Eleger Lula no primeiro turno

Imagem: Michelle Guimarães
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ FLORES*

Sem uma vitória no primeiro turno será muito mais difícil conter o avanço do golpismo

Uma retumbante vitória de Lula no 1° turno não elimina os riscos de um golpe de Estado. Os pretextos para o questionamento do resultado eleitoral não dependem do desempenho de Jair Bolsonaro nas urnas. Para o bolsonarismo, as eleições foram fraudadas antecipadamente, desde que Alexandre de Moraes e o TSE não cederam às imposições dos militares. Em sua narrativa conspiratória, caso a diferença de votos seja ampla, será tida justamente como uma evidência de fraude, devido à sua discrepância em relação ao “Datapovo”. Caso a diferença seja estreita, será tida como uma demonstração inequívoca da manipulação dos institutos de pesquisas, que teriam atuado para esconder a maioria bolsonarista na sociedade e legitimar a fraude eleitoral. O documento divulgado pelo PL, retomando os ataques ao sistema eleitoral, mostra que, para o bolsonarismo, o processo já está desacreditado, independente do resultado.

A ameaça de golpe persistirá enquanto o bolsonarismo for considerado uma força legítima e tiver seus direitos políticos assegurados. A pressão pela anulação das eleições e a tentativa de impedir o “retorno do comunismo” prosseguirá mesmo depois de outubro, de modo que não bastará apenas derrotar o bolsonarismo nas urnas, será necessário construir força na sociedade para garantir a posse e conseguir governar. Não bastará apenas ampliar o apoio social e político, como tem feito (a meu ver corretamente) a candidatura Lula. Será necessário mobilização social, pois, parafraseando Luís Fernando Veríssimo, “O nosso lado está com a razão mas o lado deles está armado”.

Dito isto, penso que temos razões e argumentos mais consistentes para defender a liquidação da fatura já no primeiro turno.

Em primeiro lugar, como já vem sendo argumentado por diferentes analistas e dirigentes políticos, a vitória no primeiro turno aumenta os custos políticos para o golpismo, pois envolve anular a eleição de 513 deputados e 27 senadores, fora os governos estaduais que podem ser eleitos já na primeira volta (as pesquisas indicam esta possibilidade para cerca de 10-14 estados). Seria plenamente possível para os golpistas anular ou suspender as eleições no segundo turno, sem alterar os resultados do primeiro, neutralizando, assim, eventuais contestações do centrão e dos partidos fisiológicos.

Em segundo lugar, nas quatro semanas entre o primeiro e o segundo turno, fatos novos e inesperados podem acontecer, reduzindo ainda mais a diferença entre Lula e Bolsonaro. Muitas são as variáveis em jogo, e, apesar de no momento atual o bolsonarismo aparentar ter atingido um teto, nada garante que essa tendência seja irreversível e que não possa ser alterada. O segundo turno pode, sim, ser uma nova eleição. É ilusório fazer projeções estáticas em uma conjuntura instável e movediça. Não está dado, por exemplo, que Jair Bolsonaro não possa recolher os dividendos dos benefícios sociais que só passaram a ser distribuídos em agosto. Apesar de não parecer ser o cenário mais provável nas condições de hoje, não pode ser simplesmente descartado.

Em terceiro lugar, porque, além do bolsonarismo, o segundo turno interessa às forças que relutam em aderir à candidatura Lula, representadas na “terceira via”. A tendência é que, indo para o segundo turno, Lula tenha que fazer mais concessões em seu programa para atrair e consolidar setores ainda hesitantes em apoiá-lo. Um rebaixamento programático ainda maior do que o atual apresenta graves riscos para o futuro, limitando sensivelmente as margens de manobra do governo eleito e podendo frustrar as massas que o elegeram com expectativas de mudanças. As experiências recentes no Peru, na Argentina e no Chile tem algo a ensinar nesse sentido: governos eleitos pela esquerda que, uma vez no poder, aplicam um neoliberalismo moderado, perdem apoio social e se veem emparedados pela oposição. Esse cenário pode ser ainda mais trágico diante de uma oposição abertamente golpista e com apoio de massas.

Além destes, outros argumentos podem ser listados, como o possível desânimo da militância progressista e uma provável escalada da intimidação e da violência política, entre o primeiro e o segundo turno.

Ou seja, a vitória no primeiro turno não oferece garantias, mas sem ela será muito mais difícil conter o avanço do golpismo. Por esse motivo, para todos aqueles e aquelas conscientes dos riscos que o bolsonarismo representa, deve ser considerado o voto útil em Lula já no primeiro turno.

*André Flores é doutorando em ciência política na Unicamp e militante da Consulta Popular.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Pereira de Farias Luciano Nascimento Alysson Leandro Mascaro João Paulo Ayub Fonseca Juarez Guimarães André Márcio Neves Soares Manchetômetro Chico Whitaker Mariarosaria Fabris Fernão Pessoa Ramos Andrés del Río Rubens Pinto Lyra Vinício Carrilho Martinez Luiz Roberto Alves Ricardo Antunes Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Jean Marc Von Der Weid Leonardo Avritzer Érico Andrade Berenice Bento Chico Alencar Ladislau Dowbor Marcelo Guimarães Lima Manuel Domingos Neto Ricardo Abramovay Francisco Fernandes Ladeira José Micaelson Lacerda Morais Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Walnice Nogueira Galvão Vanderlei Tenório Jorge Luiz Souto Maior Francisco de Oliveira Barros Júnior Renato Dagnino Luiz Eduardo Soares Fernando Nogueira da Costa José Luís Fiori Dennis Oliveira Rodrigo de Faria Marilena Chauí Thomas Piketty Carlos Tautz Antonino Infranca Ari Marcelo Solon Daniel Brazil Julian Rodrigues Ronald Rocha Paulo Capel Narvai Celso Favaretto Claudio Katz Ricardo Musse Airton Paschoa Eliziário Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Eleutério F. S. Prado Paulo Martins João Feres Júnior Mário Maestri Armando Boito Eugênio Bucci Henry Burnett Tadeu Valadares Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek João Carlos Loebens Marcus Ianoni Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Michel Goulart da Silva Salem Nasser Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Paulo Fernandes Silveira Eduardo Borges Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin Bruno Machado Bento Prado Jr. Marcelo Módolo José Machado Moita Neto Carla Teixeira José Geraldo Couto José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Flávio R. Kothe André Singer Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen João Lanari Bo Remy José Fontana Heraldo Campos Valerio Arcary Dênis de Moraes Liszt Vieira Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Marcos Silva Sergio Amadeu da Silveira Luiz Werneck Vianna Anselm Jappe Maria Rita Kehl José Dirceu Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Ronaldo Tadeu de Souza Gabriel Cohn Otaviano Helene Paulo Sérgio Pinheiro Bernardo Ricupero Alexandre de Lima Castro Tranjan Jorge Branco Luis Felipe Miguel Marcos Aurélio da Silva Caio Bugiato Ronald León Núñez Matheus Silveira de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade Samuel Kilsztajn Rafael R. Ioris Michael Löwy Afrânio Catani Tales Ab'Sáber Henri Acselrad Tarso Genro Antonio Martins Milton Pinheiro Michael Roberts Gilberto Lopes Osvaldo Coggiola Celso Frederico Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Bernardo Pericás Denilson Cordeiro Elias Jabbour Andrew Korybko Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt Fábio Konder Comparato João Sette Whitaker Ferreira Alexandre de Freitas Barbosa Annateresa Fabris Leda Maria Paulani João Carlos Salles Marjorie C. Marona Eugênio Trivinho Anderson Alves Esteves

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada