As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Da democracia ateniense à socialista

Imagem: Denis Zagorodniuc
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

A primeira eleição de Lula da Silva potencializou as Conferências Nacionais responsáveis por políticas públicas adotadas pelo Estado. No atual mandato, o presidente radicaliza

A Antiguidade costuma ser apresentada como um capítulo da história do escravismo, que leva à estagnação tecnológica. O bloqueio ao desenvolvimento das forças produtivas e a redução da oferta de escravos teria provocado o declínio do império romano. A ligação do trabalho e a escravatura gerou opreconceito contra os trabalhadores e o desprezo do labor. Nasciam as “classes parasitas”.

Ainda que a produção dos camponeses e artesãos livres superasse a dos produtores agrícolas e a dos industriais escravizados, as sociedades de antanho são catalogadas com a etiqueta-pecha “modo de produção escravagista”, dado o proveito de lides forçadas para a extração do excedente. Assim, mantém-se a desconfiança sobre outras modalidades de produção, dominantes, mas não marcantes nos campos e nas cidades clássicas. A chaga do racismo, porém, converteu-se em grande fiadora da escravidão apenas nas economias ocidentais. O longo convívio com o mal aperfeiçoou a maldade.

“Se Atenas corresponde à descrição de uma sociedade escravagista, ao mesmo tempo, é a polis mais democrática e, na qual, a maioria dos cidadãos tinha de trabalhar para viver”, aponta a professora de ciência política na Universidade York, de Toronto, Ellen Meiksins Wood, em Democracia contra capitalismo (Boitempo). Fugindo à regra tácita que, à época, separa a esfera política governamental do circuito produtivo, os trabalhadores livres tornaram-se os legítimos dirigentes da cidade-Estado. Da aliança dos camponeses-cidadãos e artesãos surge o que se denomina demo (povo) – a porta de entrada da democracia, no século V a.C. O alinhamento de classes numa unidade cívica e militar singularizou Atenas, entre as sociedades pré-capitalistas. Sua organização sociopolítica equivaleu à invenção da roda. Despertou a utopia, apesar da vergonha extra-econômica que fere nossos sentimentos, hoje.

O valor do trabalho

A inovação ateniense permitiu aos trabalhadores livres deliberar sobre o seu destino, apoiados no mito de Prometeu para quem as “artes práticas” fundamentam a civilização. Explica-se o magnífico templo a Hefestos, o deus da forja. Não à toa, a divindade de Atenas, a deusa Atena, é “a padroeira das artes e ofícios”. Os prestadores de bens e serviços receberam o estatuto de cidadãos. A isonomia evocou a igualdade, quebrou a régua da divisão social do trabalho que estigmatizava os produtores.

Nas ágoras, os gregos postulavam em assuntos atinentes a um saber específico – a construção de um navio ou de um prédio – que projetistas navais e arquitetos se manifestassem. A razão é que tais afazeres têm por pressuposto o ensino-aprendizagem. Mas se o tema implicasse o ato de governar: “O homem que se levanta para dar conselhos pode ser um construtor, ou mesmo um ferreiro ou um sapateiro, mercador ou armador, rico ou pobre, nascido ou não de boa família; afinal, a assembleia não considera que os assuntos políticos possam ser ensinados”, sublinha Protágoras (apud Platão). A tradição filosófica ocidental e a práxis libertadora assentam-se no reconhecimento ético-político do trabalho, que o capitalismo reduz ao sequestro da mais-valia para a gananciosa acumulação.

Percebe-se a importância da autonomia coletiva e a revolucionária inserção nas estruturas de poder, da memorável urbe. Para projetar o futuro, há que historicizar o habitus dos antigos e seu apego à liberdade pública, sem cair em armadilhas conceituais. “O eclipse do cidadão trabalhador na Atenas democrática tem menos a ver com as realidades da democracia ateniense do que com a política da Europa moderna”, observa Ellen Meiksins Wood. A assombração dos grilhões alimenta o discurso de medo, com o propósito de perpetuar a ideia de que a divisão do trabalho é parte orgânica da vida social, e se precaver das revoluções. O espantalho ideológico pasteurizou o conservadorismo reaça.

Participação cidadã

A ingerência plebeia na política é o problema que sempre assustou os inimigos da democracia. A condenação das limitações morais não pode jogar fora a criança com a água suja, da bacia. É falsa a equiparação com o regime de plantation (latifúndios, serviço escravo, monocultura, exportação), implantado pelas nações europeias nas Américas, África e Ásia. Este passado triste não pertence a outrem; é nosso. A trilogia escrita por Laurentino Gomes, Escravidão, resolve qualquer dúvida.

Cornelius Castoriadis repudia objeções anacrônicas à segregação de escravizados e mulheres. Ora, foi preciso 2.400 anos para acabar com a instituição excludente encerrada em fins do século XIX. Não obstante, casos à mancheia de trabalho escravo são denunciados todos os dias. A extensão dos direitos políticos às mulheres só chegou a Nova Zelândia, em 1893; na Finlândia, em 1906; na Grã-Bretanha, após a I Guerra Mundial; no Brasil, na Constituição de 1934; na França, em 1945; na África do Sul, em 1993; na Arábia Saudita, em 2011. Não se deve, por presunção, atirar pedras na alvissareira governabilidade conquistada em priscas eras, que segue inspirando sonhos e lutas.

Detratores agem como o quero-quero, gorjeiam longe do ninho para ocultar que, no feudalismo, a igualitarização jurídica e a equissonância de prerrogativas mudaria a condição dos servos. Mas, no capitalismo, a universalização dos predicados políticos e civis deixou intocadas as relações de propriedade entre capital e trabalho. Os direitos formais não mexeram nas desigualdades sociais, esgarçadas na fase neoliberal. As elites econômicas temem perder o poder de expropriação com o empoderamento do povo. Eis a diferença entre a democracia ateniense e a democracia capitalista.

Contribuição de Lula

Em consequência das 30 mil cabeças guilhotinadas na Revolução Francesa, cujos protagonistas cultuavam a Antiguidade, a Europa responsabilizou as assembleias em praça pública pelo período de Terror. Não existe uma estação de metrô em homenagem ao jacobino Robespierre, em Paris. Os referendos populistas à la De Gaulle (1958, 1969) aumentaram a ojeriza às formas democráticas não representativas, no velho continente. Circunstância atenuada com a propagação internacional do Orçamento Participativo (OP), de Porto Alegre, sede primordial do Fórum Social Mundial (FSM).

Após a vitória liderada por Clístenes contra uma tirania, Atenas transforma-se no leitmotiv da busca pela supressão das iniquidades nas metrópoles, em favor da distribuição de equipamentos urbanos nas periferias – mais do que os levantes insurrecionais de Petrogrado (1905) ou Budapeste (1919). A sociedade civil responde com mobilizações fragmentárias sobre “a cidade que queremos” (cultura, educação, mobilidade, meio ambiente, etc). Com o selo do PT, a experiência do Orçamento Participativo expandiu-se por ambos os hemisférios.

A primeira eleição de Lula da Silva potencializou as Conferências Nacionais responsáveis por políticas públicas adotadas pelo Estado brasileiro. No atual mandato, o presidente radicaliza. O Plano Plurianual Participativo, com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), orienta a Lei de Orçamento Anual (LOA). Uma proeza diante da retranca formada no Congresso Nacional.

Em 2023, o PPA Participativo organiza-se em instâncias: (i) Fórum Interconselhos, que articula as setoriais nacionais e o Conselho de Participação Social (CPS); (ii) Plenárias Estaduais presenciais, que têm reuniões preparatórias e; (iii) Plataforma Digital, para apresentação e votação de propostas. Nas plenárias, 309 movimentos e organizações fizeram uso da palavra, no total de 34 mil partícipes. A internet somou 8 mil propostas, 1,5 milhão de cadastros e 4 milhões de internautas com acesso à plataforma. O projeto de bem-estar social fincou raízes. Comuns familiarizam-se com a máquina estatal. A engrenagem cumpre um papel estratégico para a transição até outro modelo civilizacional.  A igualdade de gênero e raça distingue a democracia socialista da ateniense, contemporaneamente.

Thiago de Mello saúda a notícia: “E de repente a manhã – manhã é céu derramado, é claridão, claridão – foi transformando a cidade / numa praça imensa praça / e dentro da praça o povo. / Dentro desta manhã / vou caminhando. E me vou / vou no rumo da manhã. / A beleza mensageira / desta manhã / sobrepairando a cidade / se deu ao povo”. A cidade tem nome e título de eleitor – Brasil.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Boff Ronald León Núñez Paulo Martins Lincoln Secco Rafael R. Ioris João Paulo Ayub Fonseca Denilson Cordeiro Liszt Vieira Airton Paschoa Alexandre de Lima Castro Tranjan Flávio R. Kothe Valerio Arcary Ronaldo Tadeu de Souza José Costa Júnior Jean Pierre Chauvin Luís Fernando Vitagliano Luiz Bernardo Pericás Eleonora Albano Otaviano Helene Flávio Aguiar Anselm Jappe Andrew Korybko Sergio Amadeu da Silveira Jorge Branco Luis Felipe Miguel Fernão Pessoa Ramos Eliziário Andrade Érico Andrade Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Lorenzo Vitral Vladimir Safatle Eleutério F. S. Prado Marcelo Módolo Luiz Marques Alysson Leandro Mascaro Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Roberto Alves Daniel Afonso da Silva Leonardo Avritzer Renato Dagnino Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Marjorie C. Marona João Lanari Bo Ricardo Musse Chico Alencar Carlos Tautz Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Thomas Piketty Marcos Aurélio da Silva Remy José Fontana Paulo Fernandes Silveira Ladislau Dowbor Leda Maria Paulani Rubens Pinto Lyra Rodrigo de Faria Anderson Alves Esteves Ari Marcelo Solon Antonio Martins Luciano Nascimento Everaldo de Oliveira Andrade Dennis Oliveira Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Werneck Vianna Dênis de Moraes Julian Rodrigues Elias Jabbour Heraldo Campos Celso Favaretto Fábio Konder Comparato Mariarosaria Fabris Gilberto Maringoni José Luís Fiori Annateresa Fabris Atilio A. Boron Osvaldo Coggiola Boaventura de Sousa Santos Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida Francisco Fernandes Ladeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronald Rocha Alexandre Aragão de Albuquerque Igor Felippe Santos Armando Boito Manuel Domingos Neto Milton Pinheiro Mário Maestri André Singer Salem Nasser Priscila Figueiredo Eduardo Borges Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Gilberto Lopes Valério Arcary João Carlos Loebens Vanderlei Tenório Berenice Bento Juarez Guimarães Luiz Costa Lima Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Bueno João Adolfo Hansen Roberto Noritomi Daniel Brazil Caio Bugiato Eugênio Trivinho Ricardo Fabbrini Michael Roberts José Micaelson Lacerda Morais Tadeu Valadares Daniel Costa Marcos Silva Walnice Nogueira Galvão Marilia Pacheco Fiorillo Kátia Gerab Baggio Michael Löwy Claudio Katz Manchetômetro Bento Prado Jr. Henri Acselrad Sandra Bitencourt André Márcio Neves Soares Tarso Genro Celso Frederico Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa Bernardo Ricupero João Carlos Salles Eugênio Bucci Benicio Viero Schmidt João Feres Júnior Ricardo Abramovay Luiz Renato Martins Ricardo Antunes Slavoj Žižek Maria Rita Kehl Jorge Luiz Souto Maior José Machado Moita Neto Carla Teixeira Marcus Ianoni Henry Burnett José Geraldo Couto Antonino Infranca Chico Whitaker Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai João Sette Whitaker Ferreira Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Dirceu Paulo Sérgio Pinheiro Jean Marc Von Der Weid

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada