mostram a possibilidade de surtos de violência e regressões no caminho de pacificação do mundo social.

Dentre os eventos históricos, há estados nacionais a monopolizarem o uso legítimo da força, novas formas de administração e supervisão dos territórios, burocracia profissionalizada, a via parlamentar como estratégia de resolução de conflitos, aprofundamento da divisão do trabalho e das funções, crescimento da interdependência, monetarização da economia, urbanização – o nexo entre sociogênese e psicogênese contribui com o entendimento da suspensão do gládio individual, da civilização dos costumes, da moderação, da compulsão ao espírito de previsão e ao autocontrole, da formação de novos hábitos à mesa e de quarto, de assoar e escarrar, de relacionamentos amorosos, de agressividade, de regras esportivas, da relação das pessoas com as crianças e com os idosos, de contagem do tempo.Empreendeu-se um “anel concatenado”[vii] entre controle social, controle da natureza e autocontrole que diminuiu o recurso à violência (exterior) e o circunscreveu ao fundo da cena social.

Em contrapartida, é descivilizador tudo que dissuade o autocontrole e inclina às explosões violentas: Elias observou estes surtos de regressão e de barbárie na insistente tradição alemã dos duelos, no nazismo, nas organizações extra-parlamentares que adotavam o terrorismo como ação política.

No Brasil, podemos pensar, de acordo com a contribuição de Elias, que a educação, ao ser violentada por quem deveria resguardá-la, está tratada em compasso com processos de socialização e individuação a estimularem estratégias beligerantes nas resoluções de conflito e a açularem o efeito descivilizador. Instituições de ensino são inclinadas, ao serem invadidas pela forma-mercadoria, a primarem por uma formação mutilada e mutiladora à medida que se reduzem ao instrumental e veiculam toda a sorte de insuportáveis desigualdades que, há séculos, vincam a sociedade brasileira e perenizam a barbárie. Educação que mimetiza a violência, a propaga, bloqueia a libertação e a encerra como tabu.

– A gente está sendo atacado.

*Anderson Alves Esteves é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP).

*Antonio Valverde é professor do Departamento de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Publicado originalmente na Coluna ANPOF

Notas

[i] ELIAS, N. O processo civilizador vol. I: uma história dos costumes. 2° ed. Trad. de R. Jungmann, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011, p. 69.

[ii] CORTI, A. P. “Política e significantes vazios: uma análise da Reforma do Ensino Médio de 2017”. Disponível em: <<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982019000100425&lng=pt&nrm=iso&fbclid=IwAR1YgwmdPTT5Z0He8GwCHNfVc9l5ns0WTNjVtpFJFlF5gW1K2QcmKm9Qi3k>>. Acesso em: 21-10-2019.

[iii] HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. “Elementos de antissemitismo: limites do Esclarecimento” In: Dialética do Esclarecimento. Trad. de G. A. de Almeida, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985, p. 174.

[iv] BURNTETT, H. “Filosofia e Ciências Sociais vs. Direito? In: Coluna Anpof. Disponível em: http://anpof.org/portal/index.php/en/comunidade/coluna-anpof/2339-filosofia-e-ciencias-sociais-vs-direito. Acesso em: 24-10-2019.

[v] KAWANAMI, C. C. Ensino Médio Integrado: um estudo sobre as significações constituídas por estudantes de um campus da rede federal. Dissertação de mestrado em Educação (Psicologia da Educação), São Paulo: PUC/SP, 2019, p. 71.

[vi] ELIAS, N. Envolvimento e alienação. Trad. de A. de Sá, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998, p. 21.

[vii] _____. A sociedade dos indivíduos. Trad. de V. Ribeiro, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994, p. 116.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilia Pacheco Fiorillo Afrânio Catani Vladimir Safatle Francisco Pereira de Farias Marcos Silva Yuri Martins-Fontes Luiz Eduardo Soares Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares Gilberto Lopes Leonardo Boff João Adolfo Hansen Leonardo Sacramento Luís Fernando Vitagliano Bento Prado Jr. Luiz Renato Martins Gabriel Cohn José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Osvaldo Coggiola Fernando Nogueira da Costa Ricardo Musse Érico Andrade Bernardo Ricupero Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Costa Júnior Luciano Nascimento Maria Rita Kehl Everaldo de Oliveira Andrade Caio Bugiato Elias Jabbour Otaviano Helene Celso Favaretto Luiz Marques Tales Ab'Sáber Luiz Costa Lima Andrew Korybko Bruno Machado Fábio Konder Comparato Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Luiz Werneck Vianna Daniel Afonso da Silva João Lanari Bo José Machado Moita Neto Manchetômetro Mariarosaria Fabris Eugênio Bucci Marjorie C. Marona Priscila Figueiredo Jorge Luiz Souto Maior João Sette Whitaker Ferreira Fernão Pessoa Ramos Eduardo Borges Claudio Katz Marcelo Guimarães Lima Roberto Bueno Paulo Nogueira Batista Jr Marcus Ianoni Airton Paschoa Carlos Tautz Denilson Cordeiro André Singer Ricardo Fabbrini Carla Teixeira Vinício Carrilho Martinez José Dirceu Manuel Domingos Neto Renato Dagnino Celso Frederico Sandra Bitencourt Ricardo Abramovay Ari Marcelo Solon Valério Arcary João Carlos Loebens José Luís Fiori Liszt Vieira Armando Boito Annateresa Fabris Daniel Costa Eugênio Trivinho Jean Marc Von Der Weid Sergio Amadeu da Silveira Rodrigo de Faria Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Berenice Bento Lincoln Secco Atilio A. Boron Antonino Infranca Tarso Genro Remy José Fontana Henri Acselrad Eleonora Albano Juarez Guimarães Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Lorenzo Vitral Rafael R. Ioris Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Michael Löwy Leda Maria Paulani André Márcio Neves Soares Roberto Noritomi Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves Anselm Jappe Rubens Pinto Lyra Slavoj Žižek Flávio Aguiar Alysson Leandro Mascaro Kátia Gerab Baggio Dennis Oliveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Julian Rodrigues Salem Nasser Luis Felipe Miguel Igor Felippe Santos Walnice Nogueira Galvão Michael Roberts Valerio Arcary Henry Burnett Jorge Branco João Paulo Ayub Fonseca Heraldo Campos Gerson Almeida Paulo Martins Ricardo Antunes Samuel Kilsztajn Ladislau Dowbor Antonio Martins Leonardo Avritzer Paulo Capel Narvai Milton Pinheiro Dênis de Moraes Gilberto Maringoni Lucas Fiaschetti Estevez Benicio Viero Schmidt Chico Alencar Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco Fernandes Ladeira Chico Whitaker Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade Marilena Chauí João Carlos Salles José Micaelson Lacerda Morais Daniel Brazil Ronald Rocha Plínio de Arruda Sampaio Jr. Boaventura de Sousa Santos Luiz Bernardo Pericás João Feres Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada