As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Falácias da sala de aula

Imagem: Plato Terentev
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JANDERSON LACERDA TEIXEIRA & JEAN PIERRE CHAUVIN*

Professores devem assumir a efetiva posição de educadores para resistir à ideologia burguesa no âmbito escolar

Uma das consequências da deterioração que afeta parcela considerável dos trabalhadores da educação é o seu aparente desinteresse (ou desmotivação) em relação ao ato político de ler. Não nos referimos à indispensável “leitura de mundo”, de que falava Paulo Freire; estamos a refletir sobre a resistência de alguns colegas em consumir reportagens de jornal, estudar artigos disseminados em periódicos científicos e fruir livros de ficção e não-ficção (para além dos best-sellers reproduzidos pela indústria cultural, que inclui receituários coach).

Sempre que nos deparamos com situações feito essa, estaremos autorizados a questionar atitudes que já se tornaram lugares-comuns: (1) como o educador/professor pode cobrar de seus alunos que sejam disciplinados e façam as tarefas extraclasse, se ele mesmo, de quem se espera o maior exemplo, não faz a sua lição de casa? (2) por que parte do professorado confunde a consulta a livros e periódicos com ação de gente pedante, restrita a espaços “privilegiados”, como a universidade? (3) desde quando estimular a criticidade dos alunos passou a ser algo negativo?

Não ignoramos as condições precárias a que o professorado é submetido, neste país, pelo menos desde os anos de 1970. Mas, o que buscamos defender é o argumento de que, se a situação da categoria é reconhecidamente ruim, ela tampouco será transformada enquanto não houver mudança da postura de seus profissionais. E o primeiro passo para isso é estimular as oportunidades de diálogo e convergência, objetivando à maior unificação possível dos pares.

Uma boa alternativa para isso seria estimular grupos de leitura, com vistas a fomentar o trânsito de livros e de ideias e, de quebra, ampliar as oportunidades de convívio para além das atividades compulsórias do pequeno-grande mundo escolar (reuniões, cursos preparatórios, preenchimento de relatórios, correção de provas, registro de faltas e conceitos etc.).

Evidentemente, lidaremos com a reação de colegas que não veem sentido em estudar e refletir sobre a própria prática. Mas quem diz “unificação” também diz coesão. Não é preciso reiterar o truísmo de que uma categoria efetivamente unida não estaria resignadamente à mercê de estratégias mirabolantes a cargo da Direção Escolar; nem se colocaria passivamente na expectativa de atitudes incisivas dos líderes “politizados”, para depois segui-los.

Por isso mesmo, é compulsório fazer as perguntas mais incômodas. Por exemplo, “será a escola um fim em si mesmo?” Supomos que não. A instituição de ensino deveria ser concebida institucionalmente e compreendida por seus “clientes” como correia de transmissão; lugar ideal para a construção e compartilhamento de saberes. Retirando-se a postura crítica de alunos e professores, é de se perguntar qual o propósito do ensino-aprendizagem.

Sim, porque o educador não pode se furtar ao ato de “professar”, ou seja, de se expor. Enquanto ele leciona matérias de seu efetivo conhecimento, também revela modos de conceber o mundo. Afinal, o professor ainda é uma referência para seu aluno. Por isso mesmo, o profissional da educação é um ser em constante mudança, que se atualiza, dentro das possibilidades, incorporando as novas linguagens, tecnologias e métodos de aprendizagem, sem jamais perder de vista a situação que a categoria vivencia.

Em 2019, João Adolfo Hansen introduziu sua Aula Magna para os alunos de Letras da FFLCH, USP, resgatando a etimologia da palavra que traduz o nosso ofício: “Falo como professor. Professor, lembro com Derrida, é o que professa. Palavra de origem latina, “professar” liga-se ao verbo profiteor, professus sum, profiteri, composto dos termos pro, “frente a”, e fateor, “falo”, ou “falo frente a”, “declaro abertamente”, “declaro publicamente”. A declaração de quem fala ou declara publicamente como professor é performativa, ou seja, é uma ação. Como ação ou ato de fé que nada tem de religioso, a declaração empenha um testemunho, como um atestado, uma promessa. Em sentido forte, a declaração é um compromisso, pois professar é empenhar a responsabilidade”.[i]

Antes de tudo, o educador é aquele que reconhece o ensino como um processo e não como tarefa pronta. Sabemos como é desgastante reproduzir tópicos ao longo de uma longa jornada de trabalho, simulando neutralidade feito um autômato, sem expressar qualquer ponto vista sobre o próprio conteúdo em cena. Deveríamos saber, desde Aristóteles, que não há discurso neutro, politicamente, ou isento de intenções. Justamente porque educar é um ato de pesquisa e fala, como disse Roland Barthes,[ii] que tanto o teor da matéria, quanto os métodos de ensino, precisam ser constantemente revistos, durante nossa atuação dentro e fora da sala de aula.

Nesse sentido, o professor – mais do que um título atribuído aos que realizam um curso de licenciatura, devidamente autorizado e reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) – é um educador. E os que educam assumem um compromisso com os alunos. Esse compromisso vai além do ato de transmitir conteúdos através de metodologias que não necessariamente dialogam com a realidade dos educandos. O ato de ensinar é político e deve ser discutido a partir dessa perspectiva. Não o fazer é negar o compromisso estabelecido e abdicar da função de educar criticamente.

A palavra “educador” difere muito dos termos impostos aos professores com a finalidade de diminuir a importância de seus saberes e práticas para a sociedade. É o que vemos em “facilitador”, mas também na mais nova nomenclatura utilizada pelo Estado para legitimar a atuação de profissionais que, supostamente, possuem conhecimento específico em uma determinada área: os “Profissionais com Notório Saber”.

Eles estão autorizados a lecionar; mas ensinarão o quê e como, se não compreendem a dinâmica do processo educativo? Se a educação é um ato político como tal, sua primeira tarefa é questionar a estrutura e a organização da sociedade. Sobretudo quando essa organização tende a reproduzir, senão a defender, os “valores”, “iniciativas” e “reformas” das classes ditas dominantes.

Como alertava Aníbal Ponce, “um povo manso e resignado, respeitoso e discreto, um povo para quem os patrões sempre tenham razão, como não haveria ele de ser o ideal de uma burguesia que só aspira resolver sua própria crise, descarregando todo o peso sobre os ombros das massas oprimidas? Só um povo “gentil e meditativo” é que poderia suportar sem “discussão” a exploração feroz. É esse povo de que o fascismo necessita e o que a sua escola se apressa em preparar”.[iii]

Graças ao “Novo Ensino Médio”, o profissional com notório saber, chancelado pelos sistemas de ensino, recebe a missão alienante de ministrar conteúdos relacionados ao Empreendedorismo e à Educação Financeira. Em um país como o Brasil, marcado pela profunda desigualdade social e pela fome, propor aos mais desassistidos disciplinas com o objetivo de “despertar a criatividade para empreender” reforça a responsabilização individual pelo fracasso do Estado.

O profissional “com notório saber”, agora nomeado “professor”, tem a função de modelar indivíduos pacíficos e incapazes de compreender o processo de exploração aos quais são submetidos. Ao mesmo tempo, os educadores assistem atônitos ou, pior, crédulos ao desmonte da educação. A escola se torna um local destinado a formar uma massa que, se tiver sorte, poderá ser explorada em trabalhos precarizados sem direito algum.

Em suma, é urgente que nós, professores, assumamos a efetiva posição de educadores para resistir à ideologia burguesa no âmbito escolar. Ao mesmo tempo, é preciso nos rebelarmos contra o jugo imposto às classes populares. O ato político de educar é fundamental para a conscientização e mobilização para a luta de classe.

*Janderson Lacerda Teixeira é professor da Universidade Santo Amaro.

*Jean Pierre Chauvin é professor na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de Mil, uma distopia (Luva Editora).

 

Notas


[i] João Adolfo Hansen. Aula Magna. Rio de Janeiro/Copenhague, 2019, p. 5-6.

[ii] Roland Barthtes. Aula. 14ª ed. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 2009.

[iii] Aníbal Ponce. Educação e Luta de Classes. 18ª ed. Trad. José Severo de Camargo Pereira. São Paulo: Cortez, 2011, p. 171.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Sacramento Milton Pinheiro Paulo Capel Narvai Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Daniel Brazil Eliziário Andrade Luiz Renato Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Jorge Branco Eduardo Borges Érico Andrade Luís Fernando Vitagliano Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco Pereira de Farias Berenice Bento Luiz Marques Eugênio Bucci Andrew Korybko Luiz Roberto Alves João Carlos Salles Paulo Fernandes Silveira Remy José Fontana Sandra Bitencourt Luiz Eduardo Soares Ari Marcelo Solon Chico Alencar Renato Dagnino Heraldo Campos José Costa Júnior Celso Frederico Celso Favaretto Annateresa Fabris Claudio Katz Eugênio Trivinho Boaventura de Sousa Santos Paulo Sérgio Pinheiro Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber João Adolfo Hansen Chico Whitaker Marcus Ianoni Marjorie C. Marona Armando Boito Ricardo Antunes Roberto Noritomi Antonino Infranca Igor Felippe Santos João Feres Júnior Dennis Oliveira Flávio Aguiar André Márcio Neves Soares Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima Bruno Machado João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Elias Jabbour Roberto Bueno João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins Atilio A. Boron Liszt Vieira Luiz Carlos Bresser-Pereira Anselm Jappe Otaviano Helene Luciano Nascimento Fernando Nogueira da Costa Ricardo Abramovay Sergio Amadeu da Silveira Gabriel Cohn Gilberto Lopes Airton Paschoa Michael Löwy Ricardo Fabbrini Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Rafael R. Ioris Daniel Costa Henry Burnett Salem Nasser Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Daniel Afonso da Silva Afrânio Catani José Raimundo Trindade Fernão Pessoa Ramos Flávio R. Kothe Luiz Costa Lima Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Benicio Viero Schmidt José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Alysson Leandro Mascaro Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary Rubens Pinto Lyra Francisco Fernandes Ladeira Antônio Sales Rios Neto Carla Teixeira José Dirceu Marcelo Módolo Denilson Cordeiro Julian Rodrigues Dênis de Moraes Priscila Figueiredo Maria Rita Kehl Yuri Martins-Fontes Tarso Genro Carlos Tautz Valério Arcary Eleutério F. S. Prado Leonardo Boff Paulo Martins Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid Jean Pierre Chauvin André Singer Vladimir Safatle Mário Maestri Luiz Bernardo Pericás Vinício Carrilho Martinez Leonardo Avritzer Rodrigo de Faria Vanderlei Tenório Slavoj Žižek Ronaldo Tadeu de Souza Tadeu Valadares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henri Acselrad Anderson Alves Esteves Mariarosaria Fabris Marcos Aurélio da Silva Jorge Luiz Souto Maior Thomas Piketty Ricardo Musse Leda Maria Paulani Marcos Silva Gerson Almeida João Lanari Bo Alexandre de Freitas Barbosa Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Luis Felipe Miguel José Machado Moita Neto Eleonora Albano Michael Roberts Ronald León Núñez João Sette Whitaker Ferreira Lorenzo Vitral

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada