Shigeru Ban

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Um arquiteto que prioriza a responsabilidade social da arquitetura

Por estes dias Shigeru Ban recebeu nova distinção: o Prêmio da Concórdia, conferido pela Fundação Princesa das Asturias, da Espanha É uma honraria que, afora arquitetura, contempla várias categorias, como literatura, música, esportes etc. O nome do prêmio mostrou-se especialmente apto neste caso. Em seu arrazoado, a Fundação enfatiza o trabalho solidário em casos de urgência, bem como a revalorização advinda do aproveitamento dos materiais mais humildes, restos e sobras da sociedade de consumo, cujo corolário é o desperdício.

Shigero Ban desmentiu a tendência dos arquitetos de dedicar-se a construir monumentos grandiosos pagos pelo governo ou mansões para milionários. Ele se devota a prestar ajuda humanitária quando ocorrem cataclismos e catástrofes.

Premiadíssimo, já tinha recebido o galardão máximo da arquitetura mundial, o Pritzker, em 2014. Só para dar uma ideia: entre os brasileiros, apenas Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha fizeram jus à láurea. Desta vez, mais do que uma pessoa ou uma única obra, como é seu costume, o Pritzker divergiu do habitual, distinguindo uma nova concepção do que deve ser a arquitetura, postulando a responsabilidade social do arquiteto.

À medida que Shigeru Ban foi ficando conhecido, passou a receber encomendas importantes, que tornaram seu estilo visível no mundo inteiro. Sobretudo muitos museus, sempre com os mesmos materiais: entre outros, o Museu Oita no Japão, o Museu de Arte de Aspen nos Estados Unidos, o Centre Pompidou Metz na França, cuja cobertura evoca as ondulações de uma arraia gigante. Ou então o Museu Monte Fuji, em forma de cone invertido, que, apoiado sobre o vértice, espelha a própria montanha – já que a instituição é concebida como uma homenagem e um posto de vigia para a contemplação desse ícone do Japão.

Alguém diria, mas como vai erguer obras monumentais, se só faz tendas e alojamentos provisórios? Mas é aí que você se engana, ao ver nesses edifícios os vãos livres de altíssimo pé direito, bem como as paredes curvas que não acabam mais. E os famosos tubos de papelão não são escondidos, ao contrário são utilizados para sustentar o teto, mas também para esboçar no ar lindos desenhos entrelaçados.

Este grande aproveitador de lixo, refugo e sucata inventou uma casa com paredes de tubos de papelão, desses que vêm dentro de rolos de toalha de papel, tendo por fundações engradados de cerveja, ancorados com areia e pedras. São moradias improvisadas, tendas e cabanas para quem mais necessita. O arquiteto movimenta-se pelo planeta ao léu desse propósito, que é o salvamento e abrigo das vítimas.

Ao promover esses materiais, Shigeru Ban tornou-se um paladino da sustentabilidade e da ecologia, amigo do reuso e da reciclagem. Fundou uma ONG de arquitetos solidários para socorrer populações flageladas em zonas de desastre. Para essas missões convoca seus alunos na Universidade de Tóquio, de Harvard e de Cornell: mas não só alunos, também colegas e qualquer pessoa de boa-vontade.

Entre suas façanhas estão a recuperação de Ruanda, depois que os hutus trucidaram 800.000 tutsis, provocando o êxodo dos que se embrenhavam por montanhas e matas, procurando escapar à hecatombe. Acudiu as vítimas da radiação em Fukushima, bem como dos terremotos em Setsuan na China, em Kobe no Japão, em Áquila na Itália, no Gujarat indiano e na Turquia. Ele não tem preconceito político ou ideológico, o povo precisou ele se apresenta para ajudar. Assim o vimos quando o furacão Katrina devastou Nova Orleans e o caos desassistido se impôs: já tinha tomado a mesma iniciativa no tsunami do Oceano Índico. E em outras obras de primeiros-socorros em calamidades no Haiti, nas Filipinas e no Sri Lanka.

Quando esteve no Brasil na RIO + (Rio de Janeiro, 2013), propôs em palestra que se utilizasse a madeira apreendida, ilegalmente desmatada na Amazônia, para a construção de casas populares que beneficiassem os pobres. Será que foi ouvido?

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • João Cândido e a Revolta da Chibatarevolta da chibata 23/06/2024 Por PETRÔNIO DOMINGUES: No atual contexto, em que tanto se discute reparações do Estado à população negra, o nome de João Cândido não pode ser esquecido
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • O medo e a esperançaJoao_Carlos_Salles 24/06/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Contra a destruição da universidade pública
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES