As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Shigeru Ban

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Um arquiteto que prioriza a responsabilidade social da arquitetura

Por estes dias Shigeru Ban recebeu nova distinção: o Prêmio da Concórdia, conferido pela Fundação Princesa das Asturias, da Espanha É uma honraria que, afora arquitetura, contempla várias categorias, como literatura, música, esportes etc. O nome do prêmio mostrou-se especialmente apto neste caso. Em seu arrazoado, a Fundação enfatiza o trabalho solidário em casos de urgência, bem como a revalorização advinda do aproveitamento dos materiais mais humildes, restos e sobras da sociedade de consumo, cujo corolário é o desperdício.

Shigero Ban desmentiu a tendência dos arquitetos de dedicar-se a construir monumentos grandiosos pagos pelo governo ou mansões para milionários. Ele se devota a prestar ajuda humanitária quando ocorrem cataclismos e catástrofes.

Premiadíssimo, já tinha recebido o galardão máximo da arquitetura mundial, o Pritzker, em 2014. Só para dar uma ideia: entre os brasileiros, apenas Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha fizeram jus à láurea. Desta vez, mais do que uma pessoa ou uma única obra, como é seu costume, o Pritzker divergiu do habitual, distinguindo uma nova concepção do que deve ser a arquitetura, postulando a responsabilidade social do arquiteto.

À medida que Shigeru Ban foi ficando conhecido, passou a receber encomendas importantes, que tornaram seu estilo visível no mundo inteiro. Sobretudo muitos museus, sempre com os mesmos materiais: entre outros, o Museu Oita no Japão, o Museu de Arte de Aspen nos Estados Unidos, o Centre Pompidou Metz na França, cuja cobertura evoca as ondulações de uma arraia gigante. Ou então o Museu Monte Fuji, em forma de cone invertido, que, apoiado sobre o vértice, espelha a própria montanha – já que a instituição é concebida como uma homenagem e um posto de vigia para a contemplação desse ícone do Japão.

Alguém diria, mas como vai erguer obras monumentais, se só faz tendas e alojamentos provisórios? Mas é aí que você se engana, ao ver nesses edifícios os vãos livres de altíssimo pé direito, bem como as paredes curvas que não acabam mais. E os famosos tubos de papelão não são escondidos, ao contrário são utilizados para sustentar o teto, mas também para esboçar no ar lindos desenhos entrelaçados.

Este grande aproveitador de lixo, refugo e sucata inventou uma casa com paredes de tubos de papelão, desses que vêm dentro de rolos de toalha de papel, tendo por fundações engradados de cerveja, ancorados com areia e pedras. São moradias improvisadas, tendas e cabanas para quem mais necessita. O arquiteto movimenta-se pelo planeta ao léu desse propósito, que é o salvamento e abrigo das vítimas.

Ao promover esses materiais, Shigeru Ban tornou-se um paladino da sustentabilidade e da ecologia, amigo do reuso e da reciclagem. Fundou uma ONG de arquitetos solidários para socorrer populações flageladas em zonas de desastre. Para essas missões convoca seus alunos na Universidade de Tóquio, de Harvard e de Cornell: mas não só alunos, também colegas e qualquer pessoa de boa-vontade.

Entre suas façanhas estão a recuperação de Ruanda, depois que os hutus trucidaram 800.000 tutsis, provocando o êxodo dos que se embrenhavam por montanhas e matas, procurando escapar à hecatombe. Acudiu as vítimas da radiação em Fukushima, bem como dos terremotos em Setsuan na China, em Kobe no Japão, em Áquila na Itália, no Gujarat indiano e na Turquia. Ele não tem preconceito político ou ideológico, o povo precisou ele se apresenta para ajudar. Assim o vimos quando o furacão Katrina devastou Nova Orleans e o caos desassistido se impôs: já tinha tomado a mesma iniciativa no tsunami do Oceano Índico. E em outras obras de primeiros-socorros em calamidades no Haiti, nas Filipinas e no Sri Lanka.

Quando esteve no Brasil na RIO + (Rio de Janeiro, 2013), propôs em palestra que se utilizasse a madeira apreendida, ilegalmente desmatada na Amazônia, para a construção de casas populares que beneficiassem os pobres. Será que foi ouvido?

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Salles Andrew Korybko Tadeu Valadares Érico Andrade Priscila Figueiredo Thomas Piketty Jorge Branco Francisco Fernandes Ladeira Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás Osvaldo Coggiola Antônio Sales Rios Neto Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Sacramento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Fernão Pessoa Ramos Flávio Aguiar Marilena Chauí Atilio A. Boron Celso Favaretto Bernardo Ricupero José Costa Júnior Eduardo Borges Anderson Alves Esteves Igor Felippe Santos Slavoj Žižek Otaviano Helene Gerson Almeida João Adolfo Hansen Marilia Pacheco Fiorillo Vinício Carrilho Martinez Gilberto Maringoni Mariarosaria Fabris João Paulo Ayub Fonseca José Geraldo Couto Berenice Bento Leda Maria Paulani Eugênio Bucci Lorenzo Vitral Sandra Bitencourt Paulo Nogueira Batista Jr Manchetômetro Luiz Roberto Alves Antonio Martins José Luís Fiori Henri Acselrad Gabriel Cohn Marcus Ianoni Carla Teixeira Luiz Renato Martins Flávio R. Kothe Celso Frederico Ladislau Dowbor Eleonora Albano Ronaldo Tadeu de Souza Rodrigo de Faria Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna Vanderlei Tenório José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcos Aurélio da Silva Luis Felipe Miguel Ari Marcelo Solon Daniel Afonso da Silva Roberto Noritomi Benicio Viero Schmidt Jean Marc Von Der Weid Julian Rodrigues Anselm Jappe Roberto Bueno Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin Valerio Arcary Michael Löwy Dennis Oliveira Marcelo Módolo Annateresa Fabris Renato Dagnino Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Ronald Rocha Lucas Fiaschetti Estevez Remy José Fontana João Feres Júnior Liszt Vieira João Lanari Bo José Machado Moita Neto Luiz Costa Lima Bruno Machado Marcos Silva Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Salem Nasser André Márcio Neves Soares Yuri Martins-Fontes Alysson Leandro Mascaro Paulo Fernandes Silveira Walnice Nogueira Galvão José Raimundo Trindade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Musse Tarso Genro Paulo Capel Narvai Milton Pinheiro Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Leonardo Boff Ricardo Abramovay Chico Alencar Leonardo Avritzer Fernando Nogueira da Costa Claudio Katz Michael Roberts Vladimir Safatle Ronald León Núñez Samuel Kilsztajn Chico Whitaker Elias Jabbour Eleutério F. S. Prado Denilson Cordeiro Luiz Eduardo Soares José Micaelson Lacerda Morais Daniel Costa Marcelo Guimarães Lima Everaldo de Oliveira Andrade João Sette Whitaker Ferreira Airton Paschoa Armando Boito Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Brazil Boaventura de Sousa Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Rafael R. Ioris Ricardo Fabbrini Mário Maestri André Singer Manuel Domingos Neto Dênis de Moraes Afrânio Catani Maria Rita Kehl Jorge Luiz Souto Maior Caio Bugiato Francisco Pereira de Farias Lincoln Secco João Carlos Loebens Carlos Tautz Gilberto Lopes Juarez Guimarães Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Paulo Martins Luciano Nascimento Henry Burnett Valério Arcary Eugênio Trivinho Heraldo Campos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada