As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Brasil na contramão da história

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PLÍNIO DE ARRUDA SAMPAIO JR.*

Considerações sobre as consequências econômicas da guerra na Ucrânia

A guerra na Ucrânia sepulta qualquer ilusão de que, com a diminuição da taxa de letalidade do coronavírus, a economia mundial possa retomar uma trajetória relativamente estável e previsível. Para além de seus efeitos negativos imediatos sobre o crescimento e a inflação, as consequências econômicas da guerra corroem definitivamente os pilares da ordem global neoliberal.

O confronto aberto entre as duas maiores potências nucleares do planeta, que subjaz como pano de fundo da tragédia ucraniana, explicita as crescentes rivalidades provocadas pela contradição irredutível entre o caráter mundial das forças produtivas, o horizonte global da acumulação de capital e as bases nacionais de reprodução da relação capital-trabalho. Sem condições de contrabalançar a tendência decrescente da taxa de lucro pela destruição de grandes massas de capitais anacrônicos e pela abertura de novas frentes de expansão do mercado mundial, a concorrência intercapitalista assume a forma de uma guerra econômica total.

As draconianas sanções econômicas contra a Rússia não podem ser dissociadas dos interesses imediatos do complexo militar-industrial, energético e financeiro norte-americano e europeu nos negócios da guerra, nem da oposição irredutível dos Estados Unidos à formação de um Bloco Euro-asiático, liderado pela China e amparado pelo poderio militar russo. Impelidos pelos imperativos implacáveis da lógica da conquista, os grandes conglomerados econômicos e financeiros mobilizam seus Estados imperiais para fazer uma corrida desenfreada pelo controle dos mercados, das fontes de matérias-primas e dos espaços econômicos nacionais.

Por sua ousadia e largo alcance, o bloqueio comercial, a proibição de participação no sistema financeiro internacional e o congelamento das reservas cambiais impostos pelos Estados Unidos à Rússia representam um salto de qualidade na política neomercantilista inaugurada por Donald Trump. O vale-tudo solapa as bases da ordem econômica internacional erigida sob os auspícios da Pax Americana, após a crise do sistema de Bretton Woods no início dos anos 1970.

O enfraquecimento do dólar como moeda internacional, a escalada do protecionismo, as incertezas que colocam em xeque as cadeias de valor e a acelerada corrosão da ordem econômica internacional são sintomas inequívocos de que integração liberal dos circuitos comerciais, produtivos e financeiros atingiu a seu limite. Instaura-se um processo de desglobalização.

A economia brasileira encontra-se particularmente vulnerável aos desafios dos novos tempos. Após três décadas de especialização regressiva na divisão internacional do trabalho, a vida econômica nacional ficou completamente à mercê das vicissitudes da economia internacional. A explosão dos preços dos derivados de petróleo – uma referência particularmente estratégica num país de magnitude continental, cujo transporte é feito basicamente por rodovias – é um exemplo claro da absoluta falta de autonomia da política econômica brasileira.

Mesmo dispondo de uma abundante reserva de petróleo no subsolo e de uma empresa petrolífera pública com grande capacidade de produção e refino – uma das maiores do mundo –, o Estado brasileiro não consegue impedir que os preços dos combustíveis de sua empresa sejam definidos a partir de interesses espúrios. A privatização parcial do controle acionário da Petrobras no governo Fernando Henrique Cardoso, a entrada da empresa na bolsa de valores de Nova Iorque no governo Lula e a absurda adoção do sistema PPI – Preço de Paridade e Importação – no governo Temer, que atrela o preço interno aos preços externos, deixaram a população brasileira refém de um punhado de especuladores bilionários (em sua maioria estrangeiros).

Situação análoga ocorre com a taxa de juros. Mesmo dispondo de uma das maiores reservas cambiais do mundo (US$ 358 bilhões), tendo um balanço de pagamentos equilibrado, uma relação particularmente privilegiada com o Banco Central norte-americano (com acesso ilimitado a crédito em momentos de fuga de capitais), uma relação dívida pública líquida\PIB moderada (57% do PIB) e um regime fiscal rigidamente enquadrado nos cânones da ortodoxia, a economia brasileira tem a segunda maior taxa de juros reais do mundo, perdendo apenas para a Rússia.

A plena liberdade de movimento de capitais instituída pelo Plano Real, a escalada meteórica do passivo externo financeiro durante o boom neodesenvolvimentista dos governos petistas e o controle absoluto do Banco Central pelo capital financeiro deixam as autoridades monetárias sem nenhum raio de liberdade para manipular a moeda nacional em função dos interesses estratégicos da economia popular. Nessas circunstâncias, as taxas de juros e de câmbio – dois parâmetros fundamentais da economia – ficam ao sabor dos movimentos especulativos do grande capital internacional e nacional.

Num momento em que a ordem global aprofunda sua fragmentação, em absoluta contramão da história, a burguesia brasileira dobra as apostas na globalização liberal. A crise econômica mundial que se arrasta por mais de uma década, a pandemia de coronavírus que há dois anos paralisa a economia mundial e a guerra na Ucrânia, que desmonta a ordem econômica internacional, não têm sido catástrofes suficientes para convencer a burguesia brasileira da importância estratégica da autodeterminação alimentar, sanitária e industrial.

Completamente despreparada para enfrentar uma conjuntura histórica particularmente adversa, sem os instrumentos monetários e fiscais mais elementares para intervir na economia e totalmente insensível às necessidades da população, ela não admite nenhuma crítica à agenda econômica neoliberal. Sem superar a blindagem mental que circunscreve o debate econômico nacional à forma de administrar o ajuste neoliberal, é impossível vislumbrar mudanças qualitativas nas condições de vida dos trabalhadores.

As eleições de 2022 estão com as cartas marcadas. Seja quem for o eleito, não haverá mudança substancial na economia. O silêncio ensurdecedor das lideranças políticas da esquerda da ordem sobre o modelo econômico brasileiro fala por si. Somente um levante popular, que coloque em questão a urgência de uma ruptura definitiva com o padrão de acumulação liberal-periférico, seria capaz de abrir novos horizontes para a sociedade brasileira.

*Plínio de Arruda Sampaio Jr. é professor aposentado do Instituto de Economia da Unicamp e editor do site Contrapoder. Autor, entre outros livros, de Entre a nação e a barbárie – dilemas do capitalismo dependente (Vozes).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu Carlos Tautz João Paulo Ayub Fonseca Airton Paschoa Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Caio Bugiato Paulo Fernandes Silveira Lorenzo Vitral Roberto Bueno Chico Alencar Luiz Marques Boaventura de Sousa Santos Vladimir Safatle Berenice Bento Bernardo Ricupero Yuri Martins-Fontes Ronald León Núñez Ari Marcelo Solon Michael Löwy Eliziário Andrade Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Roberto Noritomi Daniel Costa Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Érico Andrade Lincoln Secco Daniel Afonso da Silva Jorge Branco Paulo Capel Narvai Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Guimarães Lima Tadeu Valadares João Carlos Loebens Salem Nasser Flávio Aguiar Mariarosaria Fabris Marcos Aurélio da Silva Ricardo Fabbrini Antônio Sales Rios Neto Daniel Brazil José Costa Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Bucci Tales Ab'Sáber Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mário Maestri Claudio Katz Julian Rodrigues Ricardo Antunes Jean Pierre Chauvin Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Marilena Chauí Osvaldo Coggiola Tarso Genro Flávio R. Kothe Antonio Martins Heraldo Campos Slavoj Žižek Alexandre de Lima Castro Tranjan Fábio Konder Comparato Andrew Korybko Ricardo Musse Ronald Rocha Leda Maria Paulani Rafael R. Ioris Ricardo Abramovay Luís Fernando Vitagliano Ladislau Dowbor Kátia Gerab Baggio Alysson Leandro Mascaro Luiz Costa Lima Gabriel Cohn Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Elias Jabbour Denilson Cordeiro Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria Luiz Renato Martins Afrânio Catani José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira José Micaelson Lacerda Morais Gerson Almeida Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares Gilberto Lopes Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Jean Marc Von Der Weid Eleutério F. S. Prado Liszt Vieira Bruno Machado Fernão Pessoa Ramos Marcus Ianoni José Raimundo Trindade Luciano Nascimento Paulo Martins João Lanari Bo Eleonora Albano Ronaldo Tadeu de Souza Henry Burnett Igor Felippe Santos Valério Arcary Francisco Pereira de Farias Leonardo Avritzer Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Marcos Silva Atilio A. Boron Chico Whitaker Remy José Fontana Henri Acselrad Luiz Werneck Vianna Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Annateresa Fabris João Carlos Salles André Márcio Neves Soares José Geraldo Couto Manchetômetro Anderson Alves Esteves Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen Eugênio Trivinho Sandra Bitencourt Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira André Singer Anselm Jappe Dennis Oliveira Renato Dagnino Milton Pinheiro Fernando Nogueira da Costa Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Priscila Figueiredo Armando Boito Antonino Infranca João Feres Júnior Juarez Guimarães Rubens Pinto Lyra Luiz Carlos Bresser-Pereira Celso Frederico Celso Favaretto Vinício Carrilho Martinez Leonardo Boff Maria Rita Kehl Marilia Pacheco Fiorillo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada