Em destaque – XII

imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENICIO VIERO SCHMIDT*

Comentário sobre acontecimentos recentes

Um dos destaques desta semana foi o envio ao Congresso do Projeto de Lei Orçamentária anual, a famosa PLOA 2021, que irá vigorar no ano de 2021. No Brasil, via de regra, o Orçamento é quase uma peça de ficção. Depois da apresentação do executivo, as negociações são tão pesadas que no final do ano a resultante pouco tem a ver com aquilo que foi proposto. Mas, de qualquer forma, chama a atenção nesse envio tanto o acréscimo irrisório do salário mínimo, de R$ 24, como a ausência da indicação da fonte de recursos para o anunciado programa Renda Brasil, que viria a substituir o Bolsa Família.

Além disso, os recursos para o pagamento de aposentados e da folha de pagamento do serviço público não estão contemplados em sua integridade, ou seja, com os gastos efetivos até o fim do ano. Isso significa que pelo terceiro ano consecutivo o Executivo terá de entrar em conexão com o Congresso para negociar suas propostas. A projeção mais otimista, mais próxima da austeridade, é uma emissão de títulos de 248 bilhões de reais pelo Governo Federal. São situações a serem debatidas ao longo do ano que revelam bem o dilema que o governo enfrenta entre (a) manter o teto dos gastos e despesas em investimentos e demais gastos ou (b) romper o teto para cobrir algumas demandas de natureza social especialmente no Renda Brasil.

O governo oscila entre as pretensões políticas do presidente que quer manter o auxílio emergencial – que será nos próximos quatro meses de R$300 e não R$600 como foi até agora – e depois garantir isso num fluxo permanente e os interesses do estamento econômico que diz que isso configura na prática um desrespeito à lei que estipula um teto para os gastos. Ora, não é bem isso, nem aquilo. O artigo de Armínio Fraga, de 30 de agosto, publicado na grande imprensa, propõe uma estratégia ponderada para o controle do resultado final. De qualquer forma, tudo indica que continuaremos na disputa entre os “desenvolvimentistas” e aqueles que querem manter o teto da despesa, tal como votado no governo Temer, que é corrigido simplesmente pela inflação do ano anterior.

O segundo destaque é a situação do Rio de Janeiro, envolvendo dois dos seus principais dirigentes. O governador Wilson Witzel foi afastado do comando do governo por uma decisão quase unânime do STJ. O prefeito Marcelo Crivella ganhou o noticiário por ter instaurado uma guarda pretoriana volante para intermediar as relações entre o público atendido, ou seja, pacientes e a imprensa nos hospitais municipais do Rio de Janeiro. Um cerceamento, uma intervenção indevida, que merece todo o protesto da opinião pública.

No caso do governador Witzel, independente do conteúdo das acusações sobre desvios da área da saúde e outras mais, permanece uma questão importante da natureza legal: a intervenção do STJ foi legítima? Restam dúvidas sobre a sua legitimidade, uma vez que o processo de impeachment do governador já corria na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Tudo leva a crer, tanto no caso de Witzel como no de Crivella, que está presente o dedo de Jair Bolsonaro que pretende controlar o Rio de Janeiro por meio da indicação do vice-governador para o exercício do final do mandato de Witzel, contando com a nomeação pelo governador em exercício do novo Procurador Geral do Estado afinado (assim como o comando da polícia local) com os interesses de Bolsonaro e família.

A tensão na relação entre o general Mourão, presidente do Conselho Nacional da Amazônia, e o ministro do Meio-Ambiente Ricardo Salles veio a público no final da semana passada. Enquanto a Amazônia pega fogo, o Pantanal tem um incremento de 40% no total das suas queimadas sobre o mês anterior, o governo discute acirradamente quem controla os recursos e quem retirou do orçamento do ministério do Meio-Ambiente 66 milhões de reais. O general Mourão disse que a reclamação do ministro Salles foi apressada e configurou uma gafe. Resta conferir se as operações serão retomados pelos órgãos do Ministério, o IBAMA e o ICMBio.

Uma portaria do Ministério da Saúde aponta para uma regressão acerca do direito constitucional ao aborto em situação de estupro. Ela obriga os médicos e as autoridades hospitalares a relatarem à Polícia circunstanciadamente a operação geral para propiciar o aborto às pretensas vítimas. Trata-se de uma evidente intimidação sobre os médicos e principalmente sobre as vítimas. Tudo leva a crer que essa situação, se persistir, deverá aumentar o número de vítimas decorrentes da prática de abortos clandestinos. O direito ao aborto neste caso foi consagrado no Código Penal há 80 anos. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia se pronunciou veementemente contra essa portaria e disse que haverá recursos no Judiciário. Se eles não obtiverem êxito, a Câmara Federal irá manifestar-se sobre essa medida, tentando retomar os trâmites antigos.

Por último, cabe registrar a declaração oficial de que o Brasil se encontra em uma recessão técnica com o recuo de 9,8% do PIB em relação ao trimestre anterior. Têm-se uma paralisia das funções econômicas, sendo que o único setor que apresentou superávit foi a agropecuária.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Márcio Neves Soares Marcelo Guimarães Lima Ladislau Dowbor Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Fernão Pessoa Ramos Sandra Bitencourt João Carlos Loebens João Lanari Bo Luiz Marques André Singer Érico Andrade Andrés del Río Samuel Kilsztajn Henri Acselrad Leonardo Boff Eduardo Borges Michel Goulart da Silva Caio Bugiato Ricardo Antunes Dênis de Moraes Salem Nasser Luiz Werneck Vianna João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Musse João Feres Júnior Flávio R. Kothe Marcelo Módolo Leonardo Sacramento Paulo Martins Antonio Martins Ari Marcelo Solon Francisco Fernandes Ladeira Mariarosaria Fabris Remy José Fontana Celso Favaretto Renato Dagnino Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Afrânio Catani Paulo Fernandes Silveira José Machado Moita Neto Berenice Bento Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Thomas Piketty Marjorie C. Marona Plínio de Arruda Sampaio Jr. Mário Maestri José Luís Fiori Andrew Korybko Igor Felippe Santos Flávio Aguiar João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Bucci Luiz Bernardo Pericás Tales Ab'Sáber Eleonora Albano Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Alexandre de Lima Castro Tranjan Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Eleutério F. S. Prado Bruno Machado Juarez Guimarães Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Luiz Roberto Alves Yuri Martins-Fontes Tarso Genro Chico Whitaker Jorge Luiz Souto Maior Heraldo Campos Lorenzo Vitral Antônio Sales Rios Neto Michael Roberts Dennis Oliveira Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Julian Rodrigues Otaviano Helene Valerio Arcary Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Anselm Jappe Eliziário Andrade Daniel Brazil Alexandre Aragão de Albuquerque Denilson Cordeiro João Carlos Salles Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Fábio Konder Comparato Rodrigo de Faria Daniel Afonso da Silva Paulo Capel Narvai Leonardo Avritzer Vanderlei Tenório Luis Felipe Miguel Daniel Costa Antonino Infranca José Raimundo Trindade Henry Burnett Luiz Carlos Bresser-Pereira José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Marcos Silva Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra Luiz Renato Martins Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Airton Paschoa Jorge Branco Bento Prado Jr. Matheus Silveira de Souza Ronald León Núñez Francisco de Oliveira Barros Júnior Carla Teixeira Chico Alencar Manchetômetro Alexandre de Freitas Barbosa Priscila Figueiredo Jean Marc Von Der Weid Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares Gerson Almeida Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Trivinho Vinício Carrilho Martinez Lincoln Secco José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Luís Fernando Vitagliano Ricardo Fabbrini Luciano Nascimento Gabriel Cohn Armando Boito Ronaldo Tadeu de Souza Atilio A. Boron Michael Löwy Gilberto Lopes Marilena Chauí Gilberto Maringoni Manuel Domingos Neto José Dirceu Rafael R. Ioris José Costa Júnior Tadeu Valadares Slavoj Žižek Kátia Gerab Baggio Leda Maria Paulani Carlos Tautz

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada